PRO­JEC­TO “CI­NE­MA DA MI­NHA BANDA” GENUÍNO LE­VA TER­ROR ÀS SA­LAS

Jornal Cultura - - Artes -

il­me “Co­bai­as 72 Ho­ras de Ter­ror” é a no­va apos­ta ci­ne­ma­to­grá ica que o re­a­li­za­dor an­go­la­no, Fun­zu­la Edu­ar­do “Genuíno” tem le­va­do às sa­las de ci­ne­ma do país, des­de Fe­ve­rei­ro do cor­ren­te ano.

Com tem­po de uma ho­ra e 50 mi­nu­tos, o fil­me é um mis­to de ac­ção, dra­ma e ter­ror, en­qua­dra­do no pro­jec­to “Ci­ne­ma da Mi­nha banda”, lan­ça­do em De­zem­bro do ano pas­sa­do, pe­la pro­du­to­ra Maf­fia Fil­mes, um pro­jec­to de abran­gên­cia na­ci­o­nal, que vi­sa à for­ma­ção de ac­to­res e pro­du­ção de fil­mes de bai­xo cus­to, exi­bi­dos em zo­nas ur­ba­nas e su­búr­bi­os em vá­ri­os pon­tos do país.

O il­me es­tre­ou na se­gun­da quin­ze­na de Fe­ve­rei­ro do cor­ren­te ano, na ca­sa da Ju­ven­tu­de de Vi­a­na, e já foi exi­bi­do na Me­diá­ti­ca Zé Dú do Ca­zen­ga e em si­mul­tâ­neo, nas pro­vín­ci­as do Ben­go, Uí­ge, Zai­re, Cu­an­za Nor­te e Sul, Mo­xi­co, Ma­lan­ge, Ca­bin­da e Ben­gue­la. De acor­do com Genuíno, o pro­jec­to pre­vê a exi­bi­ção do il­me ao lon­go do ano, em to­das as pro­vín­ci­as do país, jun­ta­men­te com ou­tros tí­tu­los da pro­du­to­ra.

Es­cri­to por João Ma­nu­el Kim­bum­bui­sa, o ar­gu­men­tis­ta de “Co­bai­as 72 ho­ras de ter­ror” ins­pi­rou- se em ce­nas do dia- a- dia, li­ga­das a tra­di­ção, usos e cos­tu­mes vi­ven­ci­a­dos tan­to em re­giões ur­ba­nas e ru­rais de An­go­la, co­mo a cren­ça no fei­ti­cis­mo, tam­bém as­so­ci­a­do às am­bi­ções des­me­di­das da ju­ven­tu­de, que na ân­sia do lu­cro e ri­que­za fá­cil, tem apos­ta­do em ac­tos que em na­da dig­ni­fi­cam a boa edu­ca­ção e a mo­ral. Pa­ra o pré­ro­tei­ro, o fic­ci­o­nis­ta apoi­ou- se tam­bém nos dois úl­ti­mos fil­mes da pro­du­to­ra, o “San­gue der­ra­ma­do” e “Pâ­ni­co na flo­res­ta” es­cri­tos pe­lo pro­du­tor Fin­da Ar­tes.

O il­me con­ta a his­tó­ria de um gru­po de jo­vens que em bus­ca de me­lho­res con­di­ções de vi­da, vão à pro­cu­ra de uma es­tá­tua de gran­de va­lor e no de­cor­rer das bus­cas des­co­brem que a zo­na era do­mi­na­da por ho­mens in­fec­ta­dos por um ti­po de ví­rus, que al­te­ra a apa­rên­cia hu­ma­na, trans­for­man­do­os em se­res pe­ri­go­sos. Es­te ví­rus obri­ga o gru­po a en­fren­ta-los, com a con­di­ção de cum­pri­rem a mis­são em 72 ho­ras, ou aban­do­nar o ter­ri­tó­rio.

CON­FLI­TO

Com a es­pe­ran­ça de que a es­ta­tua mu­da­ria su­as vi­das, o il­me é di­vi­di­do por ce­nas de dis­cór­di­as e am­bi­ções en­tre os ele­men­tos do gru­po, sen­ti­men­to que em mo­men­tos co­lo­ca em pe­ri­go a mis­são. Das mais co­nhe­ci­das téc­ni­cas do ro­tei­ro ci­ne­ma­to­grá ico, o “con li­to” no il­me “Co­bai­as 72 ho­ras de ter­ror”, cen­tra­li­za-se no pla­no de al­can­ce da pe­ça va­li­o­sa, a es­tá­tua mis­te­ri­o­sa, on­de na sequên­cia do en­re­do, vê­mos a am­bi­ção en­tre os ele­men­tos do gru­po, que di­an­te do pe­ri­go emi­nen­te, uns de­ci­dem de­sis­tir, en­quan­to ou­tros, preferem co­lo­car as mãos no su­pos­to te­sou­ro, com a con­di­ci­o­na­da ope­ra­ção acon­te­cer em me­nos de 72 ho­ras, pois, aci­ma des­te tem­po, to­dos es­ta­ri­am di­zi­ma­dos pe­los se­res es­tra­nhos, pos­ses­sos de es­pí­ri­tos ma­lig­nos da­que­la re­gião. En­tre as per­so­na­gens, já à meio da mis­são, Ngo­la o mais cal­mo do gru­po, en­tre a su­pos­ta pe­ça va­li­o­sa e a vi­da, pre­fe­riu ou­vir a voz da ra­zão, de­ci­din­do afas­tar-se da tal aven­tu­ra, acon­se­lha­do os res­tan­tes co­le­gas a va­lo­ri­za­rem o bem da vi­da em de­tri­men­to da ri­que­za fá­cil. Mas Afra, o ga­nan­ci­o­so do gru­po, não acei­ta a pro­pos­ta e con­ven­ce Luin­ga a icar, to­man­do des­ta for­ma a de­ci­são que vi­ria de­ter­mi­nar o ru­mo de su­as vi­das.

DA CA­RAC­TE­RI­ZA­ÇÃO AO TER­ROR

De acor­do com Genuíno, o ter­ror é um gé­ne­ro ci­ne­ma­to­grá ico li­ga­do à fan­ta­sia es­pe­cu­la­ti­va, que, com aju­da da ca­rac­te­ri­za­ção e softwa­res de edi­ção na pro­du­ção inal, cau­sa me­do e ater­ro­ri­za a cons­ci­ên­cia das pes­so­as. Co­nhe­ci­do no mun­do da ar­te e do ci­ne­ma co­mo “Ma­qui­lha­gem ar­tís­ti­ca”, a ca­rac­te­ri­za­ção é a ac­ção de ma­qui­lhar vi­su­al­men­te às per­so­na­gens pa­ra a re­pre­sen­ta­ção. For­ma­do no cur­so de ca­rac­te­ri­za­ção pe­la TV Mi­ra­mar Moçambique, em 2009, Fun­zu­la Edu­ar­do “Genuíno”, dis­se que pro­du­zir um il­me de ter­ror no re­al sen­ti­do, en­vol­ve mui­tos gas­tos, na com­pra de ma­te­ri­al, so­bre­tu­do pa­ra ca­rac­te­ri­za­ção de fe­ri­das. Pa­ra mi­ni­mi­zar a si­tu­a­ção, o ci­ne­as­ta tem usa­do ma­te­ri­al de pou­co cus­to. No il­me “Co­bai­as - 72 ho­ras de ter­ror” usou pa­pel hi­gié­ni­co, Co­la bran­ca, pó e mas­sa de mú­kua, gin­gu­ba, mas­sa de car­ro e co­ran­te de ge­la­do. No il­me “San­gue der­ra­ma­do” pro­du­zi­do em 2015 e no “Pâ­ni­co em Ca­cu­a­co”, usou plas­ti­ci­na, ge­la­ti­na, co­ran­te de ge­la­do e pa­pel hi­gié­ni­co. O re­a­li­za­dor ad­ver­te que pa­ra a pro­du­ção de um il­me de ter­ror, exi­ge-se téc­ni­cos es­pe­ci­a­li­za­dos, des­de a ca­rac­te­ri­za­ção à pro­du­ção inal, ten­do em con­ta as ce­nas de con­ti­nui­da­de. Pa­ra o re­a­li­za­dor, a pro­du­ção ci­ne­ma­to­grá ica da ac­tu­a­li­da­de com­pa­de­ce­se com o que o pú­bli­co qu­er ver e não com o que o re­a­li­za­dor ofe­re­ce. "As pes­so­as icam en­te­di­a­dos ao as­sis­tir il­mes que não mu­dam de for­ma­to há mais de 20 ou 30 anos, co­mo os po­li­ci­as, os de ac­ção e as no­ve­las. “Qu­an­do al­guém apa­re­ce com al­go não mui­to se­cu­lar, co­mo os il­mes de te­má­ti­cas ani­mis­tas tra­di­ci­o­nais e re­li­gi­o­sas, que mos­tram va­lo­res cul­tu­rais de uma de­ter­mi­na­da re­gião, con­quis­ta au­di­ên­cia pe­ran­te o pú­bli­co”, dis­se. Gra­va­do no ano pas­sa­do, en­tre as pro­vín­ci­as de Lu­an­da, zo­na das Ma­bu­bas e Ca­xi­to, e do Ben­go, “Co­bai­as72 ho­ras de ter­ror”, foi pro­du­zi­do pe­la Maf ia Fil­mes e Ngin­ga TV, e re­a­li­za­do por Fun­zu­la Edu­ar­do “Genuíno”.

“CI­NE­MA NA MI­NHA BANDA”

O pro­jec­to “Ci­ne­ma na Mi­nha Banda”, da pro­du­to­ra Maf­fia Fil­mes, per­ten­cen­te ao re­a­li­za­dor, “Genuíno” é um pro­jec­to cri­a­do em 2014, que fun­ci­o­na em um es­tú­dio im­pro­vi­sa­do na ca­sa do seu men­tor, si­ta na Vi­la Ali­ce, que vi­sa a fei­tu­ra de um ti­po de ci­ne­ma com pou­cos re­cur­sos fi­nan­cei­ros, dan­do opor­tu­ni­da­de a jo­vens in­te­res­sa­dos em apren­der téc­ni­cas de ci­ne­ma.

Fun­zu­la Edu­ar­do “Genuíno” con­si­de­ra o pro­jec­to uma por­ta aber­ta ao sur­gi­men­to e de­sen­vol­vi­men­to de ar­tis­tas da no­va ge­ra­ção e anó­ni­mos, des­de que pos­su­am ta­len­to e von­ta­de de apren­der e fa­zer ci­ne­ma. De acor­do com o re­a­li­za­dor, o pro­jec­to não tem pa­tro­ci­na­do­res e so­bre­vi­ve com o ren­di­men­to das exi­bi­ções dos fil­mes já con­cluí­dos.

Des­de a sua cri­a­ção em 2014, opro­jec­to já for­mou vá­ri­os ac­to­res de ci­ne­ma, mui­tos de­les so­li­ci­ta­dos por ou­tras pro­du­to­ras pa­ra in­te­gra­rem ou­tros pro­jec­tos ci­ne­ma­to­grá icos. Pa­ra o ci­ne­as­ta, é pos­sí­vel gra­var três il­mes em si­mul­tâ­neo, por se tra­tar de obras de pou­co cus­to inan­cei­ro e con­tam com os mes­mos ac­to­res que vão mu­dan­do de igu­ri­no em fun­ção do pa­pel e o ti­po de il­me que de­sem­pe­nham. Pa­ra me­lhor di­vul­ga­ção do ci­ne­ma na­ci­o­nal, cons­ta do pro­jec­to a exi­bi­ção das obras, nas zo­nas su­bur­ba­na e ru­rais do in­te­ri­or do país.

O pro­jec­to cri­a­do em 2014, já pro­du­ziu mais de cin­co fil­mes. En­tre es­te des­ta­cam- se “San­gue Der­ra­ma­do”, fei­to no Ben­go, em 2015, “Vi­das em Ris­cos” ro­da­do em Lu­an­da, Ben­gue­la e Por­tu­gal, em 2017, “Fú­ria no Ka­lawen­da”, gra­va­do no Ben­go e Lu­an­da, em 2017, “Co­bai­as - 72 ho­ras de Ter­ror”, fil­ma­do em Ca­xi­to, em 2017, e en­con­tra-se em ro­da­gem, em Lu­an­da, o fil­me “Trai­ção Mor­ta”, que é lan­ça­do ain­da es­te ano.

Jo­vens ac­to­res du­ran­te as fil­ma­gens de “Co­bai­as 72 Ho­ras de Ter­ror”

Re­a­li­za­dor Fun­zu­la Edu­ar­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.