Gu­ter­res pe­de mais li­de­ran­ça e mai­or am­bi­ção em prol do cli­ma

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural -

Des­de 2012, a ONU tem tra­ba­lha­do com paí­ses em to­do o mun­do pa­ra ac­tu­a­li­zar os pa­drões na­ci­o­nais de com­bus­tí­veis e de veí­cu­los co­mo par­te da Cli­ma­te & Cle­an Air Co­a­li­ti­on. Mais de 50 paí­ses re­du­zi­ram os ní­veis de en­xo­fre no com­bus­tí­vel e au­men­ta­ram os pa­drões de emis­sões vei­cu­la­res. No en­tan­to, vo­cê sa­bia que 4,1 bi­lhões de pes­so­as em 120 paí­ses ain­da têm aces­so ze­ro ou li­mi­ta­do ao com­bus­tí­vel com bai­xo te­or de en­xo­fre?

O mun­do cor­re o ris­co de cru­zar o pon­to de não re­tor­no da mu­dan­ça cli­má­ti­ca, com con­sequên­ci­as de­sas­tro­sas pa­ra as pes­so­as em to­do o pla­ne­ta e os sis­te­mas na­tu­rais que as sus­ten­tam, aler­tou a 10 de Ou­tu­bro o se­cre­tá­rio- ge­ral das Na­ções Uni­das, António Gu­ter­res.

Ele pe­diu mais li­de­ran­ça e mai­or am­bi­ção pe­la ac­ção em prol do cli­ma co­mo uma re­for­ma de re­ver­ter es­sa ten­dên­cia.

O com­pro­mis­so fei­to pe­los lí­de­res mun­di­ais no Acor­do de Pa­ris há três anos pa­ra im­pe­dir que a tem­pe­ra­tu­ra au­men­tas­se em 2 graus Cel­sius e tra­ba­lhar pa­ra man­ter o au­men­to o mais pró­xi­mo pos­sí­vel de 1,5 grau Cel­sius “foi re­al­men­te o mí­ni­mo pa­ra evi­tar os pi­o­res im­pac­tos da mu­dan­ça cli­má­ti­ca”, dis­se o se­cre­tá­rio-ge­ral Gu­ter­res, num dis­cur­so his­tó­ri­co so­bre a ac­ção cli­má­ti­ca, na se­de da ONU em No­va Ior­que.

“A mon­ta­nha à nos­sa fren­te é mui­to al­ta, mas não é in­trans­po­ní­vel. Sa­be­mos co­mo es­ca­lá-la”, con­ti­nu­ou ele.

“Sim­pli ican­do, pre­ci­sa­mos co­lo­car um freio nas emis­sões le­tais de ga­ses de efei­to es­tu­fa e im­pul­si­o­nar a ac­ção cli­má­ti­ca”, acres­cen­tou, pe­din­do uma mu­dan­ça da de­pen­dên­cia de com­bus­tí­veis fós­seis pa­ra uma ener­gia mais lim­pa e lon­ge do des­ma­ta­men­to pa­ra um uso mais e ici­en­te dos re­cur­sos.

O che­fe da ONU che­gou a di­zer que tal mu­dan­ça de pen­sa­men­to é on­de “enor­mes be­ne íci­os aguar­dam a hu­ma­ni­da­de”.

“Ou­vi o ar­gu­men­to – ge­ral­men­te ba­se­a­do em in­te­res­ses – de que com­ba­ter as mu­dan­ças cli­má­ti­cas é ca­ro e pre­ju­di­ca o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. Não é cor­rec­to. Na ver­da­de, o opos­to é ver­da­dei­ro”, en­fa­ti­zou.

Em sua men­sa­gem, Gu­ter­res des­ta­cou os enor­mes cus­tos eco­nó­mi­cos da mu­dan­ça cli­má­ti­ca e as opor­tu­ni­da­des apre­sen­ta­das pe­la ac­ção cli­má­ti­ca.

“A ac­ção cli­má­ti­ca e o pro­gres­so só­cio-eco­nó­mi­co se apoi­am mu­tu­a­men­te, com ga­nhos de 26 tri­liões de dó­la­res pre­vis­tos até 2030, em com­pa­ra­ção com os ne­gó­ci­os tais co­mo são fei­tos ho­je, se bus­car­mos o ca­mi­nho cer­to”, dis­se ele, ci­tan­do os re­sul­ta­dos do re­cen­te re­la­tó­rio de “Economia Cli­má­ti­ca”, da Co­mis­são Glo­bal so­bre a economia e as mu­dan­ças cli­má­ti­cas.

OS BE­NE­FÍ­CI­OS TRANSCENDEM OS VA­LO­RES MO­NE­TÁ­RI­OS

“O abas­te­ci­men­to de água e o saneamento re­si­li­en­tes ao cli­ma po­dem salvar as vi­das de mais de 360 mil be­bés por ano, o ar lim­po tem vas­tos be­ne íci­os pa­ra a saú­de pú­bli­ca, [e] na China e nos Es­ta­dos Uni­dos, no­vos em­pre- gos de ener­gia re­no­vá­vel ago­ra su­pe­ram os cri­a­dos no sec­tor de pe­tró­leo e as in­dús­tri­as de gás”, ex­pli­cou Gu­ter­res, ob­ser­van­do vá­ri­os exem­plos de to­do o mun­do da ac­ção cli­má­ti­ca, re­sul­tan­do em enor­mes be­ne íci­os pa­ra paí­ses e co­mu­ni­da­des.

António Gu­ter­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.