O edi­fí­cio da de­mo­cra­cia

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O ar­ran­que do pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, no dia 25 de Agos­to, com os ní­veis de ade­são já re­gis­ta­dos, cons­ti­tui um pro­gres­so sig­ni­fi­ca­ti­vo no que ao ama­du­re­ci­men­to cí­vi­co e po­lí­ti­co diz res­pei­to. Inau­gu­ra­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o pro­ces­so se­gue em fren­te com uma ade­são mas­si­va por par­te das po­pu­la­ções em to­do o país. Nas cir­cuns­tân­ci­as em que de­cor­re em to­do o país, re­pre­sen­ta a efec­ti­va­ção das con­di­ções le­gis­la­ti­vas e or­ga­ni­za­ti­vas do re­gis­to elei­to­ral, ac­to que pre­ce­de as Elei­ções Ge­rais de 2017, um com­pro­mis­so das ins­ti­tui­ções e to­dos os ní­veis. Não há dú­vi­das de que a pri­mei­ra fa­se do Pro­ces­so de Ac­tu­a­li­za­ção do Re­gis­to Elei­to­ral, que vai su­ce­der em du­as fa­ses até Mar­ço de 2017, mar­ca o país po­lí­ti­co em mui­tas di­men­sões.

É bom ver que a cor­ri­da aos pos­tos, mó­veis e fi­xos, pa­ra a ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, es­tá a ser com­bi­na­da com o exi­gen­te tra­ba­lho de mo­bi­li­za­ção de to­dos aque­les que se cons­ti­tu­em co­mo po­ten­ci­ais elei­to­res. É pre­ci­so que as po­pu­la­ções con­ti­nu­em ple­na­men­te in­for­ma­das so­bre os fins da ac­ção ac­tu­al e que es­te­jam pre­pa­ra­das pa­ra re­a­li­zar a pro­va de vi­da, nes­ta pri­mei­ra fa­se do pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção. Con­tra­ri­a­men­te às re­ser­vas le­van­ta­das por al­guns sec­to­res da so­ci­e­da­de, nes­ta ho­ra, era bom que to­dos os an­go­la­nos, reu­ni­dos ou não em or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­cas e cí­vi­cas, apoi­as­sem o pro­ces­so. To­dos são cha­ma­dos pa­ra es­te im­por­tan­te pas­so e, co­mo têm aler­ta­do as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, nin­guém em ida­de elei­to­ral de­ve co­lo­car-se de fo­ra com ale­ga­ções li­ga­das à ine­xis­tên­cia ou per­da de do­cu­men­tos pes­so­ais.

Quan­do o ci­da­dão elei­tor não pos­suir os do­cu­men­tos re­fe­ri­dos no nú­me­ro an­te­ri­or, a pro­va de iden­ti­da­de po­de ser fei­ta sob to­das as ou­tras for­mas pre­vis­tas na lei. Nem a fal­ta de do­cu­men­to im­pe­de que as pes­so­as, com ida­de elei­to­ral, ac­tu­a­li­zem o seu re­gis­to na me­di­da em que a lei diz que, pa­ra o efei­to, “(...) ser­ve o do­cu­men­to que con­te­nha fo­to­gra­fia ac­tu­a­li­za­da, as­si­na­tu­ra ou im­pres­são di­gi­tal, des­de que se­ja ge­ral­men­te uti­li­za­do pa­ra a iden­ti­fi­ca­ção (...).”

Es­tão cri­a­das to­das as con­di­ções pa­ra que, de for­ma com­ple­ta­men­te abran­gen­te, to­dos os ci­da­dãos fa­çam par­te do ac­tu­al pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral e nin­guém fi­que de fo­ra. Pre­ci­sa­mos de ins­tar in­clu­si­ve os mais pes­si­mis­tas pa­ra o im­por­tân­cia do ac­to de ac­tu­a­li­za­ção por cau­sa do pa­pel re­le­van­te que ca­da an­go­la­no jo­ga no for­ta­le­ci­men­to da nos­sa de­mo­cra­cia. É fun­da­men­tal que se­ja de­fi­ni­ti­va­men­te afas­ta­da a ideia, mui­tas ve­zes er­ra­da­men­te ven­ti­la­da, de que o exer­cí­cio de de­ve­res cí­vi­cos, co­mo o ac­tu­al pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, não mu­da na­da. Os ci­da­dãos na­ci­o­nais, co­mo se po­de de­pre­en­der pe­lo com­por­ta­men­to da mai­o­ria dos an­go­la­nos, de­vem par­tir do prin­cí­pio de que os pro­ces­sos de­mo­crá­ti­cos nun­ca são obras aca­ba­das em to­da a sua di­men­são. Pre­ci­sa­mos to­dos os di­as de ga­nhar cons­ci­ên­cia de que o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to em An­go­la ape­nas se efec­ti­va, ama­du­re­ce e con­so­li­da-se se ca­da an­go­la­no par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te.

É na­tu­ral que as ex­pec­ta­ti­vas das po­pu­la­ções se ele­vem a ca­da dia que pas­sa, ra­zão pe­la qual es­pe­ram dos po­de­res pú­bli­cos e dos ac­to­res po­lí­ti­cos um de­sem­pe­nho que cor­res­pon­da às su­as as­pi­ra­ções. Há es­sa cons­ci­ên­cia e com­pro­mis­so da par­te dos po­de­res pú­bli­cos, es­cru­ti­na­dos pe­lo vo­to po­pu­lar, pa­ra cum­pri­rem com os seus pro­gra­mas e me­tas pa­ra que con­ti­nu­em a me­re­cer a con­fi­an­ça das po­pu­la­ções. As exi­gên­ci­as de qual­quer de­mo­cra­cia im­põem ao par­ti­do po­lí­ti­co, so­zi­nho ou co­li­ga­do, que es­te­ja a exer­cer o po­der, um es­cru­tí­nio con­ti­nu­a­do cu­ja fa­se elei­to­ral se mos­tra co­mo uma es­pé­cie de “pro­va de exa­me”. O de­sem­pe­nho das for­ças que fa­zem opo­si­ção não fi­ca igual­men­te atrás quan­do se tra­ta da ins­pec­ção das pes­so­as, sin­gu­lar e co­lec­ti­vas, cu­jo exer­cí­cio do po­der de vo­to é uma ar­ma po­de­ro­sa.

Acre­di­ta­mos que to­da es­sa mo­bi­li­za­ção da so­ci­e­da­de se de­ve tam­bém ao pa­pel exer­ci­do pe­las igre­jas das mais va­ri­a­das con­fis­sões, pe­las or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais, as­so­ci­a­ções pro­fis­si­o­nais, es­co­las, etc.

Se ca­da seg­men­to fi­zer o seu pa­pel tal co­mo pre­ve­mos to­dos, pa­ra o su­ces­so do ac­tu­al pro­ces­so, te­re­mos re­sul­ta­dos po­si­ti­vos que dei­xa­rão des­can­sa­das as ins­ti­tui­ções e to­da a so­ci­e­da­de, na cer­te­za de que te­re­mos um pro­ces­so elei­to­ral exem­plar. É pre­ci­so que es­tes bons exem­plos de cul­tu­ra cí­vi­ca, ade­são vo­lun­tá­ria e mas­si­va, tran­qui­li­da­de no ac­to de ac­tu­a­li­za­ção, en­tre ou­tros pas­sos que tes­te­mu­nha­mos, sir­vam co­mo pa­ra­dig­ma do com­por­ta­men­to que to­dos pre­ten­de­mos da­qui pa­ra fren­te.

Pa­ra o efei­to, na­da me­lhor do que co­me­çar por exer­cer o di­rei­to que a lei con­fe­re ago­ra, com a ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral em to­do o país que es­tá a trans­for­mar-se nu­ma ex­pe­ri­ên­cia úni­ca, so­bre­tu­do pa­ra os que com­ple­tam 18 anos em 2017. Es­tes no­vos e fu­tu­ros elei­to­res são bem-vin­dos não ape­nas à mai­o­ri­da­de, mas par­ti­cu­lar­men­te ao mun­do di­nâ­mi­co e exi­gen­te da par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va dos pro­ces­sos elei­to­rais. É jus­to fa­zer uma per­ma­nen­te apo­lo­gia às bo­as prá­ti­cas cí­vi­cas e com­por­ta­men­tais na so­ci­e­da­de pa­ra que o es­pec­tro dos ex­ces­sos as­so­ci­a­dos ao pe­río­do elei­to­ral se­ja com­ple­ta­men­te afu­gen­ta­do e subs­ti­tuí­do pe­lo com­pro­mis­so e a as­pi­ra­ção pa­ra jun­tar blo­co no edi­fí­cio da de­mo­cra­cia em An­go­la.

Ener­gia eléc­tri­ca

To­mei co­nhe­ci­men­to de que mui­ta coi­sa vai mu­dar, pa­ra me­lhor, no que diz res­pei­to ao for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca em Lu­an­da. Ou­vi res­pon­sá­veis da ENDE (Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Elec­tri­ci­da­de) di­zer que mui­tos bair­ros de Lu­an­da on­de até aqui não ha­via ener­gia pas­sa­rão a ter elec­tri­ci­da­de nos pró­xi­mos tem­pos, com a ins­ta­la­ção

Qua­li­da­de do en­si­no

Fa­la-se ho­je mui­to da qua­li­da­de do nos­so en­si­no. is­to é bom. O fac­to de ha­ver de­ba­tes cons­tan­tes à vol­ta da qua­li­da­de do nos­so en­si­no mos­tra que os an­go­la­nos es­tão pre­o­cu­pa­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.