O con­tri­bu­to dos jo­vens ci­da­dãos pa­ra ode­sen­vol­vi­men­to e sus­ten­ta­bi­li­da­de das co­mu­ni­da­des lo­cais

A nos­sa re le­xão tem co­mo ob­jec­ti­vo cen­tral, o con­tri­bu­to e o ide­al de mem­bro e só­cio da ar­qui­tec­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal e fun­ci­o­nal da po­lis, se­ja ru­ral, ur­ba­na, pe­ri-ur­ba­na ou mes­mo "sec­to­ri­al".

Jornal Cultura - - Eco De Angola - BE­TO CAMBOLO BAIÃO * * al­ber­to­bai­ao@gmail.com

H á quem fa­le de con li­tos de ge­ra­ções, che­gan­do a acu­sar al­guns jo­vens de ir­res­pon­sá­veis e ime­di­a­tis­tas, ol­vi­dan­do que to­dos os jo­vens são tes­te­mu­nhas do que re­ce­be­ram dos adul­tos: uma so­ci­e­da­de com ra­ros va­lo­res so­ci­ais, po­lí­ti­cos, edu­ca­ci­o­nais, fa­mi­li­a­res e com uma pro­fu­sa di­fu­são de sei­tas en­ga­no­sas que só que­rem ex­tor­quir di­nhei­ro dos seus po­bres cren­tes, etc.

Ser jo­vem tem si­do nos tem­pos ac­tu­ais uma aven­tu­ra com vá­ri­os trau­ma­tis­mos, des­de o nú­me­ro de gra­du­a­dos sem em­pre­gos, por is­so, tor­nam-se ví­ti­mas fá­ceis da dro­ga, pros­ti­tui­ção, trá ico hu­ma­no pa­ra tra­ba­lhos for­ça­dos e de es­cra­vi­dão, sen­do que va­mos for­man­do uma so­ci­e­da­de on­de se apa­ga o sen­ti­do e ina­li­da­de da vi­da, da fa­mí­lia e vai-se vi­ven­do do ime­di­a­to, ilu­si­o­nis­mo e ali­e­na­ção do so­nho de fe­li­ci­da­de pra­ze­ro­sa!

QUE FA­ZER?

Há que ser cri­a­ti­vos e não se dei­xar mo­rar nas cur­vas do abis­mo nem da pro­cu­ra dos al­go­zes ou dos frag­men­tos do pas­sa­do que ja­mais se­rá! É pre­ci­so bus­car a par­tir dos re­ta­lhos do bem, da cri­a­ti­vi­da­de e da ar­qui­tec­tu­ra do bem co­mum, va­lên­ci­as que se po­de re­co­me­çar sem­pre com vo­lun­ta­ri­a­do e co­o­pe­ra­ção mú­tua o ide­al de so­ci­e­da­de­que pro­duz, trans­for­ma e dis­tri­bui.

Anos­sa re le­xão tem co­mo ob­jec­ti­vo prin­ci­pal, o pa­ne­gí­ri­co do con­tri­bu­to da ju­ven­tu­de en­quan­to mem­bro da po­lis (ci­da­de, so­ci­e­da­de ou en­tão co­mu­ni­da­de), es­pa­ço on­de ela re­a­li­za e ma­ni­fes­ta a sua pre­sen­ça na or­ga­ni­za­ção da mes­ma. No con li­to de ge­ra­ções, a ju­ven­tu­de é vis­ta co­mo fran­ja ir­res­pon­sá­vel, ime­di­a­tis­ta e sem con­tri­bu­to so­ci­al. O jo­vem ci­da­dão é aque­le que co­o­pe­ra na or­ga­ni­za­ção da so­ci­e­da­de só­li­da e aus­pi­ci­o­sa. Par­ti­ci­pa na re­so­lu­ção dos pro­ble­mas da co­mu­ni­da­de e re lec­te so­bre ela. O jo­vem ci­da­dão afri­ca­no an­go­la­no, não es­tá au­sen­te des­ta re­a­li­da­de. Ele con­tri­bui mo­ral, aca­de­mi­ca, tec­ni­ca, re­li­gi­o­sa, pro is­si­o­nal e po­li­ti­ca­men­te pa­ra o de­sen­vol­vi- men­to e a sus­ten­ta­bi­li­da­de da co­mu­ni­da­de on­de ele mes­mo es­tá in­se­ri­do. Es­te jo­vem en­quan­to qua­dro lo­cal, me­re­ce uma aten­ção ur­gen­te pa­ra que con­tri­bua ar­du­a­men­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da co­mu­ni­da­de e sai­ba bus­car na sua co­gi­ta­ção as fer­ra­men­tas ne­ces­sá­ri­as pa­ra a sua sus­ten­ta­bi­li­da­de.

CO­MO DESENVOLVER UMA CO­MU­NI­DA­DE?

Quem de­ve, com que cri­té­ri­os, con­tri­bu­tos? Qual é a vi­são que têm os ges­to­res dos re­cur­sos hu­ma­nos no que tan­ge aos qua­dros lo­cais? Qu­an­tos aos de­sa ios da no­va so­ci­e­da­de afri­ca­na an­go­la­na, qual é o im­pac­to da ju­ven­tu­de co­mo ci­da­dã? O seu con­tri­bu­to no de­sen­vol­vi­men­to e sus­ten­ta­bi­li­da­de das co­mu­ni­da­des lo­cais, é vi­sí­vel?Jo­vem: quem é ele? Quem é o ci­da­dão Com o sur­gi­men­to de vá­ri­as es­co­las, cen­tros pro is­si­o­nais e uni­ver­si­da­des, vá­ri­os são os jo­vens que têm apos­ta­do na for­ma­ção, téc­ni­co-pro is­si­no­al e hu­ma­na pa­ra a edi ica­ção de uma co- mu­ni­da­de de­sen­vol­vi­da. O jo­vem ci­da­dão é aque­le que par­ti­ci­pa na or­ga­ni­za­ção da po­lis e na con­cep­ção de es­tra­té­gi­as que fa­vo­re­cem o de­sen­vol­vi­men­to co­mu­ni­tá­rio. O as­so­ci­a­ti­vis­mo ju­ve­nil é ho­je um con­tri­bu­to vi­sí­vel dos jo­vens ci­da­dão an­go­la­nos. Pa­ra tal, é ur­gen­te que se olhe e va­lo­ri­ze a ju­ven­tu­de co­mo a for­ça mo­triz das no­vas co­mu­ni­da­des.

De­sen­vol­ve-se uma co­mu­ni­da­de com os re­cur­sos hu­ma­nos e ou­tros que, uni­dos, vão fa­vo­re­cer a sus­ten­ta­bi­li­da­de da mes­ma. De­ve con­tri­buir no pro­gres­so da co­mu­ni­da­de, to­do o ho­mem-ci­da­dão que sai­ba es­for­çar-se com a sua sa­be­do­ria e téc­ni­ca. É im­por­tan­te que se con­si­de­re o qua­dro lo­cal, pa­ra que ha­ja pro­gres­so na co­mu­ni­da­de e se re­du­za o ín­di­ce de de­sem­pre­go e a cri­se eco­nó­mi­ca. O jo­vem ci­da­dão apos­ta na mu­dan­ça da co­mu­ni­da­de co­mac­ções fe­cun­das e ho­di­er­na­men­te is­to é no­tó­rio.

Du­ran­te tem­pos ime­mo­ri­ais, a de­linquên­cia ju­ve­nil era a di­a­léc­ti­ca da vi­da e de­ba­te per­ma­nen­te. Se­rá ape­nas a ju­ven­tu­de a fran­ja mais de­so­ri­en­ta­da da so­ci­e­da­de? Al­guém pres­ta aten­ção a ela? A ir­res­pon­sa­bi­li­da­de é ape­nas ca­rac­te­rís­ti­ca da ju­ven­tu­de ou é o re­sul­ta­do do con li­to en­tre ge­ra­ções?

Até um cer­to mo­men­to, al­guns afir­ma­vam que sim. Mas ho­je a ju­ven­tu­de an­go­la­na tem um con­tri­bu­to fér­til nas no­vas co­mu­ni­da­des lo­cais. Dos vá­ri­os even­tos re­a­li­za­dos nes­te país, há sem­pre uma mão ju­ve­nil, é ne­ga­ti­vo quan­do se afir­ma ca­te­go­ri­ca­men­te air­res­pon­sa­bi­li­da­de des­tes, pois tu­do na vi­da tem uma cau­sa pri­mei­ra, um pres­su­pos­to.

Al­ber­to Cambolo Ngon­ga Baião é pes­qui­sa­dor, pa­les­tran­te e po­e­ta. É for­ma­do em Fi­lo­so­fia pe­lo Se­mi­ná­rio Mai­or Di­o­ce­sa­no de São Pau­lo-Uí­je. Au­tor dos li­vros “A Im­por­tân­cia do Per­dão na Re­so­lu­ção de Con­fli­tos pa­ra o Ho­mem Ho­di­er­no” e “Gri­tos da Alma”. Con­ta com par­ti­ci­pa­ções em dis­tin­tas con­fe­rên­ci­as na­ci­o­nais e pu­bli­cou em vá­ri­as An­to­lo­gi­as In­ter­na­ci­o­nais da Co­mu­ni­da­de Lu­só­fo­na. Tem, tam­bém, vá­ri­os ar­ti­gos pu­bli­ca­dos em Jor­nais e Re­vis­tas Na­ci­o­nais e In­ter­na­ci­o­nais. É Mem­bro da As­so­ci­a­ção dos Jo­vens Ami­gos da Li­te­ra­tu­ra. Fre­quen­ta, ac­tu­al­men­te, o Cur­so de Pe­da­go­gia na Es­co­la Po­li­téc­ni­ca do Cu­an­go, da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji A Nkon­de, na Lun­da Nor­te. Nas­ceu no dia 21 de Ju­lho de 1989, no Cu­an­go – Lun­da Nor­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.