Ras­treio a mi­nha voz

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma -

VI­TOR BURITY DA SIL­VA

Um gru­po enor­me sem nin­guém, sim, um car­rei­ro lon­go e à dis­tân­cia um si­lên­cio me­do­nho. En­con­trar-me co­mi­go mes­mo. Pro­cu­ro num es­pe­lho a azá­fa­ma dos ins­tan­tes e na­da, eu ape­nas re lec­ti­do ne­le, o si­lên­cio é me­do­nho. Tal­vez me en­con­tre nas pa­re­des de ven­tos a mon­tan­te, es­ta bar­rei­ra ca­la­da de frios e ar­re­pi­os que só o ins­tan­te sa­be. Não sei se con­si­go des­cor­ti­nar es­ta in­cons­tân­cia ou en­con­trar uma ex­pli­ca­ção plau­sí­vel aos ou­vi­dos dos mor­tais, mas, sa­bes, as pa­re­des es­cu­tam- me, mes­mo que fa­le pa­ra nin­guém. Ras­treio a mi­nha voz por is­so mes­mo, não por­que me sin­ta es­con­di­do dos ruí­dos da ci­da­de, nem por­que me re­fu­gie nos si­lên­ci­os da mi­nha al­ma, mas por­que não me sin­to com von­ta­de de des­per­di­çar as úl­ti­mas for­ças que a ra­zão me dei­xa ter. Por que ra­zão me obri­gam a en­ten­der os di­ton­gos dos ou­tros? Sou ape­nas uma ra­zão, a que me faz sen­tir-me. Em to­das as pa­re­des en­con­tro uma ja­ne­la, ora aber­ta ora fe­cha­da, e fi­co por ali, tal­vez me­do da li­ber­da­de. A li­ber­da­de tor­tu­ra, dá azo a imen­sos pen­sa­men­tos e ges­tos e tan­tas ve­zes is­so can­sa. Sin­to- me en­jau­la­do nes­ta pa­re­de com to­das as ja­ne­las aber­tas. As tar­des re­pe­ti­da­men­te iguais, bas­ta um ges­to e na­da mais do que is­so, o im­por­tan­te é a vi­são e a voz a eclo­di­rem si­lên­ci­os des­co­ber­tos, bus- cas va­ga­ro­sas, a pres­sa in­co­mo­da, tudo é um va­le de águas pa­ra­das en­tre mon­ta­nhas es­que­ci­das.

A li­ber­da­de de vi­ver sem ela, is­so a na­da me po­de obri­gar mes­mo que na­da fe­cha­do, não saio de mim. O que é en­tão a fe­li­ci­da­de? Coi­sa es­tra­nha, sa­bes? Não con­si­go des­cor­ti­na-la as­sim, de olhos cer­ra­dos con­tra as mi­nhas pró­pri­as con­vic­ções, não des­cu­bro a ver­da­de dos ou­tros na mi­nha ca­be­ça aber­ta nes­ta sa­la, es­te lu­gar qual­quer que me liberta na mi­nha von­ta­de, o chão poi­sa­do em si e eu so­bre ele, ca­mi­nhan­do de­va­gar de trás pa­ra a fren­te e vi­ce- ver­sa, vi­ven­do o meu pró­prio de­se­jo.

Cha­mar- lhe ví­cio é pou­co, as coi­sas são na­tu­rais, cor­rem e des­fi­lam di­an­te mim e eu a vê- las en­can­ta­do, as som­bras que fi­cam poi­sa­das em ca­da pas­so de al­guém que des­co­nhe­ço, a mar­ca de ca­da pé des­cal­ço nes­tas arei­as da vi­da, on­de as ja­ne­las aber­tas me fa­zem fi­car pa­ra­do.

O não co­lo­ri­do des­te sol per­di­do on­de nu­vens pas­sei­am a seu rit­mo, dei­to- me na mi­nha ca­ma so­li­tá­ria ten­tan­do re­des­co­brir- me sen­tin­do­me ou en­ten­der-me co­mo nun­ca con­se­gui. Sin­to- me náu­fra­go vo­lun­tá­rio dos meus pró­pri­os de­se­jos e ne­les es­ta cal­ma de pas­mar.

Ras­treio por is­so a voz, ca­da ins­tan­te é um ab­so­lu­to estranho, ca­da von­ta­de uma re­lí­quia guar­da­da nes­ta al­ma de to­dos e com to­dos a mi­nha vi­da, ain­da que ca­la­da, vi­vo-a no sa­li­tre des­co­ber­to pa­ra os sais minerais que bus­co. A água fres­ca na gar­gan­ta per­gun­ta- me pe­la vi­da e res­pon­do ca­la­do, o ros­to tam­bém fa­la ex­pri­min­do a sua von­ta­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.