RE­A­LIS­MO MÁ­GI­CO FAS­CI­NA HOLLYWO­OD

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - GASPAR MICOLO

A ale­go­ria "A For­ma­ma da Água",Á de Guil­ler­mo­er­mo del To­ro, foi­oi o gran­deg fil­me ven­ce­dor­dor da 90.ª edi­ção dos Os­cars.Os­cars É, no fun­do, o su­ces­so­es­so do re­a­lis­mor má­gi­co que o ci­ne­as­ta me­xi­ca­no­xi­ca­no rre­ve­la da sua Amé­ri­ca La­ti­na,ti­na, ou sim­ples­men­sim­ples­men­te da sua Gu­a­da­la­ja­ra pov­po­vo­a­da­o­a­da de fan­tas­mas. fan

A ale­go­ria "A For­ma da Água", de Guil­ler­mo del To­ro, foi o gran­de fil­me ven­ce­dor da 90.ª edi­ção dos Os­cars. É, no fun­do, o su­ces­so do re­a­lis­mo má­gi­co que o ci­ne­as­ta me­xi­ca­no re­ve­la da sua Amé­ri­ca La­ti­na, ou sim­ples­men­te da sua Gu­a­da­la­ja­ra po­vo­a­da de fan­tas­mas.

Guil­ler­mo del To­ro é de uma ter­ra de fan­tas­mas. O re­a­li­za­dor me­xi­ca­no, que fas­ci­nou Hollywo­od com a fá­bu­la so­bre uma cri­a­tu­ra de ou­tro mun­do em "A for­ma da água", re­ve­la nos seus tra­ba­lho o uni­ver­so fan­tás­ti­co do seu país des­de que se es­tre­ou nas lon­gas-me­tra­gens em 1993.

Com o Ós­car de me­lhor di­rec­ção, che­ga-se ao ter­cei­ro pré­mio da ca­te­go­ria con­ce­di­do a um ci­ne­as­ta me­xi­ca­no na his­tó­ria. "Eu sou um imi­gran­te", dis­se ele, no dis­cur­so de agra­de­ci­men­to. "Acho que a me­lhor coi­sa que a ar­te faz e a nos­sa in­dús­tria tam­bém faz é apa­gar es­sa li­nha ima­gi­ná­ria que nos di­vi­de", dis­se del To­ro, nu­ma re­fe­rên­cia à po­lí­ti­ca de imi­gra­ção da ad­mi­nis­tra­ção nor­te-ame­ri­ca­na, de mar­ca­ção de li­nhas de fron­tei­ra, em par­ti­cu­lar em re­la­ção ao Mé­xi­co.

As pro­du­ções de del To­ro sem­pre têm um viés re­a­lis­ta e his­tó­ri­co que se vê inun­da­do por ma­gia e fantasia. No ca­so de "A for­ma da água", Eli­sa, uma fun­ci­o­ná­ria mu­da, tra­ba­lha num la­bo­ra­tó­rio se­cre­to em meio à Guer­ra Fria. Ela, en­tão, co­nhe­ce uma cri­a­tu­ra aquá­ti­ca que é man­ti­da pri­si­o­nei­ra nes­te lu­gar, a im de ser po­ten­ci­al­men­te usa­da co­mo ar­ma. Po­rém, Eli­sa co­me­ça a se afei­ço­ar pe­la cri­a­tu­ra, o que dá ao il­me o seu con li­to prin­ci­pal.

O ci­ne­as­ta nas­ceu em Gu­a­da­la­ja­ra em 1964 e tem re­ve­la­do em en­tre­vis­tas que to­dos na sua fa­mí­lia já vi­ram um fan­tas­ma ou um dis­co vo­a­dor. A sua bi­o­gra ia e as su­as raí­zes tam­bém in lu­en­ci­a­ram a sua cla­ra pre­fe­rên­cia por se­res re­ti­ra­dos de so­nhos e pe­sa­de­los hu­ma­nos. Por­tan­to, é ape­nas um me­xi­ca­no com ten­dên­cia pa­ra efa­bu­la­ção e mun­dos fan­tás­ti­cos que apro­xi­mam o má­gi­co do pos­sí­vel.

Em pe­que­no, Guil­ler­mo del To­ro de­co­ra­va a ca­sa fa­mi­li­ar, em Gu­a­da­la­ja­ra, com ob­jec­tos ma­ca­bros, ape­sar de ter si­do edu­ca­do pe­la avó, ca­tó­li­ca fer­vo­ro­sa.

E ho­je, adul­to e re­co­nhe­ci­do, o ci­ne­as­ta co­lo­cou o seu ci­ne­ma fan­tás­ti­co, coi­sa me­nor em Hollywo­od, nu­ma fas­quia ele­va­da e a au­di­ên­cia não pá­ra de se ex­pan­dir. É, aliás, uma sub­ver­são do sis­te­ma ao for­çar 13 no­me­a­ções ao seu il­me-fá­bu­la. O il­me do ci­ne­as­ta me­xi­ca­no par­tiu co­mo fa­vo­ri­to aos pré­mi­os da aca­de­mia de Hollywo­od e ven­ceu em qua­tro, in­cluin­do as ca­te­go­ri­as mais im­por­tan­tes de me­lhor il­me e me­lhor re­a­li­za­ção.

Mas to­do o en­can­to e fas­cí­nio se­gre­da-se na his­tó­ria, mui­to pa­ra lá dos fan­tas­ma. "Con­tar his­tó­ria é uma for­ma de li­dar com a au­to-aver­são. A es­co­lha es­tá no equi­lí­brio en­tre vi­ver a vi­da e fa­lar so­bre ela. Es­tou a fa­lar da vi­da do con­ta­dor de his­tó­ri­as. Quan­do era miú­do, mui­to no­vo, con­ta­va mais his­tó­ri­as do que as que vi­via", dis­se Guil­ler­mo del To­ro, em en­tre­vis­ta à "The In­ter­vi­ew Pe­o­ple".

Se é pre­ci­so vi­ver pa­ra con­tar his­tó­ri­as, às ve­zes é pre­ci­so con­tar his­tó­ri­as pa­ra vi­ver; e, no Mé­xi­co, um país que re­ve­la uma atrac­ção pe­la de­sor­dem e pe­los seus fan­tas­mas, os es­cri­to­res co­nhe­cem me­lhor es­se fas­cí­nio, não fos­sem mui­tos de­les mes­tres do re­a­lis­mo má­gi­co. É o ca­so, por exem­plo, de Ju­an Rul­fo, que abriu o ca­mi­nho pa­ra o re­a­lis­mo má­gi­co com o be­lís­si­mo "Pe­dro Pá­ra­mo", lan­ça­do em 1955, uma dé­ca­da an­tes do "bo­om" que con­sa­grou Ga­bri­el Gar­cía Már­quez, en­tre ou­tros.

Se Ju­an Rul­fo pu­bli­cou o ro­man­ce pre­cur­sor do re­a­lis­mo má­gi­co, mui­to an­tes, o po­e­ta e en­saís­ta Oc­ta­vio Paz pu­bli­cou, em 1950, "O la­bi­rin­to da so­li­dão", con­jun­to de en­sai­os an­tro­po­ló­gi­cos so­bre a iden­ti­da­de me­xi­ca­na e pa­ra a com­ple­tar, Car­los Fu­en­tes pu­bli­ca, em 1958, "La re­gión más trans­pa­ren­te", que faz do Mé­xi­co uma per­so­na­gem de cor­po in­tei­ro, uma es­pé­cie de his­tó­ria cro­no­ló­gi­ca de um país que vi­ve ple­na­men­te e con­ta his­tó­ri­as pa­ra so­bre­vi­ver, co­mo é re­ve­la­dor o uni­ver­so do ci­ne­ma fan­tás­ti­co de Guil­ler­me del To­ro.

Gui­lher­mo com o Os­car

Ju­an Rul­fo me­xi­ca­no pi­o­nei­ro do re­a­lis­mo má­gi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.