Ba­se de da­dos da Jus­ti­ça ace­le­ra re­gis­to elei­to­ral

Rui Man­guei­ra ga­ran­te to­da a fa­ci­li­da­de na emis­são do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ADELINA INÁ­CIO | GA­BRI­EL BUNGA |

O mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, Rui Man­guei­ra, anun­ci­ou on­tem que o sec­tor que di­ri­ge vai men­sal­men­te en­tre­gar ao Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio a ba­se de da­dos do bi­lhe­te de iden­ti­da­de dos ci­da­dãos adul­tos pa­ra fa­ci­li­tar o pro­ces­so do re­gis­to elei­to­ral.

Rui Man­guei­ra dis­se que es­ta ac­ção da Jus­ti­ça dá ao Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio uma mar­gem pa­ra a uti­li­za­ção de ou­tros mei­os que não se­jam ex­clu­si­va­men­te o bi­lhe­te de iden­ti­da­de pa­ra fa­zer a ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral. “Se o ci­da­dão não tem bi­lhe­te de iden­ti­da­de ou per­deu te­rá de apre­sen­tar ou­tros mei­os idó­ne­os pa­ra fa­zer o re­gis­to elei­to­ral”, adi­an­tou o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Rui Man­guei­ra in­for­mou que a ní­vel do país exis­tem 93 pos­tos de emis­são do bi­lhe­te de iden­ti­da­de, dos quais 36 em Lu­an­da. O mi­nis­tro re­ve­lou que hou­ve um au­men­to dos pos­tos de emis­são do bi­lhe­te de iden­ti­da­de em Lu­an­da pa­ra ga­ran­tir que a mai­or par­te dos ci­da­dãos se­ja ser­vi­da a ní­vel da pro­vín­cia.

So­bre ques­tões co­lo­ca­das por de­pu­ta­dos da UNITA, du­ran­te a dis­cus­são, na es­pe­ci­a­li­da­de, do Or­ça­men­to de 2016 re­vis­to pa­ra o sec­tor da Jus­ti­ça, Rui Man­guei­ra ga­ran­tiu que não exis­tem di­fi­cul­da­des na emis­são do bi­lhe­te de iden­ti­da­de. O sec­tor te­ve di­fi­cul­da­des pa­ra a emis­são do do­cu­men­to en­tre os me­ses de Ja­nei­ro e Maio, ga­ran­tin­do que a si­tu­a­ção foi nor­ma­li­za­da em Ju­nho.

O sec­tor da Jus­ti­ça tem 33 mil bi­lhe­tes emi­ti­dos que os ci­da­dãos não vão bus­car. Em 2015, adi­an­tou, fo­ram emi­ti­dos 1.583.000 bi­lhe­tes, sen­do 800 mil pe­la pri­mei­ra vez e seis mil se­gun­das vi­as.

As pre­o­cu­pa­ções dos de­pu­ta­dos

Vá­ri­as fo­ram as ques­tões ex­pos­tas pe­los de­pu­ta­dos ao Pro­cu­ra­dorGe­ral Ad­jun­to da Re­pú­bli­ca. Ro­ber­to Le­al Mon­tei­ro “Ngon­go”, ques­ti­o­nou se o pa­ga­men­to das mul­tas é fei­to aos fun­ci­o­ná­ri­os ou aos ban­cos, ao pas­so que So­fia Mus­so­gue­le, da UNITA, que­ria sa­ber do juiz pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo e do Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da Re­pú­bli­ca se com a re­vi­são do Or­ça­men­to es­tá acau­te­la­da a atri­bui­ção de vi­a­tu­ras aos ma­gis­tra­dos. Ou­tra pre­o­cu­pa­ção veio do de­pu­ta­do Sil­ves­tre Samy, tam­bém da UNITA, que quis sa­ber do mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos so­bre o pro­ces­so do re­gis­to elei­to­ral em cur­so. Sa­be-se que mui­tos ci­da­dãos não têm bi­lhe­te de iden­ti­da­de, prin­ci­pal­men­te os jo­vens que vão com­ple­tar 18 anos ago­ra e não têm car­tão de elei­tor. O juiz pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo, Ma­nu­el Ara­gão, re­co­nhe­ceu que a atri­bui­ção de vi­a­tu­ras é um di­rei­to dos ma­gis­tra­dos, mas de­vi­do à con­jun­tu­ra ac­tu­al a dis­tri­bui­ção não tem si­do re­gu­lar.

Res­pos­tas e ex­pli­ca­ções

O Pro­cu­ra­dor-Ge­ral Ad­jun­to da Re­pú­bli­ca Pas­co­al Jo­a­quim dis­se que as des­pe­sas que têm a ver com ac­tos pro­ces­su­ais não são pa­gas aos ope­ra­do­res de jus­ti­ça, quer dos Tri­bu­nais co­mo da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca. “Não é prá­ti­ca dos Tri­bu­nais nem da Pro­cu­ra­do­ria da Re­pú­bli­ca pro­ce­der des­te jei­to”, dis­se o ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. A juí­za do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal Lu­zia Se­bas­tião dis­se que o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal “não sa­be qual foi o va­lor atri­buí­do no Or­ça­men­to Re­vis­to”. Re­fe­riu que mes­mo em si­tu­a­ções que o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças fi­xa o Or­ça­men­to, as quo­tas dis­po­ní­veis não che­gam pa­ra o Tri­bu­nal.

Lu­zia Se­bas­tião in­di­cou que des­de 2013 o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal re­ce­be a quan­tia de 5 mi­lhões de kwan­zas, va­lor que não “che­ga pa­ra cus­te­ar as des­pe­sas do Pa­lá­cio da Jus­ti­ça”. Pa­ra a juí­za, a cri­se fi­nan­cei­ra que o país vi­ve não po­de jus­ti­fi­car que a qua­li­da­de mí­ni­ma in­dis­pen­sá­vel ao fun­ci­o­na­men­to dos ór­gãos não exis­ta. O Tri­bu­nal tem pro­ble­mas sé­ri­os pa­ra se man­ter fun­ci­o­nal, dis­se.

Em res­pos­ta às pre­o­cu­pa­ções da juí­za con­se­lhei­ra do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­man­do Ma­nu­el, jus­ti­fi­cou que o Or­ça­men­to re­vis­to pro­cu­ra dar mais es­pa­ço fis­cal aos pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to pú­bli­co ne­ces­sá­ri­os pa­ra a mu­dan­ça da eco­no­mia. O mi­nis­tro des­ta­cou os pro­jec­tos nos do­mí­ni­os da Ener­gia e águas, cons­tru­ção e trans­por­tes.

Ar­man­do Ma­nu­el lem­brou que na apro­va­ção ini­ci­al do Or­ça­men­to to­dos os ór­gãos ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de dis­cu­tir o OGE com o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, in­cluin­do o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal. Com es­te en­con­tro, os de­pu­ta­dos con­cluí­ram on­tem a aná­li­se do Or­ça­men­to Ge­ral Re­vis­to na es­pe­ci­a­li­da­de. O do­cu­men­to vai à apro­va­ção fi­nal glo­bal no pró­xi­mo dia 16 de Se­tem­bro.

Pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção

Fis­cais de par­ti­dos po­lí­ti­cos ga­ran­ti­ram, on­tem, ao Jor­nal de An­go­la. que o pro­ces­so de atu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral de­cor­re com nor­ma­li­da­de no dis­tri­to ur­ba­no do Sam­bi­zan­ga, em Lu­an­da. Os re­pre­sen­tan­tes do MPLA, UNITA, CA­SA-CE, FNLA, PDP-ANA e APN fo­ram unâ­ni­mes na des­cri­ção do am­bi­en­te sa­lu­tar em que os mi­li­tan­tes de di­fe­ren­tes co­res par­ti­dá­ri­as con­vi­vem e tra­ba­lham no pro­ces­so.

Os fis­cais não ve­ri­fi­ca­ram ain­da ne­nhu­ma ano­ma­lia no pro­ces­so des­de o dia 25 de Agos­to até on­tem. Es­ta re­a­li­da­de con­tra­ria as sus­pei­tas e des­con­fi­an­ças de­mons­tra­das pe­los par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção, pe­lo fac­to de o pro­ces­so es­tar a ser re­a­li­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio. A ad­mi­nis­tra­do­ra do dis­tri­to ur­ba­no do Sam­bi­zan­ga ga­ran­tiu que fo­ram cre­den­ci­a­dos seis fis­cais de ca­da for­ma­ção po­lí­ti­ca. Mil­ca Ca­ques­se re­fe­riu que fo­ram cre­den­ci­a­dos fis­cais do MPLA, UNITA, CASACE, FNLA, PDP-ANA e APN. “Es­ta­mos a fa­zer o tra­ba­lho com mui­ta ce­le­ri­da­de pa­ra evi­tar qual­quer cons­tran­gi­men­to”, fri­sou.

A UNITA cre­den­ci­ou três fis­cais des­ta­ca­dos no pos­to de re­gis­to ins­ta­la­do na ad­mi­nis­tra­ção do dis­tri­to ur­ba­no do Sam­bi­zan­ga. Moi­sés Ku­tu­ma Se­gun­da, que fis­ca­li­za o pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral por es­se par­ti­do no Sam­bi­zan­ga, há três di­as, con­fir­mou ao Jor­nal de An­go­la que o pro­ces­so es­tá a cor­rer bem, des­de a fa­se do cre­den­ci­a­men­to. “O nos­so ob­jec­ti­vo aqui é ver se o ci­da­dão es­tá bem in­for­ma­do”, re­fe­riu, re­al­çan­do que, em ca­so de dú­vi­da, os fis­cais es­cla­re­cem o ci­da­dão so­bre o pro­ces­so.

Um dos fis­cais da CA­SA-CE, des­ta­ca­dos no pos­to de re­gis­to na se­de dis­tri­tal do Sam­bi­za­ga, con­fir­mou ao Jor­nal de An­go­la que a con­vi­vên­cia en­tre os re­pre­sen­tan­tes de di­fe­ren­tes for­ma­ções po­lí­ti­cas é boa. João Ma­nu­el dis­se que a CA­SA-CE pri­ma pe­la con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca e pe­lo diá­lo­go, afir­man­do mes­mo que o seu re­la­ci­o­na­men­to com ou­tros fis­cais se ba­seia no res­pei­to e ca­ma­ra­da­gem.

Pe­dro da Luz, re­pre­sen­tan­te do MPLA no pos­to de re­gis­to na ad­mi­nis­tra­ção do Sam­bi­zan­ga, dis­se que, du­ran­te os di­as em que es­tá des­ta­ca­do na­que­le lo­cal, ain­da não ve­ri­fi­cou ne­nhu­ma ano­ma­lia e que o seu tra­ba­lho se li­mi­ta a au­xi­li­ar os elei­to­res com a pres­ta­ção de in­for­ma­ções so­bre os do­cu­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to.

O fis­cal do MPLA re­al­çou tam­bém que a con­vi­vên­cia en­tre os fis­cais é boa e que não se re­gis­tam ac­tos de in­to­le­rân­cia po­lí­ti­ca. “Ca­da um de­sem­pe­nha as su­as fun­ções na ba­se do res­pei­to, en­quan­to se­res hu­ma­nos e an­go­la­nos”, dis­se. Os fis­cais dos par­ti­dos po­lí­ti­cos adop­ta­ram a me­to­do­lo­gia de tra­ba­lhar por tur­nos, uns tra­ba­lham no pe­río­do das 8h às 12h e ou­tros das 12h às 17h, mas há quem te­nha adop­ta­do o mé­to­do de tra­ba­lho de tur­no diá­rio, ou se­ja dois di­as de tra­ba­lho e um de des­can­so, pa­ra ga­ran­tir a pre­sen­ça dos fis­cais nos pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral. Os fi­cais são con­tro­la­dos pe­los su­per­vi­so­res dos res­pec­ti­vos par­ti­dos po­lí­ti­cos que vi­si­tam os pos­tos de re­gis­to.

Enor­me afluên­cia

A afluên­cia ao pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral é enor­me, mas as mu­lhe­res e jo­vens apa­re­cem pou­co nos pos­tos. A bri­ga­dis­ta Ho­no­ra­ta de Car­va­lho ga­ran­tiu ao Jor­nal de An­go­la que ca­da bri­ga­dis­ta ac­tu­a­li­za por dia em mé­dia 70 a 80 elei­to­res. A bri­ga­dis­ta dis­se que os jo­vens e as mu­lhe­res aflu­em pou­co no seu pos­to. “

KINDALA MA­NU­EL

Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos ga­ran­tiu que to­dos os me­ses são en­vi­a­dos da­dos de iden­ti­fi­ca­ção dos adul­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.