Ka­zuo Ishi­gu­ro

No­bel da Li­te­ra­tu­ra 2017

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

Ka­zuo Ishi­gu­ro, Pré­mo No­bel da Li­te­ra­tu­ra des­te ano, pro­du­ziu “ro­man­ces de gran­de for­ça emo­ci­o­nal”, as­sim co­mo de­mons­tra uma ca­pa­ci­da­de de “re­ve­lar os abis­mos por trás da ilu­só­ria sen­sa­ção de co­ne­xão com o mun­do”. A Aca­de­mia Su­e­ca dis­tin­gue “um es­cri­tor de gran­de in­te­gri­da­de”, “um ro­man­cis­ta ab­so­lu­ta­men­te bri­lhan­te” que “de­sen­vol­veu um uni­ver­so es­té­ti­co só seu”.

Nas­ceu no Ja­pão mas cres­ceu co­mo in­glês. O no­me es­co­lhi­do pe­la aca­de­mia su­e­ca foi anun­ci­a­do on­tem, quin­ta fei­ra, em Es­to­col­mo, eé o au­tor de li­vros co­mo “O Des­po­jos do Dia” ou “Nun­ca me Dei­xes“.

Nas­ci­do a 8 de No­vem­bro de 1954, em Na­ga­sá­ki, no Ja­pão, Ka­zuo Ishi­gu­ro mu­dou- se pa­ra o Rei­no Uni­do em 1960, quan­do o seu pai foi acei­te co­mo in­ves­ti­ga­dor no Na­ti­o­nal Ins­ti­tu­te of Oce­a­no­graphy.

Edu­ca­do nu­ma es­co­la de ra­pa­zes em Sur­rey, o lau­re­a­do que em tem­pos tra­ba­lhou pa­ra a Rai­nha Mãe co­mo grou­se-be­a­ter — ba­si­ca­men­te, afu­gen­ta­va ga­li­nhas bra­vas em di­rec­ção de ca­ça­do­res — aca­bou por en­trar na Uni­ver­si­da­de de Kent, na Can­tuá­ria, on­de se es­pe­ci­a­li­zou em lín­gua in­gle­sa e ilo­so ia. O seu pri­mei­ro em­pre­go, de­pois de ter con­cluí­do os es­tu­dos su­pe­ri­o­res, foi o de as­sis­ten­te so­ci­al nos bair­ros mais po­bres de Lon­dres.

No dis­cur­so em que re­ve­lou o ven­ce­dor, a se­cre­tá­ria per­ma­nen­te da or­ga­ni­za­ção su­e­ca des­ta­cou os “ro­man­ces de gran­de for­ça emo­ci­o­nal”, do au­tor, as­sim co­mo a sua ca­pa­ci­da­de de “re­ve­lar os abis­mos por trás da ilu­só­ria sen­sa­ção de co­ne­xão com o mun­do”. Mais tar­de, a mes­ma re­pre­sen­tan­te da Aca­de­mia Su­e­ca, dis­se em en­tre­vis­ta que es­te No­bel dis­tin­gue “um es­cri­tor de gran­de in­te­gri­da­de”, “um ro­man­cis­ta ab­so­lu­ta­men­te bri­lhan­te” que “de­sen­vol­veu um uni­ver­so es­té­ti­co só seu”. Aca­bou por re­fe­rir ain­da que Franz Ka ka, Ja­ne Aus­ten e “uma pi­ta­da de Mar­cel Proust” com­põem o le­que de prin­ci­pais in luên­ci­as do es­cri­tor.

No to­tal, Ishi­gu­ro já con­ta com no­ve obras pu­bli­ca­das — a pri­mei­ra, In­tro­duc­ti­ons 7: Sto­ri­es by New Wri­ters, foi edi­ta­da em 1981 e a mais re­cen­te, The Bu­ri­ed Gi­ant, che­gou às lo­jas em 2015 –, e um to­tal de 20 dis­tin­ções (21, con­tan­do com a de es­ta quin­ta-fei­ra), sen­do que en­tre elas, as mais re­le­van­tes são o Man Bo­o­ker Pri­ze pa­ra ic­ção (2005), os dois Best of Young Bri­tish No­ve­lists atri­buí­dos pe­la Gran­ta (em 83 e 93) e a no­mea- ção co­mo Che­va­li­er de l’Or­dre des Arts et des Let­tres em Fran­ça, no ano de 1998.

MAIS NA­DA, SENÃO ESCREVER

Os Des­po­jos do Dia, ro­man­ce edi­ta­do em 1989, con­ta a his­tó­ria de Ste­vens, um mor­do­mo que re­la­ta o seu dia-a-dia e o re­la­ci­o­na­men­to com a go­ver­nan­ta Miss Ken­ton. Trans­pos­to pa­ra o gran­de ecrã em 1993 — com Anthony Hop­kins e Em­ma Thomp­son co­mo pro­ta­go­nis­tas –, a obra des­ta­ca-se pe­la for­ma cu­ri­o­sa co­mo nas­ceu. Num ar­ti­go es­cri­to em pri­mei­ra pes­soa pa­ra o Gu­ar­di­an, Ishi­gu­ro ex­pli­ca que de­mo­rou qua­tro se­ma­nas a escrever o li­vro. No ve­rão de 1987, o au­tor vi­via um pe­río­do de su­ces­so e gran­de re­qui­si­ção: “Pro­pos­tas de car­rei­ra ten­ta­do­ras, jan­ta­res e fes­tas, ape­la­ti­vas vi­a­gens ao es­tran­gei­ro e mon­ta­nhas de cor­res­pon­dên­cia ti­nham co­lo­can­do um pon­to inal na mi­nha ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho”, ex­pli­ca. Co­mo tal, Ka­zuo e a mu­lher, Lor­na, de­ci­di­ram to­mar me­di­das drás­ti­cas, por is­so, du­ran­te qua­tro se­ma­nas, o es­cri­tor en­trou num es­ta­do de re­clu­são to­tal a que cha­mou de “Crash”.

“To­dos os di­as, de se­gun­da a do­min­go, en­tre as no­ve da ma­nhã e as dez e meia da noi­te, não fa­zia mais na­da senão escrever”, es­cre­ve Ishi­gu­ro. Lim­pou “im­pi­e­do­sa­men­te” a sua agen­da, dei­xou o te­le­fo­ne to­car e o cor­reio por ver. Aos 32 anos, con­se­guia as­sim, pe­la pri­mei­ra vez, fa­zer com que o mun­do ic­ci­o­nal que cri­a­va se tor­nas­se “mais re­al que a re­a­li­da­de”. Em jei­to de cu­ri­o­si­da­de des­ta­ca ain­da a sua es­treia a escrever… no seu es­cri­tó­rio — “A ca­sa no­va on­de vi­vía­mos ti­nha um es­cri­tó­rio. Nun­ca ti­nha ti­do um, os meus dois pri­mei­ros li­vros fo­ram es­cri­tos na me­sa da sa­la de jan­tar”, re­ve­la.’ ( https://ber­trandpt­so­mos­li­vros.blog/2017/10/06 /ka­zuo-ishi­gu­ro-no­bel-da-li­te­ra­tu­ra-2017/?utm_­cam­paign=7445&utm_­me­dium=email&utm_­sour­ce=news­let­ter via: http://ob­ser­va­dor.pt/2017/10/05/pre­mi­o­no­bel-da-li­te­ra­tu­ra-pa­ra-ka­zuo-ishi­gu­ro/)

O au­tor pa­se­an­do no cam­po

Ka­zuo Ishi­gu­ro, No­bel da Li­te­ra­tu­ra em 2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.