“PRE­FI­RO DO QUE” OU “PRE­FI­RO A”?

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

De acor­do com o Di­ci­o­ná­rio A-Z, pre­fe­rir é um ver­bo oriun­do da lín­gua la­ti­na, ‘’pra­e­fer­re’’ que, se­man­ti­ca­men­te, nos re­me­te pa­ra a ideia de ‘’an­te­por’’, ’’ dar pri­ma­zia a’’, ‘’ es­co­lher’’, ‘’ qu­e­rer an­tes’’, ‘’ter pre­di­lec­ção por’’, etc. Qu­an­to à sua re­gên­cia, a tra­di­ção gra­ma­ti­cal por­tu­gue­sa diz que as pes­so­as de­vem pre­fe­rir uma coi­sa «A» ou­tra, sob pre­cei­to de que ‘’do que’’ só de­ve ser usa­do qu­an­do o as­sun­to é/for ati­nen­te à «com­pa­ra­ção». Não se sa­be se em «pre iro ar­roz do que mas­sa» o sen­ti­do é/se­ja to­tal­men­te opo­nen­te ou dis­tor­ci­do qu­an­to ao sen­ti­do trans­mi­ti­do pe­lo «pre iro ar­roz a mas­sa». Sim­ples­men­te não se sa­be! Tal­vez so­men­te ela, a tra­di­ção gra­ma­ti­cal por­tu­gue­sa, sa­be. Só po­de!

Pre iro ar­roz à mas­sa: o que é is­so? Vo­cê pre­fe­re ar­roz a mas­sa? Que ar­roz a mas­sa é es­se? Se­rá que é um no­vo pra­to, ou se es­se ar­roz é fei­to à ba­se de mas­sa? São es­sas in­da­ga­ções que sur­gem. Não há, do pon­to de vis­ta lin­guís­ti­co e co­mu­ni­ca­ci­o­nal, pro­ble­ma al­gum em di­zer «pre iro ar­roz do que mas­sa», pois o fa­lan­te, por in­ter­mé­dio da­que­la cons­tru­ção, dá a en­ten­der o que na re­a­li­da­de ele tem co­mo pre­fe­rên­cia. E não há, den­tre nós, al­guém que pos­sa per­ce­ber o con­trá­rio da­qui­lo que dis­se­mos. Nin­guém! Es­ta se­gun­da, com a re­gên­cia ver­bal em «A», cau­sa, ao que nos pa­re­ce, um pou­qui­nho de es­tra­nhe­za às pes­so­as, che­gan­do até mes­mo a dei­xar cla­ro um pro­ble­ma de co­mu­ni­ca­ção, a ver-se pe­lo seu em­pre­go ar­ti- ici­al e meio es­tra­nho num da­do con­tex­to so­ci­o­cul­tu­ral an­go­la­no, pois até a se­gun­da, «pre iro ar­roz a mas­sa», é que pa­re­ce es­tar com pro­ble­mas, ca­re­cen­do, de igual mo­do, de al­guns ar­ran­jos sin­tác­ti­cos. Pa­ra es­se ca­so, o que a gra­má­ti­ca e os seus se­gui­do­res fa­ri­am é, no mí­ni­mo, ten­do em con­ta os ní­veis ou re­gis­tos da lín­gua, acon­se­lhar aos fa­lan­tes, num tom não pre­con­cei­tu­o­so, a im de te­rem uma com­pe­tên­cia co­mu­ni­ca­ti­va rí­gi­da, is­to é, que sai­bam ade­quar e usar a lín­gua de acor­do com cer­tos con­tex­tos si­tu­a­ci­o­nais, e não sim­ples­men­te olhar pa­ra o «pre iro do que» co­mo um ver­da­dei­ro cri­me gra­ma­ti­cal - o que na re­a­li­da­de não é -, pois é to­tal­men­te di ícil cum­prir, na ge­ne­ra­li­da­de, com as or­dens emi­ti­das pe­las gra­má­ti­cas in­ter­na e ex­ter­na. À qual de­las o fa­lan­te vai obe­de­cer? Àque­la que ad­qui­riu ina­ta­men­te ou àque­la im­pos­ta pe­lo po­der po­lí­ti­co ou por um gru­po mi­no­ri­tá­rio de pes­so­as que se acha(m) os «do­nos» da lín­gua? Pois se ca­lhar até o «pre iro A», den­tro do seu sis­te­ma ‘’psi­cos­so­ci­o­lin­guís­ti­co’’, é co­mo se fos­se água po­tá­vel em An­go­la: não exis­te.

Po­de-se, sim, ade­quan­do-as às si­tu­a­ções co­mu­ni­ca­ti­vas, usar as du­as cons­tru­ções, em­bo­ra a se­gun­da se­ja meio ar­ti ici­al e a mais pres­ti­gi­a­da. Qu­an­do es­ti­ver, por exem­plo, num meio em que a for­ma­li­da­de lin­guís­ti­ca se­ja in­dis­pen­sá­vel, não há ra­zão por que se de­va es­que­cer da for­ma ins­ti­tuí­da pe­la tra­di­ção gra­ma­ti­cal. Qu­an­to à pri­mei­ra, se o con­tex­to não exi­gir tan­ta for­ma­li­da­de lin­guís­ti­ca, só pa­ra não cau­sar pro­ble­mas co­mu­ni­ca­ti­vos, o ca­ro(a) lei­tor(a), po­de, de­ve­ras, usar o ‘’pre iro do que’’. Não há mal al­gum. O que se de­ve fa­zer, na ver­da­de, é ade­quar a nos­sa fa­la ao con­tex­to.

Tra­ta-se, a nos­so ver, de um es­for­ço to­tal­men­te inú­til ten­tar des­cre­di­bi­li­zar e re­ti­rar o «pre iro DO QUE» dos fa­lan­tes, di­zen­do que não se diz, até por­que mi­lha­res de pes­so­as já fa­lam as­sim e, usan­do tal cons­tru­ção, não é no­tó­rio ne­nhum pro­ble­ma de co­mu­ni­ca­ção no que diz res­pei­to à trans­mis­são de men­sa­gem.

O «pre iro DO QUE», em An­go­la, é mui­to usu­al; e es­se uso, co­mo se po­de no­tar, não se ve­ri ica sim­ples­men­te em pes­so­as de um ní­vel es­co­lar ou eco­nó­mi­co bai­xís­si­mo, pois até os mais es­co­la­ri­za­dos usam, e com bas­tan­te frequên­cia, o «pre iro DO QUE». Ora, não sa­be­mos, até cer­to grau, se se tra­ta de al­gum acer­to co­mum en­tre os fa­lan­tes des­te lin­do idi­o­ma, por­tu­guês, pois é no­tó­rio, até mes­mo fo­ra de An­go­la e do nos­so con­ti­nen­te, Áfri­ca, o seu bom uso pe­los fa­lan­tes da ter­ra do «funk», Bra­sil. Não se­ria um dos mo­ti­vos por que os tra­di­ci­o­na­lis­tas de­vi­am pa­rar pa­ra re­pen­sar um pou­co, ao con­trá­rio de di­ze­rem sim­ples­men­te que «pre iro DO QUE» é er­ro? Por que não di­zer que há du­as for­mas to­tal­men­te ló­gi­cas em uso? Uma, elei­ta pe­lo po­der po­lí­ti­co e por um gru­po mi­no­ri­tá­rio; a se­gun­da, pe­lo po­vo, mas que, no inal, trans­mi­tem a mes­ma ideia? Di­zia al­guém: «É mui­to com­pli­ca­do con­si­de­rar er­ra­das cer­tas for­mas lin­guís­ti­cas con­sa­gra­das por um bom nú­me­ro de fa­lan­tes, so­bre­tu­do qu­an­do já se re­gis­ta na ver­ten­te es­cri­ta, pois o di­fe­ren­te nem sem­pre é er­ra­do.»

En­tre­tan­to, não há cla­ra­men­te al­gum pro­ble­ma co­mu­ni­ca­ci­o­nal em ‘’pre iro ar­roz DO QUE mas­sa’’. Aliás, o pro­ble­ma, ten­do em con­ta o nos­so con­tex­to so­ci­o­lin­guís­ti­co an­go­la­no, no­ta-se em ‘’pre iro ar­roz a mas­sa’’.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.