III TRIENAL DE LUANDA - DA UTOPIA À RE­A­LI­DA­DE ZWÁ, PU­RA MÚ­SI­CA MANGOP SONS DA TER­RA SOB O RIT­MO DA DI­VER­SI­DA­DE

Jornal Cultura - - ARTES - ADRIANO DE ME­LO |

do pú­bli­co era uma re­a­li­da­de e as­sim per­ma­ne­ceu até o úl­ti­mo dia, on­tem.

A se­lec­ção dos ar­tis­tas, com no­mes da pri­mei­ra edi­ção do pro­jec­to, foi fei­ta a pen­sar no pú­bli­co de vá­ri­as ida­des e os re­sul­ta­dos não se fi­ze­ram es­pe­rar. Ko­tas e jo­vens mar­ca­ram pre­sen­ça nos 4 di­as do fes­ti­val e mos­tra­ram a im­por­tân­cia de exis­ti­rem pro­jec­tos co­mo o Zwá, a cri­ar uma pon­te en­tre vá­ri­as ge­ra­ções.

Des­de o pri­mei­ro até ao úl­ti­mo dia, es­te elo en­tre ge­ra­ções icou bem vi­sí­vel com ar­tis­tas mais no­vos a re­cor­da­rem a ge­ra­ção dos ko­tas. A per­for­man­ce des­tes te­ve re­cep­ção po­si­ti­va do pú­bli­co, o que de­mons­tra que a pas­sa­gem de tes­te­mu­nho tem es­ta­do a ser as­se­gu­ra­da e o fu­tu­ro da mú­si­ca an­go­la­na con­ti­nu­a­rá a es­tar, cons­tan­te­men­te, li­ga­da à pre­ser­va­ção e divulgação do seu pas­sa­do.

Quem es­pe­rou ver uma “re­pe­ti­ção” da edi­ção an­te­ri­or icou bas­tan­te sur­pre­en­di­do com o que viu ao lon­go des­ta edi­ção do fes­ti­val, que já tem no­vos pro­jec­tos, um dos qu­ais in­clui a re­a­li­za­ção de uma edi­ção es­pe­ci­al na pro­vín­cia do Uí­ge, pa­ra ho­me­na­ge­ar o ma­lo­gra­do mú­si­co Wy­za.

A di­fe­ren­ça foi no­tó­ria tam­bém na es­tru­tu­ra do fes­ti­val. Pa­ra es­ta edi­ção, a equi­pa or­ga­ni­za­ti­va, li­de­ra­da por Fer­nan­do Al­vim, co­ad­ju­va­do por Ma­ri­ta Sil­va, de­ci­diu cri­ar qua­tro pal­cos, Kwan­za, Axi­lu­an­da, Ben­go e Ngo­la, mon­ta­dos de for­ma a per­mi­tir ao pú­bli­co des­lo­car-se ra­pi­da­men­te de um pa­ra o ou­tro e ver os ar­tis­tas a ac­tu­a­rem. To­dos eles fo­ram fei­tos a pen­sar tam­bém na ques­tão da in­te­rac­ti­vi­da­de en­tre os ar­tis­tas e o pú­bli­co.

OS ES­PEC­TÁ­CU­LOS

A aber­tu­ra des­ta edi­ção do pro­jec­to Zwá es­te­ve a car­go de no­mes con­sa­gra­dos da mú­si­ca na­ci­o­nal, co­mo o agru­pa­men­to Kam­ba dya Mu­e­nhu, que a par­tir do pal­co Kwan­za, deu as bo­as vin­das, à pla­teia. Em­bo­ra não te­nha co­me­ça­do na ho­ra cer­ta, de­vi­do em par­te ao nú­me­ro re­du­zi­do de pes­so­as na pla­teia, o es­pec­tá­cu­lo jus­ti­fi­cou a es­pe­ra de quem che­gou ce­do.

De­pois foi a vez do Duo Ca­nho­to (tam­bém no pal­co Kwan­za) pro­var que já con­se­guiu con­quis­tar um es­pa­ço en­tre os apre­ci­a­do­res da mú­si­ca an­go­la­na. Uma ho­ra de­pois su­bi­ram ao pal­co Jam Ses­si­on, San Sal­va­dor e Amos­si Nkan­ga. O pri­mei­ro e o úl­ti­mo ac­tu­a­ram no pal­co Axi­lu­an­da, en­quan­to o se­gun­do ac­tu­ou no pal­co Ben­go.

A aber­tu­ra do pal­co Ngo­la icou sob a res­pon­sa­bi­li­da­de de Fi­li­pe Mu­ken­ga que­pren­deu o pú­bli­co, a par­tir das 21h00. A Ban­da Mo­vi­men­to e Maya Co­ol ga­ran­ti­ram o en­cer­ra­men­to com o me­lhor das su­as com­po­si­ções. Um dos des­ta­ques do inal do dia foi o te­ma “País No­vo”, in­ter­pre­ta­do por Maya Co­ol.

O dia se­guin­te fi­cou re­ser­va­do pa­ra no­vos no­mes da mú­si­ca na­ci­o­nal. Com o ho­rá­rio já a ser res­pei­ta­do, o fes­ti­val abriu com o gru­po Sem­ba Mu­xi­ma. O Duo Ca­nho­to foi con­vi­da­do a fa­zer a sua se­gun­da apre­sen­ta­ção. O es­pec­tá­cu­lo se­guiu até às 18h00. De­pois foi a vez do con­jun­to Os Ki­e­zos as­se­gu­rar o es­pec­tá­cu­lo.

Uma ho­ra de­pois, o gru­po Ki­tu­xi, com o pi­a­nis­ta João Oli­vei­ra e o bai­xis­ta Kap­pa D, ma­te­ri­a­li­za­ram um pro­jec­to es­pe­ci­al de va­lo­ri­za­ção dos rit­mos an­ces­trais com so­no­ri­da­des de jazz, cri­a­do pe­la or­ga­ni­za­ção, de for­ma a apre­sen­tar pro­pos­tas ino­va­do­ras en­tre o tra­di­ci­o­nal e o mo­der­no. O ca­sa­men­to foi ex­ce­len­te e mos­trou que é pos­sí­vel re­a­pro­vei­tar e dar um no­vo ros­to aos te­mas an­ti­gos.

Eram já 21h00, qu­an­do o mú­si­co De­ri­to su­biu ao pal­co e deu con­ti­nui­da­de ao es­pec­tá­cu­lo, com te­mas que mar­ca­ram os seus mais de 30 anos de car­rei­ra. O jo­vem can­tor Adão Minjy e Li­to Gra­ça, com a sua “Ro­da do Sem­ba”, en­cer­ra­ram o se­gun­do dia do fes­ti­val.

O ter­cei­ro dia foi aber­to pe­lo gru­po Ye­tu, que ex­plo­rou vá­ri­os rit­mos na­ci­o­nais, com mai­or en­fo­que pa­ra os pro­ve­ni­en­tes das Lun­das. Po­rém, o dia icou mar­ca­do pe­la voz de Ka­ti­li­a­na & Qu­ar­te­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.