Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras pre­co­ni­za ne­ces­si­da­de de “rec­ti­fi­car pa­ra ra­ti­fi­car"

Jornal Cultura - - Primeira Página -

AA­ca­de­mia An­go­la­na de Le­tras (AAL) re­a­li­zou no dia 9 de Ou­tu­bro, na Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal de An­go­la, uma Me­sa Re­don­da so­bre o Acor­do Or­to­grá ico da Lín­gua Por­tu­gue­sa de 1990 da qu­al saiu uma De­cla­ra­ção apre­sen­ta­da no dia se­guin­te no Me­mo­ri­al Dr. António Agos­ti­nho Ne­to, pa­tro­no da­que­la as­so­ci­a­ção cul­tu­ral.

A de­cla­ra­ção salienta o fac­to de o Acor­do Or­to­grá ico da Lín­gua Por­tu­gue­sa de 1990 (AO90) di­ver­gir, em de­ter­mi­na­dos ca­sos, de nor­mas da Or­ga­ni­za­ção Internacional pa­ra a Pa­dro­ni­za­ção (ISO) so­bre con­cei­to li­ga­do à or­to­gra ia, pa­ra além de não re lec­tir os prin­cí­pi­os da UNESCO, nem os da Aca­de­mia Afri­ca­na das Lín­guas (ACALAN), so­bre a co­o­pe­ra­ção lin­guís­ti­co­cul­tu­ral, com vis­ta à promoção do co­nhe­ci­men­to en­ci­clo­pé­di­co e da paz.

Salienta ain­da o fac­to de não ser pos­sí­vel a ve­ri ica­ção ci­en­tí ica dos pos­tu­la­dos de to­das as Ba­ses des­te Acor­do, fac­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra a ga­ran­tia da sua uti­li­za­ção ade­qua­da, e des­se mo­do, é des­fa­vo­rá­vel à ra­ti ica­ção do AO90, por par­te do Es­ta­do an­go­la­no.

Ten­do em con­ta a con­tri­bui­ção de éti­mos de Lín­guas Ban­tu pa­ra a edi ica­ção da pró­pria lín­gua por­tu­gue­sa, a AAL ad­vo­ga que um acor­do or­to­grá ico da Lín­gua Por­tu­gue­sa que vi­go­re nes­te país con­si­de­re a im­por­tân­cia das Lín­guas Na­ci­o­nais co­mo fac­tor de iden­ti­da­de na­ci­o­nal, bem co­mo a ne­ces­si­da­de de co­e­xis­tên­cia en­tre to­das elas.

A AAL con­si­de­ra que a es­cri­ta de vo­cá­bu­los, cu­jos éti­mos pro­ve­nham de Lín­guas Ban­tu, se fa­ça em con­for­mi­da­de com as nor­mas da or­to­gra ia des­sas lín­guas, mes­mo quan­do o tex­to es­tá es­cri­to em Lín­gua Por­tu­gue­sa.

A AAL cons­ta­ta a ne­ces­si­da­de de o AO90 ser ob­jec­to de am­pla dis­cus­são com o con­cur­so de to­dos os Es­ta­dos mem­bros da CPLP, e con­si­de­ra im­pres­cin­dí­vel que se es­ta­be­le­ça, por par­te dos Es­ta­dos mem­bros da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP), um pe­río­do de­ter­mi­na­do pa­ra aná­li­se, dis­cus­são e con­cer­ta­ção de idei­as à vol­ta des­te as­sun­to, a fim de se en­con­trar um de­no­mi­na­dor co­mum que per­mi­ta har­mo­ni­zar a apli­ca­ção do Acor­do Or­to­grá­fi­co da Lín­gua Por­tu­gue­sa de 1990 ( AO90) em to­do o espaço co­mu­ni­tá­rio, on­de se en­qua­dra An­go­la.

Por úl­ti­mo, a AAL re­co­men­da que o Es­ta­do an­go­la­no in­vis­ta em en­si­no de qua­li­da­de, quer em Lín­gua Por­tu­gue­sa, quer em Lín­guas Na­ci­o­nais, co­mo con­tri­bui­ção pa­ra a pre­ser­va­ção des­sas lín­guas e co­mo fac­tor de pro­gres­so eco­nó­mi­co e só­cio-cul­tu­ral.

ES­CRE­VER O FU­TU­RO DA LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA

Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so, PCA da Aca­de­mia, re­co­nhe­ceu, no seu dis­cur­so a pro­pó­si­to, que ho­je a Lín­gua Por­tu­gue­sa tem um “uni­ver­so sim­bó­li­co e ima­gi­ná­rio en­ri­que­ci­dos por for­ça do his­tó­ri­co con­tac­to com as cul­tu­ras e lín­guas na­ci­o­nais dos paí­ses que de­la se apro­pri­a­ram”, nos quais se ge­ra­ram si­tu­a­ções de bi­lin­guis­mo, por um la­do, e de trans­fe­rên­ci­as lin­guís­ti­cas e ne­o­lo­gis­mos, por ou­tro. Es­ta cir­cuns­tân­cia, dis­se Car­do­so, “exi­ge que to­dos os paí­ses que têm o por­tu­guês co­mo lín­gua o ici­al te­nham a mes­ma voz no que tan­ge aos di­ver­sos as­pec­tos ati­nen­tes à mes­ma, pois, por for­ça da his­tó­ria, a Lín­gua Por­tu­gue­sa tam­bém é nos­sa”. No ca­so de An­go­la, a Lín­gua Por­tu­gue­sa (...) é ho­je a lín­gua ma­ter­na de mui- tos an­go­la­nos eéa lín­gua usa­da por mais de 65% da po­pu­la­ção na sua co­mu­ni­ca­ção diá­ria, co­mo se ex­pres­sa no re­cen­te cen­so po­pu­la­ci­o­nal; é lín­gua de co­mu­ni­ca­ção na po­lí­ti­ca, na economia, na cul­tu­ra, em to­da a so­ci­e­da­de; é a lín­gua em que se de­sen­vol­veu a li­te­ra­tu­ra es­cri­ta, eéa lín­gua do en­si­no e em to­do o sis­te­ma de edu­ca­ção.

Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so en­fa­ti­zou que quan­to ao Acor­do Or­to­grá­fi­co da Lín­gua Por­tu­gue­sa de 1990, e so­bre o qu­al a Me­sa Re­don­da se de­bru­çou, mui­tos dos pro­ble­mas que se le­van­tam e que cons­ti­tu­em er­ros es­tão des­cri­tos no Pa­re­cer so­bre o mes­mo edi­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção de An­go­la, a que se jun­tam ou­tras ques­tões de na­tu­re­za cul­tu­ral que, sen­do uma re­a­li­da­de nos paí­ses afri­ca­nos que têm o por­tu­guês co­mo lín­gua, não fo­ram con­si­de­ra­dos, de­sig­na­da­men­te, a exis­tên­cia de sons pré­na­sais, du­plos plu­rais, ou ain­da o res­pei­to pe­los ra­di­cais das pa­la­vras que emi­gram das lín­guas na­ci­o­nais pa­ra a Lín­gua Por­tu­gue­sa.

Bo­a­ven­tu­ra acre­di­ta que a ac­tu­al si­tu­a­ção do Acor­do Or­to­grá ico acer­ca do qu­al são mui­tas as vo­zes dis­so­nan­tes, po­de­ria ter si­do evi­ta­da se à vol­ta da mes­ma me­sa se ti­ves­sem reu­ni­do as di­ver­sas cor­ren­tes e, do mes­mo mo­do, não ti­ves­sem si­do mar­gi­na­li­za­dos os paí­ses afri­ca­nos que fa­lam o por­tu­guês, pois, ape­nas lhes foi apre­sen­ta­do pa­ra ra­ti ica­ção um Acor­do ir­ma­do en­tre al­guns pou­cos paí­ses.

A Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras é uma en­ti­da­de que con­tem­pla nos seus es­ta­tu­tos con­tri­buir pa­ra a com­pre­en­são e so­lu­ção de al­gu­mas ques­tões que rei­te­ra­da­men­te se le­van­tam no nos­so quo­ti­di­a­no e por is­so mes­mo de gran­de al­can­ce so­ci­al, den­tre as quais as ques­tões que do Acor­do Or­to­grá ico sus­ci­ta, a das pos­sí­veis Va­ri­an­tes An­go­la­nas da Lín­gua Por­tu­gue­sa e do Es­ta­tu­to das Lín­guas Na­ci­o­nais.

“Por tal fac­to, sem pre­juí­zo pa­ra a ne­ces­si­da­de de no­vos es­tu­dos so­bre a for­ma de es­cre­ver a Lín­gua Por­tu­gue­sa, des­de lo­go afi­gu­ra-se-nos que a ra­ti­fi­ca­ção por An­go­la do Acor­do Or­to­grá­fi­co da Lín­gua Por­tu­gue­sa, im­põe a ne­ces­si­da­de de “Rec­ti­fi­car pa­ra Ra­ti­fi­car", pro­ces­so no qu­al de­ve ser as­se­gu­ra­do na gra­fia pe­lo me­nos o res­pei­to pe­la gra­fia dos ra­di­cais das pa­la­vras ori­gi­ná­ri­as das lín­guas na­ci­o­nais an­go­la­nas, tal co­mo acon­te­ce com as pa­la­vras ori­gi­ná­ri­as do la­tim, do gre­go e de ou­tras lín­guas e, do mes­mo mo­do, mes­mo que ou­sa­da­men­te, a in­cor­po­ra­ção, ou o re­co­nhe­ci­men­to, de sons pré- na­sais no por­tu­guês”, es­cla­re­ceu o PCA da AAL.

“Tal não nos é in­di­fe­ren­te já que, a não con­si­de­ra­ção dos sons pré-na­sais, ex­pres­sos com as le­tras “m” e“n”, le­vam pa­ra o por­tu­guês sig­ni ica­dos e sen­ti­dos de pa­la­vras com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes do que tais pa­la­vras

ex­pri­mem nos res­pec­ti­vos con­tex­tos ori­gi­nais”, acres­cen­tou o Aca­dé­mi­co an­go­la­no.

Pa­ra evi­tar equí­vo­cos quan­to aos sons pré-na­sais, Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so apre­sen­tou dois pe­que­nos exem­plos:

- Ngo­la e Go­la: no pri­mei­ro ca­so, Ngo­la, tra­ta-se do tí­tu­lo do ti­tu­lar má­xi­mo do po­der no con­tex­to de lín­gua na­ci­o­nal kim­bun­du. Sem o som pré­na­sal do “n”, sig­ni ica a par­te su­pe­ri­or de uma pe­ça de ves­tuá­rio. O mes­mo se po­de di­zer quan­to a MFUMU e FU­MO. No pri­mei­ro ca­so, sig­ni ica “CHE­FE”, nas vá­ri­as hi­e­rar­qui­as e, no se­gun­do ca­so, “fu­mo”, sig­ni ica o que de tal ter­mo se co­nhe­ce na lín­gua por­tu­gue­sa.

São apa­ren­te­men­te pe­que­nos as­pec­tos, mas são mui­to sig­ni ica­ti­vos no con­jun­to das co­mu­ni­da­des so­ci­o­cul­tu­rais an­go­la­nas e tais sons es­tão pre­sen­tes na va­ri­an­te an­go­la­na do por­tu­guês.

A Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, com o que foi di­to, pro­põe-se par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te nes­ta "...ra­ra opor­tu­ni­da­de (...) de es­cre­ver o fu­tu­ro da lín­gua por­tu­gue­sa”, con­tra­pon­do-se a “uma de­ri­va aca­so ar­ris­ca­da, sem o con­cur­so de es­tu­dos mais subs­tan­ti­vos e ilu­mi­nan­tes". Nes­te debate, não se tra­ta de dis­cu­tir se o por­tu­guês é lín­gua na­ci­o­nal ou não, po­rém im­por­ta re­fe­rir que a na­ci­o­na­li­da­de de uma lín­gua não se pren­de uni­ca­men­te com a ter­ri­to­ri­a­li­da­de da mes­ma, sen­do cer­to que é atra­vés da lín­gua e não da na­ci­o­na­li­da­de que se ex­pres­sa a cri­a­ção li­te­rá­ria e ar­tís­ti­ca. Uma ques­tão ou­tra que a AAL pre­ten­de dis­cu­tir no en­con­tro “Lín­guas Na­ci­o­nais, To­po­ní­mia e Iden­ti­da­de Na­ci­o­nal”, agen­da­do pa­ra o pre­sen­te ano.

Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so, PCA da AAL, ao cen­tro. la­de­a­do de Pau­lo de Car­va­lho, pre­si­den­te da Co­mis­são Ci­ern­tí­fi­ca, e Filipe Zau, aca­dé­mi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.