AS QUA­TRO COM­PO­NEN­TES DA MÚ­SI­CA DE IN­TER­VEN­ÇÃO DE JA­KA JAM­BA

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

Em No­vem­bro de 2014, o na­ci­o­na­lis­ta e aca­dé­mi­co Ja­ka Jam­ba, em de­cla­ra­ções ao ex­tin­to se­ma­ná­rio A Ca­pi­tal*, fez uma in­cur­são em tor­no da mú­si­ca de in­ter­ven­ção do la­do da Unita. No tex­to “Em Sen­ti­do In­ver­so - o ou­tro la­do da mú­si­ca de in­ter­ven­ção”, o in­te­lec­tu­al con­ci­li­a­dor de for­ma pe­da­gó­gi­ca, fez uma pe­ri­o­di­za­ção da mú­si­ca en­ga­ja­da fei­ta pe­los an­go­la­nos em pri­mei­ro pla­no, su­bal­ter­na­do a fei­ta pe­lo seu par­ti­do, o que con­fir­mou o seu la­do de uni­fi­ca­dor.

A pre­o­cu­pa­ção com as ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais e em es­pe­ci­al a mú­si­ca fi­cou pa­ten­te em vá­ri­as oca­siões, co­mo foi con­fir­ma­da nu­ma en­tre­vis­ta ao pro­gra­ma ra­di­o­fó­ni­co “Ca­fé da Ma­nhã”.

De for­ma a ho­me­na­ge­ar es­ta emi­nen­te per­so­na­gem da ce­na na­ci­o­nal, im­por­ta re­cu­pe­rar o pen­sa­men­to des­te ilus­tre ci­da­dão e dar a co­nhe­cer as qua­tro com­po­nen­tes pro­pos­tas.

Apre­sen­tou co­mo sen­do a pri­mei­ra aque­la fei­ta nas áre­as em que a UNITA se en­con­tra­va du­ran­te o pe­río­do de re­sis­tên­cia à pre­sen­ça co­lo­ni­al, on­de a po­pu­la­ção já ti­nha gran­de cri­a­ti­vi­da­de às can­ções de pro­tes­tos con­tra a do­mi­na­ção co­lo­ni­al. "Se abrir­mos os ar­qui­vos, se for­mos fa­zer uma pes­qui­sa das can­ções po­pu­la­res do les­te de An­go­la, on­de es­ti­ve­mos, an­tes da pre­sen­ça do par­ti­do já ha­via can­ções de pro­tes­tos", lem­brou.

O an­ti­go re­pre­sen­tan­te an­go­la­no na UNES­CO acre­di­ta­va ser di ícil com­pre­en­der es­te fac­to, uma vez que ge­ral­men­te se dá pri­ma­zia às can­ções em por­tu­guês. E exem­pli icou, brin­dan­do­nos com uma can­ção in­ter­pre­ta­da em Lu­va­le. É mais ou me­nos as­sim: ”Sa­la­zar ku­pu­tu­o­ku mo­na bon­go­e­tu”. Tra­du­zi­da, é co­mo di­zer o se­guin­te: “Sa­la­zar em Por­tu­gal, ao olhar pa­ra as nos­sas ri­que­zas, deu aos ilhos de­le e os nos­sos não fo­ram ti­dos em con­ta”.

Ja­ka Jam­ba afir­mou “es­tes te­mas do fol­clo­re an­go­la­nos, que já fo­ram en­con­tra­dos, te­ri­am de al­gu­ma for­ma fa­ci­li­ta­do a mo­bi­li­za­ção, pois é des­te mo­do que as po­pu­la­ções ob­ti­nham as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as de lu­ta. Pa­ra a mo­bi­li­za­ção, vá jun­to ao po­vo, vi­va com ele e cons­trua a par­tir da­qui­lo que en­con­tra­res”, fi­lo­so­fou an­tes de en­to­ar uma ou­tra can­ção: “Olo di­a­man­te, pa­la­te, ot­chi­e­te, uku­a­se­o­lón­go­la, maiu­nhé­maiumhe”. Es­te era um gri­to de de­nún­cia: "o di­a­man­te, o ou­ro e prata são ri­que­zas de que não be­ne­fi­ci­a­mos".

Pa­ra a se­gun­da com­po­nen­te, Ja­ka Jam­ba re­fe­riu- se ao pa­pel do can­to co­mo fac­tor de mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção an­te a ne­ces­si­da­de de uma re- sis­tên­cia pro­lon­ga­da. Exem­pli­fi­cou o seu mo­vi­men­to que te­ve em con­ta os vec­to­res mais im­por­tan­tes da cul­tu­ra do po­vo e, por is­so, de­sen­vol­veu uma sé­rie de can­ções. Qu­er aque­las com uma ten­dên­cia mais mar­ci­al e mi­li­tar, co­mo aque­las que evi­den­ci­a­vam as­pec­tos da his­tó­ria, ape­lan­do pa­ra as gran­des re­sis­tên­ci­as do ter­ri­tó­rio do que é ac­tu­al­men­te An­go­la.

De acor­do com o nos­so in­ter­lo­cu­tor, o par­ti­do de que mi­li­tou apre­sen­tou pro­pos­tas a vá­ri­os ní­veis, pa­ra con­sa­gra­ção de um can­ci­o­nei­ro na­ci­o­nal ten­do em vis­ta a for­ça e a im­por­tân­cia que te­mas tra­di­ci­o­nais ti­ve­ram pa­ra a lu­ta de re­sis­tên­cia. "Fa­cil­men­te en­con­trá­va­mos a ten­dên­cia do uso de te­mas do can­ci­o­nei­ro tra­di­ci­o­nal em mú­si­cas pa­ra os re­cru­tas das FAPLAS, FA­LAS e ELNA. E nos di­as de ho­je, pos­si­vel­men­te, en­con­tra­re­mos es­ta adap­ta­ção", afir­mou.

A fa­se se­guin­te, a ter­cei­ra, com­pre­en­de “can­ções de in­tér­pre­tes que se sim­pa­ti­za­vam com a UNITA em te­mas de pro­tes­tos”. Po­rém, o po­lí­ti­co acres­cen­tou um ou­tro ele­men­to: “era a po­e­sia en­ga­ja­da que era de­cla­ma­da e al­gu­mas che­ga­ram a ser can­ta­das".

A úl­ti­ma com­po­nen­te pro­pos­ta por Ja­ka Jam­ba é aque­la que “abor­dou a ri­que­za e a im­por­tân­cia da sim­bi­o­se en­tre a can­ção re­li­gi­o­sa e as pre­o­cu­pa­ções po­lí­ti­cas". O Pla­nal­to Cen­tral co­nhe­ceu um vul­to que aten­dia pe­lo no­me de Henriques Ca­pin­ga­la Su­ka­ku­et­chu, um to­ca­dor de ór­gão con­si­de­ra­do por Ja­ka Jam­ba co­mo uma per­so­na­li­da­de im­por­tan­te por re­ve- lar-se gran­de pro­mo­tor da mú­si­ca re­li­gi­o­sa ao com­bi­nar na per­fei­ção o can­to re­li­gi­o­so com a pre­o­cu­pa­ção pa­ra a li­ber­ta­ção dos an­go­la­nos da re­pres­são co­lo­ni­al en­tão vi­gen­te.

O tam­bém mem­bro do Go­ver­no de Tran­si­ção da Edu­ca­ção de An­go­la pe­la UNITA ao tem­po do Go­ver­no de Tran­si­ção, que an­te­ce­deu a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, trou­xe à bai­la mais um exem­plo de exal­ta­ção do cân­ti­co evan­gé­li­co mas com pen­dor de in­ter­ven­ção po­lí­ti­ca. “Se Vaya­vayaSu­ku­eye­mu”, que sig­ni­fi­ca "Lou­va a Deus".

Tra­ta- se de um can­ção cu­ja me­lo­dia e men­sa­gem in­te­gram o hi­no da FNLA. "Os qua­dros do Pla­nal­to Cen­tral in­flu­en­ci­a­ram, de uma cer­ta for­ma, pa­ra a pas­sa­gem do te­ma re­li­gi­o­so pa­ra a ver­ten­te po­lí­ti­ca", re­for­çou Ja­ka Jam­ba. Aliás, na mes­ma épo­ca, um ou­tro cân­ti­co sur­giu e foi aco­lhi­do de bom gra­do.

O po­lí­ti­co fa­zia re­fe­ren­cia à can­ção “Su­mu­lui Oca Olo­fe­kaA­su­ku”, cu­ja me­lo­dia tor­nou-se no hi­no da Or­ga­ni­za­ção de Uni­da­de Afri­ca­na (OUA), a an­te­ces­so­ra da União Afri­ca­na (UA), que é a mes­ma can­ção que os sul-afri­ca­nos in­ti­tu­lam “Si­ke­le­laA­fri­kaYe­tu”, que mais pa­la­vra, me­nos pa­la­vra, é o mes­mo que di­zer "aben­çoe, Ó Se­nhor, os po­vos afri­ca­nos e des­per­te-os do so­no da mor­te".

De­mons­tran­do ser um ho­mem de cul­tu­ra, Ja­ka Jam­ba re­fe­riu- se ao Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes (PNCA) des­te ano (2014) atri­buí­do a Jus­ti­no Han­dan­ga, na ca­te­go­ria de mú­si­ca, co­mo sen­do a que­bra de um dos obs­tá­cu­los que im­pe­diu que o mes­mo ven­ces­se o pré­mio em edi­ções an­te­ri­o­res.

“Nem to­da a gen­te en­ten­de a lín­gua um­bun­du, so­bre­tu­do os cír­cu­los mais sen­sí­veis a coi­sa cul­tu­ral, mas as mú­si­cas de Jus­ti­no Han­dan­ga são de uma cri­a­ti­vi­da­de ex­tra­or­di­ná­ria e po­de­mos en­con­trar uma di­men­são que em por­tu­guês não emer­giu que é do ba­lan­ço do tem­po da gu­er­ra", ex­pli­cou.

"A gu­er­ra com to­das as su­as se­que­las en­con­tra-se aí ilus­tra­da e não tem só um in­te­res­se cul­tu­ral em ter­mos de mú­si­ca, mas em ter­mos de his­tó­ria e de cri­a­ti­vi­da­de mu­si­cal. O mes­mo ocor­re com gran­de par­te des­ta cul­tu­ra fei­ta no tem­po de re­sis­tên­cia. E co­mo foi fei­ta em lín­guas na­ci­o­nais, nem to­dos en­ten­dem”, adi­an­tou.

Por is­so de­fen­deu: "é ne­ces­sá­rio iden­ti­fi­car um qua­dro que per­mi­ta uma me­lhor ex­pli­ca­ção, uma me­lhor apre­sen­ta­ção pa­ra ver o que is­to re­pre­sen­ta em ter­mos de cri­a­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca, em ter­mos de men­sa­gens e de um mo­men­to his­tó­ri­co, on­de os po­vos bus­ca­ram cri­ar res­pon­den­do às con­di­ções e aos de­sa­fi­os que se co­lo­ca­vam fa­ce a sua re­sis­tên­cia".

No­vem­bro é in­de­pen­dên­cia e re­me­te-nos à mú­si­ca de in­ter­ven­ção e da ar­te en­ga­ja­da. E co­mo acon­te­ce em vá­ri­os sec­to­res do nos­so país con­ti­nu­a­mos a não olhar pa­ra um to­do e con­cen­tra­mo-nos ape­nas num seg­men­to. ______________________________________ * “Em Sen­ti­do In­ver­so - o ou­tro la­do da mú­si­ca in­ter­ven­ção” in A Ca­pi­tal 557 de No­vem­bro de 2014

Ma­rim­bei­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.