Pro­ces­so de ad­ju­di­ca­ção de par­ce­las con­ti­nua aber­to ao pú­bli­co de­pois de o Es­ta­do ter fei­to a sua par­te

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

Nos úl­ti­mos anos, a pro­vín­cia viu sur­gir no­vas plan­ta­ções ao lon­go das mar­gens dos ri­os Cu­an­za e Lu­ca­la. É aqui, a seis qui­ló­me­tros da ci­da­de do Don­do, se­de do mu­ni­cí­pio de Cam­bam­be, on­de es­tá lo­ca­li­za­do o pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do do Mu­co­so, um im­po­nen­te com­ple­xo agrá­rio com tec­no­lo­gia de pon­ta, des­ti­na­do à pro­du­ção de hor­to­fru­tí­co­las, com des­ta­que pa­ra os ci­tri­nos.

Con­tra­ri­a­men­te a ou­tros pro­jec­tos do gé­ne­ro que re­ser­vam mai­o­res par­ce­las pa­ra a pro­du­ção de ou­tras cul­tu­ras, o pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do do Mu­co­so tem a mai­or par­te da su­per­fí­cie des­ti­na­da ao cul­ti­vo de la­ran­ja, li­mão, tan­ge­ri­na e to­ran­ja. É es­ta par­ti­cu­la­ri­da­de que o dis­tin­gue dos demais.

Das 160 par­ce­las de três hec­ta­res ca­da em que es­tá di­vi­di­do o pe­rí­me­tro agrí­co­la de 500 hec­ta­res, 54 são des­ti­na­das à pro­du­ção de ci­tri­nos, 36 pa­ra man­gas, igual por­ção pa­ra ana­nás e 34 pa­ra os hor­tí­co­las.

A se­lec­ção das cul­tu­ras te­ve em con­ta a qua­li­da­de dos so­los e do cli­ma da pro­vín­cia, mas tam­bém à ne­ces­si­da­de de ti­rar mai­or pro­vei­to dos seus abun­dan­tes re­cur­sos hí­dri­cos, diz Wal­ter Dem­ba, co­or­de­na­dor do Nú­cleo de Ges­tão do Pe­rí­me­tro Ir­ri­ga­do do Mu­co­so.

A fazenda, que em 2010 be­ne­fi­ci­ou de um in­ves­ti­men­to pú­bli­co en­tão ava­li­a­do em 1,3 mil mi­lhões de kwan­zas, o equi­va­len­te na al­tu­ra a 12,5 mi­lhões de dó­la­res, foi re­a­bi­li­ta­da no in­tui­to de au­men­tar a pro­du­ção agrí­co­la na re­gião, atrair in­ves­ti­do­res e ge­rar em­pre­gos pa­ra a co­mu­ni­da­de en­vol­ven­te e não só.

Se do pon­to de vis­ta das me­tas pre­co­ni­za­das a fazenda ain­da es­tá em fa­se in­ci­pi­en­te, a ver­da­de é que, um ano de­pois da sua inau­gu­ra­ção, é já um pó­lo de atrac­ção pa­ra qu­em vai à co­mu­na de Mas­san­ga­no, pas­san­do pe­lo Cen­tro de Lar­vi­cul­tu­ra de Ti­lá­pia, ou­tro em­pre­en­di­men­to cri­a­do com fun­dos pú­bli­cos, se­pa­ra­dos por dois qui­ló­me­tros ape­nas.

O ver­de das la­ran­jei­ras, dos li­mo­ei­ros, das tan­ge­ri­nei­ras ou da al­fa­ce, a par­tir das fi­lei­ras on­de são or­dei­ra­men­te plan­ta­das, é re­ve­la­dor dos cui­da­dos téc­ni­cos que en­vol­vem o pro­ces­so de pro­du­ção. A com­po­nen­te tec­no­ló­gi­ca tam­bém chama a aten­ção de qu­em vi­si­ta a fazenda pe­la pri­mei­ra vez. Lo­go à en­tra­da, a es­cas­sos me­tros do rio Cu­an­za, des­pon­ta um sis­te­ma de cap­ta­ção, bom­be­a­men­to e dis­tri­bui­ção de água, com qua­tro bom­bas de 90 kw, que con­du­zem a água a dois re­ser­va­tó­ri­os com ca­pa­ci­da­de pa­ra 1.500 m3 ca­da. To­do o pro­ces­so de ir­ri­ga­ção co­me­ça aqui, mas es­sa é ape­nas a par­te vi­sí­vel do sis­te­ma, que in­clui uma ex­ten­sa re­de de ca­na­li­za­ção sub­ter­râ­nea que con­duz a água de baixo pa­ra ci­ma até ao pé da plan­ta, num sis­te­ma de re­ga “in­te­li­gen­te” go­ta a go­ta, que for­ne­ce igual quan­ti­da­de do lí­qui­do a ca­da ár­vo­re.

En­tre o cen­tro de cap­ta­ção de água e as par­ce­las des­ti­na­das ao cul­ti­vo, so­bres­sai um com­ple­xo de frio, com du­as câ­ma­ras de con­ser­va­ção e uma de con­ge­la­ção, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 780 m3 ca­da. Daí é pos­sí­vel di­vi­sar uma es­tu­fa pa­ra a mul­ti­pli­ca­ção de plan­tas.

Uma zo­na re­si­den­ci­al com oi­to ca­sas, um es­cri­tó­rio, um jan­go pa­ra re­fei­ções dos tra­ba­lha­do­res e um par­que de má­qui­nas com­ple­tam o ce­ná­rio. Mas o pro­jec­to de re­a­bi­li­ta­ção abran­geu ain­da o me­lho­ra­men­to de 22 qui­ló­me­tros de es­tra­das cir­cun­dan­tes, que fa­ci­li­tam a cir­cu­la­ção de pes­so­as e má­qui­nas.

Um ano de­pois de ser inau­gu­ra­do e en­tre­gue à ges­tão da So­ci­e­da­de de De­sen­vol­vi­men­to de Pe­rí­me­tros Ir­ri­ga­dos (SOPIR), a mai­or par­te do pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do ain­da es­tá por ocu­par. Das 160 par­ce­las dis­po­ní­veis pou­co mais de 40 es­tão a ser ex­plo­ra­das.

Fe­li­ci­a­no San­dam­bon­go, che­fe da sec­ção de Re­cur­sos Hu­ma­nos, on­de são as­si­na­dos os con­tra­tos de con­ces­são de par­ce­las, re­ve­la que o pro­ces­so es­tá in­ter­rom­pi­do por fal­ta de plan­tas, que, no ar­ran­que do pro­jec­to, eram mai­o­ri­ta­ri­a­men­te im­por­ta­das do Bra­sil.

O Jor­nal de An­go­la apu­rou que a ade­são pas­sa pe­la as­si­na­tu­ra de um con­tra­to, com a du­ra­ção de 20 anos, que obri­ga os ges­to­res do em­pre­en­di­men­to a pro­ce­de­rem à ins­ta­la­ção do sis­te­ma de re­ga e plan­tio das es­pé­ci­es pre­vi­a­men­te acor­da­das. No ar­ran­que do pro­jec­to, o con­tra­to de ade­são ron­da­va aos 700 mil kwan­zas, mas de­vi­do à in­fla­ção, o va­lor tem vin­do a ser re­vis­to pe­ri­o­di­ca­men­te.

Wal­ter Dem­ba, co­or­de­na­dor do Pe­rí­me­tro Ir­ri­ga­do do Mu­co­so, ga­ran­te que o pro­jec­to é sus­ten­tá­vel e que mes­mo nas ac­tu­ais con­di­ções con­se­gue su­prir par­te das su­as ne­ces­si­da­des, atra­vés das re­cei­tas re­sul­tan­tes dos ser­vi­ços que pres­ta aos pro­du­to­res. Além dos va­lo­res do con­tra­to, os de­ten­to­res das par­ce­las pa­gam uma ta­xa anu­al de be­ne­fi­ci­a­ção de ter­ra e ou­tra men­sal de con­su­mo de água, mais a as­sis­tên­cia téc­ni­ca de que pos­sam vir a ne­ces­si­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.