Ja­ka Jam­ba e as di­tas “lín­guas na­ci­o­nais”

Jornal Cultura - - Primeira Página - FI­LI­PE ZAU*

Não se es­go­ta o dis­cur­so à vol­ta da qua­li­da­de das apren­di­za­gens, sem que, ao ní­vel mi­cro­so­ci­o­ló­gi­co, se es­ta­be­le­ça um de­ba­te cons­tru­ti­vo so­bre a qua­li­da­de co­mu­ni­ca­ci­o­nal do diá­lo­go pe­da­gó­gi­co, es­tan­do o mes­mo de­pen­den­te da de ini­ção de uma po­lí­ti­ca lin­guís­ti­ca co­e­ren­te, a ser es­ta­be­le­ci­da pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal, que não sub­va­lo­ri­ze a exis­tên­cia de uma so­ci­e­da­de mul­ti­cul­tu­ral e plu­ri­lin­gue.

A bem da ver­da­de, a lín­gua por­tu­gue­sa, co­mo lín­gua o ici­al e de es­co­la­ri­da­de, não co­o­pe­ra com as ou­tras lín­guas de con­ví­vio, no­me­a­da­men­te, com as ma­ter­nas de ori­gem afri­ca­na. To­da­via, no con­tex­to da pro­tec­ção do acervo lin­guís­ti­co e de uma edu­ca­ção in­ter­cul­tu­ral di­rec­ci­o­na­da pa­ra a paz, bem co­mo pa­ra o es­ta­be­le­ci­men­to de uma re­la­ção di­a­léc­ti­ca en­tre a es­co­la e a co­mu­ni­da­de, en­tre a es­co­la e a fa­mí­lia, tal se faz ne­ces­sá­rio. Di­zia o fa­le­ci­do Prof. Cel­so Cu­nha, gra­má­ti­co, iló­lo­go e en­saís­ta bra­si­lei­ro, que “a es­tag­na­ção é a mor­te do idi­o­ma. A his­tó­ria de uma lín­gua é jus­ta­men­te a his­tó­ria das su­as ino­va­ções.”

No dia 23 de Ju­nho de 1998, em Lis­boa, mais pre­ci­sa­men­te, na an­ti­ga se­de da CPLP, ti­ve a opor­tu­ni­da­de de en­tre­vis­tar, pa­ra a mi­nha dis­ser­ta­ção de mes­tra­do, o Dr. Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba, à épo­ca, mem­bro da Co­mis­são Di­rec­ti­va da UNITA, De­pu­ta­do da As­sem­bleia Na­ci­o­nal e, mais tar­de, Em­bai­xa­dor do An­go­la na UNESCO. A ques­tão em jo­go que mo­ti­vou a re­a­li­za­ção des­ta en­tre­vis­ta,re­la­ci­o­nou-se com a in­clu­são (ou não), das cha­ma­das “lín­guas na­ci­o­nais” afri­ca­nas no sis­te­ma de edu­ca­ção e en­si­no an­go­la­no. Pas­se­mos en­tão à sua res­pos­ta e a de­mais con­si­de­ra­ções, tal co­mo cons­ta na pu­bli­ca­ção da mi­nha dis­ser­ta­ção de mes­tra­do, pu­bli­ca­da sob o tí­tu­lo: “An­go­la: Tri­lhos pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to” e edi­ta­da, em Lis­boa, pe­la Uni­ver­si­da­de Aber­ta:

«(...) O de­ba­te da pro­ble­má­ti­ca de se pre­ser­var, de se va­lo­ri­zar o património lin­guís­ti­co afri­ca­no em An­go­la e até mes­mo, tal­vez, va­mos ao pon­to de não pen­sar­mos só na pre­ser­va­ção e na va­lo­ri­za­ção... eu di­rei mes­mo, que ago­ra lu­ta­mos pa­ra con­fe­rir um Es­ta­tu­to às nos­sas Lín­guas. Há uma ter­mi­no­lo­gia bas­tan­te con­sa­gra­da às di­tas “Lín­guas Na­ci­o­nais”. Mas a inal, a se­rem “Na­ci­o­nais” que Es­ta­tu­to têm? Eu pen­so, que es­ta pro­ble­má­ti­ca po­de ser abor­da­da a vá­ri­os ní­veis. Na­tu­ral­men­te aqui há pre­o­cu­pa­ções mais vol­ta­das pa­ra o Sec­tor da For­ma­ção, da Edu­ca­ção... mas há ain­da uma di­men­são, di­re­mos mes­mo, que já le­van­ta ques­tões da nos­sa pró­pria so­be­ra­nia. Que Lín­guas é que os An­go­la­nos fa­lam? Que Es­ta­tu­to é que têm? O que é que con­fe­re à Lín­gua Por­tu­gue­sa, que nós her­da­mos da co­lo­ni­za­ção e que na­tu­ral­men­te icou em An­go­la... por­tan­to, por­que não con­fe­rir tam­bém, a al­gu­mas lín­guas de gran­de co­mu­ni­ca­ção em An­go­la o Es­ta­tu­to de Lín­guas O ici­ais? E a se­rem tam­bém o ici­ais, en­tão qu­ais são as atri­bui­ções es­pe­cí icas que vão ter, pa­ra se tor­na­rem mes­mo o ici­ais? Eu di­rei que, no meu en­ten­der, o de­ba­te ain­da me­re­ce­rá ser apro­fun­da­do. É ver­da­de que pa­ra pro­ble­mas tão es­tra­té­gi­cos co­mo é o ca­so da lín­gua..., não nos es­que­ça­mos, que há his­to­ri­a­do­res, que sus­ten­tam que da gran­de ci­vi­li­za­ção ban­tu, as gran­des re­lí­qui­as que ica­ram: icou o tam­bor... Fi­cou a te­a­tra­li­za­ção da dan­ça e ica­ram as nos­sas Lín­guas. E quan­do se tra­ta de Lín­guas Afri­ca­nas, em An­go­la, mor­men­te as lín­guas Ban­tu, são as lín­guas que, se­gun­do o es­tu­do fei­to pe­la UNESCO so­bre lín­guas ame­a­ça­das no Mun­do, as nos­sas tam­bém se en­con­tram in­cluí­das. Eles con­si­de­ram-nas lín­guas au­tó­no­mas em­bo­ra sem gran­de ex­pan­são. Ora, daí sur­ge es­ta pre­o­cu­pa­ção, de con­fe­rir­mos, se­ri­a­men­te, um Es­ta­tu­to le­gal às Lín­guas. As de­cla­ra­ções de in­ten­ções no dis­cur­so po­lí­ti­co, de pre­ser­va­ção e de va­lo­ri­za­ção, nós ica­mos mui­to agra­de­ci­dos, mas pen­sa­mos que is­so só não bas­ta por­que, mes­mo pa­ra des­co­lo­ni­zar­mos o an­go­la­no em ter­mos de com­ple­xo lin­guís­ti­co, ain­da se pas­sa, ne­ces­sa­ri­a­men­te, pe­lo Es­ta­tu­to a ser con­fe­ri­do às nos­sas “Lín­guas Na­ci­o­nais”. E di­re­mos que em ter­mos de de­fe­sa das Lín­guas, mui­tas ve­zes há cor­ren­tes que co­no­tam a de­fe­sa des­sas Lín­guas Afri­ca­nas com um cer­to chau­vi­nis­mo, ou­tros até com uma cer­ta in­ge­nui­da­de – a ir­man­do que são lín­guas que à pri­mei­ra vis­ta pa­re­cem não cri­a­rem pon­tes pa­ra o mun­do mo­der­no – mor­men­te faz-se a glo­ba­li­za­ção cres­cen­te, le­van­do al­guns a fa­la­rem de for­ma iró­ni­ca do tal in­glês que é vei­cu­la­do pe­la In­ter­net..., mas nós pen­sa­mos que num Mun­do on­de de fac­to exis­te a glo­ba­li­za­ção, tem de ha­ver ne­ces­sa­ri­a­men­te es­pa­ço pa­ra a a ir­ma­ção das nos­sas iden­ti­da­des na­ci­o­nais. E as Lín­guas são de fac­to, no nos­so ca­so, so­bre­tu­do, uma das re­lí­qui­as que de­ve­rá me­re­cer, não só a pre­ser­va­ção, não só a va­lo­ri­za­ção, mas con­fe­rir-lhes um Es­ta­tu­to le­gal, pa­ra po­de­rem ser in­se­ri­das no en­si­no. E quan­do fa­la­mos no en­si­no: pri­mei­ro, te­rá que ha­ver um de­ba­te am­plo a ní­vel na­ci­o­nal, pa­ra con­sa­grar es­se Es­ta­tu­to de le­ga­li­da­de... eu até iria mais lon­ge... não pre­ten­den­do tal­vez imi­tar o exem­plo sul-afri­ca­no ... mas é na nos­sa Cons­ti­tui­ção, jun­to dos sím- bo­los na­ci­o­nais, que a ques­tão das Lín­guas de­via ser con­sa­gra­da, pa­ra de­pois pas­sar­mos já, a um de­ba­te de pe­da­go­gos, so­ció­lo­gos, edu­ca­do­res..., no sen­ti­do de ver­mos en­tão, co­mo é que nós va­mos in­se­rir no en­si­no e co­mo é que va­mos nu­ma cer­ta me­di­da, ba­lan­çar e equi­li­brar me­lhor a ques­tão do en­si­no do Por­tu­guês, de um la­do e, do ou­tro la­do, das “Lín­guas Na­ci­o­nais” afri­ca­nas.Ain­da nes­te de­ba­te tí­nha­mos ain­da de ver, co­mo é que, num país mul­ti­cul­tu­ral e mul­ti­lín­gue, va­mos abor­dar a ques­tão, que lín­guas de­ve­rão ser en­si­na­das e pa­ra que cri­an­ças? Pa­ra dar um exem­plo prá­ti­co, eu par­ti­ci­pei de uma ex­pe­ri­ên­cia-pi­lo­to no Ku­an­do Ku­ban­go, on­de se ti­nha le­van­ta­do mui­to se­ri­a­men­te, a ques­tão da in­ser­ção das lín­guas afri­ca­nas na es­co­la..., mas nós ti­ve­mos al­gu­mas áre­as on­de ha­via dois, três, qu­a­tro gru­pos et­no­lin­guís­ti­cos pre­sen­tes (…)».

Em­bo­ra o en­tre­vis­ta­do não o te­nha a ir­ma­do, de­pre­en­de-se que es­ta ex­pe­ri­ên­cia pi­lo­to te­nha si­do efec­tu­a­da na Jam­ba, ex-Quar­tel Ge­ne­ral da UNITA, an­tes da re­a­li­za­ção das pri­mei­ras elei­ções li­vres e de­mo­crá­ti­cas re­a­li­za­das em An­go­la, em 1992.

«(…) E a po­lí­ti­ca que que­ría­mos adop­tar nes­sa ex­pe­ri­ên­cia-pi­lo­to, as­sen­ta­va na obri­ga­to­ri­e­da­de de apren­di­za­gem de, pe­lo me­nos, uma lín­gua afri­ca­na. A con­se­lho dos pais, o alu­no era ori­en­ta­do pa­ra uma das lín­guas mas, quan­do hou­ves­se mais de cin­co ou seis amos­tras de cri­an­ças ori­gi­ná­ri­as de di­ver­sos gru­pos et­no­lin­guís­ti­cos, de­via de ha­ver no mí­ni­mo três, a se­rem se­lec­ci­o­na­das em fun­ção da per­cen­ta­gem da ori­gem et­no­lin­guís­ti­ca dos alu­nos. O que quer di­zer, se ti­ver­mos nu­ma área, on­de exis­ta o Kim­bun­du, o Um­bun­du, o Ngan­gue­la, o Cokwe, o Ku­anya­ma… de­vía­mos es­co­lher só três e ha­ver op­ção pa­ra es­sas três, de acor­do com a ori­en­ta­ção dos pais. Le­van­ta-se tam­bém a ques­tão, com que lín­gua co­me­çar? Há a ques­tão dos al­fa­be­tos. Por um la­do te­mos o al­fa­be­to la­ti­no, por ou­tro la­do te­mos o al­fa­be­to ban­tu com to­da a pro­ble­má­ti­ca de dí­gra­fos, etc., etc... En­tão é pre­ci­so ver com que al­fa­be­to e com que lín­gua ma­ter­na co­me­çar. Tan­to uma co­mo ou­tra dão pa­ra o co­me­ço, só que não po­de ha­ver co­li­são. Por­tan­to, de acor­do com a ex­pe­ri­ên­cia que ti­ve­mos, só de­pois do ter­cei­ro ano de es­co­la­ri­da­de, a con­so­li­dar-se o al­fa­be­to em Lín­gua Por­tu­gue­sa, é que pas­sa­mos a dar a Lín­gua Afri­ca­na, já com uma van­ta­gem. Co­mo a ba­se al­fa­bé­ti­ca de prin­cí­pio é qu­a­se a mes­ma, en­tão era só os acrés­ci­mos e tam­bém com a con­tri­bui­ção dos pro­fes­so­res mais apro­pri­a­dos pa­ra pre­ser­var o acen­to, por­que pa­ra se es­tu­dar uma lín­gua tem que se ob­ser­va­da a sua fo­né­ti­ca, fo­no­lo­gia, etc. De ma­nei­ra que, co­mo pri­mei­ra apro­xi­ma­ção des­ta pro­ble­má­ti­ca, eu que­ria sin­te­ti­zar o meu pen­sa­men­to: De­ve­mos ul­tra­pas­sar o de­ba­te de pre­ser­var e de va­lo­ri­zar as lín­guas. Mas sim, de pug­nar­mos e con­su­mar­mos o Es­ta­tu­to le­gal pa­ra es­tas lín­guas. Es­ta pro­ble­má­ti­ca de­ve ser am­pla­men­te de­ba­ti­da a ní­vel na­ci­o­nal, por­que en­vol­ve to­das as sen­si­bi­li­da­des e, pa­ra qual­quer pro­gra­ma des­te pe­so, a não en­vol­ver as par­tes re­pre­sen­ta­ti­vas, são pro­gra­mas que es­tão con­de­na­dos ao fra­cas­so, quer se­ja pa­ra um ob­jec­ti­vo de en­si­no, quer se­ja pa­ra um ob­jec­ti­vo dos mé­dia, quer se­ja pa­ra um ob­jec­ti­vo po­lí­ti­co, quer se­ja pa­ra um ob­jec­ti­vo, no fun­do, do de­sen­vol­vi­men­to, por­que nós não po­de­mos cri­ar pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to nos nos­sos paí­ses [afri­ca­nos], se nós não con­se­guir­mos trans­mi­tir, àque­les que exe­cu­tam es­ses pro­jec­tos,

Al­me­rin­do Ja­ka Jam­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.