BAN­DA DESENHADA NO CA­MÕES CRI­A­DO­RES JUN­TAM CEN­TE­NAS DE LEI­TO­RES

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Em­bo­ra se­ja vis­ta co­mo o “primo” distante das ar­tes, a ban­da desenhada an­go­la­na tem con­quis­ta­do, a ca­da ano, um mai­or es­pa­ço, no país e além fron­tei­ras. A pro­va re­al des­te cres­ci­men­to tem si­do o Lu­an­da Car­to­on, o fes­ti­val in­ter­na­ci­o­nal, que jun­ta, anu­al­men­te, cen­te­nas de lei­to­res do género. Es­te ano, os cri­a­do­res vi­e­ram de vá­ri­as pro­vín­ci­as do país, pa­ra mos­trar to­do o seu ta­len­to.

Co­mo tem acon­te­ci­do há al­guns anos, des­de a sua in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção - há 7 anos -, o Lu­an­da Car­to­on foi re­a­li­za­do no Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês. No es­pa­ço de 8 di­as, os lei­to­res ti­ve­ram con­tac­to com as no­vas ten­dên­ci­as do género e os seus cri­a­do­res, des­de os mais an­ti­gos aos mais no­vos.

Os es­ti­los di­fe­ren­tes e al­guns já co­nhe­ci­dos fo­ram pre­do­mi­nan­tes. Es­te ano, a or­ga­ni­za­ção de­ci­diu apos­tar mais na pro­du­ção na­ci­o­nal e por is­so con­tou ape­nas com ar­tis­tas na­ci­o­nais. Pa­ra Lin­do­mar de Sou­sa, um dos men­to­res do pro­jec­to - com o seu ir­mão Olím­pio - foi uma opor­tu­ni­da­de dos de­se­nha­do­res na­ci­o­nais ga­nha­ram mais es­pa­ço e aten­ção.

A oca­sião é tam­bém apro­vei­ta­da pa­ra de­ba­ter o es­ta­do ac­tu­al des­ta ar­te, con­si­de­ra­da por mui­tos co­mo a no­na. Pa­ra tal, a or­ga­ni­za­ção con­vi­dou al­guns dos seus ar­tis­tas de lon­ga da­ta pa­ra fa­lar do pre­sen­te e fu­tu­ro da ban­da desenhada an­go­la­na. En­tre os con­vi­da­dos des­ta 14ª edi­ção cons­ta­ram tam­bém cri­a­do­res de ou­tras pro­vín­ci­as do país.

Com um Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes em mão, co­mo si­nal de re­co­nhe­ci­men­to do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, por to­do o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­la or­ga­ni­za­ção des­te fes­ti­val, Lin­do­mar de Sou­sa que con­vi­da­ram tam­bém es­tu­dan­tes de ban­da desenhada, em par­ti­cu­lar al­guns dos seus dis­cí­pu­los do es­tú­dio Olin­do­mar.

“É pre­ci­so dar mai­or opor­tu­ni­da­de ao jo­vem cri­a­dor an­go­la­no, que luta com tu­do a sua dis­po­si­ção pa­ra apre­sen­tar e im­por o seu tra­ba­lho no mer­ca­do”, dis­se o de­se­nha­dor, pa­ra quem ain­da há mui­to a ser fei­to, de for­ma que os em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais co­me­cem a “olhar” pa­ra a ban­da desenhada co­mo uma ar­te de relevo.

A he­si­ta­ção na apos­ta de pro­jec­tos ou fes­ti­vais do género tem afas­ta­do mui­tos bons ta­len­tos do mer­ca­do. “O po­ten­ci­al da ban­da desenhada an­go­la­na po­de não ser vi­sí­vel ho­je, mas é pos­sí­vel, com apoi­os e a vi­si­bi­li­da­de cer­ta, cri­ar-se uma in­dús­tria for­te e ac­ti­va no país”, al­me­ja o car­to­o­nis­ta.

O elo­gia, acres­cen­ta, de­ve ser es­ten­di­do tam­bém pa­ra mui­tos dos jor­nais da ca­pi­tal, com mai­or des­ta­que pa­ra o Jor­nal de An­go­la, que têm da­do inú­me­ras opor­tu­ni­da­des aos car­to­o­nis­tas e de­se­nha­do­res na­ci­o­nais pa­ra mos­tra­rem os seus tra­ba­lhos. Co­mo for­ma de agra­de­ci­men­to pe­lo es­pa­ço da­do a es­ta ar­te, as pa­re­des do Ca­mões, on­de es­ti­ve­ram por di­as os tra­ba­lhos ex­pos­tos, fo­ram “de­co­ra­das” com re­cor­tes do Jor­nal de An­go­la e ou­tros tí­tu­los.

Pa­ra eles, es­tes tí­tu­los jor­na­lís­ti­cos, além de ga­ran­tir um mer­ca­do de tra­ba­lho a cri­a­do­res, co­mo Ar­man­do Pu­lu­lu, Ca­se­mi­ro Jo­sé, ou “Ma­ne­loy”, den­tre mui­tos ou­tros, tam­bém aju­da a di­fun­dir a ar­te e a ga­ran­tir um pú­bli­co.

Mar­le­ne Agos­ti­nho, de 25 anos, foi uma das inú­me­ras pes­so­as que vi­si­tou es­te ano o Lu­an­da Car­to­on. Ape­sar de ir até o Ca­mões de kan­don­guei­ro (ta­xi), dis­se que já te­ve von­ta­de de vir em edi­ções an­te­ri­o­res, mas fal­tou a opor­tu­ni­da­de. “Des­ta vez não quis fal­tar”, acres­cen­ta. A cu­ri­o­si­da­de, diz, sur­giu de­vi­do ao seu in­te­res­se pe­la ban­da desenhada, em es­pe­ci­al a per­so­na­gem “Ti Chico”, de Ar­man­do Pu­lu­lu, e “um dos ros­tos co­nhe­ci­dos” do Jor­nal de An­go­la há anos.

Co­mo Mar­le­ne Agos­ti­nho, mui­tos ou­tros jo­vens cu­ri­o­sos, fo­ram ver o me­lhor da ar­te do de­se­nho an­go­la­no e o sor­ri­so no ros­to de mui­tos, ao ve­rem ca­ri­ca­tu­ras de per­so­na­li­da­des fa­mo­sas da so­ci­e­da­de an­go­la­na, ou ao le­rem uma his­tó­ria, mos­trou que o Lu­an­da Car­to­on ain­da tem po­ten­ci­al pa­ra al­can­çar no­vos mer­ca­dos, além da ca­pi­tal.

Quan­do qu­es­ti­o­na­do so­bre o as­sun­to, Lin­do­mar dis­se que tem si­do uma das pre­o­cu­pa­ções da or­ga­ni­za­ção. “Qu­e­re­mos le­var a ban­da desenhada ao con­tac­to de to­dos os an­go­la­nos, em par­ti­cu­lar as cri­an­ças e jo­vens, por ser tam­bém uma for­ma de os edu­car”, ex­pli­ca. Po­rém, la­men­ta, o que fal­ta ain­da são apoi­os e uma es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­ti­va de qua­li­da­de pa­ra bus­car no­vos es­pa­ços nou­tras pro­vín­ci­as do país.

INO­VA­ÇÕES E CUI­DA­DOS

Du­ran­te os 8 di­as de ac­ti­vi­da­de, uma das prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções da or­ga­ni­za­ção do Lu­an­da Car­to­on foi cha­mar a aten­ção dos par­ti­ci­pan­tes des­ta edi­ção, as­sim co­mo os con­vi­da­dos e lei­to­res da ban­da desenhada, so­bre a im­por­tân­cia e os cui­da­dos a se ter com a lin­gua­gem a usar nos seus tex­tos.

Uma pro­va des­te cui­da­do é a pró­pria se­lec­ção pa­ra o Lu­an­da Car­to­on. Es­te ano, con­ta, a or­ga­ni­za­ção re­ce­beu 1.700 tra­ba­lhos, dos quais 1.200 a ní­vel na­ci­o­nal, mas ape­nas fo­ram se­lec­ci­o­na­dos pa­ra a ex­po­si­ção 190 de­se­nhos. “Mas exis­tem al­guns ar­tis­tas que já con­se­gui­ram no­me no mer­ca­do, pe­lo seu género de de­se­nho, e ica di ícil ho­je o ex­cluir de qual­quer ac­ti­vi­da­de ligada a ban­da desenhada. Po­rém pe­di­mos-lhes pa­ra te­rem em con­ta que o pú­bli­co do Lu­an­da Car­to­on é de vá­ri­as ida­des e to­do o cui­da­do com a lin­gua­gem e os de­se­nhos é pou­co.”

Nes­ta era de glo­ba­li­za­ção e acul­tu­ra­ção, re­al­ça, é im­por­tan­te aju­dar os an­go­la­nos a pre­ser­va­rem as su­as raí­zes e os prin­cí­pi­os que re­gem a tra­di­ção afri­ca­na, “mas is­so sem des­cu­rar os avan­ços da mo­der­ni­da­de”, co­mo de­fen­de Lin­do­mar de Sou­sa, pa­ra quem “é fun­da­men­tal exis­tir uma con­ci­li­a­ção mais ac­ti­va en­tre o pas­sa­do e o pre­sen­te nas ar­tes na­ci­o­nais, co­mo uma for­ma de não se per­der a iden­ti­da­de na­ci­o­nal e ao mes­mo tem­po sa­ber en­qua­drar e acei­tar as ino­va­ções con­tem­po­râ­ne­as.”

Quem de­fen­de o mes­mo prin­cí­pio é o pin­tor Ál­va­ro Sam­paio, um dos con­vi­da­dos des­ta edi­ção do Lu­an­da Car­to­on. Oriun­do de Ben­gue­la, o ar­tis­ta que já de­se­nha há 12 anos, sem­pre quis fa­zer par­te do pro­jec­to e es­sa foi a sua opor­tu­ni­da­de. “Co­mo foi uma edi­ção mais na­ci­o­nal apro­vei­tei pa­ra mos­trar o tra­ba­lho que te­nho fei­to”, con­fes­sa, la­men­tan­do o fac­to de o mer­ca­do ain­da ser mui­to fe­cha­do, par­ti­cu­lar­men­te pa­ra os ar­tis­tas de ou­tras pro­vín­ci­as do país.

Em Ben­gue­la, con­ta, as ar­tes plás­ti­cas no seu to­do, têm pre­va­le­ci­do gra­ças ao es­for­ço e em­pe­nho dos seus cri­a­do­res. Os em­pre­sá­ri­os, la­men­ta, não es­tão mui­to in­te­res­sa­do nes­te género de ne­gó­cio. “Re­ce­be­mos mais apoi­os ins­ti­tu­ci­o­nais, por­tan­to exis­tem mui­tas di icul­da­des pa­ra tra­ba­lhar nas ar­tes.”

Ge­ral­men­te, dis­se, os ar­tis­tas da pro­vín­cia têm de apro­vei­tar opor­tu­ni­da­des co­mo es­ta ou que al­guém te­nha in­te­res­se no seu tra­ba­lho pa­ra o po­de­rem apre­sen­tar. “Lu­an­da ain­da é o mai­or pon­to de saí­da pa­ra a pro­du­ção ar­tís­ti­ca, dos cri­a­do­res de ou­tras pro­vín­ci­as. Acre­di­to que por ser a ca­pi­tal tem mais aber­tu­ra, mas é pre­ci­so cri­ar con­di­ções pa­ra as de­mais pro­vín­ci­as te­rem es­te po­ten­ci­al, por­que os gas­tos que te­mos de fa­zer pa­ra tra­zer, apre­sen­tar e ven­der uma obra na ca­pi­tal é mai­or do que se fos­se nas nos­sas lo­ca­li­da­des”, pe­diu.

Quan­to a sua par­ti­ci­pa­ção no Lu­an­da Car­to­on, o ar­tis­ta dis­se que não es­pe­ra­va ter ti­do uma “re­cep­ção ca­lo­ro­sa” do pú­bli­co. “Não fo­ram ape­nas jo­vens ou cri­an­ças. Tam­bém vi adul­tos. Eu não sa­bia, ou es­pe­ra­va, que a ban­da desenhada an­go­la­na ti­ves­se tan­tos se­gui­do­res.”

O ar­tis­ta dis­se que tem es­ta­do a re­a­li­zar, em Ben­gue­la, di­ver­sos pro­jec­tos co­mu­ni­tá­ri­os, em es­pe­ci­al aque­les li­ga­dos as ar­tes plás­ti­cas e a sua di­fu­são en­tre os mais no­vos. Pa­ra tal cri­ou um ate­li­er, de­no­mi­na­do Ál­va­ro Sam­paio e Pu­pi­los, na sua cir­cuns­cri­ção, na zo­na A, bair­ro 70, da ci­da­de de Ben­gue­la, há dois anos. Com tra­ba­lhos ins­pi­ra­dos na vi­da so­ci­al, o ar­tis­ta tem en­si­na­do os seus alu­nos a apren­de­rem a fa­zer crí­ti­cas so­ci­ais cons­tru­ti­vas, de for­ma a mu­dar a cons­ci­ên­cia das pes­so­as e enal­te­cer o ci­vis­mo e a ci­da­da­nia.

Lin­do­mar de Sou­sa in­cen­ti­va de­se­nha­do­res na­ci­o­nais

Olím­pio de Sou­sa é o ou­tro men­tor do pro­jec­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.