Com ad­mis­são de Cor­né­lio Ca­ley, Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras ga­nha um ar­gu­to e pers­pi­caz in­te­lec­tu­al

Jornal Cultura - - Letras -

BO­A­VEN­TU­RA CAR­DO­SO

Pe­la se­gun­da vez des­de a sua Pro­cla­ma­ção em Se­tem­bro de 2016, a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras re­a­li­za a ce­ri­mó­nia de ad­mis­são de Mem­bros Efec­ti­vos. En­tre­tan­to, pas­sa­do um ano, a Aca­de­mia per­deu um dos seus mais lí­di­mos mem­bros: o aca­dé­mi­co Ja­ka Jam­ba, an­te cu­ja me­mó­ria nos in­cli­na­mos com a de­vi­da re­ve­rên­cia.

Ho­je, por ra­zões que nos es­ca­pam, te­re­mos ape­nas um can­di­da­to nes­ta ce­ri­mó­nia, o es­cri­tor Ti­mó­teo Uli­ka, co­mo é co­nhe­ci­do o aca­dé­mi­co Cor­né­lio Ca­ley, a qu­em fe­li­ci­to des­ta tri­bu­na. Com a sua ad­mis­são no nos­so seio, a Aca­de­mia ga­nha um ar­gu­to e pers­pi­caz in­te­lec­tu­al, aten­to aos de­sa ios que a di­nâ­mi­ca da nos­sa so­ci­e­da­de a to­dos con­vo­ca.

Aos can­di­da­tos não elei­tos au­gu­ra­mos su­ces­sos nos seus em­pre­en­di­men­tos e que não de­sis­tam de, nu­ma pró­xi­ma opor­tu­ni­da­de, vol­ta­rem a can­di­da­tar-se.

Com a re­a­li­za­ção no pre­té­ri­to dia 9 da Me­sa Re­don­da so­bre o Acor­do Or­to­grá ico da Lín­gua Por­tu­gue­sa e a De­cla­ra­ção que se emi­tiu a pro­pó­si­to, a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, fa­zen­do jus ao que é o pa­pel das aca­de­mi­as, pro­nun­ci­ou-se so­bre um as­sun­to de gran­de im­por­tân­cia pa­ra o país.

Au­gu­ra­mos que, na sen­da do que pro­ce­dem as aca­de­mi­as con­gé­ne­res, por um la­do, e, por ou­tro, cor­res­pon­den­do ao que vem plas­ma­do no seu Ma­ni­fes­to, a Aca­de­mia re lic­ta e to­me po­si­ção so­bre os pro­ble­mas que pre­o­cu­pam os an­go­la­nos, que se as­su­ma sem­pre co­mo "um es­pa­ço de diá­lo­go in­ter­dis­ci­pli­nar, mul­ti­dis­ci­pli­nar e trans­dis­ci­pli­nar, de cri­a­ti­vi­da­de li­te­rá­ria e cul­tu­ral".

A par da ques­tão do Acor­do Or­to­grá ico im­põe-se que, na me­lhor opor- tu­ni­da­de, a Aca­de­mia se de­bru­ce so­bre a pro­ble­má­ti­ca da Lín­gua Por­tu­gue­sa em An­go­la, tó­pi­co que foi a lo­ra­do aquan­do da re­a­li­za­ção da já alu­di­da Me­sa Rdon­da. Acha­mos que só es­tu­dos sis­té­mi­cos po­de­rão res­pon­der à per­gun­ta so­bre se exis­te já uma ou mais va­ri­an­tes da Lín­gua Por­tu­gue­sa em An­go­la e qu­ais os seus tra­ços fun­da­men­tais. De qual­quer mo­do, pen­sa­mos que na aná­li­se des­sa ques­tão te­rá que se ter em con­ta as­pec­tos não só de na­tu­re­za lin­guís­ti­ca, co­mo tam­bém his­tó­ri­ca e cul­tu­ral. Es­ta­mos cer­tos de que a dis­cus­são des­se tó­pi­co não de­ve- rá fa­zer-se sem que se con­si­de­re que a Lín­gua Por­tu­gue­sa em An­go­la co­e­xis­te com as Lín­guas Na­ci­o­nais, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te de raiz ban­tu e que des­se fac­to re­sul­tam in luên­ci­as re­cí­pro­cas.

A Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, atra­vés dos seus mem­bros, es­cri­to­res e ci­en­tis­tas so­ci­ais, es­tá aten­ta ao mo­men­to ac­tu­al que se vi­ve no país, par­ti­cu­lar­men­te às mu­dan­ças, trans­for­ma­ções e fe­nó­me­nos que ocor­rem na nos­sa so­ci­e­da­de. Pres­sen­te-se que o país se abra ago­ra à aná­li­se com mais pers­pec­ti­vas. Não há, por is­so, co­mo se man­ter in­di­fe­ren­te à di­nâ­mi­ca fre- men­te da so­ci­e­da­de; aliás, na vi­da não se po­de ser to­tal­men­te neu­tro. A ir­man­do-se co­mo "um es­pa­ço es­sen­ci­al de li­ber­da­de e de res­pon­sa­bi­li­da­de cul­tu­ral e so­ci­al dos es­cri­to­res e ci­en­tis­tas so­ci­ais an­go­la­nos", a Aca­de­mia pre­ten­de ter um pa­pel in­ter­ven­ti­vo no qua­dro dos ob­jec­ti­vos de ini­dos no seu Es­ta­tu­to.

(Adap­ta­ção do dis­cur­so do Pre­si­den­te da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras,

Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so, na ce­ri­mó­nia de ad­mis­são de mem­bros efec­ti­vos,

no dia 29 de Ou­tu­bro de 2018, no Me­mo­ri­al António Agos­ti­nho Ne­to)

Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so fe­li­ci­ta Cor­né­lio Ca­ley

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.