O vá­cuo da crí­ti­ca li­te­rá­ria em An­go­la

Jornal Cultura - - Editorial - Jo­sé Luís Men­don­ça

Es­te ar­ti­go é uma ho­me­na­gem a Di­o­ní­sio de Ha­li­car­nas­so, con­si­de­ra­do o fun­da­dor da crí­ti­ca li­te­rá­ria. Di­o­ní­sio nas­ceu na Ásia Me­nor, em me­a­dos do sé­cu­lo I a.C. e te­rá dei­xa­do es­te mun­do pro­va­vel­men­te pe­lo im do sé­cu­lo I a.C. ou iní­cio do sé­cu­lo I.

Vi­veu em Ro­ma des­de 29 a. C. on­de en­si­nou gra­má­ti­ca e con­vi­veu com es­cri­to­res gre­gos e la­ti­nos. Diz a Wi­ki­pé­dia, que “a sua im­por­tân­cia co­mo crí­ti­co e es­te­ta é gran­de, ten­do re­no­va­do o gos­to pe­los clás­si­cos gre­gos e la­ti­nos atra­vés de um exa­me se­ve­ro e se­re­no das qua­li­da­des ar­tís­ti­cas dos bons es­cri­to­res.”

Ora, aqui se de ine a mais im­por­tan­te ta­re­fa do crí­ti­co li­te­rá­rio, s sa­ber, “o exa­me se­ve­ro e se­re­no das qua­li­da­des ar­tís­ti­cas dos bons es­cri­to­res”. Re­al­men­te, é a es­sa ta­re­fa que se de­di­cam os crí­ti­cos que co­nhe­ce­mos, uns já fa­le­ci­dos, ou­tros ain­da a res­pi­rar a vi­ta­li­da­de das pa­la­vras li­das. Dos ou­tros “es­cri­to­res” não se ocu­pa a crí­ti­ca, por não te­rem oi­ro a ser de­pu­ra­do no cri­sol da en­saís­ti­ca, e por­que os pseu­do-es­cri­to­res, pe­la sua afron­ta mo­ral con­tra o Tem­plo da Li­te­ra­tu­ra, de­mons­tram um es­pí­ri­to in­te­res­sei­ro e, co­mo é ób­vio, nun­ca acei­tam uma crí­ti­ca nos mol­des aci­ma ali­nha­va­dos: se­ve­ra e se­re­na.

In­fe­liz­men­te, em 43 anos de in­de­pen­dên­cia, a Aca­de­mia an­go­la­na não foi ca­paz de pro­du­zir um úni­co crí­ti­co pro is­si­o­nal, que, com re­gu­la­ri­da­de se pu­des­se de­di­car à crí­ti­ca li­te­rá­ria, e ca­paz de “um exa­me se­ve­ro e se­re­no das qua­li­da­des ar­tís­ti­cas dos bons es­cri­to­res”. As aná­li­ses e apre­sen­ta­ções que pas­sam pe­los pal­cos dos lan­ça­men­tos das obras têm um ca­rác­ter sa­tu­ra­da­men­te lau­da­tó­rio. E o úni­co en­saís­ta cá da ter­ra (por­que a en­saís­ti­ca so­bre a Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na vem-nos sis­te­ma­ti­za­da de Lis­boa, Por­to, Coimbra, ou Bra­sil e tem um viés pa­ter­na­lis­ta), Luís Kand­jim­bo, não en­con­trou o tal su­por­te aca­dé­mi­co que fal­ta no país de­di­car-se com­ple­ta­men­te à arte de es­miu­çar os li­vros aqui saí­dos, ten­do ica­do li­mi­ta­do ao ho­ri­zon­te tem­po­ral que a vi­da lhe per­mi­tiu abar­car.

Aná­li­ses sur­gi­das em ór­gãos da im­pren­sa lo­cal e pro­du­zi­das es­po­ra­di­ca­men­te por me­ra ca­ro­li­ce não for­ma­tam a his­tó­ria da en­saís­ti­ca li­te­rá­ria, por fal­ta de ri­gor ci­en­tí ico e por mis­tu­ra­rem alhos com bu­ga­lhos, co­mo é o ca­so da ten­ta­ti­va go­ra­da de Nor­ber­to Cos­ta con­si­de­rar Ro­sá­ria Sil­va a pri­mei­ra ro­man­cis­ta an­go­la­na, quan­do a úni­ca obra des­ta au­to­ra, To­tonya, não en­tra pro­pri­a­men­te na clas­se da nar­ra­ti­va li­te­rá­ria, por de­mé­ri­to de com­po­si­ção es­té­ti­co for­mal e de­fei­tos de lin­gua­gem.

O ca­so de Má­rio Joaquim Aires dos Reis, da Uni­ver­si­da­de Katya­va­la Bwi­la, Ben­gue­la, que já pu­bli­cou nes­te jor­nal, é um fe­no­me­no ra­rís­si­mo de um cul­tor das Le­tras que faz crí­ti­ca com a mes­ma pai­xão que Di­o­ní­sio fez no seu tem­po. Res­tri­to a um cam­po di­mi­nu­to de au­to­res da nos­sa Li­te­ra­tu­ra, es­pe­ra-se de Má­rio Reis se con­sa­gre com uma obra mo­nu­men­tal co­mo a For­ma­ção da Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na, de Má­rio An­tó­nio, li­mi­ta­da tem­po­ral­men­te à sua épo­ca.

Es­te vá­cuo crí­ti­co pro is­si­o­nal e aca­dé­mi­co na en­saís­ti­ca li­te­rá­ria tem pre­ju­di­ca­do o pro­gres­so qua­li­ta­ti­vo da Li­te­ra­tu­ra em An­go­la. Não são ape­nas os jo­vens au­to­res que de­la ne­ces­si­tam pa­ra re­ver pro­ce­di­men­tos, es­tru­tu­ra­ção téc­ni­ca e ca­mi­nhos a se­guir pa­ra o cons­tan­te apu­ra­men­to li­te­rá­rio das su­as obras. Al­guns “es­cri­to­res” in­de­vi­da­men­te ga­lar­do­a­dos com pré­mi­os de li­te­ra­tu­ra no país de­la tam­bém ne­ces­si­tam pa­ra se lhes pro­var por­que é que nun­ca pro­du­zi­ram obra de ex­ce­lên­cia.

Não há ( ain­da) en­saís­ta em An­go­la com co­ra­gem pa­ra is­so. A nos­sa so­ci­e­da­de é ( ain­da) acrí­ti­ca a to­dos os ní­veis e não tem ha­vi­do es­pa­ço, nem qua­li­da­de no En­si­no Su­pe­ri­or em An­go­la pa­ra pro­du­zir e cus­te­ar es­te ti­po de ta­len­to pro­fis­si­o­nal.

Dois jo­vens es­tão a dar os pri­mei­ros pas­sos (com bas­tan­te con­vic­ção) nes­te do­mí­nio: Joaquim João Mar­ti­nho e Hél­der Sim­bad. De­ram já pro­vas de inu­si­ta­do em­pe­nho ao pro­du­zir tex­tos en­saís­ti­cos aqui pu­bli­ca­dos. Pa­ra dar mais co­ra­gem aos dois, o Jor­nal Cul­tu­ra tem a di­zer que o prin­ci­pal re­qui­si­to pa­ra quem pre­ten­de cul­ti­var es­te do­mí­nio é o mes­mo dos tem­pos de Di­o­ní­sio de Ha­li­car­nas­so: a lei­tu­ra crí­ti­ca das obras que vão sain­do no mer­ca­do e das que o pas­sa­do deu à es­tam­pa. Tra­ba­lho ár­duo. Mas, sem es­se tra­ba­lho, não po­de ha­ver crí­ti­ca da Li­te­ra­tu­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.