CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AMÉRICO NU­NES | LAU­RA AFON­SO | ARSÉNIO JÚ­NI­OR | ENGRÁCIA ALFREDO | DO­MIN­GOS JOÃO |

Cor­te de ca­pim

Mo­ro no bair­ro Cas­sen­da, no Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, e fi­quei sa­tis­fei­to com o fac­to de se es­tar a cor­tar o ca­pim nos lo­cais que se­pa­ram as du­as vi­as de dois sen­ti­dos na ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro. É po­si­ti­vo que se es­te­ja a me­lho­rar a ima­gem da nos­sa ci­da­de ca­pi­tal. Te­mos de fa­zer de Lu­an­da uma ci­da­de be­la, em que to­dos pos­sam vi­ver com mui­ta qua­li­da­de de vi­da. Se­ria bom que o tra­ba­lho de re­ti­ra­da de ca­pim na Ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro fos­se ex­ten­si­vo a ou­tras áre­as de Lu­an­da, por­que te­mos de ter uma ci­da­de ca­da vez mais lim­pa. Es­tou tam­bém a gos­tar do fac­to de se es­tar a re­ti­rar o li­xo com mui­ta ce­le­ri­da­de em Lu­an­da. Ape­lo às au­to­ri­da­des en­car­re­ga­das pe­la lim­pe­za da ci­da­de pa­ra da­rem pri­o­ri­da­de às áre­as em que exis­tem gran­des con­cen­tra­ções de re­sí­du­os só­li­dos. Era bom que se cons­ti­tuís­sem bri­ga­das de fis­ca­li­za­ção pa­ra se sa­ber on­de exis­tem os pon­tos mais crí­ti­cos em ma­té­ria de con­cen­tra­ção de li­xo. Es­tas bri­ga­das de­vi­am, di­a­ri­a­men­te, per­cor­rer a ci­da­de pa­ra de­tec­tar os lo­cais com mui­to li­xo. de mui­tos de pos­tos de trans­for­ma­ção. Es­pe­ro que as pro­mes­sas de dar ener­gia a cen­te­nas de fa­mí­li­as se con­cre­ti­zem. A ener­gia faz mui­ta fal­ta às po­pu­la­ções. Há fa­mí­li­as que não es­tão em con­di­ções de com­prar di­a­ri­a­men­te com­bus­tí­vel pa­ra os ge­ra­do­res ou não têm mes­mo di­nhei­ro pa­ra com­prar ge­ra­do­res. É uma boa no­ti­cia o fac­to de se es­tar a tra­ba­lhar pa­ra que as fa­mí­li­as te­nham ener­gia eléc­tri­ca to­dos os di­as e sem cor­tes cons­tan­tes.

Plan­ta­ção de ár­vo­res

Pen­so que te­mos de plan­tar mais ár­vo­res nas nos­sas ci­da­des. Gos­ta­va que os am­bi­en­ta­lis­tas ex­pli­cas­sem às pes­so­as as van­ta­gens da plan­ta­ção de ár­vo­res. Diz-se que as águas pa­ra­das no Ran­gel se de­vem, em par­te, ao cor­te dos eu­ca­lip­tos que exis­ti­am em gran­de nú­me­ro no pas­sa­do. Há quem di­ga que os eu­ca­lip­tos ab­sor­vi­am as águas. As ár­vo­res tam­bém ser­vem pa­ra em­be­le­zar as nos­sas ci­da­des. Es­pe­ro que os nos­sos am­bi­en­ta­lis­tas se­jam mais ac­ti­vos em ter­mos de sen­si­bi­li­za­ção das po­pu­la­ções pa­ra es­tas va­lo­ri­za­rem ca­da vez mais as ár­vo­res. Te­mos de ter mui­tas ár­vo­res pa­ra po­der­mos vi­ver em am­bi­en­te mais sau­dá­vel. com o ac­tu­al es­ta­do das ins­ti­tui­ções de en­si­no que são de­ci­si­vas pa­ra o nos­so pro­gres­so. Um país sem ins­ti­tui­ções de en­si­no com qua­li­da­de não pro­gri­de. O de­sen­vol­vi­men­to do país im­pli­ca a exis­tên­cia de es­co­las de ele­va­do ní­vel, pú­bli­cas e pri­va­das. Gos­ta­va que hou­ves­se mui­to bons pro­fes­so­res em to­dos os ní­veis de en­si­no. É pre­ci­so que se co­me­ce já a pen­sar em pro­gra­mas de au­men­to das com­pe­tên­ci­as dos nos­sos pro­fes­so­res no en­si­no de ba­se, mé­dio e su­pe­ri­or. Te­mos de ter qua­dros al­ta­men­te qua­li­fi­ca­dos em vá­ri­as áre­as do sa­ber. De­ve­mos sa­ber co­mo ou­tros paí­ses que já fo­ram sub­de­sen­vol­vi­dos con­se­gui­ram, por via do en­si­no, che­gar ao de­sen­vol­vi­men­to.

Apos­tar na al­ta com­pe­ti­ção

É pre­ci­so que se apos­te mais na al­ta com­pe­ti­ção, so­bre­tu­do nas mo­da­li­da­des des­por­ti­vas em que os an­go­la­nos po­dem al­can­çar bons re­sul­ta­dos. É pre­ci­so acre­di­tar nas ca­pa­ci­da­des de mui­tos dos nos­sos des­por­tis­tas que na al­ta com­pe­ti­ção po­dem dar mui­tas ale­gri­as ao país. Te­mos al­gu­mas mo­da­li­da­des em que des­por­tis­tas an­go­la­nos po­dem, se hou­ver in­ves­ti­men­to con­si­de­rá­vel, su­pe­rar ad­ver­sá­ri­os de ou­tros paí­ses do Mun­do. As an­de­bo­lis­tas da nos­sa se­lec­ção na­ci­o­nal mos­tra­ram nos úl­ti­mos Jo­gos Olím­pi­cos que têm gran­de po­ten­ci­al pa­ra en­fren­tar qual­quer ad­ver­sá­rio. Ho­je qual­quer ou­tra se­lec­ção de an­de­bol fe­mi­ni­na no mun­do te­me as an­de­bo­lis­tas an­go­la­nas do es­ca­lão sé­ni­or.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.