Agir em de­fe­sa da cri­an­ça

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Há no país mui­tas cri­an­ças que são obri­ga­das a tra­ba­lhar pa­ra sus­ten­tar as su­as fa­mí­li­as. Quan­do se tra­ta de tra­ba­lho de me­no­res, nun­ca é demais a de­nún­cia de ca­sos de ex­plo­ra­ção de cri­an­ças, so­bre­tu­do no nos­so país.

É sa­bi­do que pes­so­as co­lec­ti­vas e sin­gu­la­res re­cru­tam cri­an­ças pa­ra tra­ba­lhar pa­ra elas, mui­tas ve­zes em vi­o­la­ção da nos­sa le­gis­la­ção la­bo­ral. Há en­ti­da­des em­pre­ga­do­ras que se apro­vei­tam da si­tu­a­ção de ca­rên­cia de mui­tas cri­an­ças pa­ra pô-las a tra­ba­lhar em con­di­ções de­gra­dan­tes. Têm de se apri­mo­rar os me­ca­nis­mos de fis­ca­li­za­ção das em­pre­sas que exis­tem no país, a fim de se po­de­rem de­tec­tar ca­sos de ex­plo­ra­ção e dis­cri­mi­na­ção de me­no­res.

As cri­an­ças têm de es­tar per­ma­nen­te­men­te no cen­tro das pre­o­cu­pa­ções de todos, em par­ti­cu­lar das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do que es­tão en­car­re­ga­das de as pro­te­ger. Não po­de­mos fi­car des­can­sa­dos en­quan­to hou­ver ain­da cri­an­ças a so­frer em qual­quer pon­to do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. As en­ti­da­des com­pe­ten­tes que têm de ve­lar pe­la se­gu­ran­ça e bem-es­tar da cri­an­ça de­vem pro­cu­rar en­con­trar sem­pre as me­lho­res so­lu­ções pa­ra evi­tar que ha­ja no país si­tu­a­ções de maus tra­tos con­tra as cri­an­ças .

É ne­ces­sá­rio to­mar me­di­das pa­ra que ha­ja uma fis­ca­li­za­ção mais efi­ci­en­te, a fim de se res­ga­ta­rem cri­an­ças de si­tu­a­ções que pos­sam pôr em pe­ri­go as su­as vi­das. Pe­la cri­an­ça tudo de­ve ser fei­to, não de­ven­do ha­ver to­le­rân­cia em re­la­ção a em­pre­ga­do­res que vi­o­lam as nos­sas leis la­bo­rais. As nos­sas cri­an­ças não de­vem fi­car des­pro­te­gi­das. De­ve-se agir ime­di­a­ta­men­te ali on­de hou­ver ex­plo­ra­ção, opres­são e dis­cri­mi­na­ção das nos­sas cri­an­ças.

Os pro­ble­mas das nos­sas cri­an­ças de­vem ter tra­ta­dos com ur­gên­cia. E de­ve-se in­cen­ti­var os ci­da­dãos a de­nun­ci­ar ca­sos em que ha­ja cri­an­ças sub­me­ti­das a so­fri­men­to in­fli­gi­do por em­pre­sas ou mes­mo por fa­mi­li­a­res de me­no­res. Sa­be-se que mui­tas cri­an­ças são ví­ti­mas de maus tra­tos no seio das su­as pró­pri­as fa­mí­li­as e vi­vem trau­ma­ti­za­das. O fe­nó­me­no das agres­sões con­tra cri­an­ças le­va­das a ca­bo pe­los seus pró­pri­os fa­mi­li­a­res é uma re­a­li­da­de que pre­ci­sa­mos de ul­tra­pas­sar.

É pre­ci­so que as fa­mí­li­as co­la­bo­rem no es­for­ço de pro­tec­ção efec­ti­va das nos­sas cri­an­ças. Nin­guém de­ve dei­xar as nos­sas cri­an­ças des­pro­te­gi­das. Que ha­ja o há­bi­to de se de­nun­ci­ar às en­ti­da­des com­pe­ten­tes ac­tos que aten­tem con­tra os di­rei­tos dos me­no­res, pra­ti­ca­dos no seio fa­mi­li­ar ou fo­ra de­le. É de­ver de to­da a so­ci­e­da­de e do Es­ta­do pro­te­ger as cri­an­ças .

Ma­nu­el Cam­po, vi­ce-go­ver­na­dor pro­vin­ci­al de Ma­lan­ge pa­ra o Sec­tor Po­lí­ti­co e So­ci­al dis­se re­cen­te­men­te , re­fe­rin­do-se ao tra­ba­lho in­fan­til, que “quan­do a so­ci­e­da­de não pro­te­ge a cri­an­ça de tra­ba­lhos for­ça­dos, au­to­ma­ti­ca­men­te es­tá a pri­vá-la de opor­tu­ni­da­des, dos es­tu­dos, pre­ju­di­can­do as­sim o seu de­sen­vol­vi­men­to edu­ca­ci­o­nal.”

Fe­liz­men­te te­mos no país ins­ti­tui­ções vo­ca­ci­o­na­das pa­ra pro­te­ger a cri­an­ça, mas não de­vem ser só es­tas en­ti­da­des a tra­tar da pro­tec­ção de cri­an­ças no nos­so vas­to ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Há pro­ble­mas di­ver­sos re­la­ti­vos à si­tu­a­ção da cri­an­ça an­go­la­na em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, con­vém que a so­ci­e­da­de ci­vil pen­sa em cri­ar es­tru­tu­ras que pos­sam tra­ba­lhar com o Es­ta­do pa­ra que ha­ja uma me­lhor de­fe­sa dos di­rei­tos da cri­an­ça.

A so­ci­e­da­de tem tam­bém a gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de de aju­dar o Es­ta­do a re­sol­ver pro­ble­mas por que pas­sa um seg­men­to vul­ne­rá­vel da nos­sa po­pu­la­ção - as cri­an­ças. Te­mos todos nós de es­tar com­pro­me­ti­dos com a lu­ta con­tra os abu­sos que são pra­ti­ca­dos con­tra as cri­an­ças.

Não de­ve ha­ver tré­guas pa­ra todos os que nos la­res ou fo­ra de­les mal­tra­tam as nos­sas cri­an­ças, sob di­ver­sas for­mas. Qu­em mal­tra­ta as nos­sas cri­an­ças não de­ve fi­car im­pu­ne.

An­go­la é um país em que há leis que de­vem ser es­cru­pu­lo­sa­men­te cum­pri­das. O nos­so país é uma Re­pú­bli­ca ba­se­a­da na dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na. A de­fe­sa da dig­ni­da­de hu­ma­na de­ve ser uma pre­o­cu­pa­ção cons­tan­te do Es­ta­do, não sen­do por aca­so que se cri­a­ram ins­ti­tui­ções pa­ra pro­te­ger es­pe­ci­fi­ca­men­te as cri­an­ças. O prin­cí­pio de de­fe­sa da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na de­ve ser con­cre­ti­za­do sem­pre que es­ti­ver em ris­co, por exem­plo, a vi­da ou a saú­de das cri­an­ças. As cri­an­ças são se­res vul­ne­rá­veis e pre­ci­sam da pro­tec­ção do Es­ta­do e da so­ci­e­da­de, em quais­quer cir­cuns­tân­ci­as. Não po­de­mos to­le­rar que con­ti­nue a ha­ver abu­sos con­tra as cri­an­ças.

Mui­ta coi­sa mu­dou, pa­ra me­lhor , em ter­mos de de­fe­sa das nos­sas cri­an­ças. Mas pre­ci­sa­mos de fa­zer mais. Há ain­da pro­ble­mas gra­ves que afec­tam as nos­sas cri­an­ças , nas zo­nas ur­ba­nas e ru­rais. Que ha­ja sem­pre von­ta­de pa­ra ata­car­mos e su­pe­rar­mos os nos­sos ma­les que têm a ver com a ex­plo­ra­ção e dis­cri­mi­na­ção das nos­sas cri­an­ças .

Tem de ha­ver uma es­trei­ta co­la­bo­ra­ção en­tre o Es­ta­do e or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, a fim de ac­tu­a­rem con­jun­ta­men­te em áre­as que per­mi­tam a neu­tra­li­za­ção rá­pi­da de si­tu­a­ções le­si­vas dos di­rei­tos das cri­an­ças.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.