JOR­GE GUMBE

A METAMORFOSE DAS FOR­MAS

Jornal Cultura - - Primeira Página - JOR­GE GUMBE

M“Quan­do cer­ta ma­nhã Gre­gor Sam­sa acor­dou de so­nhos in­tran­qui­los, en­con­trou-se em sua ca­ma, me­ta­mor­fo­se­a­do num in­sec­to mons­tru­o­so.” Franz Ka ka (1883 – 1924), in Metamorfose.

eta­mor­fo­se sig­ni ica mu­dan­ça, a trans­for­ma­ção de um ser em ou­tro ou se­ja de uma for­ma em ou­tra. Ti­ve des­de mui­to ce­do um gran­de fas­cí­nio pe­lo tex­to de Ka ka (1883 – 1924), a Metamorfose, on­de o cor­po se tor­na es­tra­nho ao ho­mem que o ha­bi­ta. Des­de a mi­nha ex­po­si­ção “Mi­tos e So­nhos” re­a­li­za­do em 2005 no Sa­lão In­ter­na­ci­o­nal de Ex­po­si­ções do Mu­seu Na­ci­o­nal de His­tó­ria Na­tu­ral em Lu­an­da, o te­ma do Em­bon­dei­ro abor­da­va a metamorfose: o va­lor sim­bó­li­co da ár­vo­re con­du­zia à fu­são dos cor­pos en­tre si e dos cor­pos com o es­pa­ço e os ob­jec­tos. Du­ran­te anos o meu ob­jec­to de es­tu­do foi o sig­ni ica­do sim­bó­li­co dos mi­tos, do ima­gi­ná­rio, a uma vi­a­gem no es­pa­ço nos en­qua­dra­men­tos uti­li­za­dos. Tra­ta-se de um diá­lo­go, que dou con­ti­nui­da­de, com o te­ma da metamorfose e da fu­são.

As Me­ta­mor­fo­ses são óp­ti­mos tra­ta­dos so­bre a con­di­ção hu­ma­na em meio às re­la­ções so­ci­ais mo­der­nas. Os prin­ci­pais te­mas pro­pos­tos por Ka ka são a re­a­li­da­de so­ci­al con­tem­po­râ­nea, o ca­pi­ta­lis­mo sel­va­gem, a opres­são bu­ro­crá­ti­ca das re­la­ções tra­ba­lhis­tas, a vi­da ur­ba­na avas­sa­la­do­ra, os con li­tos ide­o­ló­gi­cos, a fragilidade do ho­mem fren­te aos pro­ble­mas quo­ti­di­a­nos e prin­ci­pal­men­te a cor­re­la­ção en­tre uti­li­da­de e sig­ni icân­cia nos de­ter­mi­nis­mos de va­lor que fo­ram o pon­to de par­ti­da pa­ra a mo­ti­va­ção a es­ta re­cen­te ex­po­si­ção. O te­ma é uma pro­ble­má­ti­ca que me to­ca en­quan­to ar­tis­ta. Pa­ra mim tra­ta-se de pro­vo­car e mos­trar a for­ça poé­ti­ca da metamorfose que é con­vo­ca­da pe­lo ar­tis­ta no in­tui­to de pro­vo­car um con­fron­to iné­di­to de se­res e for­mas, por­ta­do­ras de uma be­le­za es­tra­nha­men­te no­va. Quer di­zer, fa­zer a re­a­li­da­de mais in­te­res­san­te fruin­do-lhe o la­do má­gi­co, es­tra­nho ou ir­re­al. Re­pre­sen­tar no es­pa­ço aque­les fac­tos que es­ca­pam ao es­tri­ta­men­te ra­ci­o­nal e se ins­ta­lam no nos­so quo­ti­di­a­no, fa­zen­do na­tu­ral o que pa­ra ou­tras cul­tu­ras se­ria má­gi­co, so­bre­na­tu­ral ou ina­cre­di­tá­vel.

Me­ta­mor­fo­ses das for­mas do­cu­men­ta as con­tí­nu­as trans­for­ma­ções da for­ma ao lon­go do meu de­sen­vol­vi­men­to ar­tís­ti­co, a par­tir da fa­se de­sen­ca­de­a­da pe­la ex­po­si­ção “Mi­tos e So­nhos” em 2005, que foi uma es­pé­cie de ma­ni­fes­to, ti­do co­mo um mar­co em mi­nha tra­jec­tó­ria. Fru­to de um tra­ba­lho so­fri­do, me­tó­di­co, sis­te­ma­ti­za­do e ela­bo­ra­do ao lon­go de dez anos que an­tes de sair a pú­bli­co foi re lec­ti­do com ba­se em dis­cus­sões em An­go­la e no ex­te­ri­or em vá­ri­os es­pa­ços, par­ti­cu­lar­men­te aca­dé­mi­co. Foi uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to in­te­res­san­te, que me mo­ti­vou a con­ti­nu­ar nes­ta pers­pec­ti­va. Pois, é ne­ces­sá­rio que o ar­tis­ta afri­ca­no co­mo me iden­ti­fi­co, as­su­ma as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des pe­ran­te o mun­do e dar uma ou­tra vi­são do ar­tis­ta con­tem­po­râ­neo e so­bre­tu­do de Áfri­ca.

Na­que­la ex­po­si­ção, as­su­mia, de vez, mu­dan­ças sig­ni ica­ti­vas – e ir­re­ver­sí­veis – na con­cep­ção for­mal de meus tra­ba­lhos. Se an­tes a mi­nha re­pre­sen­ta­ção do hu­ma­no ten­dia ao tra­di­ci­o­nal, com con­tor­nos mais ní­ti­dos, a par­tir da­li, mi­nhas igu­ras, ape­sar de ain­da re­co­nhe­cí­veis, se en­tre­la­çam a ele­men­tos da na­tu­re­za. Vou pro­cu­rar ins­pi­ra­ção à es­tas me­mó­ri­as da mi­nha in­fân­cia, das his­tó­ri­as so­bres se­res mis­te­ri­o­sos, e nes­tes úl­ti­mos anos te­nho pes­qui­sa­do o sig­ni ica­do mí­ti­co do em­bon­dei­ro e da Kyàndà, “gé­ni­os da na­tu­re­za”, a di­vin­da­de das águas, pa­ra as po­pu­la­ções da Ilha de Lu­an­da e com ou­tras de­sig­na­ções no ima­gi­ná­rio po­pu­lar an­go­la­no.

A ár­vo­re em­bon­dei­ro, é um sím­bo­lo cul­tu­ral pa­ra mui­tas po­pu­la­ções an­go­la­nas. A sua for­ma con­vi­da-me pa­ra o fan­tás­ti­co, a uma vi­a­gem no es­pa­ço, pro­vo­ca-me a des­po­le­tar uma ima­gi­na­ção pa­ra além do re­al que me per­mi­te cri­ar tem­pos e tem­po­ra­li­da­des, re­cri­ar mi­tos que, por ve­zes, se so­bre­põem nu­ma es­pé­cie de pa­limp­ses­tos li­te­rá­ri­os e pic­to­grá icos. As­sim, são con­vo­ca­dos pa­ra o cen­tro des­se pro­du­to inal que é a pin­tu­ra, ele­men­tos cós­mi­cos e mi­to­ló­gi­cos co­mo o sol, fon­te de ener­gia íg­nea; o chão te­lú­ri­co; as águas da Kyàndà; e o me­ta­fó­ri­co ar da ima­gi­na­ção cri­a­do­ra. Ope­ro ele­men­tos des­te te­ma com a cons­ci­ên­cia de que, por in­ter­mé­dio de­les, fa­ço um ti­po de re­sis­tên­cia ca­paz de im­pe­dir o apa­ga­men­to das mar­cas iden­ti­tá­ri­as cul­tu­rais de de­ter­mi­na­das co­mu­ni­da­des so­ci­o­cul­tu­rais do meu país, que re­sis­ti­ram a as­si­mi­la­ção cul­tu­ral im­pos­ta pe­lo co­lo­ni­a­lis­mo e no pós in­de­pen­dên­cia têm di icul­da­des em fa­zer fa­ce as cor­ren­tes mo­der­nis­tas e a glo­ba­li­za­ção.

Qu­e­ro aler­tar o pú­bli­co pa­ra a ur­gên­cia de An­go­la não dei­xar de cul­ti­var os seus mi­tos e so­nhos, as­pec­tos im­por­tan­tes pa­ra a sua exis­tên­cia. Con­tri­buir pa­ra um ques­ti­o­na­men­to da so­ci­e­da­de an­go­la­na e re lec­tir no seu pas­sa­do, no seu pa­tri­mó­nio cul­tu­ral e his­tó­ri­co e po­der usá-lo pa­ra pers­pec­ti­var o seu en­qua­dra­men­to na so­ci­e­da­de mo­der­na e con­tem­po­râ­nea e a ir­mar­se com uma identidade pró­pria no mun­do ca­da vez mais glo­ba­li­za­do. Uti­li­zan­do a me­tá­fo­ra, a mi­nha obra, ape­sar de se ba­se­ar na cul­tu­ra pa­tri­mo­ni­al, es­tá con­tex­tu­a­li­za­da aos pro­ble­mas da so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea. Exis­te em An­go­la um ri­co pa­tri­mó­nio cul­tu­ral, re­sul­tan­te da in­ter­cul­tu­ra­li­da­de que ho­je se con­fron­ta com ou­tros de­sa ios, no­me­a­da­men­te com o da in­te­gra­ção num mun­do glo­bal, de­ter­mi­nan­te na cons­tru­ção da so­ci­e­da­de an­go­la­na ac­tu­al e cu­jos efei­tos es­tão na ba­se de mui­tos de­ba­tes não pa­cí icos.

De ino a mi­nha obra co­mo fei­ta por um afri­ca­no com uma vi­são aber­ta ao mun­do, on­de se po­de ob­ser­var um re­en­con­tro en­tre vá­ri­as cul­tu­ras, ten­do em con­ta a mi­nha vi­vên­cia e ex­pe­ri­ên­cia de vi­da nos vá­ri­os con­ti­nen­tes, o afri­ca­no, o eu­ro­peu e o ame­ri­ca­no, on­de as co­res e as for­mas se en­tre­cru­zam e se trans­for­mam em múl­ti­plas com­bi­na­ções. Pro­cu­ro in­tro­du­zir no­vos con­cei­tos e um vo­ca­bu­lá­rio na arte con­tem­po­râ­nea an­go­la­na, por ou­tro la­do, de­mar­car as di­ver­sas eta­pas da mi­nha obra pic­tó­ri­ca e im­pres­sa em um ar­co tem­po­ral e, ao mes­mo tem­po ten­tar ex­por quais as mo­ti­va­ções, as múl­ti­plas in­ter-re­la­ções com o meio ex­ter­no as­sim co­mo as re­per­cus­sões, no ar­tis­ta, da pas­sa­gem do ca­rác­ter re­pre­sen­ta­ci­o­nal da pai­sa­gem pa­ra a uti­li­za­ção de uma lin­gua­gem ex­pres­si­o­nis­ta vi­san­do cri­ar uma pai­sa­gem in­te­ri­or, ex­pres­si­o­nis­ta, da alma hu­ma­na.

Uma ja­ne­la co­mo re­pre­sen­ta­ção do por­tal da alma en­tre ex­te­ri­o­ri­da­de ísi­ca e o mun­do in­te­ri­or. Con­si­de­ro tra­tar-se de um arqué­ti­po jun­gui­a­no, o de in­ter­pe­ne­tra­ção en­tre o mun­do ísi­co, per­ce­bi­do pe­los sen­ti­dos, e o mun­do es­pi­ri­tu­al, o in­cons­ci­en­te, e a con­se­guin­te trans­po­si­ção da no­ção de re­a­li­da­de do in­di­ví­duo pa­ra a sua psi­que, uma vez que pa­ra Jung e seus dis­cí­pu­los, o ar­tis­ta sem­pre foi tan­to um ins­tru­men­to qu­an­to o in­tér­pre­te do es­pí­ri­to da sua épo­ca ( Jung, 2005).

As mi­nhas, são igu­ras re­pre­sen­ta­das pe­lo em­bon­dei­ro (mbon­do), ár­vo­re das sa­va­nas tro­pi­cais, par­ti­cu­lar­men­te em An­go­la, que es­tá sem­pre so­fren­do ven­ta­ni­as, per­tur­ba­ções e an­gús­ti­as pe­lo avas­sa­la­dor ego­cen­tris­mo do ho­mem em ocu­par o seu es­pa­ço e am­bi­en­te a pon­to de se ex­tin­guir. De fac­to, es­tá sem­pre pre­sen­te na mi­nha obra em for­ma de po­e­sia vi­su­al co­mo in­vo­ca­ção aos es­tra­gos cau­sa­dos pe­lo trans­gres­sor pa­ra pre­ser­var a cul­tu­ra an­go­la­na em tem­pos de re­vi­ra­vol­ta. Sur­ge en­tão ne­le uma ne­ces­si­da­de vis­ce­ral do abra­ço e do ca­lor hu­ma­no, da dor de pen­sar no am­bi­en­te na­tu­ral que icou des­tro­ça­da, da sau­da­de in in­da e com ela apa­re­ce­rem os se­res hu­ma­nos e pei­xes in­te­ra­gin­do en­tre eles, su­bli­nha­dos pe­la cor in­ten­sa e pe­la ob­jec­ti­va­ção de um sen­ti­men­to, que se re­sis­te a tri­vi­a­li­da­de. Des­ta vez,

as igu­ras se auto-eri­gem em pon­tos ful­crais das com­po­si­ções ao tem­po que re­me­tem tan­to aos de­sa ios exis­ten­ci­ais do ar­tis­ta — a dor da se­pa­ra­ção ou a ale­gria do re­en­con­tro no es­pa­ço.

A Metamorfose das For­mas pre­ten­de mos­trar que é cru­ci­al es­tar­mos de­vi­da­men­te pre­pa­ra­dos não só pa­ra as mu­dan­ças em nós mes­mos, mas tam­bém pa­ra as trans­for­ma­ções que ocor­rem nos ou­tros e tu­do que is­so ad­vém.

_________

No­tas:

Ka ka, Franz. (2009) A Metamorfose. Edi­to­ri­al Pre­sen­ça. Bar­ca­re­na, Por­tu­gal

Jung, Carl Gus­tav (2005) O ho­mem e seus sím­bo­los. Rio de Ja­nei­ro: No­va Fron­tei­ra, (15ª edi­ção).

Bi­o­gra ia

Jor­ge Gumbe nas­ceu em 1959 nos Dem­bos, Pro­vín­cia do Ben­go, An­go­la.

É Dou­to­ra­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Ro­ehamp­ton em Lon­dres (2014), Mes­tre em Arte e Edu­ca­ção pe­la Uni­ver­si­da­de de Sur­rey Ro­ehamp­ton, Lon­dres, Rei­no Uni­do (2002), Li­cen­ci­a­tu­ra em Edu­ca­ção Vi­su­al e Tec­no­ló­gi­ca pe­la Es­co­la Su­pe­ri­or de Edu­ca­ção do Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Vi­a­na de Cas­te­lo, Por­tu­gal (1994), Es­tá­gio no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Arte (Konst­facks­ko­lan Sockholm) Es­to­col­mo, Rei­no da Sué­cia (1984), Di­plo­ma­do em Pin­tu­ra e De­se­nho pe­la Es­co­la Na­ci­o­nal de Arte de Cu­ba­na­cán em Ha­va­na, Cu­ba (1982), Cur­so de Ins­tru­to­res de Ar­tes Plás­ti­cas, na Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Cul­tu­ra, An­go­la (1978), Cur­so Ge­ral de Ar­tes Vi­su­ais pe­la Es­co­la In­dus­tri­al de Lu­an­da, An­go­la (1976).

Li­ga­do à Arte, de­sen­vol­ve prá­ti­cas em pin­tu­ra, gra­vu­ra e ce­râ­mi­ca e tem par­ti­ci­pa­do de ex­po­si­ções in­di­vi­du­ais e co­lec­ti­vas des­de 1982 em An­go­la e no es­tran­gei­ro. Tam­bém tem de­sen­vol­vi­do ac­ti­vi­da­des de Cu­ra­do­ria ar­tís­ti­ca no país e no es­tran­gei­ro. Na Edu­ca­ção Ar­tís­ti­ca, co­mo do­cen­te uni­ver­si­tá­rio, tra­ba­lha na for­ma­ção ar­tís­ti­ca e co­mo in­ves­ti­ga­dor es­tá fun­da­men­tal­men­te en­vol­vi­do em pro­jec­tos re­la­ci­o­na­dos com identidade, cul­tu­ra, ci­da­da­nia e in­dús­tri­as cul­tu­rais e cri­a­ti­vas, atra­vés das ex­pres­sões ar­tís­ti­cas. Tem co­la­bo­ra­do com in­ves­ti­ga­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais em pro­jec­tos inan­ci­a­dos por dis­tin­tos pro­gra­mas, inan­ci­a­dos por exem­plo pe­la Fun­da­ção da Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia (FCT) e Fun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an, am­bos de Por­tu­gal, e do Go­ver­no de An­go­la. Tem pu­bli­ca­ções e re­cen­sões crí­ti­cas em re­vis­tas aca­dé­mi­cas de es­pe­ci­a­li­da­de na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais.

Ac­tu­al­men­te é Pro­fes­sor e Di­rec­tor Ge­ral do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes - ISART em Lu­an­da, An­go­la.

PRÉ­MI­OS E MEN­ÇÕES

2005 / Dis­tin­gui­do com o Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes pe­lo Go­ver­no de An­go­la, Lu­an­da, An­go­la

1998 / 1º e 2º Pré­mio - Con­cur­so de Pin­tu­ra ENSA, ENSA Lu­an­da, An­go­la 1991 / 2º Pré­mio - Con­cur­so de Pin­tu­ra ENSA, ENSA Lu­an­da, An­go­la 1990 / Pré­mio de Gra­vu­ra, Ban­co de Fo­men­to Ex­te­ri­or, Por­tu­gal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.