“SUBITAMENTE NO CACIMBO” OU A QUA­SE “PRIMAVERA REGENERATIVA”

Jornal Cultura - - Letras -

os ini­ci­a­do­res de to­dos os pro­ces­sos que vi­ri­am a cul­mi­nar com a nos­sa tão al­me­ja­da in­de­pen­dên­cia.

Após a cris­ta­li­za­ção des­ta clas­se ou cli­queà qual nos re­fe­ri­mos com al­gum amar­go de bo­ca, pas­sa­mos a co­nhe­cer uma go­ver­na­ção que se viu sem­pre dis­tan­ci­a­da do seu prin­ci­pal pa­pel, que era e é o de ser­vir e aten­der aos an­sei­os de um po­vo dei­xa­do de par­te de to­do um con­jun­to de pro­ces­sos que fo­ram de­cor­ren­do no País nos úl­ti­mos anos e que re­sul­ta­ri­am na ema­na­ção de um es­ta­tu­to po­lí­ti­co, so­ci­al e eco­nó­mi­co que mar­gi­na­li­zou pra­ti­ca­men­te a es­ma­ga­do­ra de nós, pri­vi­le­gi­an­doum nú­me­ro de fa­mí­li­as e de an­go­la­nos que pas­sa­ram a cons­truir ao redor de si e dos que lhes fo­ram e são mais pró­xi­mos e iéis um im­pé­rio que te­ve no poder po­lí­ti­co o seu es­pa­ço de a ir­ma­ção e no poder eco­nó­mi­co a ra­zão da sua con­ti­nui­da­de e vo­ca­ção.

A ac­ção go­ver­na­ti­va que ti­nha, no qua­dro da nor­ma­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal e cons­ti­tu­ci­o­nal após os lar­gos anos de guer­ra e fa­ce à apro­va­ção da Cons­ti­tui­ção em 2010, a obri­ga­ção de ofe­re­cer aos an­go­la­nos tu­do aqui­lo que com so­nha­ram os nos­sos per­cur­so­res da in­de­pen­dên­cia, fur­tou- se des­te com­pro­mis­so, ge­ran­do inú­me­ras bos­sas de mi­sé­ria e le­gou um fu­tu­ro sem ho­ri­zon­tes pa­ra uma sé­rie de an­go­la­nos que con­ti­nu­am a vi­ver abai­xo da li­nha da po­bre­za como se fos­se es­ta a sua si­na e o úni­co di­rei­to de es­co­lha so­bre o mo­do como que­rem ser vis­tos e es­tar na vida an­te um qua­dro ge­ral de pro­fun­da pri­va­ção de qua­se tu­do, des­de os di­rei­tos eco­nó­mi­cos à pri­va­ção das li­ber­da­des e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te con­sa­gra­das.

De tal mo­do que, ao ca­bo de 43 anos qua­se de País in­de­pen­den­te, ain­da não são vi­sí­veis os mar­cos das as­pi­ra­ções e da ân­sia na­ci­o­na­lis­ta que pre­vi­am na es­ca­la das pri­o­ri­da­des a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, o prin­cí­pio da igual­da­de que de­ve­ri­am con­du­zir as de­ci­sões de go­ver­na­ção e a ne­ces­si­da­de de opor­tu­ni­da­de e da par­ti­lha da ri­que­za de que é de­ten­tor o País.

Por con­se­guin­te, a evo­ca­dae be­ma­ven­tu­ra­da­cli­que de an­go­la­nos usou de mei­os e mé­to­dos de en­ri­que­ci­men­to, pro­fun­da­men­te de­si­guais e ilí­ci­tos, pa­ra cons­truir es­se es­ta­tu­to de ba­fe­ja­dos pelo ( de) mé­ri­to da for­tu­na que ho­je quer ver res­pei­ta­do no País e no es­tran­gei­ro como par­te do lí­di­mo di­rei­to de ser de­ten­tor de uma ri­que­za que diz não que­rer ver em mãos es­tran­gei­ras, por se­rem co­lo­ni­ais, e sim em mãos an­go­la­nas, por­que es­tas ra­pi­da­men­te che­gam a so­mas mi­li­o­ná­ri­as à cus­ta do si­lên­cio de um po­vo a quem já não res­pei­tam e apren­de­ram a ca­lá- lo com uns quan­tos brin­des de­es­pe­ran­ça­em pro­gra­mas elei­to­ra­lis­tas...

Es­ta cli­que de an­go­la­nos é, na ver­da­de, o gran­de ob­jec­to de nar­ra­ção e até de pro­fun­da aná­li­se nes­ta obra de Jac­ques Ar­lin­do dos San­tos, pelo que, tam­bém, gos­tá­va­mos de lem­brar ao lei­tor que es­ta mes­ma cli­que é a que há pou­cos anos foi­re­co­nhe­ci­da com o tí­tu­loho­no­ris cau­sa­co­mo sen­do aque­la à qual­deus-to­do-po­de­ro­so (tu­do em le­tra mi­nús­cu­la, aten­ção!) atri­buiuo di­rei­to pos­tu­lar e po­lí­ti­co da acu­mu­la­ção de ca­pi­tais nos mol­des mais pri­mi­ti­vos em épo­ca, di­ga-se, tão­con­tem­po­râ­nea da nos­sa his­tó­ri­a­mo­der­na.

Es­ta ac­ção “be­ne­vo­len­te”de le­gi­ti­mi­da­de vi­ria a re­sul­tar num fes­ti­vo brin­de co­lec­ti­vo em memória de to­dos aque­les que não me­di­ram es­for­ços pa­ra to­mar de as­sal­to o Paí­se que atra­vés des­te re­co­nhe­ci­men­to pú­bli­co de sua ma­jes­ta­de er­gue­ram as ta­ças, en­te­sa­ram de mo­do ar­ro­gan­te os ros­tos e se­gui­ram em frente ago­ra com o re­co­nhe­ci­do di­rei­to de se di­ze­rem ver­da­dei­ros do­nos da ri­que­za do País, uma vez que ti­nham si­doo ici­al­men­te abo­li­das as sus­pei­tas às en­gre­na­gens me­do­nhas, aos mé­to­dos in­de­cen­tes e os ilí­ci­tos cri­mi­nais que os le­va­ri­am a lá che­gar. Ain­da que pa­ra is­so ti­vés­se­mos de ig­no­rar in­di­ca­do­res so­ci­o­e­co­nó­mi­cos im­por­tan­tes como aque­les que nos co­lo­cam no lu­gar da frente no ín­di­ce da Mor­ta­li­da­de In­fan­til, na Ta­xa de Mor­ta­li­da­de Ma­ter­na e, inal­men­te, no Ín­di­ce de Per­cep­ção de Cor­rup­ção.

Aliás, é so­bre cor­rup­ção que fa­la o au­tor de “Subitamente no Cacimbo”, eé em con­sequên­cia mais re­al des­te fe­nó­me­no mo­du­lar de acu­mu­la­ção pri­mi­ti­va de ca­pi­tais le­gi­ti­ma­do pelo poder po­lí­ti­co que vi­mos o país min­guar aos olhos da­que­les que pas­sa­ram a re­cla­mar pa­ra si o di­rei­to do usu­fru­to das ri­que­zas, com o agra­van­te de até igu­ras se­mi-anal­fa­be­tas pas­sa­rem a im­por-se an­te a ver­ti­ca­li­da­de e a de­cên­cia de men­tes ca­te­drá­ti­cas que se re­cu­sam ain­da ho­je a ce­derà ava­lan­che do lu­cro fá­cil pe­ran­te a in­di­gên­cia de um nú­me­ro es­tron­do­so de an­go­la­nos que não é ca­paz de com­pre­en­der na­da do que di­zem es­tas palavras aqui ex­pla­na­das e pro­va­vel­men­te en­con­trem a mor­te em uma qual­quer das es­qui­nas som­bri­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.