Dis­cur­so so­bre as poé­ti­cas con­tem­po­râ­ne­as CAR­TA FA­LHA­DA AOS JO­VENS DA NOS­SA GE­RA­ÇÃO E AL­GU­MAS TEN­TA­TI­VAS DE TEORIZAÇÃO

Jornal Cultura - - LETRAS - HEL­DER SIMBAD |

Ex­ce­len­tís­si­mos es­cri­to­res, dig­nís­si­mos aman­tes da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na e uni­ver­sal e, par­ti­cu­lar­men­te, vós que, se for o ca­so, ain­da não de­sen­vol­ves­tes um enor­me afec­to pe­la li­te­ra­tu­ra, es­sa ar­te que dá cor­po ao be­lo atra­vés da pa­la­vra, quei­ram acei­tar a nos­sa ime­re­ci­da sau­da­ção.

1. In­de­pen­den­te­men­te das di­fe­ren­tes ide­o­lo­gi­as, ou poé­ti­cas que ho­je pre­do­mi­nam ou pos­sam emer­gir, exis­te uma pa­la­vra im­pres­cin­dí­vel na cons­tru­ção de qual­quer tex­to poé­ti­co. Ela, nas pa­la­vras de Paul Va­léry, per­so­na­li­da­de que te­rá ins­pi­ra­do o nos­so dis­cur­so, ter-se-á de­sen­vol­vi­do, in abs­trac­to, no es­pa­ço do pen­sa­men­to pu­ro, ten­do si­do cons­truí­da a par­tir dos ma­te­ri­ais bru­tos da lin­gua­gem. Es­sa pa­la­vra é, a nos­so ver, a con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra que um tex­to se­ja ele­va­do à ca­te­go­ria de ar­te. A ci­ên­cia do be­lo, a que os iló­so­fos de­sig­na­ram por «Es­té­ti­ca». Em vis­ta dis­so, de­ve­mos apro­vei­tar o en­se­jo pa­ra en­vi­ar uma car­ta aber­ta à ju­ven­tu­de li­te­rá­ria.

2.1. Ex­ce­len­tís­si­mos, es­ta car­ta aber­ta traz, no pri­mei­ro pa­rá­gra­fo, uma no­ta po­si­ti­va de de­sen­co­ra­ja­men­to. Vós, jo­vens da nos­sa ge­ra­ção, que con­fun­dis po­e­sia sim­ples com po­e­sia sim­plis­ta, en­ten­dais du­ma vez por to­das que o sim­ples va­li­da­do pe­los teó­ri­cos opõe-se ao sim­plis­mo e é aque­le que, no âm­bi­to da si­no­ní­mia, sig­ni ica, se­gun­do o di­ci­o­ná­rio de de ini­ção, «es­pon­tâ­neo» e «na­tu­ral». A po­e­sia sim­plis­ta não é. Por­que ine­xis­te do pon­to de vis­ta on­to­ló­gi­co por for­ça da na­tu­re­za da po­e­sia lí­ri­ca que, ao lon­go de to­da a his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra sem­pre se con­cre­ti­zou co­mo um pro­ces­so sub­jec­ti­vo que faz com que os ar­tis­tas se dis­tin­gam uns dos ou­tros. A po­e­sia sim­plis­ta se­ria aque­la que em­pre­ga mei­os sim­ples, uma po­e­sia de pre­gui­ça, es­cri­ta por gen­te tei­mo­sa e in­ca­paz de evo­luir. Ou se­ria, co­mo já a ir­má­mos uma vez, um es­tá­gio por que al­guns po­e­tas pas­sam?! O es­tá­gio da in­ci­pi­ên­cia a que al­guns adul­tos se su­jei­tam, por in­sis­ti­rem em al­go pa­ra o qual não fo­ram es­pi­ri­tu­al­men­te cha­ma­dos. Um tex­to es­cri­to em lin­gua­gem cor­ren­te ja­mais se­rá um tex­to poé­ti­co. Não exis­te po­e­sia de­no­ta­ti­va. E pre­ci­sais ler me­lhor so­bre o na­tu­ra­lis­mo: uma cor­ren­te de pro­sa.

Nu­ma coi­sa es­tão cer­tos: Os mais be­los po­e­mas são cons­truí­dos com pa­la­vras sim­ples. A Po­e­sia do No­bel Pa­blo Ne­ru­da, por exem­plo, é fei­ta de pa­la­vras sim­ples, mas nun­ca de sim­ples pa­la­vras. «Não me pe­ças sor­ri­sos/ não me exi­jas gló­ri­as / que ain­da trans­pi­ro / os ais /dos fe­ri­dos nas ba­ta­lhas /» são ver­sos ex­traí­dos dum dos mais be­los po­e­mas da au­to­ria de Agos­ti­nho Neto, es­cri­to com pa­la­vras sim­ples, ca­pa­zes de cri­ar ima­gens ao lei­tor, por for­ça da sua car­ga dra­má­ti­ca. Tal po­e­ma ca­rac­te­ri­za-se ex­cep­ci­o­nal­men­te pe­la de ini­ção du­ma sin­ta­xe lí­ri­ca ri­go­ro­sa, as­pec­to não pou­cas ve­zes ig­no­ra­do pe­lo po­e­ta, em ra­zão da eva­são lí­ri­ca que ocor­re quan­do se es­cre­ve tex­tos pan le­tá­ri­os.

2.2. A po­e­sia tem de ser po­e­sia e não uma en­tra­da ina­ces­sí­vel. As­sim co­me­çá­mos a es­cre­ver o se­gun­do pa­rá­gra­fo da nos­sa car­ta, de­di­can­do-nos a vós, que vos fe­chais em vos­sa con­cha de so­nhos e acre­di­teis que o gé­nio não se de­ve re­ve­lar ou que a po­e­sia se­ja um puzz­le sem so­lu­ção, di­go-vos: sois com­ple­ta­men­te ego­cên­tri­cos e pra­ti­cais uma po­e­sia va­zia por­que po­e­sia que é po­e­sia co­mo­ve, emo­ci­o­na, ape­la à al­ma. De­sig­na­mos por Po­e­sia Va­zia qual­quer po­e­sia em que há um tra­ba­lho exa­cer­ba­do so­bre a lin­gua­gem e que, ul­tra­pas­san­do o tec­to do enigma – por­que não pou­cas ve­zes se re­cor­re a fú­teis pro­ces­sos de di­ci­o­na­ri­za­ção – anula com­ple­ta­men­te o efei­to ca­tar­se no lei­tor. Pois a po­e­sia é, em nos­so fra­co en­ten­der, o sen­ti­men­to, a emo­ção, que se po­de de­pre­en­der du­ma obra. Re­co­nhe­ce­mos, na de­vi­da me­di­da, o re­la­ti­vis­mo im­plí­ci­to do con­cei­to de tex­to her­mé­ti­co; no en­tan­to rea ir­ma­mos, em tom al­to, a exis­tên­cia de tex­tos va­zi­os, em sen­ti­men­tos, em emo­ções, em ra­zão de um cer­to ego­cen­tris­mo e ca­pri­chos téc­ni­cos dos seus cul­to­res. A po­e­sia tem de di­zer. Quan­do na­da diz, não pas­sa dum tex­to va­zio, es­tan­do em pé de igual­da­de com a po­e­sia sim­plis­ta. Po­e­sia enig­má­ti­ca, sim. E a boa po­e­sia é fei­ta de enig­mas. No en­tan­to, não a po­e­sia ile­gí­vel.

2.3. O ter­cei­ro pa­rá­gra­fo, da nos­sa car­ta, vi­sa a des­va­ne­cer al­gu­mas tei­as de am­bi­gui­da­des ou des­fa­zer al­guns ta­bus, re­sul­tan­tes de al­gum obs­cu­ran­tis­mo que inad­mis­si­vel­men­te nos pa­re­ce ain­da im­pe­rar na ins­ti­tui­ção li­te­ra­tu­ra an­go­la­na. Por um la­do, é ne­ces­sá­rio com­pre­en­der que as gran­des li­ções so­bre co­mo es­cre­ver po­e­sia não se apren­dem nas uni­ver­si­da­des, sal­vo ra­ras ex­cep­ções – jus­ti ica­das pe­los mé­to­dos de en­si­no e pe­la per­so­na­li­da­de li­te­rá­ria de quem en­si­na; por ou­tro, os gran­des po­e­tas sem­pre se pro­pu­se­ram a cri­ar te­o­ri­as de for­ma ex­plí­ci­ta ou im­plí­ci­ta, atra­vés de en­sai­os, ar­ti­gos de opinião, tex­tos dou­tri­ná­ri­os ou mes­mo atra­vés de po­e­mas. As gran­des li­ções so­bre as poé­ti­cas são mi­nis­tra­das pe­los pró­pri­os po­e­tas que são mes­tres pro­cu­ran­do dei­xar um le­ga­do. Per­gun­te-se: Qual é a es­co­la do po­e­ta? Dir-nos-á o Po­e­ta An­tó­nio Gon­çal­ves que «po­e­sia não se aprende na es­co­la/ o po­e­ta é a es­co­la/ a es­col (h)a do po­e­ta é uma sa­co­la sem pe­ga/ que se pe­ga co­mo co­la/ des co­lan­do pa­la­vras da sa­co­la / es­co­la que o po­e­ta doa». Se a Uni­ver­si­da­de fos­se a con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra se ser es­cri­tor, os gé­ni­os sai­ri­am das Fa­cul­da­des de Le­tras. Co­nhe­ce­mos al­guns es­cri­to­res an­go­la­nos e es­tran­gei­ros com obras poé­ti­cas abo­mi­ná­veis e, no en­tan­to al­guns dou­to­ra­dos em Lín­gua e Li­te­ra­tu­ra. Lemos al­guns tex­tos acha­dos nas can­ções po­pu­la­res e tra­du­zi­dos da tra­di­ção oral dos po­vos an­go­la­nos que se­rão sem­pre po­e­sia – po­rém, é bom que se di­ga, que tais tex­tos re­sul­tam da al­ma dum po­vo que mui­to tar­de co­nhe­ceu o al­fa­be­to grá ico.

A cons­ci­ên­cia é um es­ta­do psí­qui­co mais ou me­nos es­tá­vel que per­mi­te ao in­di­vi­duo ter no­ção da sua pró­pria exis­tên­cia e co­nhe­cer o uni­ver­so atra­vés dos sen­ti­dos. Ela, nas pa­la­vras de Freud, pres­su­põe três es­tá­gi­os: in­cons­ci­en­te (me­mó­ria ol­vi­da­da), sub­cons­ci­en­te (me­mó­ria par­ci­al) e cons­ci­en­te (me­mó­ria ple­na). Há o que de­sig­na­mos por cons­ci­ên­cia es­té­ti­ca – ca­pa­ci­da­de de trans­for­mar es­te­ti­ca­men­te os ob­jec­tos co­muns em ob­jec­tos par­ti­cu­la­res, me­di­an­te a sub­jec­ti­vi­da­de hu­ma­na. Es­sa sub­jec­ti­vi­da­de de­cor­re dum pro­ces­so má­gi­co que com­bi­na o in­cons­ci­en­te e o cons­ci­en­te. A ar­te li­te­rá­ria re­sul­ta dum cho­que ex­plo­si­vo en­tre a in­tui­ção e a ra­zão. A cons­ci­ên­cia es­té­ti­ca cri­a­se es­pon­ta­ne­a­men­te ou por in­ci­ta­men­to. To­dos po­dem de­sen­vol­vê-la à pri­o­ri. No en­tan­to, nem to­dos a con­se­guem. Quem a não de­sen­vol­ve ja­mais se­rá um ar­tis­ta. Me­di­an­te tu­do o que foi di­to, nes­se pon­to, ica cla­ro que um Cur­so de Li­te­ra­tu­ra não é con­di­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.