JE­AN-MI­CHEL MABEKO-TALI “GUERRILHAS E LU­TAS SO­CI­AIS O MPLA PE­RAN­TE SI PRÓ­PRIO”

Jornal Cultura - - História -

Es­te li­vro de Je­an-Mi­chel Mabeko-Tali, Guerrilhas e Lu­tas So­ci­ais - O MPLA pe­ran­te si pró­prio (1960-1977) es­tá con­de­na­do a ser uma im­por­tan­te re­fe­rên­cia pa­ra qu­em se in­te­res­se pe­la his­tó­ria do MPLA ou, mais ge­ral­men­te, pe­la his­tó­ria po­lí­ti­ca de An­go­la. O pre­sen­te tra­ba­lho pro­vém da sua te­se de dou­to­ra­men­to apre­sen­ta­da em Fran­ça. No en­tan­to lê-se com ex­tre­ma fa­ci­li­da­de, gra­ças à for­ma lu­en­te e ágil co­mo es­tá es­cri­ta, à riquís­si­ma in­for­ma­ção e é pi­o­nei­ro em mui­tos as­pec­tos. Je­an-Mi­chel, que co­nhe­ço há cer­ca de 45, 30 anos, era ele um jo­vem de olhos es­qua­dri­nha­do­res e pers­pi­ca­zes em Braz­za­vil­le, Con­go, on­de nas­ceu, tal­vez se­ja ho­je mais an­go­la­no que con­go­lês. Não fa­lo de na­ci­o­na­li­da­des de pa­pel, que aca­ba por ser o me­nos im­por­tan­te nes­tas ques­tões de iden­ti­da­des, mas a ma­nei­ra de ser e o sen­ti­men­to com que ica­mos agar­ra­dos a um chão, o que con­si­de­ra­mos nos­so. Tan­ta vi­vên­cia tem ele de An­go­la e tan­tos la­ços pes­so­ais, te­ci­dos des­de a sua ten­ra juventude, que é evi­den­te ser dos nos- sos. Mas o fac­to de ter nas­ci­do e cres­ci­do fo­ra, nu­ma fa­mí­lia di­fe­ren­te, mar­cou-o in­de­le­vel­men­te. Tam­bém.

O que lhe dá uma ca­rac­te­rís­ti­ca, e é es­sa que me in­te­res­sa pa­ra aqui, ago­ra, de ser de den­tro e ao mes­mo tem­po de fo­ra. Quer di­zer, ele olha pa­ra An­go­la e a sua his­tó­ria com dois olha­res di­fe­ren­tes, o de den­tro e o de fo­ra, con­for­me achar me­lhor no mo­men­to. O que é uma enor­me van­ta­gem pa­ra po­der ana­li­sar a re­a­li­da­de, ao mes­mo tem­po de uma for­ma ra­ci­o­nal, de­sa­pai­xo­na­da, apon­ta­da do ex­te­ri­or, e com o ca­ri­nho e in­te­res­se que só o ilho tem pe­la mãe. Pen­so que qu­em ler es­te li­vro sen­ti­rá cons­tan­te­men­te a pre­o­cu­pa­ção com a ob­jec­ti­vi­da­de, a bus­ca apro­fun­da­da das fon­tes e, van­ta­gem su­pre­ma, o co­nhe­ci­men­to por den­tro da­qui­lo que se pas­sou, a com­pre­en­são pe­los sen­ti­men­tos dos ac­to­res que ize­ram a His­tó­ria e por­tan­to a emo­ti­vi­da­de que, por ve­zes, só ela po­de ex­pli­car ges­tos, ati­tu­des, ro­ti­nas de pen­sa­men­to, apa­ren­te­men­te me­no­res, mas que, em mo­men­tos de­ci­si­vos, po­dem mar­car o per­cur­so de um país.

E es­te li­vro tra­ta efec­ti­va­men­te do per­cur­so de An­go­la, vis­to a pre­tex­to da his­tó­ria de um dos seus ele­men­tos cons­ti­tu­ti­vos, o MPLA. Ha­ve­rá cer­ta­men­te qu­em não con­cor­de to­tal­men­te com o fac­to de eu con­si­de­rar o MPLA um dos ele­men­tos cons­ti­tu­ti­vos da na­ção an­go­la­na.

Fe­liz­men­te pa­ra o gé­ne­ro hu­ma­no, há sem­pre al­guém que pro­tes­ta, pois a una­ni­mi­da­de mes­mo que mo­men­tâ­nea tem si­do ge­ra­do­ra das pi­o­res in­to­le­rân­ci­as. Mas se izer­mos uma aná­li­se al­go cui­da­do­sa, te­re­mos de acei­tar que mui­tas ca­rac­te­rís­ti­cas do nos­so país, sem so­bre elas se fa­zer um juí­zo de va­lor, ho­je se de­vem a es­sa or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca que é aqui es­cal­pe­li­za­da por Je­an-Mi­chel. E mui­tas des­sas ca­rac­te­rís­ti­cas re­sul­tam a inal da ide­o­lo­gia e da ac­ção pro­ta­go­ni­za­das en­tre o nas­ci­men­to do MPLA e De­zem­bro de 1977, a da­ta do Con­gres­so cons­ti­tu­ti­vo do MPLA-Par­ti­do do Tra­ba­lho, épo­ca que é abar­ca­da pe­la pre­sen­te obra.

Je­an-Mi­chel to­ca, co­mo não po­dia dei­xar de ser, to­dos os mo­men­tos con­tro­ver­sos da his­tó­ria des­ta or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca. Em par­ti­cu­lar, a in­ter­mi­ná­vel dis­cus­são so­bre a da­ta da fun­da­ção do MPLA, ten­do pa­ra is­so apre­sen­ta­do do­cu­men­ta­ção e so­bre­tu­do ar­gu­men­ta­ção que es­ta­rão por cer­to mui­to pró­xi­mas do de ini­ti­vo. Tra­ta tam­bém da pri­mei­ra dis­si­dên­cia, a de Vi­ri­a­to da Cruz, a me­nos co­nhe­ci­da ho­je, com a ob­jec­ti­vi­da­de ne­ces­sá­ria. E de al­guns as­sun­tos, qua­se ou to­tal­men­te ta­bus na or­ga­ni­za­ção, co­mo se­ja a ques­tão ra­ci­al. Pen­so que, par­ti­cu­lar­men­te, nes­te as­pec­to o li­vro de Je­an-Mi­chel po­de pro­vo­car uma mui­to sa­lu­tar e (es­pe­ro!) se­re­na re le­xão so­bre as­sun­tos que têm si­do mais ou me­nos aba­fa­dos, por­que in­có­mo­dos. O mé­ri­to dos aca­dé­mi­cos é o de pon­de­ra­rem as coi­sas e nos aju­da­rem de­pois a des­co­brir que mui­tas ve­zes aqui­lo que em cer­ta al­tu­ra nos di­vi­de até po­de ter ti­do al­gu­ma ra­zão de ser num da­do mo­men­to do pas­sa­do, mas que en­tre­tan­to per­deu con­sis­tên­cia, por­que ab­so­lu­ta­men­te ul­tra­pas­sa­do pe­la di­nâ­mi­ca dos pro­ces­sos e a pa­ti­na dos tem­pos. E que os pre­con­cei­tos só per­sis­tem quan­do as di­fe­ren­ças so­ci­ais que os ori­gi­na­ram não fo­ram en­tre­tan­to di­ri­mi­das.

é ori­gi­ná­rio da Re­pú­bli­ca do Con­goB­raz­za­vil­le. Após re­ce­ber um ‘Bac­ca­lau­réat’ em Le­tras e Ci­ên­ci­as So­ci­ais, ins­ta­lou-se em An­go­la em 1976, on­de lec­ci­o­nou em vá­ri­as ins­ti­tui­ções de en­si­no mé­dio de Lu­an­da e do Lubango.

Em 1983, par­tiu pa­ra Fran­ça com o ob­jec­ti­vo de pros­se­guir os seus es­tu­dos uni­ver­si­tá­ri­os. Ob­te­ve a sua Li­cen­ci­a­tu­ra em His­tó­ria pe­la Uni­ver­si­da­de de Saint-Eti­en­ne, e um Mas­ter em Es­tu­dos Afri­ca­nos con­jun­ta­men­te pe­lo Ins­ti­tu­to de His­tó­ria da Uni­ver­si­da­de Bor­de­aux III e pe­lo Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos Po­lí­ti­cos – IEP – da Uni­ver­si­da­de de Bor­de­aux I. Em 1996, dou­to­rou-se em His­tó­ria pe­la Uni­ver­si­da­de Pa­ris VII-De­nis Di­de­rot. De re­gres­so a An­go­la, foi Pro­fes­sor As­so­ci­a­do de His­tó­ria no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção.

Des­de 2002, ins­ta­lou- se nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, on­de con­cor­reu com su­ces­so pa­ra Pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Howard, em Washing­ton, DC, ins­ti­tui­ção on­de, ac­tu­al­men­te, é Pro­fes­sor Ti­tu­lar da Cá­te­dra de His­tó­ria de Áfri­ca. Tem si­do Pro­fes­sor Vi­si­tan­te em di­ver­sas uni­ver­si­da­des fran­ce­sas e bra­si­lei­ras. Foi mem­bro do Co­mi­té In­ter­na­ci­o­nal da UNESCO pa­ra o Uso Pe­da­gó­gi­co da His­tó­ria Ge­ral de Áfri­ca en­car­re­ga­do, en­tre 2009 e 2017, da ela­bo­ra­ção de ma­nu­ais de His­tó­ria de Áfri­ca pa­ra to­dos os ní­veis de en­si­no no con­ti­nen­te. É tam­bém mem­bro e con­tri­bui­dor da sub­co­mis­são pa­ra o To­mo III do Co­mi­té In­ter­na­ci­o­nal da UNESCO res­pon­sá­vel pe­la redação do IX Vo­lu­me da His­tó­ria Ge­ral de Áfri­ca.

Co­mo es­tu­di­o­so da His­tó­ria po­lí­ti­ca e so­ci­al de An­go­la e do Con­go, pu­bli­cou vá­ri­os tra­ba­lhos, en­tre ar­ti­gos, con­tri­bui­ções a obras con­jun­tas, pre­fá­ci­os e crí­ti­cas de obras. Pu­bli­cou uma ver­são ini­ci­al e par­ci­al da pre­sen­te obra sob tí­tu­lo de Dis­si­dên­ci­as e Po­der de Es­ta­do, o MPLA pe­ran­te si pró­prio, 1962- 1977, Lu­an­da, Nzi­la 2001, e um es­tu­do com­pa­ra­ti­vo das tran­si­ções po­lí­ti­cas e os de­ba­tes iden­ti­tá­ri­os em An­go­la e no Con­go nos anos 1990-2000, sob o tí­tu­lo Bar­ba­res et Ci­toyens. L’iden­ti­té na­ti­o­na­le à l’épreu­ve des Tran­si­ti­ons afri­cai­nes: Con­go-Braz­za­vil­le, An­go­la. Pa­ris, L’Har­mat­tan, 2005. Co­mo ro­man­cis­ta, pu­bli­cou L’Exil et l’In­ter­dit, Pa­ris L’Har­mat­tan, 2001 et Le Mu­sée de la Hon­te, Pa­ris, L’Har­mat­tan, 2002.

Fren­te Les­te. Má­rio Pin­to de An­dra­de e um guer­ri­lhei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.