FES­TA DE CAR­NA­VAL

COM A BENÇÃO DE SÃO PE­DRO

Jornal Cultura - - Primeira Página - GAS­PAR MICOLO

Cor, tra­di­ção e fo­lia trou­xe­ram o rit­mo do Car­na­val à Mar­gi­nal de Lu­an­da. E não fal­tou a chu­va na pri­mei­ra edi­ção pre­sen­ci­a­da pe­lo no­vo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço. Mes­mo com a chu­va "amar­ra­da" a seu fa­vor, o União Mun­do da Ilha não pô­de re­va­li­dar o tí­tu­lo, ten­do si­do le­va­do pe­lo no­va­to União Re­cre­a­ti­vo do Ki­lam­ba.

Cor, tra­di­ção e fo­lia trou­xe­ram o rit­mo do Car­na­val à Mar­gi­nal de Lu­an­da. E não fal­tou a chu­va na pri­mei­ra edi­ção pre­sen­ci­a­da pe­lo no­vo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço. Mes­mo com a chu­va “amar­ra­da” a seu fa­vor, o União Mun­do da Ilha não pô­de re­va­li­dar o tí­tu­lo, ten­do si­do le­va­do pe­lo no­va­to União Re­cre­a­ti­vo do Ki­lam­ba. Aqui fi­ca um re­tra­to da fes­ta.

Gin­gas e tra­jes ex­pres­si­vos mar­ca­ram os des iles dos con­cor­ren­tes da clas­se A do Car­na­val da ca­pi­tal an­go­la­na, com os dis­tri­tos ur­ba­nos da Mai­an­ga e do Ran­gel, a do­mi­na­rem a lis­ta dos 12, com três gru­pos ca­da. Três ho­ras de­pois do iní­cio do des ile dos gru­pos car­na­va­les­cos, o ce­ná­rio na No­va Mar­gi­nal já era o de um car­na­val dan­ça­do ago­ra sob chu­va miú­da, e co­res vi­vas, nu­ma al­tu­ra em que se exi­bia o União Ki­e­la, e sob o olhar atento do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, e a pri­mei­ra- da­ma, Ana Di­as Lou­ren­ço.

A fes­ta do En­tru­do co­me­çou às 16h00 de­pois da che­ga­da do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. O go­ver­na­dor de Lu­an­da, Adri­a­no Men­des de Carvalho, na pre­sen­ça de vá­ri­os go­ver­nan­tes, com des­ta­que pa­ra a mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Carolina Cer­quei­ra, de­pu­ta­dos e con­vi­da­dos, fez a aber­tu­ra da fes­ta mais po­pu­lar do país.

Com efei­to, o ca­sal pre­si­den­ci­al viu- se obri­ga­do a aban­do­nar, por vol­ta das 20 ho­ras, a No­va Mar­gi­nal, de­vi­do à for­te chu­va que caia so­bre a ca­pi­tal do país, quan­do des ila­va o gru­po União Njin­ga a Mban­de.

Ain­da as­sim, pe­la pis­ta da No­va Mar­gi­nal já ti­nham pas­sa­do o gru­po ho­me­na­ge­a­do, União Jo­vens da Ca­cim­ba, os co­lec­ti­vos das pro­vín­ci­as de Ca­bin­da, Ben­gue­la, Cu­an­za Sul, Hu­am­bo e Lun­da Nor­te co­mo con­vi­da­dos. An­tes da chu­va se in­ten­si icar, no­ve gru­pos des ila­ram pe­la pis­ta da No­va Mar­gi­nal dos 12 com­pe­ti­ti­vos.

Co­mo si­nal de con­ser­va­ção dos ró­tu­los de ve­te­ra­nos, ex­pe­ri­en­tes e se­ni­o­res, os gru­pos car­na­va­les­cos da Clas­se A dei­xa­ram con­fu­so o cor­po de ju­ra­do da 40ª edi­ção do En­tru­do de Lu­an­da, com per­for­man­ces de "en­cher os olhos".

Co­mo con­sequên­cia da in­ten­sa chu­va que se re­gis­tou no prin­cí­pio da noi­te na ci­da­de de Lu­an­da, o des ile dos gru­pos car­na­va­les­cos da Clas­se A tam­bém te­ve de ser can­ce­la­do e re­mar­ca­do pa­ra sá­ba­do, dia 17, às 10h00, no mes­mo lo­cal, quan­do fal­ta­vam três gru­pos pa­ra o im da ac­ti­vi­da­de. Em fa­ce dis­so, os re­sul­ta­dos, que de­vi­am ser anun­ci­a­dos no dia se­guin­te," quar­ta-fei­ra das ma­ban­gas", na Li­ga Afri­ca­na, só de­ve­ri­am ser co­nhe­ci­dos tam­bém no sá­ba­do, no pe­río­do da tar­de.

En­tre­tan­to, de­pois se icou a sa­ber que os gru­pos União 10 de De­zem­bro, União 54, am­bos da Mai­an­ga, e o Ju­ven­tu­de do Ka­pa­lan­ga, da Vi­a­na, já não des ila­ri­am sá­ba­do, 17, co­mo ha­via si­do anun­ci­a­do, ini­ci­al­men­te, pe­la or­ga­ni­za­ção, na pis­ta da No­va Mar­gi­nal, em fun­ção do acer­to en­con­tra­do en­tre os gru­pos e a Co­mis­são Pro­vin­ci­al do Car­na­val de Lu­an­da.

Des­ta for­ma, de­ci­diu-se pe­la ma­nu­ten­ção dos 13 gru­pos da clas-

se A a que se jun­ta­ram os cin­co pri­mei­ros co­lo­ca­dos da clas­se B, en­quan­to o União 10 de De­zem­bro, União 54 e Ju­ven­tu­de do Ka­pa­lan­ga te­ri­am ain­da di­rei­to a um sub­sí­dio, cu­jo mon­tan­te não foi di­vul­ga­do.

O MO­MEN­TO DO VEN­CE­DOR

A for­te or­ga­ni­za­ção, em­pe­nho, as­sim co­mo o amor à arte e a cul­tu­ra fo­ram os prin­ci­pais "se­gre­dos" pa­ra o gru­po car­na­va­les­co União Re­cre­a­ti­vo do Ki­lam­ba, do dis­tri­to ur­ba­no do Ran­gel, ven­cer o En­tru­do de Lu­an­da, di­vul­ga­do na quin­ta- fei­ra, 15. De acor­do com o co­man­dan­te do União Re­cre­a­ti­vo do Ki­lam­ba, Poly Ro­cha, mo­men­tos após o anún­cio dos re­sul­ta­dos dos ven­ce­do­res do Car­na­val de Lu­an­da, a pre­pa­ra­ção do gru­po com vá­ri­os me­ses de an­te­ce­dên­cia foi um dos trun­fos pa­ra a vi­tó­ria.

O gru­po, que des­ceu na pis­ta da No­va Mar­gi­nal sob o co­man­do de Poly Ro­cha, ob­te­ve 842 pon­tos, su­pe­ran­do a con­cor­rên­cia de ou­tros oi­to con­cor­ren­tes, e foi o oi­ta­vo a des­fi­lar na com­pe­ti­ção. Du­ran­te a sua exi­bi­ção, o co­lec­ti­vo de 900 in­te­gran­tes trans­mi­tiu men­sa­gens so­bre a ne­ces­si­da­de da va­lo­ri­za­ção das cha­ma­das pro­fis­sões li­be­rais.

No des ile cen­tral, o gru­po exi­biu­se com uma co­re­o­gra ia do es­ti­lo sem­ba ao rit­mo do te­ma “Me­se­neyaU­fu­nu” ( Mes­tre) da au­to­ria e in­ter­pre­ta­ção do mú­si­co Dom Ca­e­ta­no.

“O nos­so gru­po, ge­ral­men­te, pre­pa­ra o car­na­val com mui­tos me­ses de an­te­ce­dên­cia, pa­ra que no dia do des ile saia tu­do com foi pro­gra­ma­do. Mas o amor pe­lo Car­na­val é a gran­de for­ça mo­triz pa­ra ven­cer­mos o En­tru­do”, res­sal­tou. Poly Ro­cha ad­mi­tiu que o gru­po pas­sou por di icul­da­de inan­cei­ras pa­ra par­ti­ci­par do Car­na­val/2018 e ape­lou aos em­pre­sá­ri­os no sen­ti­do de apoi­a­rem mais as co­lec­ti­vi­da­des que par­ti­ci­pam do En­tru­do, por ser a mai­or ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral do país. De­di­cou a vi­tó­ria a to­dos aque­les, que des­de a pri­mei­ra ho­ra, es­ti­ve­ram dis­po­ní­veis e apoi­a­ram o gru­po União Re­cre­a­ti­vo do Ki­lam­ba, tan­to fi­nan­cei­ra co­mo mo­ral­men­te.

Oco­man­dan­te do Re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba dis­se à im­pren­sa, após o anún­cio dos re­sul­ta­dos, que em An­go­la ain­da não se dan­ça o Car­na­val por­que os gru­pos ven­ce­do­res in­ves­tem mui­to di­nhei­ro e o va­lor do pré­mio não com­pen­sa.

Ape­sar de o União Re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba ter ven­ci­do es­sa edi­ção do Car­na­val, Poly Ro­cha re­co­nhe­ceu a qua­li­da­de e cri­a­ti­vi­da­de dos ou­tros gru­pos car­na­va­les­cos que pres­ti­gi­a­ram a sua pres­ta­ção no des ile cen­tral pre­sen­ci­a­do pe­lo ca­sal pre­si­den­ci­al, João Lou­ren­ço e Ana Di­as Lou­ren­ço.

O co­man­dan­te do Re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba, que tem co­mo rei Domingos Ma­nu­el e rai­nha Lu­cin­da dos San­tos, con­fes­sou que o se­gre­do pa­ra a con­quis­ta do pri­mei­ro tí­tu­lo te­ve co­mo ba­se o tra­ba­lho an­te­ci­pa­do, ra­zão pe­la qu­al vão co­me­çar a pre­pa­rar a edi­ção 2019 nos pró­xi­mos tem­pos.

En­tre­tan­to, a se­gun­da po­si­ção foi ocu­pa­da pe­lo União Mun­do da Ilha (des­tro­na­do do tí­tu­lo), com 840 pon­tos, en­quan­to no ter­cei­ro lu­gar icou o União Njin­ga a Mban­de, do mu­ni­cí­pio de Vi­a­na, com 804 pon­tos.Na quar­ta po­si­ção es­tá o União Ki­e­la, do dis­tri­to ur­ba­no do Sam­bi­zan­ga, com 796 pon­tos, e em quin­to o União Ope­rá­rio Ka­bo­co­meu, tam­bém do Sam­bi­zan­ga, com 714 pon­tos.

Con­tu­do, os re­sul­ta­dos di­vul­ga­dos não sa­tis­fez al­guns gru­pos, prin­ci­pal­men­te da co­man­dan­te do União Ki­e­la, Ma­ra­vi­lha dos San­tos, que ma­ni­fes­tou, de for­ma vi­sí­vel e con­tun­den­te o seu de­sa­pon­ta­men­to com o que con­si­de­ra in­jus­to a ac­tu­a­ção do cor­po de jú­ri li­de­ra­do pe­lo cri­ti­co cul­tu­ral Jo­mo For­tu­na­to.

UNIÃO MUN­DO DA ILHA UM RE­COR­DIS­TA À ES­PE­RA DE NO­VA VI­TÓ­RIA

O gru­po União Mun­do da Ilha, do dis­tri­to ur­ba­no da In­gom­bo­ta, con­ti­nua a li­de­rar a ga­le­ria dos ven­ce­do­res do Car­na­val de Lu­an­da, com 13 tí­tu­los, de­pois da re­a­li­za­ção da 40ª edi­ção.

O cam­peão do Car­na­val de Lu­an­da de 2017 mos­trou os seus ar­gu­men­tos na pis­ta da No­va Mar­gi­nal, com a cla­ra in­ten­ção de man­ter o tro­féu na sua ga­le­ria. O gru­po, que trou­xe con­si­go dois mil in­te­gran­tes ao som e rit­mo do sem­ba, não pô­de re­va­li­dar o tro­féu es­te ano, mes­mo com to­dos os con­di­men­tos car­na­va­les­cos do gin­gar dos ilhéus.Era co­mo se o União Mun­do da Ilha ti­ves­se le­va­do to­dos os ilhéus à ca­te­dral. E en­quan­to a chu­va au­men­ta­va de in­ten­si­da­de, o mes­tre de ce­ri­mó­nia, Afon­so Quin­tas, de­pois do gru­po re­cor­dis­ta ter pas­sa­do pe­la tri­bu­na prin­ci­pal, dis­se: “O Gru­po União Mun­do da Ilha con­se­guiu amar­rar a chu­va. Já des ila­ram. Ago­ra nós é que va­mos cui­dar de amar­rar a chu­va.”

O gru­po exi­biu-se no des ile cen­tral com uma co­re­o­gra ia de sem­ba ao som do te­ma “Le­tra­toya­gi­mi­vu” de au­to­ria e in­ter­pre­ta­ção de To­ni­cha Mi­ran­da. Con­tu­do, o pre­si­den­te do União Mun­do da Ilha, An­tó­nio Cus­tó­dio, dis­se ter re­ce­bi­do apoi­os de dois pa­tro­ci­na­do­res, o que não foi su ici­en­te pa­ra co­brir as des­pe­sas, ra­zão pe­la qu­al te­ve de usar re­cur­sos pró­pri­os pa­ra su­por­tar os en­car­gos car­na­va­les­cos que o gru­po le­vou à Mar­gi­nal da Praia do Bis­po.

O União Mun­do da Ilha foi fun­da­do em 1968 e pos­sui na sua ga­le­ria 13 tí­tu­los. Exe­cu­ta o es­ti­lo de dan­ça sem­ba, bem co­mo canções na lín­gua na­ci­o­nal kim­bun­do. As su­as ves­tes re­al­çam o ama­re­lo, ver­me­lho e bran­co, lem­bran­do os pes­ca­do­res e as ma­mãs da Ilha. A agre­mi­a­ção é fru­to da fu­são de ou­tros dois exis­ten­tes na épo­ca, de­sig­na­da­men­te Evi­ta da Ilha e os In­ve­jo­sos.

O gru­po é ven­ce­dor das edi­ções de 1980, 1982, 1983, 1984, 1987, 1988, 1997, 2000, 2003, 2004, 2007, 2008 e 2017.Na ga­le­ria dos ven­ce­do­res des­ta­ca-se ain­da o União Ki­e­la, do Sam­bi­zan­ga, com cin­co tí­tu­los con­quis­ta­dos, e o União 10 de De­zem­bro, da Mai­an­ga, com qua­tro tí­tu­los.

VEZ E VOZ AOS CON­VI­DA­DOS

Dan­ça, mú­si­ca, há­bi­tos, cos­tu­mes, tra­di­ções, gin­ga, tra­jes, xin­gui­la­men­to e ri­tu­ais é o es­sen­ci­al que os cin­co gru­pos car­na­va­les­cos pro­vin­ci­ais apre­sen­ta­ram nes­ta na No­va Mar­gi­nal, co­mo par­te da ri­que­za cul­tu­ral de ca­da uma das su­as lo­ca­li­da­des.

Mes­mo na con­di­ção de con­vi­da­dos e, em­bo­ra num pal­co hos­til, os re­pre­sen­tan­tes da Lun­da Nor­te, Ca­bin­da, Hu­am­bo, Cu­an­za Sul e Ben­gue­la des ila­ram com mui­ta se­gu­ran­ça, har­mo­nia e ale­gria, ex­pon­do as su­as par­ti­cu­la­ri­da­des cul­tu­rais e res­pec­ti­vas po­ten­ci­a­li­da­des car­na­va­les­cas.

Com 80 in­te­gran­tes, o gru­po Ma­rin­ga da Lun­da Nor­te foi o pri­mei­ro a exi­bir-se, de for­ma des­con­traí­da e des­te­mi­da, mos­tran­do a ri­que­za da tchi­an­da, ma­rin­ga, txan­ga, kan­dowa e kand­jend­je da re­gião Les­te do país, sob o co­man­do de Wil­son Ma­nu­el Se­ra im e An­tó­nio Pe­dro.

Isa­bel Ke­keSu­raya e Eno­queHun­ga são, res­pec­ti­va­men­te a rai­nha e o rei des­te gru­po fun­da­do a 15 de Ja­nei­ro de 2002, no mu­ni­cí­pio de Chi­ta­to e que con­ta com qua­tro tí­tu­los no seu his­to­ri­al.

OT­cha­co-Tcha­co de Ca­bin­da foi o se­gun­do a en­trar em ac­ção, com uma co­re­o­gra ia sen­sa­ci­o­nal que me­re­ceu o aplau­so da pla­teia e “co­chi­chos” en­tre os mi­nis­tros do In­te­ri­or, Ân­ge­lo da Vei­gas Tavares, da Cul­tu­ra, Carolina Cer­quei­ra, e da Ju­ven­tu­de e Des­por­to, Ana Pau­la Sa­cra­men­to.

De­ten­tor de três tí­tu­los no Car­na­val de Ca­bin­da, o gru­po exi­biu- se igual­men­te com cer­ca 80 fo­liões, res­sal­tan­do o fol­clo­re da Re­gião Mu­oyo, zo­na Sul de Ca­bin­da, com uma can­ção na lín­gua lo­cal Fi­o­te.

O mes­mo exis­te des­de 2009, e eti­mo­lo­gi­ca­men­te sig­ni ica “aqui­lo que é nos­so, nin­guém ti­ra”. Foi cri­a­do por An­tó­nio Fer­ro e dan­ça Mayeye, um dos es­ti­los da cul­tu­ra do sub­gru­po et­no­lin­guís­ti­co Oio do sul da pro­vín­cia de Ca­bin­da, exi­bi­do nas fes­ti­vi­da­des tra­di­ci­o­nais e de sa­lão. Por sua vez, o Ovind­jend­je do Hu­am­bo apro­vei­tou a opor­tu­ni­da­de pa­ra apre­sen­tar as­pec­tos ca­rac­te­rís­ti­cos do Rei­no da Tchiya­ca e da cul­tu­ra ovim­bun­du, com re­al­ce pa­ra a dan­ça olon­dun­go, com o te­ma “O con­tri­bu­to do Rei­no da Tchiya­ka no de­sen­vol­vi­men­to da cul­tu­ra an­go­la­na”.

Nes­ta pri­mei­ra apa­ri­ção no Car­na­val de Lu­an­da, o gru­po (fun­da­do em 2010 e oriun­do do mu­ni­cí­pio do Chin­jen­je) apre­sen­tou-se com cem ou­sa­dos fo­liões, bem ca­pri­cha­dos na in­du­men­tá­ria, con­fec­ci­o­na­da com te­ci­do sa­ma­ka­ka, na qu­al pre­do­mi­nou as co­res ama­re­la e azul.

O Ovind­jend­je, de­no­mi­na­ção em lín­gua na­ci­o­nal Um­bun­du, que tra­du­zi­do em por­tu­guês sig­ni ica “pás­sa­ros pou­sa­dos nu­ma ár­vo­re” dan­çou si­mul­ta­ne­a­men­te o olon­dun­go, ohat- cho e ca­ti­to, tí­pi­cas da re­gião do pla­nal­to cen­tral. É ven­ce­dor de qua­tro edi­ções do car­na­val do Hu­am­bo.

Ven­ce­dor da edi­ção de 2017 no Cu­an­za Sul, o gru­po car­na­va­les­co União Mu­te­da do Sum­be (cri­a­do em 2007) foi o quar­to em­ble­ma pro­vin­ci­al a es­tre­ar­se na pis­ta da No­va Mar­gi­nal, no Car­na­val de Lu­an­da, a tí­tu­lo de con­vi­da­do, com apro­xi­ma­da­men­te 90 in­te­gran­tes.

Com a can­ção "Mu­lher Ru­ral", o gru­po, co­man­da­do por Gilberto Fer­rei­ra Si­mão, evi­den­ci­ou uma com­bi­na­ção de dan­ças co­mo Va­ri­na, Ka­zu­cu­ta, Sem­ba e Ku­du­ro, fa­zen­do jus ao seu no­me, que sig­ni­fi­ca ( ao mes­mo tem­po) mú­si­ca, te­a­tro e dan­ça. Tem no seu his­to­ri­al 4 tí­tu­los.

Fi­nal­men­te, o gru­po Bra­vos da Vi­tó­ria da Ca­tum­be­la, pro­ve­ni­en­te da pro­vín­cia de Ben­gue­la des ilou clas­se e ex­pe­ri­ên­cia, pro­van­do, tal co­mo os de­mais “fo­ras­tei­ros” que es­tá a al­tu­ra de com­pe­tir com os si­mi­la­res lu­an­den­ses, e a ra­zão de os­ten­tar 26 tí­tu­los con­quis­ta­dos lo­cal­men­te.

Ape­sar de ser o úl­ti­mo a pas­sar, es­te con­jun­to ( fun­da­do a 23 de Mar­ço de 1978) foi o mais ova­ci­o­na­do nas ar­qui­ban­ca­das e até na Tri­bu­na Vip, on­de es­te­ve tam­bém a Pri­mei­ra- da­ma da Re­pú­bli­ca, Ana Di­as Lou­ren­ço, e o go­ver­na­dor de Lu­an­da, Adri­a­no Men­des de Carvalho. Os Bra­vos da Vi­tó­ria da Ca­tum­be­la con­tam com 39 par­ti­ci­pa­ções no En­tru­do de Ben­gue­la e apre­sen­tou- se com mais de cem fo­liões. Dan­çou ka­zu­ku­ta, ape­lan­do (pe­la mú­si­ca e co­re­o­gra­fia) pa­ra a ne­ces­si­da­de de uma mai­or aten­ção às co­mu­ni­da­des ru­rais e tra­ba­lha­do­res do cam­po.

KINDALA MA­NU­EL

KINDALA MA­NU­EL

Cor e ale­gria mar­cou mais uma vez o Car­na­val de Lu­an­da

KINDALA MA­NU­EL

KINDALA MA­NU­EL

Me­lhor da “fes­ta do po­vo” exi­bi­do ao pú­bli­co

KINDALA MA­NU­EL

Reis e rai­nhas de­ram um es­pec­tá­cu­lo

DOMBELE BERNARDO

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca João Lou­ren­ço as­sis­tiu o des­fi­le cen­tral KINDALA MA­NU­EL

KINDALA MA­NU­EL

Di­ver­sas cul­tu­ras fo­ram apre­sen­ta­das ao pú­bli­co

Jo­vens de­ram sequên­cia ao le­ga­do de ge­ra­ções

KINDALA MA­NU­EL

Tra­di­ções en­tre os des­ta­ques des­ta edi­ção

KINDALA MA­NU­EL

Rit­mos de ou­tras pro­vín­ci­as tam­bém es­ti­ve­ram em evi­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.