O se­xo (oral) dos an­jos

Jornal Cultura - - Editorial - JOSÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

Há uma pro­fun­da trans­for­ma­ção da Lín­gua Por­tu­gue­sa (LP) fa­la­da e es­cri­ta em An­go­la, pois que as lín­guas são cor­pos vi­vos que in lu­en­ci­am e re­ce­bem con­tri­bu­tos, ali­men­tam-se de ou­tras lín­guas e fa­la­res. Há uma in­ter­pe­ne­tra­ção com as lín­guas afri­ca­nas e lín­guas es­tran­gei­ras, daí os es­tran­gei­ris­mos, ga­li­cis­mos, an­gli­ca­nis­mos e, no nos­so ca­so, ex­ces­so de bra­si­lei­ris­mos.

O por­tu­guês fa­la­do e es­cri­to em An­go­la acu­mu­lou qua­se três dé­ca­das de omis­são pe­da­gó­gi­ca no en­si­no da lín­gua vei­cu­lar (e por ar­ras­to, das lín­guas ban­tu), a co­me­çar pe­lo ní­vel básico.

Os modos da fa­la e da es­cri­ta do Brasil pe­ne­tra­ram des­de o iní­cio da trans­mis­são das nove­las co­mo O Bem Ama­do e Ga­bri­e­la Cra­vo e Ca­ne­la, nos anos 80 do sé­cu­lo XX até à da­ta e exer­cem uma tre­men­da in luên­cia nos modos de es­cre­ver e con­ver­sar do nos­so po­vo. Cen­te­nas de es­tu­dan­tes be­ne ici­am de bol­sas e ou­tras opor­tu­ni­da­des de for­ma­ção su­pe­ri­or e pós-gra­du­a­ção no Brasil e nas uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas. Es­tes ci­da­dãos an­go­la­nos regressam a An­go­la, não só com as su­as te­ses, mas tam­bém com uma no­va for­ma de es­cre­ver, se­gun­do o Acor­do Or­to­grá ico (AO).

A In­ter­net abun­da de es­tu­dos aca­dé­mi­cos so­bre os mais di­fe­ren­tes te­mas e as­sun­tos ci­en­tí icos, de mo­do que os nos­sos es­tu­dan­tes, num clic, che­gam a es­sas fon­tes. E es­sas fon­tes es­tão es­cri­tas no por­tu­guês do Brasil e de Por­tu­gal. E é es­sa for­ma de re­dac­ção da LP que os nos­sos jo­vens es­tu­dan­tes re­pro­du­zem iel­men­te na Uni­ver­si­da­de. A es­sa for­ma de re­es­cre­ver o por­tu­guês jun­ta-se-lhe ou­tro as­pec­to mais im­por­tan­te que é o fac­to de ha­ver tan­tos modos de es­cre­ver (não de fa­lar) a lín­gua vei­cu­lar, qu­an­tos os ní­veis de aqui­si­ção de com­pe­tên­cia lin­guís­ti­cas pe­los uten­tes.

Se o En­si­no em An­go­la, de­vi­do ao acu­mu­lar de de ici­ên­ci­as es­tru­tu­rais, não de­mons­tra ca­pa­ci­da­de pa­ra en­si­nar mas­si­va­men­te a gra­má­ti­ca da LP (mes­mo a nos­sa LP an­go­la­na), co­mo é que te­rá ca­pa­ci­da­de pa­ra en­si­nar (em pa­ra­le­lo) as lín­guas afri­ca­nas?

Mais im­por­tan­te e im­pe­ri­o­so do que a po­lé­mi­ca em tor­no do acor­do, é re­fun­dar o en­si­no da LP de ma­nei­ra a pro­du­zir uma com­pe­tên­cia lin­guís­ti­ca a vá­ri­os ní­veis, prin­ci­pal­men­te na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, e es­ta ta­re­fa na­ci­o­nal dis­pen­sa o con­ser­va­do­ris­mo do mo­de­lo lin­guís­ti­co do por­tu­guês que ain­da nos dá que fa­lar, pe­la sua co­la­gem ao AO90. An­go­la não po­de ser o país mais lu­só­fo­no da Lu­so­fo­nia. O PCA da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so, dis­se, e bem, no seu dis­cur­so de apre­sen­ta­ção da de­cla­ra­ção so­bre a rec­ti ica­ção das ba­ses do Acor­do Or­to­grá ico, que a Lín­gua Por­tu­gue­sa tam­bém é nos­sa.

Sen­do nos­sa de ver­da­de, te­mos de fa­zer um tra­ba­lho de ca­sa que não com­pe­te nem à CPLP, nem a Por­tu­gal ou ao Brasil, e que não tem na­da a ver com o AO90.

Te­mos é de pro­du­zir, nós mes­mos, a no­va gra­má­ti­ca do por­tu­guês an­go­la­no e, tam­bém o nos­so di­ci­o­ná­rio e, a par­tir des­sas fer­ra­men­tas do en­si­no cor­rec­to de qual­quer lín­gua, mos­trar ao Mun­do que nós te­mos uma iden­ti­da­de ban­tu­lu­só­fo­na.

O ac­tu­al es­tá­dio de con­ser­va­ção da po­lé­mi­ca em tor­no do AO de 1990 (que já le­va 28 anos de im­pas­se), pro­va que, dis­cu­tir a uni­ver­sa­li­da­de e va­li­da­de do AO pa­ra o nos­so país, é dis­cu­tir o se­xo (oral) dos an­jos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.