CAR­MO NE­TO

EX­PLI­CA AN­TO­LO­GIA

Jornal Cultura - - Primeira Página - GAS­PAR MICOLO

Uma no­va an­to­lo­gia lan­ça­da em Por­tu­gal faz uma lei­tu­ra am­pla de gran­de par­te da li­te­ra­tu­ra es­cri­ta ori­gi­nal­men­te em por­tu­guês. O se­cre­tá­rio- ge­ral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA), Car­mo Ne­to, ex­pli­ca, em en­tre­vis­ta, a im­por­tân­cia da pre­sen­ça de au­to­res an­go­la­nos nes­te tra­ba­lho que pro­põe um olhar pa­no­râ­mi­co e pla­ne­tá­rio da cri­a­ção li­te­rá­ria des­de os tex­tos fun­da­do­res aos es­cri­to­res re­ve­la­dos até ao ano 2000.

A edi­to­ra por­tu­gue­sa "Tin­ta da Chi­na" aca­ba de lan­çar a obra “Li­te­ra­tu­raMun­do Com­pa­ra­da: Pers­pec­ti­vas em Por­tu­guês”, uma an­to­lo­gia com co­or­de­na­ção de He­le­na Car­va­lhão Bu­es­cu e Ino­cên­cia Ma­ta que reú­ne tex­tos li­te­rá­ri­os de to­do o mun­do em se­te vo­lu­mes. A obra, que pro­põe um olhar pa­no­râ­mi­co e pla­ne­tá­rio da cri­a­ção li­te­rá­ria des­de os tex­tos fun­da­do­res aos es­cri­to­res re­ve­la­dos até ao ano 2000, con­ta com o al­to pa­tro­cí­nio do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa e tem, a se­cun­dá-la, par­cei­ros ins­ti­tu­ci­o­nais de re­le­vo: da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Au­to­res à Fun­da­ção Ma­cau, da Co­mis­são Ge­ral da UNESCO em Por­tu­gal ao Ins­ti­tu­to Ca­mões, do INIC à CPLP, com fi­nan­ci­a­men­to da Fun­da­ção pa­ra a Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, e o con­tri­bu­to es­sen­ci­al da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA). E é exac­ta­men­te o se­cre­tá­rio-ge­ral da UEA, Car­mo Ne­to, que nos faz uma lei­tu­ra di­ri­gi­da da an­to­lo­gia que pre­ten­de mar­car uma épo­ca e su­ge­re mui­tos es­tu­dos. "Par­ti­cu­lar­men­te, gos­tei da se­lec­ção, por­que no­tei o alar­ga­men­to das idei­as da mul­ti­pli­ci­da­de que a lín­gua por­tu­gue­sa po­de re­pre­sen­tar no mun­do da cul­tu­ra, com pau­sas e sin­fo­ni­as di­fe­ren­tes", diz o es­cri­tor.

JOR­NAL CUL­TU­RA - Sa­be-se que a an­to­lo­gia traz obras de es­cri­to­res da CPLP, so­bre vá­ri­os pon­tos es­pe­cí icos, as su­as pró­pri­as vi­vên­ci­as e a re­a­li­da­de dos seus paí­ses...

Car­mo Ne­to - A an­to­lo­gia en­vol­veu mais de 100 es­pe­ci­a­lis­tas e aca­dé­mi­cos de di­fe­ren­tes ins­ti­tui­ções pro is­si­o­nais e uni­ver­si­da­des de vá­ri­as par­tes do mun­do, in­clu­si­ve de An­go­la, co­mo os pro­fes­so­res Luís Kand­jim­bo e Ma­nu­el Mu­an­za. São três par­tes que dão cor­po ao pro­jec­to. A pri­mei­ra par­te, com o se­lo do Cen­tro de Es­tu­dos Com­pa­ra­tis­tas da Fa­cul­da­de de Le­tras de Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, tem 1.500 páginas e es­tá dis­po­ní­vel ao pú­bli­co lei­tor em dois vo­lu­mes, com tex­tos de mais de 300 au­to­res, en­tre afri­ca­nos, bra­si­lei­ros, por­tu­gue­ses, go­e­ses e ma­ca­en­ses, que te­nham pu­bli­ca­do des­de a cha­ma­da épo­ca clás­si­ca à mo­der­na, de­sig­na­da­men­te o ano 2000. De­pois sai­rá a se­gun­da par­te, tam­bém com dois vo­lu­mes e, inal­men­te, a úl­ti­ma par­te, com três vo­lu­mes. Com es­se pro­jec­to, jul­ga­mos não ha­ver es­tra­té­gia mais so­be­ra­na pa­ra se pôr em diá­lo­go vá­ri­as cul­tu­ras, épo­cas e fron­tei­ras que se co­mu­ni­cam em por­tu­guês, e de­sa iar mes­mo a ca­pa­ci­da­de in­ter­pre­ta­ti­va do lei­tor, es­ti­mu­lan­do-o a re­a­li­zar-se nos di­fe­ren­tes­gé­ne­ros que com­põem a an­to­lo­gia.

JC - Qu­ais fo­ram os cri­té­ri­os pa­ra a se­lec­ção dos au­to­res?

CN - Tal co­mo re­fe­riu nu­ma en­tre­vis­ta a co­or­de­na­do­ra do pro­jec­to, a pro­fes­so­ra He­le­na Bu­es­cu, mais do que pen­sar em pre­sen­tes e au­sen­tes, o mais im­por­tan­te é re­co­nhe­cer a co­e­rên­cia do to­do e que fa­zer es­co­lhas im­pli­ca in­cluir e ex­cluir. Uma an­to­lo­gia é uma pro­pos­ta que obe­de­ce a cri­té­ri­os, sen­do um de­les o da au­to-re­a­li­za­ção no li­mi­te do sim­bó­li­co. Os or­ga­ni­za­do­res se­lec­ci­o­na­ram tex­tos em pro­sa, ex­cer­tos de po­e­mas e po­e­mas, sem­pre pro­cu­ran­do o equi­lí­brio. Sei que de ini­ram sec­ções te­má­ti­cas pa­ra a se­lec­ção dos tex­tos e dos au­to­res, além da in­ser­ção his­tó­ri­ca, o que icou tra­du­zi­do nas dez ca­te­go­ri­as. Par­ti­cu­lar­men­te, gos­tei da se­lec­ção, por­que no- tei o alar­ga­men­to das idei­as da mul­ti­pli­ci­da­de que a lín­gua por­tu­gue­sa po­de re­pre­sen­tar no mun­do da cul­tu­ra, com pau­sas e sin­fo­ni­as di­fe­ren­tes.

JC - Co­mo ava­lia a in­te­rac­ção e co­o­pe­ra­ção en­tre os es­cri­to­res da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP) e qual o pa­pel que An­go­la de­ve jo­gar?

CN - Re­co­nhe­ço que a in­te­rac­ção e co­o­pe­ra­ção po­de­ria ser me­lhor, prin­ci­pal­men­te por­que a CPLP po­de­ria de­sen­vol­ver um pa­pel bem mais ac­ti­vo a fa­vor da pro­mo­ção da di­ver­si­da­de cul­tu­ral que en­ri­que­ce a lín­gua por­tu­gue­sa. O pa­pel de An­go­la tem si­do in­te­res­san­te, na par­ti­ci­pa­ção, pro­mo­ção de ac­ções e es­tí­mu­los de par­ce­ri­as en­tre au­to­res ou na­ções. Par­ti­cu­la­ri­zan­do o ca­so da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, de que sou se­cre­tá­rio-ge­ral, es­ta­mos a tra­ba­lhar num pro­jec­to com Ca­bo Ver­de pa­ra a cons­tru­ção du­ma an­to­lo­gia com au­to­res dos dois paí­ses. Te­mos vin­do a con­vi­dar au­to­res do es­pa­ço CPLP e te­mos par­ti­ci­pa­do em even­tos li­te­rá­ri­os atra­vés dos nos­sos mem­bros. Mais re­cen­te e evi­den­te é tam­bém es­sa an­to­lo­gia. Cla­ro que no ca­pí­tu­lo da­qui­lo que po­de ser fei­to no cam­po da in­te­rac­ção e co­o­pe­ra­ção en­tre es­cri­to­res do es­pa­ço da CPLP é in­sig­ni ican­te. Mas, a nos­so ní­vel, é o pos­sí­vel.

JC - Além do lan­ça­men­to de an­to­lo­gi­as, que se po­de in­se­rir no âm­bi­to do pro­jec­to de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, co­mo se po­de ti­rar pro­vei­to da tra­du­ção?

CN - Boa per­gun­ta. Olha, pe­la tra­du­ção po­de­mos cons­truir uma ní­ti­da cons­ci­ên­cia e re­co­nhe­ci­men­to do ou­tro. Ora, do pon­to de vis­ta cri­a­ti­vo, es­cre­ver é já, em si, um ac­to de tra­du­ção de uma pa­la­vra in­te­ri­or. Mas pa­ra o edi­tor, lei­tor, es­tu­di­o­so, etc., a tra­du­ção é um pro­ces­so bem mais com­ple­xo que le­va a ti­rar um tex­to de uma mar­gem lin­guís­ti­ca pa­ra ou­tra, im­pli­can­do in­clu­si­ve ques­tões an­tro­po­ló­gi­cas. Se con­si­de­rar­mos que An­go­la é um país com uma pro­du­ção li­te­rá­ria ain­da aquém do es­pe­ra­do, es­ta­rá pos­si­vel­men­te mais aber­to à ne­ces­si­da­de de pro­cu­rar­mos a tra­du­ção. Ou se­ja, o nos­so país es­tá “en­cra­va­do” en­tre an­gló­fo­nos e fran­có­fo­nos, com pro­du­ções li­te­rá­ri­as bem mais pu­jan­tes do pon­to de vis­ta quan­ti­ta­ti­vo. De igual mo­do, a po­pu­la­ção po­ten­ci­al­men­te lei­to­ra é bem mais nu­me­ro­sa nos paí­ses vi­zi­nhos. Lo­go, por es­se ca­mi­nho, de­ve­mos ad­mi­tir que a tra­du­ção, pa­ra nós, sur­gi­rá co­mo for­ma de nos dar­mos a co­nhe­cer aos vi­zi­nhos e con­su­mir­mos o que os vi­zi­nhos pro­du­zem. Des­de o fo­ne­má­ti­co até o se­mân­ti­co, ten­do co­mo re­fe­rên­cia o con­tex­to si­tu­a­ci­o­nal do tex­to, a tra­du­ção sur­ge não ape­nas co­mo uma trans­cri­ção exac­ta do que se en­con­tra no tex­to ori­gi­nal, mas tam­bém uma área em cons­tan­te evo­lu­ção ca­paz de pro­lon­gar a vi­da dos tex­tos. E se pre­ten­der­mos pro­lon­gar a vi­da dos tex­tos dos nos­sos au­to­res, te­mos tam­bém que ti­rar pro­vei­to da tra­du­ção.

JC - A lon­go dos seus man­da­tos, tem pro­cu­ra­do fun­da­men­tal­men­te con­so­li­dar os pro­jec­tos já exis­ten­tes e pro­cu­rar par­ce­ri­as pa­ra a con­cre­ti­za­ção de ou­tras ini­ci­a­ti­vas de in­te­res­se na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal em cur­so. Que ba­lan­ço faz até ago­ra?

CN - Se ti­ver que re­su­mir es­se ba­lan­ço que me pe­de, eu di­ria: in­sa­tis­fa­ção! Se al­gu­ma coi­sa foi fei­ta, se al­guns li­vros fo­ram pu­bli­ca­dos ou re­e­di­ta­dos; se al­gum au­tor foi in­ter­na­ci­o­na­li­za­do, se a di­plo­ma­cia cul­tu­ral foi mais lon­ge atra­vés do li­vro, se al­guns acor­dos fo­ram ce­le­bra­dos com ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais, en­tre edi­to­ras, uni­ver­si­da­des, fun­da­ções, etc, ica­rá sem­pre em mim a ideia de que mui­ta coi­sa icou por ser fei­ta até aqui. Não in­te­res­sa ago­ra fa­lar das ra­zões que con­cor­re­ram pa­ra o al­can­ce do ina­tin­gi­do. Cla­ro que es­ta­mos sa­tis­fei­tos com al­guns pro­jec­tos que mar­ca­rão cer­ta­men­te a his­tó­ria re­cen­te da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na no ge­ral. Mas po­de­ría­mos ter ido mui­to mais além. En­tre­tan­to, dei­xe-me ma­ni­fes­tar a mi­nha sa­tis­fa­ção por ter­mos par­ti­ci­pa­do, co­mo União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, num dos mais am­bi­ci­o­sos pro­jec­tos li­te­rá­ri­os, editoriais e até mes­mo ci­en­tí ico-aca­dé­mi­co no que diz res­pei­to a or­ga­ni­za­ção, edi­ção e pro­du­ção de uma an­to­lo­gia co­mo es­sa: Mun­dos em Por­tu­guês. A pre­sen­ça de au­to­res an­go­la­nos e de tex­tos que mo­de­lam nos­sos di­fe­ren­tes con­tex­tos co­lo­cam-nos nu­ma po­si­ção pri­vi­le­gi­a­da pa­ra ser­mos li­dos e es­tu­da­dos pe­lo mun­do. Nes­se par­ti­cu­lar, es­tou imen­sa­men­te fe­liz.

As con­de­co­ra­ções, me­da­lhas e tí­tu­los ho­no­rí­fi­cos ou­tor­ga­dos a Agos­ti­nho Ne­to en­quan­to na­ci­o­na­lis­ta, mé­di­co, lu­ta­dor pe­la li­ber­ta­ção, po­e­ta, en­saís­ta, es­tão ago­ra reu­ni­das num li­vro.

Es­cri­tor Car­mo Ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.