Am­nis­ti­a­dos são li­ber­ta­dos

Jornal de Angola - - PARTADA - ARÃO MAR­TINS

Um pri­mei­ro gru­po de 31 re­clu­sos dos quais um de na­ci­o­na­li­da­de chi­ne­sa e ou­tro na­mi­bi­a­na, in­di­ci­a­dos nos cri­mes de bur­la, fur­to, rou­bo, uso e fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos que se en­con­tra­vam na co­mar­ca da Huí­la, no Lu­ban­go, fo­ram on­tem sol­tos no âm­bi­to da Lei da Am­nis­tia. O juiz pre­si­den­te do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al da Huí­la, Ar­tur Gun­za, dis­se que a am­nis­tia veio pro­por­ci­o­nar mais uma opor­tu­ni­da­de para a rein­te­gra­ção de ci­da­dãos na co­mu­ni­da­de.

Um pri­mei­ro gru­po de 31 re­clu­sos dos quais um de na­ci­o­na­li­da­de chi­ne­sa e ou­tro na­mi­bi­a­na, in­di­ci­a­dos nos cri­mes de bur­la, fur­to, rou­bo, uso e fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos que se en­con­tra­vam in­ter­na­dos na co­mar­ca da Huí­la, no Lu­ban­go, fo­ram on­tem sol­tos no âm­bi­to da Lei da Am­nis­tia.

Em no­me dos be­ne­fi­ciá­ri­os, Ga­bri­el Cam­pos agra­de­ceu ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, e aos de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, por te­rem apro­va­do a Lei da Am­nis­tia. “Acre­di­ta­mos que a par­tir da am­nis­tia, mui­tos co­le­gas vi­ram res­ti­tuí­da a sua li­ber­da­de e com mui­ta pru­dên­cia e res­pei­to às leis que re­gem a ad­mi­nis­tra­ção do país vão dar o seu con­tri­bu­to às fa­mí­li­as e à so­ci­e­da­de com o seu es­for­ço e em prol do de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la”, dis­se.

Ga­bri­el Cam­pos apon­tou co­mo pre­o­cu­pa­ções o atra­so que se tem ve­ri­fi­ca­do na lei­tu­ra de sen­ten­ças de re­clu­sos de­ti­dos, que há mais de dez me­ses têm apenas a pri­mei­ra có­pia da acu­sa­ção, bem co­mo os cons­tan­tes adi­a­men­tos das da­tas de jul­ga­men­to, mui­tos por fal­ta dos in­ter­ve­ni­en­tes do pro­ces­so.

O juiz pre­si­den­te do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al da Huí­la, Ar­tur Gun­za, dis­se que o ob­jec­ti­vo prin­ci­pal da Lei da Am­nis­tia é co­lo­car em li­ber­da­de os ci­da­dãos que por qual­quer ra­zão en­tra­ram em co­li­são com a lei pe­nal e fo­ram cas­ti­ga­dos. A am­nis­tia veio pro­por­ci­o­nar mais uma opor­tu­ni­da­de so­be­ra­na aos ci­da­dãos para a sua rein­te­gra­ção na co­mu­ni­da­de. O Es­ta­do an­go­la­no, es­cla­re­ceu, ao apro­var es­ta Lei, pen­sou mais uma vez na har­mo­ni­za­ção das fa­mí­li­as, na re­con­ci­li­a­ção dos an­go­la­nos e no de­sen­vol­vi­men­to do país. “Os re­clu­sos são mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vens e nes­ta qua­li­da­de são o fu­tu­ro da Na­ção e o fu­tu­ro faz-se com dis­ci­pli­na, com res­pei­to à vi­da hu­ma­na e pro­pri­e­da­de alheia e com o tra­ba­lho ho­nes­to e so­ci­al­men­te útil”, dis­se.

O com­por­ta­men­to na so­ci­e­da­de e nas fa­mí­li­as dos re­clu­sos sol­tos de­ve ser exem­plar. Os re­clu­sos abran­gi­dos pe­la am­nis­tia de­vem mos­trar ar­re­pen­di­men­to e pro­me­ter que nun­ca mais co­me­tem cri­mes.“O país es­tá em paz, nin­guém tem o di­rei­to de ti­rar o sos­se­go aos ou­tros. An­go­la e os an­go­la­nos pre­ci­sam de vo­cês, por­que a pá­tria so­mos to­dos nós”, ex­pli­cou.

O go­ver­na­dor da Huí­la, João Mar­ce­li­no Tyi­pin­ge, afir­mou que os re­clu­sos sol­tos têm res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das em dar o con­tri­bu­to e trans­mi­tir uma men­sa­gem po­si­ti­va na so­ci­e­da­de. A mai­or par­te dos re­clu­sos que be­ne­fi­ci­a­ram da am­nis­tia es­tá li­ga­da a ca­sos de fur­to de ga­do e ou­tros. As di­fi­cul­da­des são para to­dos e ca­da um de­ve re­a­li­zar ac­ções de for­ma ho­nes­ta sem me­xer nas coi­sas alhei­as.

“O país tem que ser cons­truí­do pe­los jo­vens. O mo­men­to é de re­fle­xão. Os re­clu­sos vão en­con­trar-se com as fa­mí­li­as e de­ve-se cri­ar um cli­ma sa­lu­tar”, dis­se João Mar­ce­li­no Tyi­pin­ge, acres­cen­tan­do que a per­ma­nên­cia de pes­so­as nas ca­dei­as acar­re­ta mui­tos gas­tos ao Es­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.