Re­gião Na­val ele­va ní­veis de pron­ti­dão

Jornal de Angola - - POLÍTICA - JAQUELINO FIGUEIREDO |

O co­man­dan­te da Re­gião Na­val Nor­te da Marinha de Guerra An­go­la­na, con­tra-al­mi­ran­te Au­gus­to Pedro, con­si­de­rou que a ele­va­ção dos ní­veis de or­ga­ni­za­ção e de dis­ci­pli­na de­vem es­tar sem­pre na or­dem do dia, por­que vai tra­zer van­ta­gens acres­ci­das no me­lho­ra­men­to da pres­ta­ção de ser­vi­ço da­que­la re­gião no con­tex­to da de­fe­sa das águas na­ci­o­nais.

Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra da reu­nião de ba­lan­ço do I pe­río­do do ano de Ins­tru­ção Pre­pa­ra­tó­ria Ope­ra­ti­va, Com­ba­ti­va e de Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca 2016/2017, re­a­li­za­do en­tre 1 de Mar­ço a 31 de Ju­lho, sob o le­ma “Pe­lo au­men­to da ca­pa­ci­da­de, vi­gi­lân­cia e de­fe­sa da nos­sa costa”, o con­tra-al­mi­ran­te Au­gus­to Pedro lem­brou que a de­fe­sa das águas na­ci­o­nais é a res­pon­sa­bi­li­da­de que o Es­ta­do e a so­ci­e­da­de an­go­la­na de­po­si­ta­ram ao co­man­do da Marinha de Guerra An­go­la­na, em par­ti­cu­lar a Re­gião Na­val Nor­te.

O co­man­dan­te da Re­gião Na­val Nor­te exor­tou os ofi­ci­ais su­pe­ri­o­res e che­fes de dis­tin­tos ní­veis da Re­gião Na­val a em­pe­nha­rem-se no sen­ti­do de co­lo­ca­rem aque­la uni­da­de da Marinha de Guerra An­go­la­na (MGA) no Soyo no lu­gar para o qual foi pro­jec­ta­da, para a de­fe­sa e pro­tec­ção das fron­tei­ras ma­rí­ti­ma e flu­vi­al e so­be­ra­nia na­ci­o­nal.

“É ho­ra de, com os pés no chão e in­te­li­gên­cia, le­var­mos a bom porto os des­ti­nos da nos­sa Re­gião Na­val Nor­te. É al­tu­ra de co­lo­car­mos a Re­gião Na­val Nor­te no lu­gar para o qual foi pro­jec­ta­da, no âm­bi­to da de­fe­sa e pro­tec­ção das nos­sas fron­tei­ras ma­rí­ti­ma e flu­vi­al ou se­ja da nos­sa so­be­ra­nia”, acres­cen­tou. De acor­do com o con­tra-al­mi­ran­te Au­gus­to Pedro, a Marinha a ní­vel da Re­gião Na­val Nor­te de­ve­ria ser re­fle­xo das va­lên­ci­as in­di­vi­du­ais de to­dos os ofi­ci­ais su­pe­ri­o­res, ape­sar do mo­men­to de aus­te­ri­da­de que o país vi­ve. “Po­de­mos mui­to mais, mes­mo com o mo­men­to de aus­te­ri­da­de em que nos en­con­tra­mos. To­dos te­mos a obri­ga­ção de dar o es­for­ço má­xi­mo em prol do de­sen­vol­vi­men­to da nos­sa Re­gião. Ape­sar das di­fi­cul­da­des de­cor­ren­tes de ques­tões or­ça­men­tais e do es­ta­do da sua po­ten­ci­a­ção, ire­mos dis­po­ni­bi­li­zar, a to­das as uni­da­des, do­cu­men­tos que, quan­do apro­va­dos, ser­vi­rão de nor­ma para os nos­sos afa­ze­res pro­fis­si­o­nais”, acres­cen­tou.

O con­tra-al­mi­ran­te Au­gus­to Pedro exor­tou os che­fes e co­man­dan­tes das prin­ci­pais uni­da­des, es­ta­be­le­ci­men­tos e ór­gãos a fa­ze­rem um ba­lan­ço crí­ti­co mais pro­fí­cuo, no sen­ti­do de se apu­ra­rem os cons­tran­gi­men­tos im­plí­ci­tos e des­ta for­ma in­tro­du­zir me­di­das cor­rec­ti­vas que vi­sem mai­or efi­cá­cia e efi­ci­ên­cia das ac­ti­vi­da­de, du­ran­te o II pe­río­do de ins­tru­ção a co­me­çar em Ou­tu­bro.

Pe­río­do de ins­tru­ção

Para o su­ces­so do II pe­río­do de ins­tru­ção, se­gun­do aque­le ofi­ci­al su­pe­ri­or, tor­na-se ne­ces­sá­rio bus­car as re­ais cau­sas e su­ge­rir pro­ces­sos al­ter­na­ti­vos que le­vem a so­lu­ções pon­tu­ais para ca­da área es­pe­cí­fi­ca, no âm­bi­to das su­as com­pe­tên­ci­as.

Quan­to ao cum­pri­men­to das ta­re­fas pla­ni­fi­ca­das para o I pe­río­do do ano de ins­tru­ção 2016 e 2017, de acor­do com o co­man­dan­te da Re­gião Na­val Nor­te, os re­sul­ta­dos mos­tra­ram-se bons, mas não re­flec­ti­ram as me­tas pre­co­ni­za­das, pe­lo que exor­tou a to­dos efec­ti­vos a mai­or em­pe­nho nas fu­tu­ras mis­sões.

“No cum­pri­men­to das ta­re­fas pla­ni­fi­ca­das no I pe­río­do do ano de ins­tru­ção 2016/2017, em­bo­ra o re­sul­ta­do se­ja con­si­de­ra­do bom, não al­can­çá­mos as me­tas pre­co­ni­za­das e exor­ta­mos as­sim to­dos os efec­ti­vos ao mai­or em­pe­nho nas fu­tu­ras mis­sões que se apro­xi­mam”, dis­se.

O ca­pí­tu­lo de mei­os e téc­ni­ca, bem co­mo dos re­cur­sos hu­ma­nos, dis­se que de­vem con­ti­nu­ar a ser a gran­de pri­o­ri­da­de e o pes­so­al em­bar­ca­do de­ve me­re­cer to­da a aten­ção, de for­ma a que se cum­pra exem­plar­men­te to­das as mis­sões in­cum­bi­das. “O mar é a ra­zão da nos­sa exis­tên­cia e para tal, tu­do de­ve­mos fa­zer para o pro­te­ger, em qual­quer al­tu­ra ou cir­cuns­tân­cia, pe­lo que as em­bar­ca­ções e o pes­so­al de­vem me­re­cer to­da a nos­sa aten­ção”, dis­se.

JAQUELINO FIGUEIREDO | SOYO

Co­man­dan­te da Re­gião Na­val Nor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.