MBANZA KONGO RE­CE­BE DI­PLO­MA DE PATRIMÓNIO MUN­DI­AL DA UNES­CO

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA -

A ci­da­de an­go­la­na de Mbanza Con­go re­ce­beu dia 8, na se­de da Unes­co em Pa­ris, o seu di­plo­ma de Património Mun­di­al. Pe­la oca­sião, a mi­nis­tra da cul­tu­ra de An­go­la, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra su­bli­nhou que a in­clu­são de Mbanza Kongo co­mo património da hu­ma­ni­da­de, re­pre­sen­ta um tra­ba­lho exaus­ti­vo de dez anos, apoi­a­do por vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos e não só. Por­tu­gal, Bra­sil e Fran­ça tam­bém con­tri­buí­ram pa­ra que os ves­tí­gi­os da ca­pi­tal do an­ti­go Rei­no do Kongo, exis­ten­te an­tes da che­ga­da dos por­tu­gue­ses, se tor­nem de ago­ra em di­an­te um património his­tó­ri­co uni­ver­sal.

Se­gun­do no­tí­cia avan­ça­da pe­lo jornalista L. Sil­va, da RFI, na sua qua­li­da­de de mi­nis­tra da Cul­tu­ra de An­go­la, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra re­ce­beu no dia 8 de Se­tem­bro, na UNES­CO em Pa­ris ,o di­plo­ma que cer­ti ica a ins­cri­ção da ci­da­de an­go­la­na de Mbanza Kongo, co­mo património mun­di­al. No de­cur­so da sua in­ter­ven­ção, a di­ri­gen­te an­go­la­na, des­ta­cou os dez anos de tra­ba­lho e a co­la­bo­ra­ção com paí­ses afri­ca­nos, de­sig­na­da­men­te a Re­pú­bli­ca do Con­go , a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, o Ga­bão, (ter­ri­tó­ri­os do an­ti­go Rei­no do Kongo ) pa­ra que Mbanza Kongo, ca­pi­tal de um dos rei­nos mais po­de­ro­sos de Áfri­ca en­tre os sé­cu­los 14 e 19 se tor­nas­se um Património Mun­di­al.

Ca­ro­li­na Cer­quei­ra su­bli­nhou que os paí­ses de lín­gua o ici­al por­tu­gue­sa (Bra­sil e Por­tu­gal en­tre ou­tros) apoi­a­ram a can­di­da­tu­ra da ci­da­de si­tu­a­da na pro­vín­cia an­go­la­na do Zai­re, co­mo sen­do a de to­dos os Es­ta­dos lu­só­fo­nos. Atra­vés do seu co­nhe­ci­men­to na área, a Fran­ça, de acor­do com a mi­nis­tra da Cul­tu­ra de An­go­la, tam­bém deu um im­por­tan­te con­tri­bu­to pa­ra a in­clu­são de Mbanza Kongo no Património Mun­di­al.

Dez anos de exaus­ti­va co­la­bo­ra­ção en­tre An­go­la, vá­ri­as en­ti­da­des e paí­ses, cul­mi­na­ram no dia 8 de Ju­lho de 2017 em Cra­có­via com a in­clu­são de Mbanza Kongo no património mun­di­al, bem co­mo na en­tre­ga, a 8 de Se­tem­bro em Pa­ris, do di­plo­ma que con ir­ma o no­vo es­ta­tu­to da ca­pi­tal do an­ti­go Rei­no do Kongo.

Em de­cla­ra­ções à RFI, a mi­nis­tra da Cul­tu­ra an­go­la­na, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra re­su­miu a im­por­tân­cia do tra­ba­lho que trans­for­mou a can­di­da­tu­ra de Mbanza Kongo nu­ma re­a­li­da­de his­tó­ri­ca uni­ver­sal.

Si­tu­a­da num pla­nal­to a 570 m de al­ti­tu­de, Mbanza Kongo foi a ca­pi­tal po­lí­ti­ca e es­pi­ri­tu­al do Rei­no do Kongo, as­sim co­mo um dos mai­o­res Es­ta­dos de di­rei­to na Áfri­ca aus­tral en­tre os sé­cu­los XIV e XIX da nos­sa era .

O cen­tro his­tó­ri­co da ci­da­de an­go­la­na de­sen­vol­veu-se em re­dor do Pa­lá­cio Re­al, do Tri­bu­nal con­su­e­tu­di­ná­rio e da ár­vo­re sa­gra­da, bem co­mo dos lu­ga­res fu­ne­rá­ri­os re­ais.

Quan­do os por­tu­gue­ses che­ga­ram à re­gião no sé­cu­lo XV , trans­for­ma­ram a con igu­ra­ção ur­ba­na e ar­qui­tec­tó­ni­ca de MBanza Kongo, atra­vés da cons­tru­ção de edi íci­os ba­se­a­da em mé­to­dos eu­ro­peus , mas com ma­te­ri­ais lo­cais. De acor­do com os es­pe­ci­a­lis­tas, Mbanza Kongo , ilus­tra, mais do qual­quer ou­tro lu­gar na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, as mu­dan­ças pro­fun­das oca­si­o­na­das pe­la in­tro­du­ção do cris­ti­a­nis­mo e a che­ga­da dos Por­tu­gue­ses na sub-re­gião da Áfri­ca cen­tral.

A di­rec­to­ra-ge­ral da UNES­CO, Iri­na Bo­ko­va, con­si­de­rou no dia 8 de Se­tem­bro que a in­clu­são de Mbanza Kongo co­mo Património Mun­di­al re­pre­sen­ta o iní­cio de um pro­ces­so, de ges­tão, va­lo­ri­za­ção e edu­ca­ção.

Na sua in­ter­ven­ção em Pa­ris, a mi­nis­tra da Cul­tu­ra an­go­la­na, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra re­al­çou que, no âm­bi­to da di­plo­ma­cia cul­tu­ral, An­go­la vai pro­por a cri­a­ção de uma ca­dei­ra de en­si­no à es­ca­la da Áfri­ca, so­bre a his­tó­ria de Mbanza Kongo e do Rei­no do Kongo.

Se­gun­do Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, Mbanza Kongo é tam­bém um re le­xo da his­tó­ria re­cen­te do Es­ta­do an­go­la­no, que tem co­mo ob­jec­ti­vo fa­zer da an­ti­ga ca­pi­tal do Rei­no do Kongo, uma zo­na de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do, co­mo re­fe­re a no­ta da RFI.

Mais três can­di­da­tu­ras

A mi­nis­tra da Cul­tu­ra de An­go­la, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, anun­ci­ou que a UNES­CO acei­tou os pro­ces­sos de can­di­da­tu­ra da ci­da­de de Cui­to Cu­a­na­va­le, do cor­re­dor do rio Kwanza e das gra­vu­ras de Tchi­tun­du-Hu­lu a património da hu­ma­ni­da­de.

O anún­cio foi fei­to em Mbanza Con­go, pro­vín­cia an­go­la­na do Zai­re, du­ran­te a ce­ri­mó­nia de apre­sen­ta­ção lo­cal da de­cla­ra­ção de património da hu­ma­ni­da­de das ruí­nas do cen­tro his­tó­ri­co da ci­da­de, an­ti­ga ca­pi­tal do Rei­no Con­go, a pri­mei­ra clas­si ica­ção do género atri­buí­da a An­go­la por aque­la Or­ga­ni­za­ção da ONU pa­ra a Edu­ca­ção, Ci­ên­cia e Cul­tu­ra.

"An­go­la já avan­çou, atra­vés do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, pa­ra a ins­cri­ção de três no­vos sí­ti­os, que fo­ram já acei­tes pe­la UNES­CO. A ins­cri­ção das pin­tu­ras ru­pes­tres do Na­mi­be, de Tchi­tun­du-Hu­lu, o cor­re­dor do Kwanza, que es­tá li­ga­do ao ro­tei­ro da es­cra­va­tu­ra, e a ci­da­de do Cui­to Cu­a­na­va­le, que é um sím­bo­lo e uma re­fe­rên­cia da paz, do diá­lo­go e da re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal", en­fa­ti­zou a mi­nis­tra.

Se­gun­do Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, es­tas três pro­pos­tas "fo­ram acei­tes pa­ra ins­cri­ção pe­la UNES­CO", pe­lo que An­go­la vai ago­ra "tra­ba­lhar nes­ses dos­si­ês", pa­ra "po­der ter re­sul­ta­dos po­si­ti­vos".

"Gos­ta­ría­mos de sa­li­en­tar que foi re­ce­bi­do com mui­to apre­ço e com mui­to in­te­res­se, so­bre­tu­do a ins­cri­ção da ci­da­de do Cui­to Cu­a­na­va­le, por­que a paz, o diá­lo­go, a fra­ter­ni­da­de en­tre os po­vos, é um dos apa­ná­gi­os da UNES­CO e es­tá li­ga­do ao seu tra­ba­lho de património ima­te­ri­al", ex­pli­cou.

Se­gun­do Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, a acei­ta­ção de mais três can­di­da­tu­ras de An­go­la in­di­ca que as mes­mas cum­prem os pres­su­pos­tos da UNES­CO pa­ra ini­ci­ar aná­li­se, ca­ben­do ago­ra ao Go­ver­no an­go­la­no co­me­çar a tra­ba­lhar nos pres­su­pos­tos das mes­mas, an­tes de se­rem le­va­das à dis­cus­são inal da Co­mis­são de Património Mun­di­al da­que­la or­ga­ni­za­ção, pa­ra ins­cri­ção.

"Fu­tu­ra­men­te", dis­se ain­da, po­dem avan­çar ou­tras pro­pos­tas jun­to da UNES­CO: "An­go­la é ri­ca em mo­nu­men­tos, em sí­ti­os, de ri­tu­ais, de dan­ças, co­mo o sem­ba e o ku­du­ro, que são nos­sos. Se­rão mais-va­li­as nos­sas".

Mi­nis­tra exi­bin­do o di­plo­ma com o em­bai­xa­dor na UNES­CO e o se­cre­tá­rio de Es­ta­do das Rel. Ex­te­ri­o­res, Ma­nu­el Au­gus­to

Mi­nis­tra à con­ver­sa com a Di­rec­to­ra da UNES­CO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.