Da­qui sin­ge­la con­fis­são

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma - DO­MIN­GOS LANDIM DE BARROS*

Sin­to imen­so té­dio em vol­ta, nes­ta ter­ra que me é es­tra­nha, nes­ta ur­be que me can­sa. Mi­nha vi­da é uma per­ver­sa e com­pe­li­da des­ven­tu­ra. E não é de ho­di­er­ni­da­de. Pois, já no ma­tu­ti­no abrir de peia e de pi­sar de pé na tre­va foi as­sim. Meu im­pul­so na­tu­ral só pen­de pa­ra o la­do que não pa­ga, que não ren­de, que não ser­ve. Mi­nha que­da não es­pan­ta a quem co­nhe­ça, de gin­jei­ra, es­te es­pi­nho­so iti­ne­rá­rio. Pa­ra pra­ti­car o bem ao cos­mo e pô- lo in­tei­ro ao ser­vi­ço do se­me­lhan­te, pro­bo e de­di­ca­do, nin­guém pre­ci­sa de ator­men­ta­da e mui tar­dia lu­ci­dez, a cus­to de tão he­di­on­do sa­cri­fí­cio. Te­nho ti­do um do­lo­ro­so as­tra­la­zi­a­go a pre­si­dir meus apo­sen­tos, que não me dei­xa ter as­sen­to em la­do al­gum. É um in­fa­me in­gló­rio fa­do, um emi­nen­te dis­co­a­la­do, en­co­men­da­do não sei de on­de nem por quem, sem­pre as­que­ro­so e sem­pre pron­to o tem­po to­do, com gran­de es­me­ro e afa­di­ga­do ins­tin­to ruim de es­mi­ga­lhar e pôr em bai­xo a mi­nha in­dús­tria.

Aqui, ao lon­ge, me vin­do a ter pa­ra pren­der- me: sem gar­ra, sem fa­mí­lia, sem pa­ren­te e sem fô­le­go de par que se­ja afei­to con­fi­den­te. Sem a cli­que dos ami­gos e vi­zi­nhos. Aqui, on­de o dia se agi­gan­ta vo­lu­mo­so e cheio de es­pu­mas na re­ti­na, mas que de­pois tu­do se es­fu­ma na in­con­gruên­cia e na in­sig­ni­fi­cân­cia de uma li­de ad­ven­tí­cia e con­ti­nu­a­da­men­te es­tan­que. Aqui, on­de ca­da ho­je co­bre seu on­tem com pa­no o mes­mo. O man­to­co­mar­ca­no e ju­di­ci­o­so va­ti­cí­nio. Aqui, on­de na­da do as­pi­ra­do de­sa­bro­cha e ga­nha to­a­da ino­va­do­ra. É um abis­mo que se fe­cha, com gri­lhões de enor­me es­tron­do atrás de mim. Eu tam­bém co­me­ti er­ros: fiz de fo­lião na au­ro­ra im­ber­be, pre­co­ce­men­te an­dei na far­ra e dei­me bem com as ga­lu­las e pe­pi­tas de oca­sião e até al­gu­mas des­vir­guei na mo­ci­da­de; par­ti­ci­pei em boé­mi­as co­me­zai­nas e ri­ca­men­te or­ga­ni­za­das em ca­sa do rei-po­bre­za e da rai­nha de Ru­bi­cão; be­bi gro­gue e o be­bi bué, usei ta­ba­co de to­da a mar­ca e ma­le­fí­cio ( ci­gar­ro, cha­ru­to, ci­gar­ri­lha). An­si­ei an­tes do tem­po, fa­lei an­tes do tem­po, go­zei an­tes do tem­po, mor­ri an­tes do tem­po.

Não me dei con­ta de im­pre­cau­ção e des­pau­té­rio à ho­ra de me cu­rar. E pa­ra ar­mar a tra­lha to­da e pôr-me a jei­to de uma tro­lha, de­man­dei a pom­pa avul­sa de ci­gar­ra e to­do seu acer­vo de de­sí­dia a meu dis­tri­to. E de­pois: a dis­tân­cia, a so­li­dão, a li­ti­gân­cia, a imen­si­dão do até aqui des­co­nhe­ci­do e a fal­ta de co­te­jo do meu chão, de agre­ga­do co­e­vo chei­ro, em­bo­ra po­bre, são va­ra­paus que me fus­ti­gam dia e noi­te. Aqui, es­con­di­do na lon­ju­ra de uma ima­gem que me fi­cou de me­ni­ni­ce, vejo o an­ta­nho e vejo a ân­co­ra de ber­ço co­mo um so­nho, co­mo quem olha pa­ra pia e pa­ra fon­te, na can­di­dez de uma ri­bei­ra, com azu­la­da en­se­a­da em fren­te a ter em vis­ta e com a água de ba­tis­mo so­bre a fron­te, fres­ca me es­cor­ren­do ros­to abai­xo, me ma­tan­do a se­de im­plu­me, al­gu­res na pu­re­za de uma in­fân­cia per­di­da no li­mi­ar de pa­raí­so. Gu­ar­do- a in­tac­ta e pe­re­ne na me­mó­ria, mas não posso ace­der à sua faus­to­sa e di­le­tan­te ga­le­ria, em ra­zão do meu des­ter­ro e da au­sên­cia de uma via pa­ra lá ir. Es­bra­ce­jo in­da bas­tan­te em mar avul­so abre­nun­ci­a­do. Mo­ro na praia e na ma­ré que che­ga tar­de ao pé de in­fan­te e pau­la­ti­na­men­te se­gue ru­mo a sí­tio in­cer­to, pa­ra nun­ca mais vol­tar. As­sim, até o si­lên­cio me su­fo­ca e mor­de pei­to, amar­ga­men­te. Es­tou de mo­lho e mau hu­mor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.