Te­o­ri­as re­la­ti­vas às “ra­ças” e his­tó­ria da Áfri­ca

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - J. KI ZERBO

A ad­mi­rá­vel va­ri­e­da­de dos fe­nó­ti­pos afri­ca­nos é si­nal de uma evo­lu­ção par­ti­cu­lar­men­te lon­ga des­se con­ti­nen­te. Os fós­seis pré-his­tó­ri­cos de que dis­po­mos in­di­cam uma im­plan­ta­ção se­me­lhan­te às en­con­tra­das no sul do Sa­ra.

O teO con­cei­to de ra­ça é um dos mais di íceis de de inir ci­en­ti ica­men­te. Se ad­mi­tir­mos, co­mo a mai­o­ria dos es­pe­ci­a­lis­tas pos­te­ri­o­res a Darwin, que a es­pé­cie hu­ma­na per­ten­ce a um úni­co tron­co1, a te­o­ria das “ra­ças” só po­de ser de­sen­vol­vi­da ci­en­ti ica­men­te den­tro do con­tex­to do evo­lu­ci­o­nis­mo.

Com efei­to, a ra­ci­a­ção se ins­cre­ve no pro­ces­so ge­ral da evo­lu­ção di­ver­si­fi­ca­do­ra. Co­mo ob­ser­va J. Ruf­fie, ela re­quer du­as con­di­ções: em pri­mei­ro lu­gar, o iso­la­men­to se­xu­al, fre­quen­te­men­te re­la­ti­vo, que pro­vo­ca pou­co a pou­co uma pai­sa­gem ge­né­ti­ca e mor­fo­ló­gi­ca sin­gu­lar. A ra­ci­a­ção, por­tan­to, ba­seia- se num es­to­que gé­ni­co di­fe­ren­te, cau­sa­do quer por os­ci­la­ção ge­né­ti­ca ( o aca­so na trans­mis­são dos ge­nes faz com que um de­les se trans­mi­ta com mais frequên­cia que ou­tro, ou, ao con­trá­rio, que seu ale­lo se­ja o mais lar­ga­men­te di­fun­di­do),quer por se­lec­ção na­tu­ral. Es­ta con­duz a uma di­ver­si­fi­ca­ção adap­ta­ti­va, gra­ças à qual um gru­po ten­de a con­ser­var o equi­pa­men­to ge­né­ti­co que o adap­te me­lhor a um cer­to meio. Na Áfri­ca, am­bos os pro­ces­sos de­vem ter ocor­ri­do. De fa­to, a os­ci­la­ção ge­né­ti­ca, que se ex­pri­me ao má­xi­mo em pe­que­nos gru­pos, ope­rou em et­ni­as res­tri­tas, sub­me­ti­das a um pro­ces­so so­ci­al de cis­si­pa­ri­da­de por oca­sião das dis­pu­tas de su­ces­são ou de ter­ras e em vir­tu­de das gran­des áre­as vir­gens dis­po­ní­veis. Es­se pro­ces­so mar­cou par­ti­cu­lar­men­te o pa­tri­mó­nio ge­né­ti­co das et­ni­as en­dó­ga­mas ou flo­res­tais. Qu­an­to à se­lec­ção na­tu­ral, ela te­ve a opor­tu­ni­da­de de en­trar em jo­go em eco­lo­gi­as tão con­tras­tan­tes co­mo as do de­ser­to e da flo­res­ta den­sa, dos al­tos pla­nal­tos e das cos­tas re­co­ber­tas de man­gues. Em re­su­mo, do pon­to de vis­ta bi­o­ló­gi­co, os ho­mens de uma “ra­ça” têm em co­mum al­guns fac­to­res ge­né­ti­cos que num ou­tro gru­po “ra­ci­al” são subs­ti­tuí­dos por seus ale­los; en­tre os mes­ti­ços, co­e­xis­tem os dois ti­pos de ge­nes.

Co­mo era de es­pe­rar, a iden­ti­fi­ca­ção das “ra­ças” se fez em pri­mei­ro lu­gar a par­tir de cri­té­ri­os apa­ren­tes, pa­ra em se­gui­da ir con­si­de­ran­do, pou­co a pou­co, re­a­li­da­des mais pro­fun­das. Aliás, as ca­rac­te­rís­ti­cas ex­te­ri­o­res e os fe­nó­me­nos in­ter­nos não es­tão ab­so­lu­ta­men­te se­pa­ra­dos. Se cer­tos ge­nes co­man­dam os me­ca­nis­mos he­re­di­tá­ri­os que de­ter­mi­nam cor da pe­le, por exem­plo, es­ta tam­bém es­tá li­ga­da ao meio am­bi­en­te. Ob­ser­vou- se uma cor­re­la­ção po­si­ti­va en­tre es­ta­tu­ra e tem­pe­ra­tu­ra mais ele­va­da do mês mais quen­te e uma cor­re­la­ção ne­ga­ti­va en­tre es­ta­tu­ra e hu­mi­da­de. Da mes­ma for­ma, um na­riz fi­no aque­ce me­lhor o ar num cli­ma mais frio e hu­mi­di­fi­ca o ar se­co ins­pi­ra­do. É as­sim que o ín­di­ce na­sal au­men­ta con­si­de­ra­vel­men­te nas po­pu­la­ções sub­sa­a­ri­a­nas, do de­ser­to pa­ra a flo­res­ta, pas­san­do pe­la sa­va­na. Em­bo­ra pos­suin­do o mes­mo nú­me­ro de glân­du­las su­do­rí­pa­ras que os bran­cos os ne­gros trans­pi­ram mais, o que man­tém seu cor­po e sua pe­le nu­ma tem­pe­ra­tu­ra me­nos ele­va­da.

Exis­tem, por­tan­to, di­ver­sas eta­pas na in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí ica no que diz res­pei­to às ra­ças.

A ABORDAGEM MOR­FO­LÓ­GI­CA

Eicks­tedt, por exem­plo, de ine as ra­ças co­mo “agru­pa­men­tos zo­o­ló­gi­cos na­tu­rais de for­mas per­ten­cen­tes ao gé­ne­ro dos ho­mi­ní­de­os, cu­jos mem­bros apre­sen­tam o mes­mo con­jun­to tí­pi­co de ca­rac­te­res nor­mais e he­re­di­tá­ri­os no ní­vel mor­fo­ló­gi­co e no ní­vel com­por­ta­men­tal”.

Des­de a cor da pe­le e a for­ma dos ca­be­los ou do sis­te­ma pi­lo­so, até os ca­rac­te­res mé­tri­cos e não mé­tri­cos, a cur­va­tu­ra fe­mu­ral an­te­ri­or e as co­ro­as e os sul­cos dos mo­la­res, foi cons­truí­do um ver­da­dei­ro ar­se­nal de ob­ser­va­ções e men­su­ra­ções. Deu- se aten­ção es­pe­ci­al ao ín­di­ce ce­fá­li­co, por es­tar re­la­ci­o­na­do à par­te da ca­be­ça que abri­ga o cé­re­bro. É as­sim que Di­xon es­ta­be­le­ce os di­ver­sos ti­pos em fun­ção de três ín­di­ces com­bi­na­dos de vá­ri­os mo­dos: o ín­di­ce ce­fá­li­co ho­ri­zon­tal, o ín­di­ce ce­fá­li­co ver­ti­cal e o ín­di­ce na­sal.

Con­tu­do, das 27 com­bi­na­ções pos­sí­veis, ape­nas oi­to ( as mais fre­quen­tes) fo­ram acei­tas co­mo re­pre­sen­ta­ti­vas dos ti­pos fun­da­men­tais, ten­do si­do as 19 res­tan­tes con­si­de­ra­das mis­tu­ras. No en­tan­to, as ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas são ape­nas um re­fle­xo mais ou me­nos de­for­ma­do do es­to­que gé­ni­co; sua con­ju­ga­ção num pro­tó­ti­po ide­al ra­ra­men­te se re­a­li­za com per­fei­ção. De fa­to, tra­ta- se de de­ta­lhes evi­den­tes si­tu­a­dos na fron­tei­ra ho­mem/meio am­bi­en­te, mas que, jus­ta­men­te por is­so, são mui­to me­nos ina­tos que ad­qui­ri­dos. Re­si­de aí uma das mai­o­res fra­que­zas da abordagem mor­fo­ló­gi­ca e ti­po­ló­gi­ca, na qual as ex­cep­ções aca­bam por ser mais im­por­tan­tes e mais nu­me­ro­sas que a re­gra. Além dis­so, não se de­vem ne­gli­gen­ci­ar as que­re­las aca­dé­mi­cas so­bre as mo­da­li­da­des de men­su­ra­ção ( co­mo, quan­do, etc.), que im­pe­dem as com­pa­ra­ções úteis. As es­ta­tís­ti­cas de dis­tân­cia mul­ti­va­ri­a­da e os co­e­fi­ci­en­tes de se­me­lhan­ças ra­ci­ais, as es­ta­tís­ti­cas de “for­ma­to” e de “for­ma”, a dis­tân­cia ge­ne­ra­li­za­da de Naha­la No­bis re­que­rem tra­ta­men­to por com­pu­ta­dor. Ora, as ra­ças são en­ti­da­des bi­o­ló­gi­cas re­ais que de­vem ser exa­mi­na­das co­mo um to­do e não par­te por par­te.

A ABORDAGEM DEMOGRÁFICA OU POPULACIONAL

Es­te mé­to­do vai in­sis­tir, de ime­di­a­to, so­bre fa­tos gru­pais ( re­ser­va­tó­rio gé­ni­co ou ge­no­ma), mais es­tá­veis que a es­tru­tu­ra ge­né­ti­ca con­jun­tu­ral dos in­di­ví­du­os. De fa­to, na iden­ti­fi­ca­ção de uma ra­ça, é mais im­por­tan­te a frequên­cia das ca­rac­te­rís­ti­cas que ela apre­sen­ta do que as pró­pri­as ca­rac­te­rís­ti­cas. Co­mo o mé­to­do mor­fo­ló­gi­co es­tá pra­ti­ca­men­te aban­do­na­do2, os ele­men­tos se­ro­ló­gi­cos ou ge­né­ti­cos po­dem ser sub­me­ti­dos a re­gras de clas­si­fi­ca­ção mais ob­jec­ti­vas. Pa­ra Land­man, uma ra­ça é “um gru­po de se­res hu­ma­nos que ( com ra­ras ex­cep­ções) apre­sen­tam en­tre si mais se­me­lhan­ças ge­no­tí­pi­cas e fre­quen­te­men­te tam­bém fe­no­tí­pi­cas do que com os mem­bros de ou­tros gru­pos”. Alek­sei­ev de­sen­vol­ve tam­bém uma con­cep­ção demográfica das ra­ças com de­no­mi­na­ções pu­ra­men­te ge­o­grá­fi­cas ( nor­te- eu­ro­peus, sul- afri­ca­nos, etc.). Schwi­dejzky e Boyd acen­tu­a­ram a sis­te­má­ti­ca ge­né­ti­ca: dis­tri­bui­ção dos gru­pos san­guí­ne­os A,B e O, com­bi­na­ções do fa­tor Rh, ge­ne da se­cre­ção sa­li­var, etc.

O he­mo­ti­po­lo­gis­ta tam­bém le­va em con­ta a ana­to­mia, mas no ní­vel da mo­lé­cu­la. No que diz res­pei­to à mi­cro­mor­fo­lo­gia, des­cre­ve as cé­lu­las hu­ma­nas cu­ja es­tru­tu­ra imu­no­ló­gi­ca e cu­jo equi­pa­men­to en­zi­má­ti­co são di­fe­ren­ci­a­dos, sen­do o te­ci­do san­guí­neo o ma­te­ri­al mais prá­ti­co pa­ra is­so. Os mar­ca­do­res san­guí­ne­os re­pre­sen­tam um sal­to his­tó­ri­co qua­li­ta­ti­vo na iden­ti­fi­ca­ção ci­en­tí­fi­ca dos gru­pos hu­ma­nos. Su­as van­ta­gens em re­la­ção aos cri­té­ri­os mor­fo­ló­gi­cos são de­ci­si­vas. Pri­mei­ra­men­te, eles são qua­se sem­pre mo­no­mé­tri­cos, is­to é, sua pre­sen­ça de­pen­de de um só ge­ne, en­quan­to o ín­di­ce ce­fá­li­co, por exem­plo, é o pro­du­to de um com­ple­xo de fac­to­res di­fi­cil­men­te lo­ca­li­zá­veis3.

Além dis­so, en­quan­to os cri­té­ri­os mor­fo­ló­gi­cos são tra­du­zi­dos em nú­me­ros uti­li­za­dos pa­ra clas­si­fi­ca­ções com fron­tei­ras ar­bi­trá­ri­as ou mal de­fi­ni­das, co­mo por exem­plo en­tre o bra­qui­cé­fa­lo tí­pi­co e o do­li­co­cé­fa­lo tí­pi­co, os mar­ca­do­res san­guí­ne­os obe­de­cem à lei do tu­do ou na­da. Uma pes­soa é ou não do gru­po A, tem fac­tor Rh+ ou Rh- e as­sim por di­an­te. Além dis­so, os fac­to­res san­guí­ne­os in­de­pen­dem qua­se in­tei­ra­men­te da pres­são do meio. O he­mó­ti­po é fi­xa­do pa­ra sem­pre, des­de a for­ma­ção do ovo. Eis por que os mar­ca­do­res san­guí­ne­os es­ca­pam ao sub­jec­ti­vis­mo da ti­po­lo­gia mor­fo­ló­gi­ca. Aqui, o in­di­ví­duo é iden­ti­fi­ca­do por um con­jun­to de fac­to­res gé­ni­cos, e a po­pu­la­ção por uma sé­rie de frequên­ci­as gé­ni­cas. A gran­de pre­ci­são des­ses fac­to­res com­pen­sa seu ca­rác­ter par­ci­al em re­la­ção à mas­sa dos ge­nes no con­jun­to de um ge­no­ma. Is­so tor­nou pos­sí­vel ela­bo­rar um atlas das “ra­ças” tra­di­ci­o­nais.

Três ca­te­go­ri­as de fac­to­res san­guí­ne­os fo­ram es­ta­be­le­ci­das. Al­gu­mas, co­mo o sis­te­ma ABO, são en­con­tra­das em to­das as “ra­ças” tra­di­ci­o­nais sem ex­cep­ção. Cer­ta­men­te elas pre­e­xis­ti­am à ho­mi­ni­za­ção. Ou­tros fac­to­res co­mo os do sis­te­ma Rh são om­ni­pre­sen­tes, mas com cer­ta pre­do­mi­nân­cia ra­ci­al. As­sim, o cro­mos­so­ma r exis­te prin­ci­pal­men­te en­tre os bran­cos. O cro­mos­so­ma Ro, co­nhe­ci­do co­mo “cro­mos­so­ma afri­ca­no”, tem uma frequên­cia par­ti­cu­lar­men­te al­ta en­tre os ne­gros ao sul do Sa­ra. Tra­ta-se, cer­ta­men­te, de sis­te­mas que da­tam do mo­men­to em que a hu­ma­ni­da­de co­me­ça­va a se pro­pa­gar em ni­chos eco­ló­gi­cos va­ri­a­dos. Ou­tra ca­te­go­ria de sis­te­mas de­no­ta uma re­par­ti­ção ra­ci­al mais mar­ca­da, co­mo os fac­to­res Sut­ter e Henshaw, en­con­tra­dos qua­se que uni­ca­men­te en­tre os ne­gros, e o fa­tor Kell, pre­sen­te so­bre­tu­do en­tre os bran­cos. Em­bo­ra eles nun­ca se­jam ex­clu­si­vos, fo­ram qua­li­fi­ca­dos de “mar­ca­do­res ra­ci­ais”. En­fim, al­guns fac­to­res são ge­o­gra­fi­ca­men­te mui­to cir­cuns­cri­tos co­mo, por exem­plo, a he­mo­glo­bi­na C pa­ra as po­pu­la­ções do pla­nal­to vol­ten­se.

Em­bo­ra os fac­to­res san­guí­ne­os se­jam des­pro­vi­dos de va­lor adap­ta­ti­vo, não es­ca­pam in­tei­ra­men­te à ac­ção do meio in­fec­ci­o­so ou pa­ra­si­tá­rio; es­te po­de exer­cer so­bre eles uma tri­a­gem com va­lor se­lec­ti­vo, le­van­do, por exem­plo, à pre­sen­ça de he­mo­glo­bi­nas ca­rac­te­rís­ti­cas. Is­so ocor­re com re­la­ção às he­mo­glo­bi­no­ses S, li­ga­das à exis­tên­cia de cé­lu­las fal­ci­for­mes ou dre­pa­nó­ci­tos en­tre as he­má­ci­as. Elas fo­ram de­tec­ta­das no san­gue dos ne­gros da Áfri­ca e da Ásia. Pe­ri­go­sa ape­nas no ca­so dos ho­mo­zi­go­tos, a he­mo­glo­bi­na S ( Hb S) é um ele­men­to de adap­ta­ção à pre­sen­ça de Plas­mo­dium fal­ci­pa­rum, res­pon­sá­vel pe­lo pa­lu­dis­mo. O es­tu­do dos he­mó­ti­pos em gran­des áre­as per­mi­te o tra­ça­do de cur­vas iso­gé­ni­cas que mos­tram a dis­tri­bui­ção ge­o­grá­fi­ca dos fac­to­res san­guí­ne­os por to­do o mun­do. As­so­ci­a­do ao cál­cu­lo das dis­tân­ci­as ge­né­ti­cas, ele dá uma ideia de co­mo as po­pu­la­ções se si­tu­am umas em re­la­ção às ou­tras, en­quan­to o sen­ti­do dos flu­xos gé­ni­cos per­mi­te re­cons­ti­tuir o pro­ces­so pré­vio de sua evo­lu­ção.

Ape­sar de seus de­sem­pe­nhos ex­cep­ci­o­nais, con­tu­do, o mé­to­do he­mo­ti­po­ló­gi­co e populacional en­con­tra di­fi­cul­da­des. Pri­mei­ra­men­te, por­que seus pa­râ­me­tros se mul­ti­pli­cam enor­me­men­te e já es­tão apre­sen­tan­do re­sul­ta­dos es­tra­nhos a pon­to de se­rem en­ca­ra­dos por al­guns co­mo aber­ran­tes. É as­sim que a ár­vo­re fi­lo­gé­ni­ca das po­pu­la­ções ela­bo­ra­da por L. L. Ca­val­li-Sfor­za di­fe­re da ár­vo­re an­tro­po­mé­tri­ca. Es­ta co­lo­ca os Pig­meus e os San da Áfri­ca no mes­mo ra­mo an­tro­po­mé­tri­co que os ne­gros da No­va Gui­né e da Aus­trá­lia; na ár­vo­re fi­lo­gé­ni­ca, es­ses mes­mos Pig­meus e San apro­xi­mam- se mais dos fran­ce­ses e in­gle­ses e os ne­gros aus­tra­li­a­nos dos ja­po­ne­ses e chi­ne­ses4. Por ou­tras pa­la­vras, os ca­rac­te­res an­tro­po­mé­tri­cos são mais afec­ta­dos pe­lo cli­ma que os ge­nes, de mo­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.