A poé­ti­ca de Ne­to em bus­ca da iden­ti­da de cul­tu­ral an­go­la­na

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - ADRI­A­NO DE ME­LO

Vol­tar as tra­di­ções, aos gran­des fei­tos, a mo­men­tos im­por­tan­tes da His­tó­ria do país, que mar­ca­ram to­da uma ge­ra­ção, ge­ral­men­te acon­te­ce em Se­tem­bro, o mês do He­rói Na­ci­o­nal. Nes­ta al­tu­ra o po­e­ma de Agos­ti­nho Ne­to “Ha­ve­mos de Vol­tar” se tor­na par­te do quo­ti­di­a­no dos an­go­la­nos. Es­te ano, al­tu­ra em que se co­me­ça a pre­pa­rar o cen­te­ná­rio do ani­ver­sá­rio do “Ki­lam­ba”, vá­ri­as são as ac­ti­vi­da­des que são re­a­li­za­das pa­ra exal­tar os seus fei­tos às ge­ra­ções mais no­vas.

A “fes­ta” co­me­çou no pas­sa­do dia 5, no Shop­ping Ave­ni­da, em Lu­an­da, com a re­a­li­za­ção de pa­les­tras so­bre a ge­ne­a­lo­gia, vi­da e obra de An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, pro­fe­ri­das pe­los es­cri­to­res Chi­co Adão e Jo­sé Luís Men­don­ça. Am­bos cen­tra­ram-se no tra­jec­to, nas ba­ses que aju­da­ram a cri­ar to­da a ilo­so ia na qual as­sen­tou os fei­tos do “Po­e­ta Mai­or”: o po­vo.

Co­mo os mais ve­lhos são sem­pre os pri­mei­ros, Chi­co Adão foi qu­em co­me­çou. A sua pa­les­tra ba­se­ou-se fun­da­men­tal­men­te na gé­ne­se do “Po­e­ta”. Co­me­çou por fa­lar um pou­co da ter­ra on­de nas­ceu o “He­rói Na­ci­o­nal”, Ka­xi­ka­ne, Ico­lo e Ben­go. Du­ran­te a sua ex­pla­na­ção­ex­pli­couo por­que do no­me Ico­lo e Ben­go, acres­cen­tan­do que Ico­lo vem do so­ba re­gen­te da re­gião do Ben­go.

De­pois, o es­cri­tor con­tou ao pú­bli­co, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te com­pos­to por jo­vens, de­cla­ma­do­res e al­guns mem­bros da po­lí­cia na­ci­o­nal e das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, o tra­jec­to de Agos­ti­nho Pe­dro Ne­to, o pai do pri­mei­ro pre­si­den­te de An­go­la, a sua re­le­vân­cia na vi­da co­mu­ni­tá­ria, co­mo ca­te­quis­ta e edu­ca­dor, as­sim co­mo o seu pri­mei­ro en­con­tro com Ma­ria da Sil­va Ne­to.

O pa­pel de um na vi­da de ou­tro e o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do por am­bos, en­quan­to mem­bros da Igre­ja Me­to­dis­ta tam­bém foi re­al­ça­do por Chi­co Adão, que cha­mou es­pe­ci­al aten­ção pa­ra to­do o tra­ba­lho fei­to por es­tes em prol da edu­ca­ção dos mem­bros das su­as co­mu­ni­da­des na al­tu­ra. Pes­so­as de re­fe­rên­cia, que se im­por­ta­vam mui­to com o bem-es­tar do seu pró­xi­mo, as­sim os de iniu o es­cri­tor.

Pa­ra ina­li­zar a sua dis­ser­ta­ção, Chi­co Adão leu o elo­gio fú­ne­bre apre­sen­ta­do por Gaspar de Al­mei­da, no dia 22 de Ju­nho de 1946, um dia de­pois da mor­te de Agos­ti­nho Pe­dro Ne­to. Na al­tu­ra, con­ta, fo­ram ace­sas fo­guei­ras e en­to­a­ram-se di­ver­sos can­tos em sua me­mó­ria.

O ora­dor se­guin­te, Jo­sé Luís Men­don­ça, que fa­lou so­bre a vi­da e obra do Ki­lam­ba, di­vi­diu a sua in­ter­ven­ção em três mo­men­tos, que re­su­me co­mo os mais im­por­tan­tes de to­do o tra­jec­to do “Po­e­ta Mai­or”: a vi­da fa­mi­li­ar, li­te­rá­ria e po­lí­ti­ca.

A pa­les­tra, que de­no­mi­nou “Três di­men­sões de um per­cur­so eclé­ti­co”,fez uma abor­da­gem cen­tra­da, es­sen­ci­al­men­te, no le­ga­do in­te­lec­tu­al do pri­mei­ro pre­si­den­te do país, em par­ti­cu­lar “en­quan­to ho­mem de cul­tu­ra em­pres­ta­do à po­lí­ti­ca”.

To­do es­se le­ga­do in­te­lec­tu­al, re­al­çou na al­tu­ra, po­de ser re­vis­to ao ana­li­sar os três vo­lu­mes da sua po­e­sia e nos dis­cur­sos que fez em di­fe­ren­tes fó­runs. Pa­ra Jo­sé Luís Men­don­ça, “no qua­dro da cos­mo­go­nia ban­tu, do gru­po ét­ni­co-lin­guís­ti­co Kim­bun­du, do qual Agos­ti­nho Ne­to era ori­gi­ná­rio, o cidadão Agos­ti­nho Ne­to mar­cou pre­sen­ça nes­te mun­do com um no­me mui­to

par­ti­cu­lar, ads­tri­to à tra­di­ção afri­ca­na e, por is­so, in­clu­so no cír­cu­lo das atri­bui­ções secretas dos dig­ni­tá­ri­os da es­pi­ri­tu­a­li­da­de Ki­lam­ba.”

É, na opi­nião do es­cri­tor, nes­ta ou­tra es­fe­ra ét­ni­co-lin­guís­ti­ca, fun­da­da na trans­mis­são oral e na sua ilo­so ia, que se in­se­re, tan­to o dom pa­ra a po­e­sia, co­mo o dom da ora­tu­ra, co­mo criador de pro­vér­bi­os.

Ba­se­an­do-se em al­guns tra­ba­lhos de pes­qui­sa de Ós­car Ri­bas, Jo­sé Luís Men­don­ça des­ta­cou ain­da a im­por­tân­cia de Agos­ti­nho Ne­to co­mo “ki­lam­ba”, as­sim co­mo a im­por­tân­cia do po­der sim­bó­li­co e ide­o­grá ico da sua po­ei­sa.

“A po­e­sia de Agos­ti­nho Ne­to e seus pa­res, fun­da­do­res do Mo­vi­men­to dos No­vos In­te­lec­tu­ais de An­go­la, que ac­tu­a­ram sob a pa­la­vra de or­dem ‘Va­mos Des­co­brir An­go­la’, mar­ca um dos mo­men­tos pri­vi­le­gi­a­dos de im­po­si­ção do pro­ces­so li­te­rá­rio an­go­la­no pe­ran­te a or­dem cul­tu­ral co­lo­ni­al”, dis­se, acres­cen­tan­do que é com es­ta ge­ra­ção, que nas­ce a po­e­sia de sub­ver­são po­lí­ti­ca, tão bem re­gis­ta­da na obra “Sa­gra­da Es­pe­ran­ça”, do “Po­e­ta Mai­or”.

Em re­la­ção a es­fe­ra po­lí­ti­ca de Agos­ti­nho Ne­to, es­cla­re­ceu, po­de-se iden­ti­fi­car cer­tas ci­ta­ções do seu dis­cur­so po­lí­ti­co, pas­sí­veis de se­rem des­ta­ca­das na sua ar­te de ora­tó­ria.

Es­tas ci­ta­ções, adi­an­tou o es­cri­tor, vi­e­ram à luz pe­la voz do “Po­e­ta”, en­quan­to pro­vér­bio da ora­tu­ra e co­mo po­e­sia re­si­du­al, am­bas inspirações de “Ki­tu­ta”, que en­car­na­va na pes­soa ísi­ca de Agos­ti­nho Ne­to, o “Ki­lam­ba”.

Des­ta sim­bi­o­se cul­tu­ral exis­ten­ci­al, re­for­çou Jo­sé Luís Men­don­ça, “re­sul­tou um per­cur­so gui­a­do por um pen­sa­men­to cons­ti­tuí­do pe­la sín­te­se de par­tes he­te­ro­gé­ne­as de vá­ri­as dou­tri­nas, ilo­so ias e ide­o­lo­gi­as, que con­ver­gi­am em tor­no do io prag­má­ti­co da des­co­lo­ni­za­ção”.

Pa­ra ina­li­zar as ac­ti­vi­da­des do dia da aber­tu­ra o ici­al dos fes­te­jos do mês do “He­rói Na­ci­o­nal” foi inau­gu­ra­da uma ex­po­si­ção fo­to­grá ica, com mo­men­tos úni­cos e par­ti­cu­la­res da vi­da de An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e da sua fa­mí­lia. A ex­po­si­ção ain­da po­de ser vis­ta por qu­em for ao Shop­ping Ave­ni­da.

Pa­ra o di­rec­tor do shop­ping, Car­los Mi­ran­da, é uma hon­ra as­so­ci­ar-se aos fes­te­jos da da­ta. “É tam­bém uma for­ma de apro­xi­mar mais o pú­bli­co, que fre­quen­ta o es­pa­ço, dos fei­tos de Agos­ti­nho Ne­to. Es­ta­mos aber­tos a par­ti­ci­par de qual­quer ac­ti­vi­da­de que aju­de a ele­var a cul­tu­ra an­go­la­na, as­sim co­mo o no­me dos seus fa­ze­do­res e Agos­ti­nho Ne­to é uma des­tas igu­ras in­con­tor­ná- veis da His­tó­ria do país”, ga­ran­tiu.

A viú­va do pri­mei­ro pre­si­den­te de An­go­la, a es­cri­to­ra Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to tam­bém mar­cou pre­sen­ça. Co­mo pre­si­den­te da Fun­da­ção An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to pe­diu uma mai­or di­vul­ga­ção e va­lo­ri­za­ção dos fei­tos do seu pa­tro­no, pa­ra que es­te não se­ja só lem­bra­do no mês de Se­tem­bro e a no­va ge­ra­ção te­nha um pi­lar no qual se guia, já que o “Po­e­ta” é “uma len­da do ima­gi­ná­rio co­lec­ti­vo”.

Ac­ti­vi­da­des

Além das pa­les­tras, que fo­ram re­a­li­za­das em di­fe­ren­tes pro­vín­ci­as por to­do o país, o mês do “He­rói Na­ci­o­nal” icou ain­da mar­ca­do com a re­a­li­za­ção de mui­tas ou­tras ac­ti­vi­da­des, sob a égi­de da Fun­da­ção An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, com re­al­ce pa­ra uma ex­po­si­ção de ar­tes, cul­tu­ra, ci­ên­cia, tu­ris­mo e gas­tro­no­mia, nos di­as 14, 15 e 16, na Pra­ça da In­de­pen­dên­cia, em Lu­an­da.

Um dos pon­tos al­tos des­ta ac­ti­vi­da­de foi a par­ti­ci­pa­ção de 25 mis­sões di­plo­má­ti­cas acre­di­ta­das em An­go­la, que apro­vei­ta­ram a ex­po­si­ção pa­ra mos­tra­rem ao pú­bli­co um pou­co das su­as cul­tu­ras, em par­ti­cu­lar no do­mí­nio da gas­tro­no­mia. As be­bi­das e pra­tos tí­pi­cos de vá­ri­os paí­ses fo­ram mui­to so­li­ci­ta­dos pe­lo pú­bli­co, que apro­vei­tou ain­da a oca­sião pa­ra co­nhe­cer al­guns as­pec­tos ar­tís­ti­co-culturais des­tes paí­ses con­vi­da­dos, com des­ta­que às su­as dan­ças fol­cló­ri­cas, mú­si­cas e tra­jes.

A “fes­ta” con­tou ain­da com a par­ti­ci­pa­ção do gru­po car­na­va­les­co 17 de Se­tem­bro, que re­a­li­zou um “bre­ve as­sal­to”, as­sim co­mo de­ci­diu-se jun­tar a ci­ên­cia, com o seu des­por­to de re­fe­rên­cia, o xa­drez, as ou­tras ma­ni­fes­ta­ções culturais.

Agos­ti­nho Ne­to num en­con­tro com ou­tros lí­de­res afri­ca­nos, Ma­si­ne, Kaun­da, Nye­re­re e Marcelino Dos San­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.