A LIN­GUA­GEM DO SILÊNCIO

Jornal Cultura - - BARRA DO KWANZA - AGOS­TI­NHO GONÇALVES

Na­que­las ban­das de Can­jin­ji, apa­re­ceu mis­te­ri­o­sa­men­te a ver­da­dei­ra po­e­sia car­nal: ros­to deu­si­fi­ca­do, olhos mul­ti­co­lo­res, ca­be­los ne­gros de Ki­an­da e um cor­po to­do es­pon­jo­so. Era a Kayeye, um fo­go de mu­lher, uma cri­a­tu­ra per­fei­ta aos olhos hu­ma­nos. Mas co­mo a per­fei­ção não é coi­sa do ser hu­ma­no, fal­ta­va- lhe uma voz, uma voz que fi­cou pre­sa nas gar­ras do silêncio, des­de que veio ao fe­roz mun­do. Mas a mu­dez não anu­la­va a sua abun­dan­te be­le­za, pois sim­ples­men­te com o seu olhar vir­gi­nal hip­no­ti­za­va uma in­fi­ni­da­de de ho­mens, cu­jo de­se­jo mai­or era co­mer a ma­çã da rein­car­na­da Eva.

Em sua be­ne­vo­len­te al­ma, Kayeye car­re­ga­va uma mal­di­ta mal­di­ção que lhe ras­ga­va o de­se­jo ex­ci­tan­te da vi­da. De tão be­la que era, de tão sen­su­al que era, de tão afá­vel que era; nin­guém lhe po­dia pro­fe­rir pa­la­vras ofen­si­vas, imun­das ou des­res­pei­to­sas, se não a mal­di­ção er­guer- se- ia e es­ten­der-se-ia pa­ra to­dos os que ali vi­vi­am.

Um dia des­ses em que a lua de­ci­diu não apa­re­cer, Kayeye saíu em pas­sos ca­ma­leó­ni­cos, trans­bor­dan­do a be­le­za do seu ma­rag­ní­fi­co cor­po por to­da aque­la re­gião. Nu­ma es­qui­na cha­ma­da "Cin­quin­ti­nha", pas­sou por um gru­pi­nho de jo­vens cur­tin­do um ban­ze­lo e a man­da­rem umas cu­cas pro pei­to. Um de­les cha­ma­do Kwangwangwa, mas­tur­ba­do num sim­ples olhar, re­sol­veu cha­má­la e fê- lo de to­das as for­mas pos­sí­veis, mas Kayeye con­ti­nu­ou sua tra­jec­tó­ria que não ti­nha co­me­ço nem fim. Kwangwan­ga por sua vez, ir­ri­ta­do por ser ig­no­ra­do di­an­te dos kam­bas, já con­su­mi­do pe­lo que con­su­mia gri­tou em al­ta voz: - Hum, ti­po num ca­ga! Pu­ta de mer­da! De re­pen­te tu­do pa­rou, o céu es­cu­re­ceu- se e o silêncio rei­nou. Nes­se ins­tan­te Kayeye de­sa­pa­re­ceu e com ela to­das as vo­zes. To­dos per­de­ram a fa­la e co­me­ça­ram a co­mu­ni­car-se atra­vés de ges­tos.

Na noi­te des­te mes­mo te­ne­bro­so dia, Kayeye apa­re­ceu no cen­tro de Can­jin­ji sob a for­ma de uma gi­gan­te pe­dra de cris­tal, cra­va­da com a se­guin­te men­sa­gem: « Quem não fa­la tam­bém co­mu­ni­ca » .

Em se­gui­da, re­a­pa­re­ceu a Kwangwangwa, en­quan­to es­te es­ten­dia as bo­las no seu quar­ti­nho de cha­pa, ten­tan­do bus­car as vo­zes que se ti­nham eva­po­ra­do com a mis­te­ri­o­sa be­le­za de Kayeye. Des­ta vez sob for­ma de uma pe­na de ga­li­nha, Kayeye pin­ce­lou no te­to, on­de jus­ta­men­te olha­va Kwangwangwa, dei­xan­do mais uma men­sa­gem: «A sal­va­ção es­tá em tu­as mãos».

Kwangwangwa le­van­tou- se as­sus­ta­do, já com uma fa­ca na mão, pro­cu­ra­va a mis­te­ri­o­sa pe­na, mas en­con­trou ape­nas um na­da, um va­zio que o en­go­lia. De­ses­pe­ra­do, ar­ro­jou- se no chão e lo­go lem­brou- se da men­sa­gem que Kayeye o dei­xou. Ra­pi­da­men­te abriu as mãos, on­de en­con­trou mais uma men­sa­gem: «Vai ago­ra ao ce­mi­té­rio, de­sen­ter­ra a co­va de um da­que­les que an­dou a es­ti­gar os que não fa­lam e quei­me o seu es­que­le­to. Apro­vei­ta o pó, jo­ga- o ao cair da ma­dru­ga­da com o can­tar do ga­lo e tu­do se res­ti­tui­rá».

En­tão, mes­mo vi­bran­do de me­do, Kwangwangwa saíu e fez tu­do o que Kayeye lhe ti­nha ori­en­ta­do. Mas ne­nhum ga­lo can­tou, pois o silêncio en­car­re­gou-se de le­var con­si­go tu­do o que era som. Por­tan­to, a mal­di­ção do silêncio ali se ins­ta­lou e tu­do vi­rou um va­zio, res­tan­do ape­nas Kayeye sob a for­ma da­que­la gi­gan­te pe­dra de cris­tal com a sua pe­da­gó­gi­ca men­sa­gem: « Quem não fa­la tam­bém co­mu­ni­ca».

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.