A CRIANÇA BRANCA DE FANON DE ALBERTO OLIVEIRA PINTO

Jornal Cultura - - Letras -

en­dé­mi­ca de água e de luz, um sis­te­ma de saú­de de ici­tá­rio, etc. – não ou­viu nos mei­os ur­ba­nos an­go­la­nos, e mes­mo nos mus­se­ques de Lu­an­da, vo­zes amar­gas, ex­pres­san­do sau­da­des “do tem­po da ou­tra se­nho­ra”, ou se­ja do co­lo­ni­a­lis­mo? E es­te ti­po de pro­pó­si­tos sur­gia fre­quen­te­men­te nos mei­os po­pu­la­res, afri­ca­nos, me­nos sus­pei­tos de te­rem al­gu­ma ra­zão ob­jec­ti­va pa­ra sen­tir sau­da­des de tem­pos idos, em que, como Ne­gros, eram tra­ta­dos como a es­cu­ma da so­ci­e­da­de.

É ver­da­de que a ques­tão dos “re­tor­na­dos” por­tu­gue­ses não atin­ge a di­men­são que a ques­tão dos “Pi­eds noirs” fran­ce­ses tem as­su­mi­do na vida po­lí­ti­ca fran­ce­sa, ain­da ho­je. Mas à es­ca­la por­tu­gue­sa, não dei­xou de cons­ti­tuir um con­jun­to de múl­ti­plos cho­ques, tan­to iden­ti­tá­ri­os como so­ci­o­e­co­nó­mi­cos, en­tre es­ses dois mun­dos da mes­ma na­ção por­tu­gue­sa. Do cho­que iden­ti­tá­rio, o au­tor já ti­nha fei­to ex­pe­ri­ên­cia ain­da de me­ni­no, de re­gres­so a Lis­boa, ain­da por ci­ma numa al­tu­ra em que ele co­me­ça­va a en­tu­si­as­mar-se com a sua “por­tu­ga­li­da­de”: os me­ni­nos da sua es­co­la tra­ta­ram-no, li­te­ral­men­te, de “Bran­co de se­gun­da”.

Pa­ra o jo­vem Alberto Oliveira Pinto, é, sem dú­vi­da, um mo­men­to de per­tur­ba­ção iden­ti­tá­ria. A inal, a sua “bran­cu­ra” (ele, ilho de dois bran­cos), que nun­ca se sen­ti­ra in­ter­pe­la­da na sua ter­ra na­tal – a co­ló­nia de An­go­la – es­ta­va a ser pos­ta em cau­sa. Por ou­tras palavras, to­do o dis­cur­so iden­ti­tá­rio que ele ou­vi­ra acer­ca dos “Pre­tos”, como sen­do “o outro in­fe­ri­or”, es­ta­va a ser-lhe apli­ca­do, e por gen­te branca como ele pró­prio...

So­bre os “lu­ga­res de memória” da nar­ra­ti­va do Alberto Oliveira Pinto

Os lu­ga­res de memória não se si­tu­am ape­nas nos lu­ga­res ísi­cos, nos mo­nu­men­tos. O no­tá­vel nes­te tex­to é, com efei­to, o lu­gar in­ter­mé­dio ocu­pa­do por ou­tras me­mó­ri­as: as dos es­cri­to­res, quer li­ga­dos à his­tó­ria do im­pé­rio co­lo­ni­al lu­si­ta­no, quer ao na­ci­o­na­lis­mo an­go­la­no ge­ne­ri­ca­men­te fa­lan­do, ou a de me­mó­ri­as li­te­rá­ri­as e in­te­lec­tu­ais da lu­ta ar­ma­da an­ti­co­lo­ni­al. Atra­vés des­sas me­mó­ri­as in­ter­mé­di­as, o au­tor pro­cu­ra com efei­to si­tu­ar o seu pró­prio per­cur­so, “re­cap­tu­rar” aqui­lo que, quer a in­fân­cia, quer a au­sên­cia, não lhe per­mi­ti­ram nem tes­te­mu­nhar nem en­ten­der. E há os lu­ga­res de vi­vên­cia/con­vi­vên­cia, de re­si­dên­cia, de so­ci­a­bi­li­da­de, e de aven­tu­ra se­ma­nal fo­ra do acon­che­go da re­si­dên­cia fa­mi­li­ar. Des­ta úl­ti­ma ca­te­go­ria, re­te­ve a mi­nha aten­ção as idas ao mer­ca­do com a avó. O lu­gar des­te “aven­tu­ra” se­ma­nal: o mer­ca­do Ki­na­xi­xi.

“Que ne­gros via eu no Ki­na­xi­xi, quan­do lá ia à quin­ta-fei­ra com a mi­nha avó? Mui­to pou­cos. Além dos cri­a­dos e cri­a­das – lem­bre­mos que a mai­o­ria dos co­lo­nos ti­nha cri­a­dos ne­gros, mais ba­ra­tos do que os bran­cos – que acom­pa­nha­vam as pa­tro­as car­re­gan­do os sa­cos com as com­pras, vi­am-se à por­ta umas es­cas­sas qui­tan­dei­ras ten­tan­do ven­der a fru­ta que exi­bi­am nas quin­das, mas cu­jos pre­gões si­len­ci­a­vam com frequên­cia, sem­pre que a po­lí­cia che­ga­va e lhes da­va ber­ri­da. Ha­via ain­da um jo­vem de uns ca­tor­ze ou quin­ze anos, ví­ti­ma de po­li­o­mi­e­li­te, que se ar­ras­ta­va por en­tre as ban­cas do pei­xe ou das hor­ta­li­ças, pe­din­do es­mo­la aos cli­en­tes e ali­men­tan­do-se das so­bras das mer­ca­do­ri­as da vés­pe­ra”.

Dos meus lon­gos anos de vida lu­an­den­se, Ki­na­xi­xi era um dos lu­ga­res pa­ra com­pras di­ver­sas, como o pão, numa das du­as pa­da­ri­as que lá ti­nham aber­to. E, cla­ro, o pri­mei­ro an­dar on­de a cir­cu­la­ção en­tre as “ki­tan­das” era sem­pre um mo­men­to de ten­são, en­tre aqui­lo que o bol­so con­ti­nha na­que­la do mês, e o pre­çá­rio dos pro­du­tos. Ora, pa­ra al­guém, como eu, que não fez a ex­pe­ri­ên­cia da Lu­an­da co­lo­ni­al, a ideia de um mer­ca­do do Ki­na­xi­xi on­de os Ne­gros eram qua­se que au­sen­tes – a ten­ta­rem fa­zer-se pre­sen­tes em si­tu­a­ção de pre­ca­ri­e­da­de, como ven­de­do­res am­bu­lan­tes, em per­ma­nen­te an­gus­tia, à espera do ber­ro do agen­te de po­li­cia co­lo­ni­al –, é de­ve­ras cho­can­te, à pri­mei­ra vis­ta. Mas quem não as­sis­tiu, anos de­pois da in­de­pen­dên­cia, no dia-a-dia lu­an­den­se, às mes­mas ce­nas de kín­gui­las? E com me­ni­nos de rua e pe­que­nos ven­de­do­res am­bu­lan­tes ten­tan­do sua sor­te, ven­den­do o que po­di­am, aten­tos à imi­nên­cia de mais uma das inú­me­ras rus­gas dos agen­tes is­cais, ou da po­lí­cia eco­nó­mi­ca?... Ago­ra, no pós-in­de­pen­dên­cia, a ques­tão já não se jo­ga en­tre co­lo­nos e co­lo­ni­za­dos, en­tre Bran­cos, do­nos ile­gí­ti­mos dos es­pa­ço ocu­pa­do, e Ne­gros, do­nos his­tó­ri­cos da ter­ra. E o mer­ca­do de Ki­na­xi­xi, um dos lu­ga­res de no­tó­ria dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al no tem­po co­lo­ni­al, tam­bém ti­nha mu­da­do de ato­res, ao mes­mo tem­po que re le­tia, pe­los pro­du­tos que lá se ven­dia (an­tes da sua des­trui­ção pa­ra um me­ga pro­je­to de es­pa­ço co­mer­ci­al mo­der­no), as di­ver­sas ca­rên­ci­as do dia-a-dia ur­ba­no, como a fal­ta cró­ni­ca de luz, que jus­ti ica o bo­om do co­mér­cio de ge­ra­do­res:

Re­en­trei en­tão no mer­ca­do do Ki­na­xi­xi, pela pri­mei­ra vez sem a mi­nha avó. De fac­to, o as­pec­to era de­so­la­dor. Do an­ti­go mer­ca­do do pei­xe já só res­ta­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.