CON­TRA AS ARMAS NUCLEARES

Jornal Cultura - - DIÁLOGO INTERCULTURAL -

Co­mi­té No­bel no­ru­e­guês de­ci­diu dis­tin­guir a Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Abo­li­ção das Armas Nucleares (ICAN) "pe­los es­for­ços pa­ra cap­tar aten­ção pa­ra as ca­tas­tró icas con­sequên­ci­as hu­ma­nas" da uti­li­za­ção des­te ti­po de ar­ma­men­to. Num pe­río­do con­tur­ba­do em que a uti­li­za­ção de ar­ma­men­to nu­cle­ar é um dos prin­ci­pais te­mas mun­di­ais, o Co­mi­té No­bel no­ru­e­guês de­ci­diu atri­buir o Pré­mio No­bel da Paz à Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Abo­li­ção das Armas Nucleares.

“Vi­ve­mos num mun­do em que o ris­co de uti­li­za­ção de armas nucleares é mai­or do que al­gu­ma vez foi”, de­cla­rou Be­rit Reiss-An­der­sen, lí­der do Co­mi­té No­bel da No­ru­e­ga.

A ICAN pau­ta-se por ser uma co­li­ga­ção de ac­ti­vis­tas que pre­ten­de o de­sar­ma­men­to nu­cle­ar. Foi pre­mi­a­da pe­lo seu tra­ba­lho nas ne­go­ci­a­ções que ter­mi­na­ram com a cri­a­ção de um tra­ta­do pa­ra proi­bir armas nucleares, jun­ta­men­te com as Na­ções Uni­das.

“A or­ga­ni­za­ção foi agra­ci­a­da com es­te pré­mio pe­los seus es­for­ços pa­ra cap­tar aten­ção pa­ra as ca­tas­tró icas con­sequên­ci­as hu­ma­nas das armas nucleares e pe­los es­for­ços iné­di­tos pa­ra al­can­çar um tra­ta­do ba­se­a­do na proi­bi­ção de tais armas”, de­cla­rou a pre­si­den­te do Co­mi­té No­bel.

A Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal su­ce­de ao Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Ju­an Ma­nu­el San­tos, na atri­bui­ção do Pré­mio No­bel da Paz, pe­los es­for­ços re­a­li­za­dos pa­ra res­tau­rar a paz na Colôm­bia.

Tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do à es­ca­la glo­bal

A ICAN tra­ba­lha há mui­to por um tra­vão à uti­li­za­ção de ar­ma­men­to nu­cle­ar. A co­li­ga­ção é não-go­ver­na­men­tal e es­tá pre­sen­te em mais de 100 paí­ses. Nas­ceu na Aus­trá­lia, mas foi for­mal­men­te ins­ti­tuí­da em 2007 em Vi­e­na.

Em Ju­lho des­te ano, a ICAN foi res­pon­sá­vel pe­la cri­a­ção de um tra­ta­do (apoi­a­do pe­las Na­ções Uni­das) que proí­be a uti­li­za­ção de ar­ma­men­to nu­cle­ar.

Ape­sar da adop­ção do do­cu­men­to por par­te de 122 paí­ses, en­tre os quais Por­tu­gal, os prin­ci­pais Es­ta­dos com armas nucleares, co­mo Es­ta­dos Uni­dos, Rei­no Uni­do, Rús­sia, Chi­na e Fran­ça, não as­si­na­ram o tra­ta­do e des­cre­ve­ram-no co­mo uma “di­ver­são”.

ICAN des­ta­ca “gran­de hon­ra”

A Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Abo­li­ção das Armas Nucleares mos­trou-se hon­ra­da pe­la atri­bui­ção do Pré­mio No­bel.

“É uma gran­de hon­ra ter re­ce­bi­do o Pré­mio No­bel da Paz 2017, co­mo re­co­nhe­ci­men­to do nos­so pa­pel na cri­a­ção de um tra­ta­do que proí­be a uti­li­za­ção de armas nucleares. Es­te acor­do his­tó­ri­co, adop­ta­do a 7 de Ju­lho com o apoio de 122 na­ções, ofe­re­ce uma po­de­ro­sa e ne­ces­sá­ria al­ter­na­ti­va pa­ra o nos­so mun­do em que as ame­a­ças de destruição em mas­sa pre­va­le­cem”.

O gru­po su­bli­nhou que o No­bel é um pré­mio me­re­ci­do pa­ra to­dos os ac­ti­vis­tas à es­ca­la in­ter­na­ci­o­nal que ten­tam pa­rar a uti­li­za­ção de armas nucleares, as­sim co­mo e um tri­bu­to pa­ra as ví­ti­mas dos ata­ques nucleares de Hi­roshi­ma e Na­ga­sá­ki, no Ja­pão.

“É um tri­bu­to aos so­bre­vi­ven­tes dos ata­ques nucleares a Hi­roshi­ma e Na­ga­sá­ki e ou­tras ví­ti­mas de ex­plo­sões ató­mi­cas em ou­tras par­tes do mun­do. As su­as his­tó­ri­as fo­ram ins­tru­men­tais pa­ra as­se­gu­rar es­te mar­co”, con­ti­nu­ou por ex­pli­car a ICAN.

“Agra­de­ce­mos hu­mil­de­men­te ao Co­mi­té No­bel no­ru­e­guês. Es­te pré­mio traz luz a um ca­mi­nho que o tra­ta­do pre­ten­de per­cor­rer até al­can­çar um mun­do li­vre de armas nucleares. An­tes que se­ja tar­de, te­mos de re­co­nhe­cer es­se tri­lho”, con­cluiu a or­ga­ni­za­ção.

O re­ló­gio do Apo­ca­lip­se

No ar­ti­go “O que é o Re­ló­gio do Apo­ca­lip­se, e por que ele in­di­ca que des­de 1953 nun­ca es­ti­ve­mos tão per­to de uma ca­tás­tro­fe glo­bal?”, Ge­rar­do Lis­sardy, da BBC Mun­do em No­va York, pu­bli­ca­do a 14 de Ju­lho des­te ano, es­cre­ve:

“Exis­te um re­ló­gio que, em vez de me­dir a pas­sa­gem do tem­po, in­di­ca o quão per­to o pla­ne­ta es­tá de ser des­truí­do. Ac­tu­al­men­te, os seus pon­tei­ros mar­cam dois mi­nu­tos e meio pa­ra meia-noi­te, ho­rá­rio pre­vis­to pa­ra o im do mun­do.

É o cha­ma­do Re­ló­gio do Apo­ca­lip­se, cri­a­do em 1947 pe­lo Bo­le­tim dos Ci­en­tis­tas Ató­mi­cos (BPA, na si­gla em in­glês), nos Es­ta­dos Uni­dos.

Não se tra­ta de um ob­jec­to, mas de uma ilus­tra­ção sim­bó­li­ca. Os pon­tei­ros do re­ló­gio não se mo­vem por meio de uma me­di­da ci­en­tí ica, mas de acor­do com o pa­re­cer dos in­te­gran­tes do con­se­lho de ci­ên­cia e se­gu­ran­ça do BPA, que se reú­ne du­as ve­zes por ano pa­ra de­ter­mi­nar o qu­an­to fal­ta pa­ra meia-noi­te.

“É um sím­bo­lo que re­pre­sen­ta o quão per­to ou lon­ge es­ta­mos de uma ca­tás­tro­fe glo­bal. O que que­re­mos mos­trar com is­so é o quão pró­xi­mos es­ta­mos de des­truir a vi­da na Ter­ra co­mo a co­nhe­ce­mos”, ex­pli­ca Ra­chel Bron­son, di­rec­to­ra-exe­cu­ti­va e edi­to­ra do bo­le­tim.

O úl­ti­mo ajus­te nos pon­tei­ros acon­te­ceu em Ja- nei­ro des­te ano, lo­go após a pos­se de Do­nald Trump co­mo pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos. Na oca­sião, o re­ló­gio foi adi­an­ta­do em meio mi­nu­to.

Ape­nas em 1953 os pon­tei­ros es­ti­ve­ram mais adi­an­ta­dos do que ago­ra, mar­can­do dois mi­nu­tos pa­ra meia-noi­te, após os EUA e a an­ti­ga União So­vié­ti­ca tes­ta­rem bom­bas ter­mo­nu­cle­a­res.

Pa­ra os res­pon­sá­veis pe­lo re­ló­gio, even­tos re­cen­tes - co­mo o lan­ça­men­to de um mís­sil ba­lís­ti­co in­ter­con­ti­nen­tal pe­la Co­reia do Nor­te e a de­ci­são de Trump de re­ti­rar os EUA do Acor­do de Pa­ris so­bre mu­dan­ças cli­má­ti­cas - acen­dem um aler­ta.

Quan­do o Re­ló­gio do Apo­ca­lip­se foi cri­a­do, em 1947, sim­bo­li­za­va a pre­o­cu­pa­ção dos ci­en­tis­tas com o ris­co de um con li­to nu­cle­ar di­an­te da cor­ri­da ar­ma­men­tis­ta no iní­cio da Gu­er­ra Fria.

De­se­nha­do pe­la pin­to­ra Martyl Langs­dorf, mu­lher do ísi­co Ale­xan­der Langs­dorf, do Pro­jec­to Ma­nhat­tan (pro­jec­to de pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to que pro­du­ziu as pri­mei­ras bom­bas ató­mi­cas du­ran­te a 2ª Gu­er­ra Mun­di­al), o re­ló­gio mar­ca­va se­te mi­nu­tos pa­ra meia-noi­te em sua pri­mei­ra apa­ri­ção na ca­pa do bo­le­tim.

Des­de en­tão, a po­si­ção dos pon­tei­ros foi ajus­ta­da 22 ve­zes pa­ra fren­te ou pa­ra trás. Atu­al­men­te, o re­ló­gio re lec­te, jun­ta­men­te com o ris­co nu­cle­ar, a pre­o­cu­pa­ção dos ci­en­tis­tas com os efei­tos da mu­dan­ça cli­má­ti­ca e no­vas tec­no­lo­gi­as, co­mo a in­te­li­gên­cia ar­ti ici­al e a bi­o­lo­gia sin­té­ti­ca.

Be­rit Reiss-An­der­sen, lí­der do Co­mi­té No­bel da No­ru­e­ga

Nú­me­ro de armas nucleares no Mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.