J.A.S. LOPITO FEIJÓO K. IM­PRES­CIN­DÍ­VEIS PARÁGRAFOS DOUTRINÁRIOS

Jornal Cultura - - LETRAS -

O li­vro ora apre­sen­ta­do re­pre­sen­ta-me, en­quan­to pro­pos­ta de re le­xão acu­sa­tó­ria, pro­cu­ran­do al­guém cu­ja ca­ra­pu­ça lhe po­de­rá ser­vir.

Não é um li­vro po­lí­ti­co. É um li­vro poé­ti­co e, ape­sar dos pe­sa­res, pro­po­nho-me ca­da vez mais de­li­tu­o­so. Não es­tra­nha­rei se , em ra­zão de uma qual­quer e des­ca­bi­da acu­sa­ção , vir a ser in­di­ci­a­do por cri­mes de ex­ces­si­vo her­me­tis­mo. De uma ten­ta­ti­va frus­tra­da de um tal ex­pe­ri­men­ta­lis­mo de ar­tís­ti­co ou mes­mo de um ou­tro su­per ici­al mas pro­vo­ca­dor e su­pos­ta­men­te ul­tra­pas­sa­do con­cre­tis­mo poé­ti­co.

Na es­tei­ra de do meu gran­de ami­go -o po­e­ta- Jo­sé Al­ber­to Mar­ques, sou de­vo­to de uma lin­gua­gem pa­ra–ex­ces­si­va (com al­gu­ma in­ter­pe­ne­tra­ção idi­o­má­ti­ca) sem con­tro­lo aca­dé­mi­co e com ne­nhu­ma pre­o­cu­pa­ção eru­di­ta.

Es­cre­ven­do, so­nha­mos ser ca­da vez mais HO­MEM PLURAL. Es­pe­lho de re le­xão e es­tu­do. De ris­co sem re­de no fu­tu­ro.

Es­ta­mos sem­pre pre­dis­pos­tos a re­es­cre­ver, ris­can­do, cor­ren­do o ris­co de ar­ris­car mas, ja­mais des­co­ran­do o le­ga­do do po­e­ta Rui Du­ar­te de Car­va­lho, em ra­zão dos acen­tos nos tem­pos e da ur­gên­cia de si­nais que co­man­dam a emo­ção, aban­do­na­do que es­tá, o tim­bre do mo­men­to e da pai­xão pois, an­tes de tu­do: HUMILDADE é a re­gra pri­mei­ra.

Pen­sa­mos ser, so­bre­tu­do, um apren­diz de po­e­ta ou um es­cri­tor que se emen­da quo­ti­di­a­na­men­te. Um lei­tor ou con­su­mi­dor de po­e­sia e de poé­ti­cas. Da­que­les que an­da con­si­go mes­mo ao co­lo, sem­pre sem me­do de fa­mo­sos e fan­tas­mas… em ra­zão do li­te­rá­rio co­les­te­rol que ain­da gra­ça en­tre nós.

To­da es­cri­ta é uma lon­ga, du­ra­doi­ra e mis­te­ri­o­sa do­en­ça trans­mis­sí­vel.

So­fre­mos com ela. Mé­di­cos de um la­do e pa­ci­en­tes de ou­tro. So­fre­mos to­dos. Es­cri­to­res e lei­to­res. So­fre­mos. So­frem as es­tan­tes e os ins­tan­tes. So­frem até os nos­sos an­ces­trais. As pes­so­as que nos ro­dei­am. Os nos­sos en­tes que­ri­dos e mes­mo aque­les que de­tes­ta­mos. So­frem tam­bém. So­frem mui­to, até os que nos apar­tam.

O que mais im­por­ta é o au­men­to da do­se me­di­ca­men­to­sa ou, se qui­ser­mos tam­bém, o au­men­to do ta­ma­nho dos pa­co­tes , cai­xas ou fras­cos dos me­di­ca­men­tos que su­por­tam, me­lho­ram e ele­vam a nos­sa cons­ci­ên­cia ar­tís­ti­co-li­te­rá­ria.

O se­gre­do re­si­de, na es­tei­ra de Eu­gé­nio de An­dra­de, em dei­xar que a pa­la­vra ama­du­re­ça… se des­pren­da e caia, co­mo um fru­to ma­du­ro, as­sim que pas­sa o ven­to que ela me­re­ce.

Fi­nal­men­te… Ser ca­da vez mais ori­gi­nal por­que , co­mo di­zia o po­e­ta Jo­sé Ré­gio, ser ori­gi­nal é sim­ples­men­te ser ver­da­dei­ro con­si­go mes­mo.

É jus­ta­men­te is­so vi­mos ten­tan­do ser. Ca­da dia mais ver­da­dei­ro, fa­zen­do de ca­da li­vro um ou­tro li­vro. Com uma ou­tra e no­va pro­pos­ta. Com uma no­va e ou­tra men­sa­gem – que­ren­do ser – na me­di­da do pos­sí­vel, ca­da vez mais ori­gi­nal de­bu­lhan­do e rein­ven­tan­do a lín­gua!

Li­vro traz uma lin­gua­gem ex­ces­si­va e sem pre­o­cu­pa­ção eru­di­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.