Re­con­ci­li­a­ção e me­mó­ria pa­ra a uni­da­de na­ci­o­nal

Jornal Cultura - - Primeira Página - GAS­PAR MICOLO

"Éu­ma ne­ces­si­da­de pa­ra a re­con­ci­li­a­ção, uni­da­de e co­e­são na­ci­o­nais". É as­sim que a mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cerqueira, jus­ti­fi­ca a atri­bui­ção do pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes, na dis­ci­pli­na de Li­te­ra­tu­ra, a Vi­ri­a­to da Cruz, a tí­tu­lo pós­tu­mo, nu­ma ce­ri­mó­nia mar­ca­da pe­la re­con­ci­li­a­ção com a me­mó­ria. O jú­ri jus­ti­fi­ca a de­ci­são por con­si­de­rar que o po­e­ta, fa­le­ci­do em Pe­quim, a 13 de Ju­nho de 1973, é um "dig­no re­pre­sen­tan­te da cul­tu­ra na­ci­o­nal, que exal­ta, com pro­fun­di­da­de, a iden­ti­da­de e os va­lo­res da an­go­la­ni­da­de".

Além de re­co­nhe­cer o va­lor li­te­rá­rio de Vi­ri­a­to da Cruz, o pre­si­den­te do jú­ri, Va­to­me­ne Ku­kan­da, que anun­ci­ou os ga­lar­do­a­dos na úl­ti­ma quar­ta­fei­ra, 31, re­ve­lou igual­men­te a Men­ção Hon­ro­sa, tam­bém a tí­tu­lo pós­tu­mo, ao pro­fes­sor e his­to­ri­a­dor Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba, de­pu­ta­do e di­ri­gen­te his­tó­ri­co da UNITA, fa­le­ci­do em Abril des­te ano, dis­tin­guin­do-o pe­los "fei­tos a ní­vel da for­ma­ção do no­vo ci­da­dão an­go­la­no, agre­gan­do ao co­nhe­ci­men­to o sen­ti­do de al­te­ri­da­de, o res­pei­to e a va­lo­ri­za­ção dos an­go­la­nos e an­go­la­nas, en­quan­to ba­se do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no e sus­ten­tá­vel."

Ca­ro­li­na Cerqueira fez ques­tão de fri­sar que a es­co­lha de Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba, que em vi­da foi mem­bro da Aca­de­mia An­go­la­na das Le­tras, po­lí­ti­co, es­cri­tor, di­plo­ma­ta e pe­da­go­go, sim­bo­li­za o exem­plo uni­fi­ca­dor da Cul­tu­ra, que rom­pe as fron­tei­ras das idei­as pa­ra se con­cen­trar na uni­da­de de va­lo­res que eno­bre­cem a Na­ção An­go­la­na, no seu to­do.

Em ci­ne­ma e au­di­o­vi­su­ais foi dis­tin­gui­do, a tí­tu­lo pós­tu­mo, o an­ti­go re­a­li­za­dor da TPA Mi­sa­el Fi­li­pe de Al­mei­da, um pro is­si­o­nal que se des­ta­cou no gé­ne­ro do­cu­men­tá­rio pe­lo con­jun­to da sua obra, em que se re­ve­lam as "gra­vu­ras e pin­tu­ras de Tchi­tu­du Hu­lo", E ico ( ri­tu­al da pu­ber­da­de da mu­lher mu­mui­la), mo­lus­cos do Mus­su­lo, en­tre ou­tros tra­ba­lhos.

Na in­ves­ti­ga­ção em ci­ên­ci­as so­ci­ais e hu­ma­nas, o jú­ri atri­buiu o pré­mio ao his­to­ri­a­dor Fi­del Raul Car­mo Reis, pe­la obra in­ti­tu­la­da "Era uma vez. O cam­po po­lí­ti­co an­go­la­no (19501965)", que se con­tex­tu­a­li­za a ní­vel re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, além de con­cor­rer pa­ra si­tu­ar o pro­ces­so de emer­gên­cia, for­ma­ção e di­nâ­mi­ca do uni­ver­so po­lí­ti­co an­go­la­no. En­quan­to pro­du­to da te­se de dou­to­ra­men­to em His­tó­ria Mo­der­na e Con­tem­po­râ­nea, apre­sen­ta, "ca­rac­te­rís­ti­cas de uma obra ino­va­do­ra, de­vi­do ao acrés­ci­mo de con­teú­dos te­má­ti­cos so­bre a re­con­fi­gu­ra­ção do es­pa­ço na­ci­o­na­lis­ta an­go­la­no, pon­tu­a­do por du­as or­ga­ni- za­ções po­lí­ti­co-par­ti­dá­ri­as: o MPLA - UPA/ FNLA/ GRAE". Na sua es­sên­cia, a obra pro­cu­ra com­pre­en­der, no que con­cer­ne ao es­tu­do das re­la­ções ra­ci­ais na so­ci­e­da­de an­go­la­na, as ra­zões que con­cor­rem pa­ra que de­ter­mi­na­das clas­si­fi­ca­ções as­sen­tes na no­ção de ra­ça te­nham si­do um re­cur­so fun­da­men­tal nas lu­tas po­lí­ti­cas, no­me­a­da­men­te, em pro­ces­sos de in­clu­são e ex­clu­são.

No te­a­tro foi dis­tin­gui­do o gru­po Ngwi­za­ne txi­ka­ne pe­la obra "Cas­sin­da não vol­ta atrás", uma das pe­ças mais co­nhe­ci­das do re­por­tó­rio do gru­po, que nar­ra a his­tó­ria de um pai que tem uma lin­da fi­lha de no­me Tchi­fo­le, mui­to co­bi­ça­da na al­deia de Lun­ge. É que, se­gun­do o jú­ri, a obra, além da sua qua­li­da­de téc­ni­ca e ar­tís­ti­ca, re­tra­ta a for­ma ori­gi­nal, os va­lo­res cul­tu­rais e mo­rais da vi­da so­ci­al do mu­ni­cí­pio do Bai­lun­do (Hu­am­bo). En­tre­tan­to, o di­rec­tor ar­tís­ti­co do gru­po, Agos­ti­nho Kas­so­ma, tem rei­te­ra­do que "a obra é pro­du­to da di­nâ­mi­ca do te­a­tro em Lu­an­da, em que as es­tó­ri­as eram ape­nas ba­se­a­das na re­a­li­da­de lo­cal, daí ter sur­gi­do "a ne­ces­si­da­de de apos­tar em obras de in­ter­ven­ção so­ci­al e de pro­mo­ção dos va­lo­res e cos­tu­mes cul­tu­rais do po­vo an­go­la­no".

A Sa­ka­ne­no João de Deus cou­be o pré­mio na ca­te­go­ria de dan­ça, va­lo­ri­zan­do as­sim a tra­jec­tó­ria de um pro- fes­sor que co­me­çou a en­si­nar dan­ça aos 10 anos, na al­deia em que nas­ceu, no Uí­ge. Em 1978, tro­cou a cal­ma des­sa mes­ma al­deia pe­la agi­ta­ção de Lu­an­da. De acor­do com o jú­ri, Sa­ka­ne­no João de Deus, que já foi di­rec­tor da Aca­de­mia de Dan­ça em 1989, 1990, 2000, 2001, 2002 e 2003, tem le­va­do com al­ma, de­di­ca­ção, hu­mil­da­de, sa­cri ício e com­pe­tên­cia o pro­ces­so de pro is­si­o­na­li­za­ção da arte da dan­ça an­go­la­na. Sa­ka­ne­no João de Deus é uma re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel quan­do se fa­la de dan­ça em An­go­la. Gran­de par­te dos bai­la­ri­nos, ho­je co­nhe­ci­dos, já pas­sou pe­las su­as mãos.

Con­si­de­ra­do "o men­tor e mes­tre do gran­de mo­vi­men­to da clas­se dos gra­vu­ris­tas", António Fe­li­ci­a­no “Ki­dá” con­quis­tou o ga­lar­dão na­ci­o­nal na mo­da­li­da­de de ar­tes vi­su­ais e plás­ti­cas. Ki­dá, que nas­ceu no Ben­go em 1961 e ini­ci­ou a sua for­ma­ção e a car­rei­ra ar­tís­ti­ca em 1980, foi o pi­lar da exposição co­lec­ti­va do Fe­na­cult 2014 que, se­gun­do o jú­ri, tem ins­pi­ra­do a cri­a­ti­vi­da­de da ju­ven­tu­de an­go­la­na nas ar­tes de gra­var e im­pri­mir.

Na mo­da­li­da­de de fes­ti­vi­da­des cul­tu­rais po­pu­la­res, o pré­mio foi atri­buí­do aos Ba­ka­mas de Ca­bin­da, uma ins­ti­tui­ção se­cu­lar, apon­ta­da co­mo um dos gran­des ba­lu­ar­tes da de­fe­sa e pre­ser­va­ção da afro­ca­cia e an­go­la­ni­da­de do po­vo de Ca­bin­da. "Os Ba­ka­mas têm con­se­gui­do ao lon­go dos anos man­ter o seu ca­rác­ter ori­gi­ná­rio, des­de as dan­ças, os ins­tru­men­tos e in­du­men­ta­ri­as, bem co­mo as can­ções fol­cló­ri­cas, mos­tran­do às no­vas ge­ra­ções a ne­ces­si­da­de de pre­ser­va­ção da cul­tu­ra", re­fe­re o jú­ri.

Já na mo­da­li­da­de de Jor­na­lis­mo Cul­tu­ral, o pré­mio foi atri­buí­do ao pro­gra­ma te­le­vi­si­vo da Huí­la "Tu­do e Mais", que ao lon­go de 10 anos de trans­mis­são in­se­re e des­ta­ca ele­men­tos tra­di­ci­o­nais e con­tem­po­râ­ne­os da cul­tu­ra hui­la­na. "O pro­gra­ma ele­va a es­pi­ri­tu­a­li­da­de do po­vo da Huí­la em to­das as su­as ma­tri­zes, cu­ja in­for­ma­ção se ca­rac­te­ri­za co­mo sen­do de in­te­res­se pú­bli­co", re­fe­re o jú­ri.

O pré­mio na ca­te­go­ria de mú­si­ca foi atri­buí­do ao mú­si­co e com­po­si­tor Wal­de­mar dos Santos Alon­so de Al­mei­da Bas­tos, cu­jo no­me e obras in­di­vi­du­ais e co­lec­ti­vas di­ver­si ica­das edi­ta­das têm vin­do a des­ta­car-se no país e na diás­po­ra, ten­do as su­as com­po­si­ções e in­ter­pre­ta­ções in­ci­di­do so­bre a mú­si­ca re­vo­lu­ci­o­ná­ria, po­pu­lar ur­ba­na e clás­si­ca de di­men­são na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, ten­do-lhe si­do ou­tor­ga­do um pré­mio in­ter­na­ci­o­nal em se­gun­do lu­gar no In­ter­na­ti­o­nal Song Wri­ting Com­pe­ti­ti­on. E a re­ac­ção do ar­tis­ta não se fez es­pe­rar. Nu­ma re­de so­ci­al, Wal­de­mar Bas­tos, que se en­con­tra nos EUA em es­pec­tá­cu­los, re­ve­lou a sua gra­ti­dão pe­lo pré­mio, agra­de­cen­do a to­dos. "Com amor e gra­ti­dão re­ce­bo es­ta dis­tin­ção que é de to­dos an­go­la­nos e de to­das as pes­so­as aman­tes da mú­si­ca e da cul­tu­ra dos po­vos", es­cre­veu, re­ve­lan­do que em bre­ve es­ta­rá em Lu­an­da, Ben­gue­la e Lu­ban­go a can­tar o seu te­ma "Mun­guE­no", bas­tan­te apre­ci­a­do no úl­ti­mo es­pec­tá­cu­lo que deu nos EUA.

Con­fe­rên­cia de im­pren­sa pa­ra o anún­cio dos ga­lar­do­a­dos com o Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Arte des­te ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.