Eri­ka Jâ­me­ce A Me­mó­ria no Tra­ço do Fu­tu­ro

Jornal Cultura - - Artes -

s no­tí­ci­as ao lon­go da his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de mar­ca­ram o quo­ti­di­a­no do mun­do. E continuam a mar­car… Atra­vés dos di­ver­sos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, os no­ti­ciá­ri­os, se­jam pe­la via te­le­fó­ni­ca, mó­vel, im­pren­sa, ra­di­o­fó­ni­ca ou te­le­vi­si­va, fi­xam na nos­sa me­mó­ria in­di­vi­du­al e co­le­ti­va es­se tem­po fi­xa­do em ca­da his­tó­ria con­ta­da. Não há fu­tu­ro sem me­mó­ria oral e es­cri­ta. Es­ta ex­po­si­ção da pin­to­ra an­go­la­na Eri­ka Jâ­me­ce, per­cor­re vá­ri­os tem­pos.

O tem­po da ter­ra on­de nas­ceu, o tem­po das co­res quen­tes on­de se ins­pi­rou co­mo a ter­ra ver­me­lha de Lu­an­da e o tem­po de um de­vir ima­gi­ná­rio que é o que o seu olhar e os seus pin­céis pin­tam.

No li­vro da au­to­ria do es­cri­tor Má­rio Di­o­ní­sio, in­ti­tu­la­do "A Pa­le­ta e o Mun­do", o mes­mo re­fe­re, e, ci­to "Que sob gran­des tem­pes­ta­des tem vi­vi­do, lu­ta­do, es­pe­ra­do e de­ses­pe­ra­do des­de os di­as de Vin­cent Van Gogh. To­da a ar­te mo­der­na é a voz de mui­tos ecos des­te ho­mem de mui­tas fa­ces no seio de tem­po­rais que ele pró­prio no seio de tem­po­rais que ele pró­prio de­sen­ca­deia e de que não con­se­guiu até ho­je li­ber­tar­se", im de ci­ta­ção.

A ex­po­si­ção de Eri­ka Jâ­me­ce evi­den­cia cla­ra­men­te as su­as op­ções es­té­ti­cas e ar­tís­ti­cas.

O mun­do da pin­to­ra Eri­ka Jâ­me­ce per­cor­re o seu tem­po cru­ci­al, mas um olhar nar­ra­ti­vo e aten­to so­bre o mun­do in­tei­ro, on­de ela ha­bi­ta. Há um agir lo­cal, mas um pen­sar glo­bal.

An­go­la é o seu pon­to de par­ti­da. O mun­do o seu lo­cal de che­ga­da on­de en­saia no­vas ja­ne­las de che­ga­da na sua re­la­ção com a ar­te.

A pin­tu­ra tem si­do o seu des­ti­no. O seu per­cur­so de cri­a­ção vai ao en­con­tro dos oce­a­nos de ar­te do seu in­te­ri­or. As su­as te­las são o seu mo­do de ex­pres­são dos seus con­cei­tos ar­tís­ti­cos e no mo­do co­mo se apai­xo­na pe­la ar­te. A sua ima­gi­na­ção si­tua-se en­tre o so­nho e a re­a­li­da­de, mas tam­bém nas tin­tas, nas co­res e num uni­ver­so des­lum­bra­do e des­lum­bran­te. O seu olhar e os seus ima­gi­ná­ri­os não têm um il­tro no mo­do co­mo per­cor­re e exe­cu­ta as su­as cri­a­ções.

O ti­tu­lo da ex­po­si­ção por­que optou a pin­to­ra an­go­la­na Eri­ka ja­me­ce é mui­to elu­ci­da­ti­vo coin­ci­den­te com a re­a­li­da­de do mun­do atu­al.

Não há fu­tu­ro sem me­mó­ria. Ca­da te­la re­pre­sen­ta um tem­po e um des­per­tar pa­ra múl­ti­plas re le­xões. O mun­do es­tá em cons­tan­te mu­ta­ção. Lo­go ao vi­su­a­li­zar­mos e a di­a­lo­gar­mos com as te­las ex­pos­tas, 22 das quais iné­di­tas, num to­tal de 36 obras on­de en­con­tra­mos si­lên­ci­os e exal­ta­ções. Des- co­bri­mos po­e­sia no si­len­cio mais pro­fun­do em ca­da qua­dro que atra­ves­sa mu­ros e cum­pre-se as­sim ou­tros ho­ri­zon­tes que nos con­du­zem a con­tem­pla­ção des­ta ex­po­si­ção.

Eri­ka Jâ­me­ce cum­pre as­sim os seus ape­los in­te­ri­o­res e per­mi­te que o vi­si­tan­te re­ti­re as su­as con­clu­sões e na es­qui­na de ca­da tem­po pos­sa re le­tir so­bre “His­tó­ri­cas no­tí­ci­as de tra­ços e pin­ce­las de Eri­ka Jâ­me­ce”.

As co­res vi­bran­tes e os tra­ços tor­na­dos re­a­li­da­des tra­ção as­sim de­se­nhos de no­vos diá­lo­gos e fa­las en­tre a Ar­te / Cul­tu­ra de An­go­la e do mun­do.

ERI­KA JA­ME­CE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.