ÁFRI­CA: CO­O­PE­RA­ÇÃO

EDU­CA­ÇÃO E DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO

Jornal Cultura - - Eco De Angola - FRAN­CIS­CO LO­PES

Ode­sen­vol­vi­men­to em qual­quer país do mun­do só é al­can­ça­do com ba­se nos re­cur­sos hu­ma­nos. Por es­ta ra­zão, os go­ver­nos de to­do o mun­do es­tão cons­tan­te­men­te pre­o­cu­pa­dos com a edu­ca­ção e for­ma­ção dos seus mem­bros.

To­do o con­jun­to de ele­men­tos que en­vol­vem o pro­ces­so edu­ca­ti­vo e a for­ma­ção de­pen­dem das po­lí­ti­cas e dos cur­rí­cu­los­de­li­ne­a­dos pe­lo go­ver­no, ten­do a pri­ma­zia de de­ter­mi­nar os ob­jec­ti­vos a se­rem al­can­ça­dos do cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos em fun­ção da sua re­a­li­da­de so­cio-eco­nó­mi­ca, cul­tu­ral e tec­no­ló­gi­ca.

No con­tex­to da edu­ca­ção na re­a­li­da­de afri­ca­na, é mui­to no­tó­ria a es­tag­na­ção, não há pro­gres­sos sig­ni ican­tes nas po­lí­ti­cas edu­ca­ti­vas tra­ça­das por mui­tos go­ver­nos, não pro­gri­dem pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, o que re­tar­da em gran­de me­di­da a evo­lu­ção no cam­po eco­nó­mi­co e so­ci­al dos paí­ses.

A es­tag­na­ção não apon­ta pa­ra a fal­ta de pre­o­cu­pa­ção pe­los go­ver­nos qu­an­to a edu­ca­ção, mas a au­sên­cia de po­lí­ti­cas ver­sa­das pa­ra a edu­ca­ção de qua­li­da­de e de apli­ca­ção de re­cur­sos su­fi­ci­en­tes pa­ra di­ri­mir a ex­clu­são es­co­lar.

Cons­truir es­co­las pa­ra to­dos os mem­bros da so­ci­e­da­de, ten­do os mes­mos di­rei­tos e co­lo­car os mei­os e as fer­ra­men­tas dis­po­ní­veis na apren­di­za­gem, de acor­do com o mo­de­lo pre­ten­di­do ( for­ma­ção ge­ral e téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal).

Na­re­a­li­da­de, po­de­mos a ir­mar que a mai­o­ria dos go­ver­nos cons­tro­em es­co­las bá­si­cas, mé­di­as e uni­ver­si­da­des, mas, não dis­pon­do de equi­pa­men­tos ade­qua­dos pa­ra a apren­di­za­gem (bi­bli­o­te­cas e la­bo­ra­tó­ri­os), re­sul­ta que os cur­rí­cu­los con­ce­bi­dos pos­su­em mai­or pen­dor teó­ri­co, fal­tan­do a par­te prá­ti­ca e pro is­si­o­nal.

Não exis­te ver­da­de sem a prá­ti­ca: a Áfri­ca, pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to, de­pen­de de um tra­ba­lho pro­fun­do dos go­ver­nan­tes, que de­vem re­co­nhe­cer a edu­ca­ção e a for­ma­ção do ho­mem co­mo o pi­lar do pro­ces­so, vin­cu­la­rem gran­de par­te dos or­ça­men­tos não ape­nas à cons­tru­ção de es­co­las, mas tam­bém à cri­a­ção das fer­ra­men­tas de uma apren­di­za­gem qua­li­ta­ti­va.

Os fac­to­res de con li­tos in­ter­nos por ra­zões po­lí­ti­cas e ét­ni­cas, bem co­mo a fal­ta de de­mo­cra­ti­za­ção efec­ti­va de al­guns paí­ses, con­ti­nu­am a ser de­ter­mi­nan­tes na in luên­cia ne­ga­ti­va da edu­ca­ção pa­ra to­dos e de qua­li­da­de, a exem­plo da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, a Ni­gé­ria e o Bu­run­di.

Es­tu­dos so­bre a edu­ca­ção apon­tam que as cres­cen­tes on­das de vi­o­lên­cia em Áfri­ca e no mun­do em ge­ral são re­sul­ta­do de de­ter­mi­na­das cul­tu­ras que evo­luí­ram des­de os pri­mór­di­os até aos tem­pos ac­tu­ais, sem pas­sa­rem por uma fa­se de edu­ca­ção sis­te­má­ti­ca; es­te fac­tor au­men­ta a on­da de des­con ian­ça qu­an­to ao fu­tu­ro do con­ti­nen­te. Qu­an­to mai­or o nú­me­ro de mem­bros da so­ci­e­da­de que crescem fo­ra do sis­te­ma es­co­lar, mai­or é o ín­di­ce de vi­o­lên­cia e do atra­so no de­sen­vol­vi­men­to das co­mu­ni­da­des.

Com­ba­ter os gru­pos ar­ma­dos igual­men­te com o uso de ar­mas é ou­tro fac­tor de de­ses­ta­bi­li­za­ção dos go­ver­nos do con­ti­nen­te afri­ca­no que, por es­ta for­ma, não cen­tra­li­zam os re­cur­sos na edu­ca­ção, sen­do gran­de par­te dos re­cur­sos uti­li­za­dos pa­ra com­ba­ter os re­bel­des.

Co­mo re­sul­ta­do, a es­cas­sez dos re­cur­sos pa­ra a edu­ca­ção, a dis­per­são das cri­an­ças e dos jo­vens, a des­trui­ção dos bens já exis­ten­tes, co­lo­can­do os go­ver­nos em si­tu­a­ções de per­ma­nen­te es­tag­na­ção pa­ra o pro­gres­so e o de­sen­vol­vi­men­to.

Pa­ra se al­can­çar a es­ta­bi­li­da­de no con­ti­nen­te e ca­mi­nhar pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, os go­ver­nos de­vem ul­tra­pas­sar to­das as bar­rei­ras que pro­por­ci­o­nem a ex­clu­são es­co­lar, is­to é, pro­mo­ven­do uma edu­ca­ção pa­ra to­dos e de qua­li­da­de, apli­can­do gran­de par­te dos seus re­cur­sos fi­nan­cei­ros nes­te fim.

A re­vi­são dos cur­rí­cu­los es­co­la­res e das po­lí­ti­cas edu­ca­ti­vas com a cri­a­ção de in­fra- es­tru­tu­ras e o pro­ces­so de en­si­no com ca­rác­ter prá­ti­co e não ape­nas teó­ri­co é pre­pon­de­ran­te pa­ra uma for­ma­ção abran­gen­te em to­dos os do­mí­ni­os da ac­ti­vi­da­de hu­ma­na (Agri­cul­tu­ra, In­dús­tria, Tec­no­lo­gia de In­for­ma­ção, etc.).

A edu­ca­ção e a for­ma­ção de re­cur­sos hu­ma­nos de­ve­rá ter co­mo fi­na­li­da­de a cri­a­ção de con­di­ções pa­ra uma pro­du­ção de bens que sus­ten­tam os paí­ses evi­tan­do as­sim em gran­de par­te as im­por­ta­ções, ne­ces­sá­ri­os pa­ra a ex­por­ta­ção de pro­du­tos trans­for­ma­dos in­ter­na­men­te com o uso de re­cur­sos ma­te­ri­ais ( ma­té­ri­a­pri­ma e in­dús­tri­as lo­cais).

Fran­cis­co Lo­pes é Li­cen­ci­a­do em His­tó­ria pe­lo ISCED-Lu­an­da, Mes­tre em Gestão e Ad­mi­nis­tra­ção Es­co­lar pe­lo ISCE-Odi­ve­las –Lis­boa, Dou­to­ra­do em Ci­ên­ci­as Pe­da­gó­gi­cas pe­lo ICCP- Ha­va­na- Cu­ba.

Pro­fes­sor das ca­dei­ras de His­tó­ria de An­go­la, De­sen­vol­vi­men­to Cur­ri­cu­lar e Éti­ca e De­on­to­lo­gia Pro is­si­o­nal na Área de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Kan­gon­jo de An­go­la- Lu­an­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.