Adeus a Fer­nan­do Mou­rão es­tu­di­o­so da ques­tão afri­ca­na

ES­TU­DI­O­SO DA QUES­TÃO AFRI­CA­NA E GRAN­DE AMIGO DE ANGOLA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

Mor­reu no dia 30 de Se­tem­bro de 2017, o so­ció­lo­go e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), Fer­nan­do Au­gus­to Al­bu­quer­que Mou­rão, um dos mai­o­res pes­qui­sa­do­res e es­tu­di­o­sos da ques­tão afri­ca­na e um dos ra­ros in­te­lec­tu­ais bra­si­lei­ros com o co­ra­ção di­vi­di­do en­tre o Bra­sil e a Áfri­ca, sem dei­xar de es­tar aten­to à or­dem mun­di­al e aos pro­ble­mas da hu­ma­ni­da­de co­mo um to­do.

Mor­reu no dia 30 de Se­tem­bro de 2017, o so­ció­lo­go e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), Fer­nan­do Au­gus­to Al­bu­quer­que Mou­rão, um dos mai­o­res pes­qui­sa­do­res e es­tu­di­o­sos da ques­tão afri­ca­na. Foi em Coim­bra que o pro­fes­sor Mou­rão, nas­ci­do no Rio de Ja­nei­ro em 1934, co­me­çou a se in­te­res­sar pe­la área, es­pe­ci­al­men­te por Angola, prin­ci­pal seg­men­to de ac­tu­a­ção in­te­lec­tu­al e política na sua vi­da aca­dé­mi­ca. Pro­fes­sor Ti­tu­lar da USP des­de 1971, quan­do co­me­çou a lec­ci­o­nar no De­par­ta­men­to de So­ci­o­lo­gia da Fa­cul­da­de de Fi­lo­so­fia, Le­tras e Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas-FFLCH, Fer­nan­do Mou­rão aju­dou a cri­ar o Cen­tro de Es­tu­dos Afri­ca­nos-CEA, em 1965.

Fer­nan­do Mou­rão te­ve um pa­pel mui­to ac­ti­vo na ela­bo­ra­ção da edi­ção em lín­gua por­tu­gue­sa da His­tó­ria Ge­ral da Áfri­ca, que, em sua opinião, é um dos tra­ba­lhos mais no­tá­veis pro­du­zi­dos pe­la Unes­co. Du­ran­te a ela­bo­ra­ção do pro­jec­to ha­via re­pre­sen­tan­tes de to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no, da Eu­ro­pa e das Amé­ri­cas. Des­de o iní­cio, a ideia era cri­ar um no­vo pa­ra­dig­ma pa­ra apre­sen­tar a his­tó­ria da Áfri­ca.

No seu en­saio “Uma Áfri­ca que Fer­nan­do Mou­rão ima­gi­nou: o re­nas­cer afri­ca­no no iní­cio do sé­cu­lo XXI”, Jo­sé Flá­vio Som­bra Sa­rai­va, pro­fes­sor ti­tu­lar do Ins­ti­tu­to de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia, con­si­de­ra que “a me­lhor ma­nei­ra de ho­me­na­ge­ar o pro­fes­sor Fe­ran­do Mou­rão”, fun­da­dor do se­gun­do cen­tro de pes­qui­sa vol­ta­do pa­ra a Áfri­ca no Bra­sil, “é por meio da apre­sen­ta­ção de uma Áfri­ca que Mou­rão ima­gi­nou, de­se­jou e aju­dou a cri­ar. re iro-me a uma no­va Áfri­ca, que não rom­pe com as di icul­da­des his­tó­ri­cas, mas que en­saia no­vas for­mas de or­ga­ni­za­ção de su­as so­ci­e­da­des e Es­ta­dos nos pri­mei­ros anos do sé­cu­lo XXI.”

Jo­sé Ma­ria May­rink, em O Es­ta­do de S. Pau­lo, ao no­ti­ci­ar o de­sa­pa­re­ci­men­to ísi­co de Fer­nan­do Mou­rão, es­cre­ve que “foi em Coim­bra (Por­tu­gal), que o pro­fes­sor Mou­rão, nas­ci­do no Rio de Ja­nei­ro em 1934, co­me­çou a se in­te­res­sar pe­la área, es­pe­ci­al­men­te por Angola, prin­ci­pal seg­men­to de ac­tu­a­ção in­te­lec­tu­al e política em sua vi­da aca­dé­mi­ca.

Os es­tu­dos e pes­qui­sas so­bre a Áfri­ca fo­ram im­pul­si­o­na­dos a par­tir de 1967, quan­do a pre­mên­cia da ac­tu­a­li­da­de política se im­pu­nha pe­la vi­vên­cia de aca­dé­mi­cos bra­si­lei­ros nos mo­vi­men­tos de in­de­pen­dên­cia e do na­ci­o­na­lis­mo afri­ca­no. Mou­rão, que na Uni­ver­si­da­de de Coim­bra te­ve co­mo com­pa­nhei­ros fu­tu­ros lí­de­res da lu­ta pe­la in­de­pen­dên­cia, en­tre os quais Amíl­car Ca­bral, de Gui­né Bis­sau, e os an­go­la­nos Agos­ti­nho Ne­to e Má­rio Pin­to de An­dra­de, com­par­ti­lhou de seus so­nhos, em­bo­ra não ade­ris­se aos ide­ais mar­xis­tas, que os três pro­fes­sa­vam.

Os es­tran­gei­ros eram se­gre­ga­dos na Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio pe­la di­ta­du­ra de An­tó­nio de Oli­vei­ra Sa­la­zar. Mui­tos de­les fo­ram in­ter­ro­ga­dos e tor­tu­ra­dos pe­la PIDE, a po­lí­cia política por­tu­gue­sa. Mou­rão e ou­tro bra­si­lei­ro, Jo­sé Ma­ria Nu­nes Pe­rei­ra, re­gres­sa­ram apres­sa­da­men­te ao Bra­sil, pou­co an­tes do gol­pe mi­li­tar de 1964..

Co­mo co­la­bo­ra­dor de O Es­ta­do de S. Pau­lo, o tam­bém jor­na­lis­ta Fer­nan­do Mou­rão es­cre­veu ar­ti­gos que di­fun­di­am o ide­al do na­ci­o­na­lis­mo afri­ca­no das lu­tas de in­de­pen­dên­cia das co­ló­ni­as por­tu­gue­sas na Áfri­ca. Tra­ba­lhou ao la­do de Mi­guel Ur­ba­no Ro­dri­gues, mem- bro do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Por­tu­guês, de ou­tros exi­la­dos an­ti-sa­la­za­ris­tas, que ha­vi­am si­do abri­ga­dos pe­lo di­rec­tor do jor­nal, Jú­lio de Mes­qui­ta Fi­lho.

ES­TU­DOS AFRI­CA­NOS

In­te­gra­do na USP co­mo dou­to­ran­do e pro­fes­sor as­sis­ten­te, em 1967, Mou­rão con­tri­buiu pa­ra di­na­mi­zar o CEA e pa­ra con­so­li­dar a li­nha de pes­qui­sa dos es­tu­dos afri­ca­nos com uma ino­va­ção – a in­tro­du­ção de uma no­va dis­ci­pli­na, cha­ma­da Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais. Dis­cu­tia-se a re­a­li­da­de das so­ci­e­da­de afri­ca­nas no con­tex­to de su­as co­ne­xões in­ter­na­ci­o­nais. No Rio, o pro­fes­sor Jo­sé Ma­ria Nu­nes Pe­rei­ra, co­le­ga de Mou­rão em Coim­bra, li­de­rou em 1978 a cri­a­ção do Cen­tro de Es­tu­dos Afro-Asiá­ti­cos, na Uni­ver­si­da­de Cân­di­do Men­des.

Fer­nan­do Mou­rão saía a cam­po pa­ra co­nhe­cer de per­to a vi­da das pes­so­as e com­ple­men­tar seus es­tu­dos com exem­plos re­ais. Foi o que fez, por exem­plo, no li­to­ral de São Pau­lo e do Pa­ra­ná, ao es­tu­dar o com­por­ta­men­to de pes­ca­do­res que aban­do­na­ram es­sa pro­fis­são pa­ra tra­ba­lhar co­mo ope­rá­ri­os. Em en­tre­vis­ta a Ri­car­do Ale­xi­no, no pro­gra­ma 'Tra­jec­tó­ria', da TV USP, em 2015, Mou­rão dis­se que es­sa pes­qui­sa não ti­nha mo­ti­va­ção ide­o­ló­gi­ca, mas so­men­te aca­dé­mi­ca.

A re­vis­ta 'Áfri­ca', do Cen­tro de Es­tu­dos Aca­dé­mi­cos, fez um nú­me­ro es­pe­ci­al em 2012, com o tí­tu­lo 'Áfri­ca Úni­ca e Plu­ral', em ho­me­na­gem a Fer­nan­do Mou­rão. Em uma edi­ção de 300 pá­gi­nas, 27 ami­gos e alu­nos es­cre­ve­ram ar­ti­gos e de­ram de­poi­men­tos so­bre a car­rei­ra e a per­so­na­li­da­de do pro­fes­sor. “Os que par­ti­ci­pam des­ta ho­me­na­gem sa­bem, sem exa­ge­ro, que Fer­nan­do Mou­rão é um dos ra­ros in­te­lec­tu­ais bra­si­lei­ros com o co­ra­ção di­vi­di­do en­tre o Bra­sil e a Áfri­ca, sem dei­xar de es­tar aten­to à or­dem mun­di­al e aos pro­ble­mas da hu­ma­ni­da­de co­mo um to­do”, es­cre­veu na apre­sen­ta­ção o di­rec­tor do nú­me­ro es­pe­ci­al da re­vis­ta, Ka­ben­ge­le Mu­nan­ga.

Mou­rão de­fen­deu a adop­ção de uma política so­li­dá­ria do Bra­sil em su­as re­la­ções com a Áfri­ca. Re­co­nhe­ceu mu­dan­ças na di­plo­ma­cia bra­si­lei­ra des­de o go­ver­no de Jâ­nio Qua­dros, em 1961, em uma li­nha an­ti- im­pe­ri­a­lis­ta que foi man­ti­da du­ran­te o re­gi­me mi­li­tar e re­for­ça­da no go­ver­no Lu­la. Sem nun­ca ter ti­do mi­li­tân­cia par­ti­dá­ria, o pro­fes­sor da USP tor­nou- se co­la­bo­ra­dor do Ins­ti­tu­to Lu­la, em Abril de 2012, pa­ra dar as­ses­so­ria em ques­tões vol­ta­das pa­ra a Áfri­ca.

Au­tor de 11 li­vros e par­ti­ci­pa­ção em ou­tros 57, Mou­rão re­ce­beu pré­mi­os in­ter­na­ci­o­nais em Angola, Cos­ta do Mar im, To­go, Se­ne­gal e Fran­ça, con­for­me in­for­ma­ções cons­tan­tes de seu cur­rí­cu­lo, pu­bli­ca­do pe­la Fun­da­ção de Am­pa­ro à Pes­qui­sa do Es­ta­do de São Pau­lo (Fa­pesp).”

Fer­nan­do Mou­rão é um dos ra­ros in­te­lec­tu­ais bra­si­lei­ros com o co­ra­ção di­vi­di­do en­tre o Bra­sil e a Áfri­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.