2030 é o ano li­mi­te pa­ra salvar a Ter­ra

Ci­en­tis­tas in­ter­na­ci­o­nais da ONU aler­ta­ram so­bre as gra­ves con­sequên­ci­as da mu­dan­ça cli­má­ti­ca que es­tá ocor­ren­do no mun­do. Eles apon­ta­ram que é pos­sí­vel li­mi­tar o au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra a 1,5 graus cen­tí­gra­dos, mas ape­nas com “mu­dan­ças rá­pi­das, abran­gen­te

Jornal Cultura - - Primeira Página -

OPai­nel In­ter­go­ver­na­men­tal das Na­ções Uni­das so­bre Mu­dan­ças Cli­má­ti­cas ( IPCC) pu­bli­cou dia 8 de Ou­tu­bro um re­la­tó­rio es­pe­ci­al so­bre as con­sequên­ci­as de não se alcançar a me­ta de um au­men­to má­xi­mo de 1,5 grau.

“Li­mi­tar o aque­ci­men­to glo­bal a 1,5 graus Cel­sius exi­gi­rá mu­dan­ças rá­pi­das, de lon­go al­can­ce e sem pre­ce­den­tes em to­dos os as­pec­tos da so­ci­e­da­de”, dis­se o IPCC no inal de uma con­fe­rên­cia re­a­li­za­da em In­che­on, na Co­reia do Sul.

Ele aler­tou que es­sas mu­dan­ças de­vem ocor­rer nos sec­to­res de ener­gia, in­dus­tri­al, ha­bi­ta­ção e trans­por­te, tan­to nas ci­da­des quan­to no cam­po. Es­te re­la­tó­rio é di­rec­ci­o­na­do co­mo um aler­ta pa­ra os lí­de­res po­lí­ti­cos, que de­vem agir ime­di­a­ta­men­te.

“Uma das prin­ci­pais ob­ser­va­ções do re­la­tó­rio é que vo­cê já vê os efei­tos de um au­men­to de um grau de tem­pe­ra­tu­ra, por exem­plo, em con­di­ções cli­má­ti­cas ex­tre­mas, au­men­to do ní­vel do mar e der­re­ti­men­to no Árc­ti­co”, dis­se o co-pre­si­den­te. de um gru­po de tra­ba­lho do IPCC, Pan­mao Zhai.

O re­la­tó­rio do IPCC exa­mi­na ma­nei­ras de li­mi­tar o aque­ci­men­to a 1,5 em vez de 2 graus, con­for­me es­ta­be­le­ci­do no Acor­do Cli­má­ti­co de Pa­ris ( 2015), e ad­ver­te que os efei­tos pa­ra os ecos­sis­te­mas e a vi­da no pla­ne­ta eles se­rão mui­to me­nos ca­tas­tró­fi­cos se es­sa bar­rei­ra mais am­bi­ci­o­sa for man­ti­da.

Se hou­ver um au­men­to de dois graus em vez de 1,5, eles aler­ta­ram que o ní­vel glo­bal do mar au­men­ta­rá em cer­ca de 10 cen­tí­me­tros até o fi­nal des­te sé­cu­lo. O que sig­ni­fi­ca que dez mi­lhões de pes­so­as a me­nos es­ta­ri­am ex­pos­tas aos ris­cos de inun­da­ções, tem­pes­ta­des em áre­as cos­tei­ras.

Is­so tam­bém sig­ni ica que os re­ci­fes de co­ral se­rão re­du­zi­dos en­tre 79 e 90%, em com­pa­ra­ção com o de­sa­pa­re- ci­men­to to­tal. Ha­ve­rá ve­rão sem ge­lo no Oce­a­no Árc­ti­co a ca­da 100 anos, con­tra pe­lo me­nos um a ca­da dé­ca­da, se o ob­jec­ti­vo não for al­can­ça­do. A pes­ca tam­bém se­ria afec­ta­da, pois não ha­ve­ria mui­tos pei­xes no mar.

“Os pró­xi­mos anos são pro­va­vel­men­te os mais im­por­tan­tes da nos­sa his­tó­ria”, a irma De­bra Ro­berts, do IPCC. Es­ta­mos sen­do aler­ta­dos, en­tão ca­be a to­dos con­ti­nu­ar pro­te­gen­do o meio am­bi­en­te.

ANY KAROLYNE GALDINO ( ENGENHARIAE.COM. BR)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.