DO­MIN­GOS DE BARROS NE­TO

U´LUNGU

Jornal Cultura - - Editorial -

a esta ho­ra água lá no Kwan­za é san­gue que o sol ao rio en­tor­nou

aí no mur­mú­rio das den­sas on­das ver­me­lhas só uma ve­lha ca­noa ge­men­do nas águas cre­pus­cu­la­res do Kwan­za

(aque­la ca­noa de ma­fu­mei­ra ao rio as­sim lan­ça­da é su­bli­me in­ven­ção de an­te­pas­sa­dos meus)

no rio pe­la ca­noa ras­pa­do só o bor­bu­lhar dos re­mos lam­ben­do as águas cho­ro­sas do Kwan­za

«xim­bi­ca, xim­bi­xa­mu­zan­ga­la pre­pa­ra o la­ta Ka­zúa zu­nir com o ca­noa vi­bra a re­mo no água di­kum­bi­an­tão vai mo­rer já!»

são três re­ma­do­res de re­gres­so à Lo­la lu­tan­do com as on­das ver­me­lhas do Kwan­za

lá vai lá vai a ca­noa so­bre as on­das do Kwan­za vi­bran­do uma can­ção na sin­fo­nia dos re­mos a gen­te em si­lên­cio na ca­noa as­sen­ta­da pa­re­ce di­zer uma de­vo­ta ora­ção ao Deus Cri­a­dor e à se­nho­ra da Mu­xi­ma

ó be­la San­ta Con­cei­ção tu­bin­gil´etu tu aku­ai­tu­xi kin­da­la­ni­mu­kum­bi dia ku­fu­a­ku­e­tu…

lá vai lá vai a ca­noa so­bre as on­das do Kwan­za vi­bran­do uma can­ção na sin­fo­nia dos re­mos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.