AL­ME­RIN­DO JA­KA JAM­BA

Jornal Cultura - - Primeira Página - GAS­PAR MICOLO

Fi­ló­so­fo, es­cri­tor e his­to­ri­a­dor, Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba foi um dos mem­bros fun­da­do­res da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras e “uma bi­bli­o­te­ca vi­va, um ho­mem de co­nhe­ci­men­to pro­fun­do e sem­pre dis­po­ní­vel pa­ra o par­ti­lhar”.

OCon­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras ma­ni­fes­tou-se co­mo­vi­do com o fa­le­ci­men­to do na­ci­o­na­lis­ta, po­lí­ti­co, his­to­ri­a­dor e aca­dé­mi­co, Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba, na ma­dru­ga­da de do­min­go, 1 de Abril, em Lu­an­da, ví­ti­ma de um acidente vas­cu­lar ce­re­bral, se­gun­do uma fon­te fa­mi­li­ar.

Nu­ma no­ta a que o Jor­nal CUL­TU­RA te­ve aces­so, a Aa­ca­de­mia lem­bra que o iló­so­fo, es­cri­tor e his­to­ri­a­dor AL­ME­RIN­DO JA­KA JAM­BA, foi um dos seus mem­bros fun­da­do­res, sen­do que "em no­me dos mem­bros da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, o Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção ma­ni­fes­ta o seu pro­fun­do pe­sar pe­lo fa­le­ci­men­to de um dos seus mais en­ga­ja­dos mem­bros fun­da­do­res. Nes­te mo­men­to de dor, a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras in­cli­na- se pe­ran­te a sua me­mó­ria e jun­ta-se à sua fa­mí­lia e ami­gos, re­gis­tan­do o seu no­me pa­ra a eter­ni­da­de na His­tó­ria das Le­tras An­go­la­nas".

For­ma­do em ilo­so ia pe­la Uni­ver­si­da­de Clás­si­ca de Lis­boa, era his­to­ri­a­dor e po­lí­ti­co, ti­nha 69 anos e na ho­ra da par­ti­da ge­ra um con­sen­so em tor­no da di­men­são da sua per­so­na­li­da­de sem igual. Den­tro da União Na­ci­o­nal pa­ra a In­de­pen­dên­cia To­tal de An­go­la (UNITA) era um dos mais an­ti­gos e res­pei­ta­dos mi­li­tan­tes, con­tan­do ain­da com só­li­do res­pei­to da so­ci­e­da­de an­go­la­na, den­tro e fo­ra do par­ti­do.

"Era uma bi­bli­o­te­ca vi­va, um ho­mem de co­nhe­ci­men­to pro­fun­do e sem­pre dis­po­ní­vel pa­ra o par­ti­lhar. Era uma igu­ra ex­tra­or­di­ná­ria e ir­re­pe­tí­vel". Foi as­sim que por­ta-voz da UNITA, Al­ci­des Sa­ka­la des­cre­veu Ja­ka Jam­ba, o úl­ti­mo di­ri­gen­te da UNITA vi­vo dos que es­ti­ve­ram pre­sen­tes na pre­pa­ra­ção e efec­ti­va­ção dos Acor­dos de Al­vor, as­si­na­do em Por­tu­gal, (Al­gar­ve), em Ja­nei­ro de 1975, pe­los três mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção, UNITA, FNLA e MPLA, que vi­ria a de inir os pa­râ­me­tros do Go­ver­no de tran­si­ção, que vi­ria a in­te­grar. “Mor­reu Ja­ka Jam­ba, de­pu­ta­do da UNITA e mem­bro da Aca­de­mia de Le­tras de An­go­la. Tra­ba­lhei com ele nes­ses dois ór­gãos e ize­mos uma boa ami­za­de. Par­ti­lha­mos al­gu­mas idei­as e, qu­an­do im­pe­ri­o­so, di­ver­gi­mos res­pei­to­sa­men­te. Por is­so, ho­je é um dia tris­te pa­ra mim. Paz à sua al­ma”, es­cre­veu o mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, João Me­lo, na sua pá­gi­na do Twit­ter. Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba, nas­ceu a 21 de Mar­ço de 1949 e era de­pu­ta­do da UNITA, par­ti­do po­lí­ti­co an­go­la­no a que ade­riu em 1972. Por for­ça dos Acor­dos de Al­vor, as­si­na­dos em 1975, ocu­pa­ria, no Go­ver­no de Tran­si­ção, a pas­ta de se­cre­tá­rio de Es­ta­do da In­for­ma­ção. Foi vi­ce-pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal (1997-2005) e em­bai­xa­dor na Mis­são Per­ma­nen­te de An­go­la jun­to do Or­ga­nis­mo das Na­ções Uni­das pa­ra a Edu­ca­ção, Ci­ên­cia e Cul­tu­ra (UNES­CO), em Pa­ris (2005- 2008).

No par­ti­do UNITA, já ocu­pou vá­ri­os car­gos de des­ta­que, tais co­mo os de se­cre­tá­rio de Edu­ca­ção, In­for­ma­ção, dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, da Cul­tu­ra e Herança Afri­ca­na. Em 1992, foi no­me­a­do co­mo se­gun­do vi­ce- pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal e por­ta- voz do gru­po par­la­men­tar da UNITA. Ja­ka Jam­ba fez par­te da Co­mis­são Cons­ti­tu­ci­o­nal de An­go­la, em re­pre­sen­ta­ção do mai­or par­ti­do da opo­si­ção an­go­la­na.

Na men­sa­gem da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Bor­ni­to de Sou­sa es­cre­ve que “foi com um sen­ti­men­to de pro­fun­da cons­ter­na­ção” que a no­tí­cia foi co­nhe­ci­da. “Com es­te in­faus­to acon­te­ci­men­to, An­go­la per­de um dos seus ilhos mais ilus­tres, in­te­lec­tu­al de ra­ra es­tir­pe e in­can­sá­vel pro­mo­tor da concórdia e har­mo­nia en­tre os an­go­la­nos”, lê-se na men­sa­gem.

“Nes­ta ho­ra de dor, e em no­me de Sua Ex­ce­lên­cia o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lourenço, do Exe­cu­ti­vo e no meu pró­prio, apre­sen­to condolências à fa­mí­lia do ma­lo­gra­do, na es­pe­ran­ça de que a so­ci­e­da­de va­lo­ri­ze, na sua ac­ção quo­ti­di­a­na, o le­ga­do do na­ci­o­na­lis­ta que par­te pre­ma­tu­ra­men­te”, es­cre­veu Bor­ni­to de Sou­sa.

Ho­mem de cul­tu­ra e po­li­glo­ta, Ja­ka Jam­ba, en­quan­to pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Agostinho Neto, é recordado com um do­cen­te aten­ci­o­so e so­li­dá­rio, que aju­da­va mes­mo na aqui­si­ção dos ma­te­ri­ais aca­dé­mi­cos. Um exí­mio con­ta­dor de his­tó­ri­as e que gos­ta­va de ilo­so­far. "Ti­ve nes­te dia uma gran­de au­la so­bre a cul­tu­ra Ban­tu, so­bre as lín­guas na­ci­o­nais, so­bre Áfri­ca. O pa­tri­mó­nio his­tó­ri­co, cul­tu­ral, ma­te­ri­al e ima­te­ri­al", lem­bra o jor­na­lis­ta Ar­min­do Lau­re­a­no, que efec­tu­ou uma en­tre­vis­ta de vi­da ao aca­dé­mi­co no po­pu­lar pro­gra­ma ra­di­o­fó­ni­co "Vi­vên­ci­as". "Obri­ga­do pe­la ri­ca en­tre­vis­ta que ica­rá pa­ra sem­pre imor­ta­li­za­da no au­di­o­li­vro «Um ano de Vi­vên­ci­as» " . Imor­ta­li­za­da ica­rá, so­bre­tu­do, es­te le­ga­do de "in­can­sá­vel pro­mo­tor da concórdia e har­mo­nia en­tre os an­go­la­nos.

Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.