50 ANOS DE AN­TÓ­NIO OLE

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - ADRI­A­NO DE ME­LO

Com a ex­po­si­ção “50 Anos Vi­ven­do, Cri­an­do” An­tó­nio Ole apre­sen­ta o tra­ba­lho de meio sé­cu­lo em prol das be­las ar­tes.

De­pois de anos a re­de inir o pró­prio es­ti­lo, a adap­tar-se aos no­vos ven­tos do mo­der­nis­mo, mas sem des­cu­rar o co­nhe­ci­men­to da sua ge­ra­ção, e sem­pre a mos­trar, ao pú­bli­co, ten­dên­ci­as e, às ve­zes, a fa­zer crí­ti­cas so­ci­ais, o ar­tis­ta plás­ti­co An­tó­nio Ole apre­sen­ta ho­je, no Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, o re­sul­ta­do de 50 anos de tra­ba­lho em prol das be­las ar­tes.

Qu­an­do qu­es­ti­o­na­do so­bre o que se po­de es­pe­rar des­ta mos­tra, que traz 27 tra­ba­lhos de pin­tu­ra, co­la­gem e de­se­nho, o ar­tis­ta dis­se: “acres­cen­tar al­go no­vo, de for­ma a tra­zer mu­dan­ça”. Es­se pa­re­ce ser o ac­tu­al pen­sa­men­to e a li­nha ilo­só ica de to­da a ex­po­si­ção, de­no­mi­na­da “50 Anos vi­ven­do, cri­an­do”, que po­de ser vis­ta pe­lo pú­bli­co até ao pró­xi­mo dia 20 de De­zem­bro.

Por­tan­to, a dú­vi­da mais co­mum, num tra­ba­lho co­mo es­te - que tam­bém traz iné­di­tos -,é até on­de o ar­tis­ta po­de sur­pre­en­der e pren­der o pú­bli­co, nu­ma ex­po­si­ção que se es­pe­ra co­mo uma pon­te en­tre dois mun­dos, o do pas­sa­do e o do pre­sen­te, ho­je mui­to di­fe­ren­tes um do ou­tro no país, de­vi­do, em par­te, aos avan­ços da glo­ba­li­za­ção.

Ape­sar de ter apren­di­do mui­to do pas­sa­do, An­tó­nio Ole dis­se que ac­tu­al­men­te bus­ca pou­ca mo­ti­va­ção da tra­di­ção, por se con­si­de­rar um ar­tis­ta do seu tem­po e co­mo tal com a obri­ga­ção de mos­trar as mu­dan­ças so­ci­ais dos di­as de ho­je.

Gran­de par­te dos ar­tis­tas que pro­cu­ra­ram se ins­pi­rar na tra­di­ção, ex­pli­ca, pre­va­le­ce­ram e o vão fa­zer por anos, por­que as ori­gens e a tra­di­ção são sem­pre mo­ti­vos de in­ves­ti­ga­ção e de ins­pi­ra­ção. “Mas o pa­pel do ar­tis­ta vai mais lon­ge des­ta vi­são”, de­fen­de o pin­tor, pa­ra quem “é im­por­tan­te tor­nar a ar­te par­te de um pro­ces­so de trans­for­ma­ção so­ci­al me­lhor”.

Fi­lho de um fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, co­lo­ca­do no Por­to do Lo­bi­to e de­pois trans­fe­ri­do pa­ra Lu­an­da, o ar­tis­ta dis­se que apren­deu a co­nhe­cer a “An­go­la Pro­fun­da” ain­da jo­vem, no Li­ceu Pau­lo Di­as de No­vais, atra­vés de um mo­vi­men­to cri­a­do na épo­ca pa­ra des­co­brir mais so­bre a cul­tu­ra an­go­la­na. Es­te sa­ber, acre­di­ta, o aju­dou a ser o ho­mem e o cri­a­dor que é ho­je. “O ar­tis­ta de­ve es­tar num cons­tan­te pro­ces­so de apren­di­za­gem. Tu­do o que sei, apren­di nos mu­seus”, dis­se o ar­tis­ta, que co­nhe­ceu e te­ve mui­tas in luên­ci­as ao lon­go da sua car­rei­ra, al­guns dos quais ain­da lem­bra com ale­gria, co­mo o pro­fes­sor de et­no­gra ia que o in­cu­tiu o gos­to pe­la ar­te Lun­da, ou o de de­se­nho, que o des­co­briu e o aju­dou a ex­plo­rar o seu ta­len­to ar­tís­ti­co.

Ho­je, re­lem­bra, con­se­guiu atra­ves­sar vá­ri­as fa­ses e pe­río­dos, ao pon­to de ter cri­a­do um es­ti­lo seu, as­sen­te no seu co­nhe­ci­men­to so­bre a iden­ti­da­de e a cul­tu­ra na­ci­o­nal ad­qui­ri­do ao lon­go de anos, cu­ja te­má­ti­ca es­tá mais re­la­ci­o­na­da aos te­mas ac­tu­ais.

Os tra­ba­lhos de pin­tu­ra, na sua mai­o­ria fei­tos em acrí­li­co e pig­men­tos so­bre te­la, pro­cu­ram co­mu­ni­car ao pú­bli­co a ideia do ar­tis­ta so­bre o que é a sua vi­são da re­a­li­da­de ac­tu­al. “A ar­te tem um pa­pel de­ci­si­vo na mu­dan­ça so­ci­al”, ad­mi­te, acres­cen­tan­do que to­da a al­te­ra­ção dos di­as de ho­je de­vem ser ana­li­sa­das, cri­ti­ca­das ou pre­ser­va­das pe­los ar­tis­tas.

Con­si­de­ran­do a si mes­mo co­mo um “re­ci­cla­dor com­pul­si­vo”, An­tó­nio Ole­a­cre­di­ta que um ar­tis­ta não de­ve se pren­der a li­mi­ta­ção, te­má­ti­ca ou es­té­ti­ca, mas sim ex­plo­rar a so­ci­e­da­de ao seu re­dor e pro­cu­rar trans­for­ma-la, atra­vés da ino­va­ção e do experimentalismo. “O re­ci­cla­dor é aque­le que vê va­lor em tu­do o que a so­ci­e­da­de des­va­lo­ri­za. Um ar­tis­ta tem de ser cri­a­ti­vo.”

A ex­po­si­ção “50 Anos vi­ven­do, cri­an­do” vol­ta a ser apre­sen­ta­da ao pú­bli­co o pró­xi­mo ano, mas de uma for­ma mais abran­gen­te, nu­ma co­o­pe­ra­ção com a Fun­da­ção Sin­di­kaDo­ko­lo. “A ideia é apre­sen­tar, nu­ma vi­são mais am­pla, to­do o tra­ba­lho fei­to por mim, in­cluin­do al­guns que es­tão em ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais, ou em vá­ri­as co­lec­ções, as­sim co­mo os que te­nho em pos­se”.

Aler­tas

50 anos de­pois, o ar­tis­ta con­ti­nua a cha­mar aten­ção aos jo­vens ar­tis­tas pa­ra im­por­tân­cia de va­lo­ri­za­rem mais as su­as raí­zes, mas sem des­pre­zar as ac­tu­ais ten­dên­ci­as, em par­ti­cu­lar da ar­te con­tem­po­râ­nea. “A in­ves­ti­ga­ção é par­te fun­da­men­tal des­te le­ga­do, cu­jo mai­or acer­vo, até ho­je, ain­da se en­con­tra na Eu­ro­pa e ou­tros con­ti­nen­tes, on­de es­tá guar­da­do gran­de par­te - ou pe­lo me­nos o mais no­tá­vel - da ar­te cokwe. A mai­o­ria dos mu­seus de ar­te de Bru­xe­las são cla­ros exem­plos dis­so. É uma re­a­li­da­de que pre­ci­sa ser in­ver­ti­da.”

Po­rém, pa­ra su­pe­rar tal de­sa io, o ar­tis­ta pe­de uma mai­or apos­ta na for­ma­ção de cri­a­do­res e um mai­or in­te­res­se des­tes em des­co­brir e mos­trar a “An­go­la pro­fun­da”, que aos pou­cos vem sen­do es­que­ci­da ou ig­no­ra­da, de­vi­do ao cres­ci­men­to de fe­nó­me­nos co­mo a glo­ba­li­za­ção.

A lin­gua­gem do cor­po

La­vo­res

Twins

An­go­la in Afri­cus

Pin­tu­ra de A. Ole

An­tó­nio OLE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.