Te­mer en­fren­ta cam­po mi­na­do

SI­TU­A­ÇÃO NO BRA­SIL

Jornal de Angola - - OPINIÃO - DAMIAN WROCLAVSKY |

Tudo in­di­ca que Mi­chel Te­mer as­su­mi­rá de­fi­ni­ti­va­men­te a pre­si­dên­cia es­ta se­ma­na, se, co­mo in­di­cam as pes­qui­sas, o Senado des­ti­tuir Dil­ma Rous­seff. Mas não é ho­ra de fes­te­jos pa­ra a mai­or eco­no­mia da Amé­ri­ca La­ti­na.

A lon­ga lis­ta de de­sa­fi­os eco­nó­mi­cos, po­lí­ti­cos, so­ci­ais e até ju­di­ci­ais an­te­ci­pam dois anos ár­du­os de go­ver­no, nos quais ele pre­ci­sa­rá oxi­ge­nar uma eco­no­mia em re­ces­são e aten­der às pres­sões da he­te­ro­gé­nea ba­se de par­ti­dos que im­pul­si­o­nou a sua as­cen­são. Tudo sob a som­bra do es­cân­da­lo de cor­rup­ção na Pe­tro­bras.

Aos 75 anos, Te­mer é uma pe­ça per­ma­nen­te no xa­drez do po­der bra­si­lei­ro. Mas a sua po­pu­la­ri­da­de é min­gua­da (em tor­no de 13%) e che­gou ao po­der de for­ma aci­den­tal, sem a le­gi­ti­mi­da­de da­da pe­las ur­nas.

Ho­mem for­te do mai­or par­ti­do do Bra­sil, o PMDB (cen­tro-di­rei­ta), que as­su­miu de for­ma in­te­ri­na o go­ver­no quan­do Dil­ma foi sus­pen­sa do po­der, as­pi­ra fi­car até ao fi­nal de 2018. Pa­ra is­so, cons­truiu o seu go­ver­no com uma equi­pa eco­nó­mi­ca de pres­tí­gio e um ga­bi­ne­te mul­ti­par­ti­dá­rio li­ga­do ao “cen­trão”, gru­po mai­o­ri­tá­rio no Con­gres­so, con­ser­va­dor na po­lí­ti­ca e li­be­ral na eco­no­mia.

E ago­ra es­ta­rá sob pres­são pa­ra cum­prir as ta­re­fas com os sec­to­res que o aju­da­ram a gal­gar es­se pos­to.

“Te­mer é apoi­a­do por sec­to­res con­ser­va­do­res e viu uma opor­tu­ni­da­de de che­gar à Pre­si­dên­cia. Mas ele é um con­ci­li­a­dor e nun­ca de­fen­deu a pri­va­ti­za­ção da Pe­tro­bras ou a ven­da de ter­ras, to­das as idei­as que es­tão apa­re­cen­do ago­ra”, dis­se à AFP Ro­ber­to Re­quião, se­na­dor do PMDB con­trá­rio ao im­pe­a­ch­ment.

“E se não le­var adi­an­te es­se pro­gra­ma ra­di­cal, não irá re­sis­tir às exi­gên­ci­as des­ses gru­pos con­ser­va­do­res. E, se o fi­zer, es­tou­ra­rá ou­tra cri­se”, acres­cen­tou. A frag­men­ta­ção par­ti­dá­ria faz par­te do fe­nó­me­no que fra­gi­li­zou Dil­ma.

Nas su­as pró­pri­as pa­la­vras, o ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Henrique Car­do­so (1995-2002) ne­ces­si­ta­va de três par­ti­dos pa­ra con­se­guir uma mai­o­ria sim­ples e apro­var um pro­jec­to no Con­gres­so. Ela pre­ci­sa­va de 14, um sis­te­ma à bei­ra do par­la­men­ta­ris­mo.

É o mai­or de­sa­fio e a mai­or apos­ta: pas­sar de um mo­de­lo de mai­or in­ter­ven­ção na eco­no­mia pa­ra um viés li­be­ral.

Com o país ru­mo ao seu pri­mei­ro bié­nio em re­ces­são des­de os anos 1930, a equi­pa eco­nó­mi­ca de Henrique Meirelles - che­fe do Ban­co Cen­tral du­ran­te a pre­si­dên­cia de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (2003-2010) - qu­er fre­ar as des­pe­sas, fle­xi­bi­li­zar o mer­ca­do de tra­ba­lho e re­du­zir o cus­to das apo­sen­ta­do­ri­as.

Todos os ca­mi­nhos apon­tam pa­ra o re­tor­no do ri­gor pa­ra res­tau­rar o equi­lí­brio ma­cro­e­co­nó­mi­co. E to­das es­sas ini­ci­a­ti­vas exi­gem emen­das cons­ti­tu­ci­o­nais.

“Ago­ra tem que mos­trar ao que veio”, dis­se Car­los Kawall, eco­no­mis­ta-che­fe do Ban­co Sa­fra e ex­se­cre­tá­rio do Te­sou­ro Na­ci­o­nal.

Com a di­mi­nui­ção de 3,8% do PIB em 2015 e uma con­trac­ção de 3,1% es­ti­ma­da pa­ra es­te ano, o Bra­sil co­me­ça a acor­dar após uma lon­ga le­tar­gia. O de­sem­pre­go mar­cou um re­cor­de de 11,3% em Ju­nho, a in­fla­ção é de 8,74% e o dé­fi­cit pri­má­rio equi­va­le a 2,51% do PIB. “O ní­vel de gas­to pú­bli­co é in­sus­ten­tá­vel e não há op­ções pa­ra re­sol­vê-lo sem re­for­mar. A cha­ve ho­je é o ajus­te es­tru­tu­ral. Se não o con­se­guir, en­tra­re­mos nu­ma cri­se mais pro­fun­da”, acres­cen­tou Kawall.

Te­mer re­pre­sen­ta o po­der do “es­ta­blish­ment” e o PT de Dil­ma en­car­na­va a ideia de mu­dan­ça.

Ago­ra, o PT apos­ta num re­nas­cer dos mo­vi­men­tos so­ci­ais, que du­ran­te mais de 13 anos se be­ne­fi­ci­a­ram com a am­pla agen­da de di­rei­tos e pro­gra­mas co­mo o Bol­sa Fa­mí­lia.

“O ajus­te fa­rá per­der fun­dos dos mo­vi­men­tos so­ci­ais, que du­ran­te os go­ver­nos do PT fo­ram pró­xi­mos, fi­ca­ram mui­to li­ga­dos ao po­der e ago­ra po­dem re­or­ga­ni­zer­se”, dis­se Luiz Al­ber­to de Sou­za, so­ció­lo­go da Uni­ver­si­da­de Cân­di­do Men­des, no Rio de Ja­nei­ro.

“Os sin­di­ca­tos co­lo­ca­rão em mo­vi­men­to as re­for­mas”, apon­tou Kawall.

A cor­rup­ção na Pe­tro­bras, um es­que­ma em­pre­sa­ri­al e po­lí­ti­co que des­vi­ou bi­liões de dó­la­res da pe­tro­lí­fe­ra, não pou­pou nem o go­ver­no in­te­ri­no.

No seu pri­mei­ro mês de go­ver­no, Te­mer per­deu três mi­nis­tros, atin­gi­dos pe­lo Pe­tro­lão, e seu no­me foi men­ci­o­na­do em de­cla­ções fei­tas por acu­sa­dos que bus­cam uma re­du­ção das su­as pe­nas.

Te­mer ne­gou as acusações e não es­tá sen­do in­ves­ti­ga­do. Mas o ca­so foi a ban­dei­ra das ma­ni­fes­ta­ções que apoi­a­ram o im­pe­a­ch­ment.

Ele tam­bém en­fren­ta uma in­ves­ti­ga­ção do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral so­bre su­pos­to fi­nan­ci­a­men­to ile­gal du­ran­te a cam­pa­nha que in­te­grou com Dil­ma.

As for­ças do go­ver­no lí­bio de uni­da­de na­ci­o­nal (GNA) lan­ça­ram on­tem “a úl­ti­ma fa­se” da ofen­si­va con­tra as po­si­ções ain­da con­tro­la­das pe­lo gru­po ex­tre­mis­ta Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) no seu re­du­to em Sir­te, nor­te da Lí­bia.

Cer­ca de mil sol­da­dos fo­ram mo­bi­li­za­dos pa­ra ex­pul­sar to­tal­men­te os ex­tre­mis­tas que re­sis­tem nos bair­ros da ci­da­de cos­tei­ra, em gran­de par­te re­to­ma­da pe­las for­ças do GNA des­de o iní­cio do ve­rão. Nes­te do­min­go, 18 mem­bros das for­ças do GNA fo­ram aba­ti­dos pe­lo EI, e ao me­nos 120 fi­ca­ram fe­ri­dos.

“As nos­sas for­ças en­tra­ram nos dois úl­ti­mos bair­ros do Da­esh (acró­ni­mo ára­be do gru­po EI) em Sir­te”, anun­ci­ou à AFP Re­da Is­sa, por­ta-voz das for­ças pró-go­ver­no. “A úl­ti­ma ba­ta­lha de Sir­te co­me­çou”, afir­mou.

A re­con­quis­ta to­tal da ci­da­de, si­tu­a­da 450 qui­ló­me­tros a les­te de Trí­po­li, se­ria um gran­de re­vés pa­ra o EI, que to­mou o con­tro­le da lo­ca­li­da­de em Ju­nho de 2015, des­de on­de li­de­rou a sua ex­pan­são pa­ra fo­ra da Sí­ria e do Ira­que.

As for­ças pró-go­ver­no, for­ma­das prin­ci­pal­men­te por ex-re­bel­des que re­jei­ta­ram en­tre­gar as ar­mas após a re­vol­ta de 2011, lan­ça­ram uma ofen­si­va em 12 de Maio. En­tra­ram em 9 de Ju­nho na ci­da­de, lu­gar de nas­ci­men­to de Mu­am­mar Ka­da­fi, on­de to­ma­ram o con­tro­le do por­to e do cen­tro ad­mi­nis­tra­ti­vo.

Um fo­tó­gra­fo da AFP em Sir­te cons­ta­tou o avan­ço de vá­ri­os tan­ques e veí­cu­los ar­ma­dos em di­rec­ção ao bair­ro do nor­te, ain­da con­tro­la­do pe­lo EI, en­quan­to eram dis­pa­ra­dos obu­ses na en­tra­da des­te sec­tor.

“Um de nos­sos tan­ques con­se­guiu des­truir um car­ro-bom­ba que apon­ta­va con­tra as nos­sas for­ças, que foi neu­tra­li­za­do an­tes que cum­pris­se o seu ob­jec­ti­vo”, ex­pli­cou Re­da Is­sa. As for­ças ter­res­tres apro­vei­ta­ram, se­gun­do ele, “uma noi­te de bom­bar­de­a­men­tos da for­ça aé­rea” dos Es­ta­dos Uni­dos, que apoi­am as tro­pas pró-go­ver­no em Sir­te des­de 1de Agos­to, a pe­di­do do GNA.

Des­de que co­me­çou a ofen­si­va, no do­min­go de ma­nhã, 18 sol­da­dos das for­ças par­ti­dá­ri­as do go­ver­no de união na­ci­o­nal lí­bio (GNA) mor­re­ram e ou­tros 120 fi­ca­ram fe­ri­dos em com­ba­tes com o Es­ta­do Is­lâ­mi­co em Sir­te, in­for­mou uma fonte mé­di­ca.

Há di­as, as tro­pas le­ais pre­pa­ra­vam-se pa­ra es­ta “ba­ta­lha de­ci­si­va” con­tra o EI, de­pois de ex­pul­sa­rem os ex­tre­mis­tas dos seus úl­ti­mos re­du­tos.

As for­ças pró-go­ver­no ha­vi­am­se re­a­gru­pa­do na pe­ri­fe­ria da ci­da­de e na en­tra­da de dois bair­ros do nor­te e do cen­tro da mes­ma, se­gun­do de­cla­ra­ções de sol­da­dos co­lhi­das pe­lo cor­res­pon­den­te da AFP na fren­te.

“Lim­pa­mos as nos­sas ar­mas [...] e apre­pa­ra­mo-las pa­ra a fa­se de­ci­si­va, que, com a aju­da de Deus, ocor­re­rá ama­nhã [do­min­go] ou de­pois de ama­nhã [se­gun­da-fei­ra]”, in­for­mou no sá­ba­do à AFP o sol­da­do Usa­ma Moha­mad Mos­bah.

Uma cal­ma ins­tá­vel rei­na­va na fren­te des­de a ma­nhã de quin­ta­fei­ra em Sir­te. No sá­ba­do, co­me­ça­ram os con­fron­tos nas ime­di­a­ções do bair­ro re­si­den­ci­al nú­me­ro 1, on­de as for­ças do GNA usa­ram me­tra­lha­do­ras e lan­ça-fo­gue­tes con­tra os ex­tre­mis­tas do EI, se­gun­do o cor­res­pon­den­te da AFP.

Tam­bém fo­ram mo­bi­li­za­dos fran­co-ati­ra­do­res so­bre os te­lha­dos das ca­sas, cu­jas pa­re­des es­ta­vam pin­ta­das com as co­res da ban­dei­ra pre­ta do EI.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.