Ni­ko­lay Va­lu­ev es­treia em pro­gra­mas in­fan­tis

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AR­TU­RO ESCARDA | EFE

O ex-cam­peão mun­di­al de bo­xe Ni­ko­lay Ser­geye­vi­ch Va­lu­ev, co­nhe­ci­do co­mo “O Gi­gan­te Rus­so” e “Bes­ta do Les­te” por cau­sa de seu ta­ma­nho - 2,13 me­tros e 150 qui­los -, se­rá a par­tir de ama­nhã o “Gran­de Má­gi­co Bom” pa­ra mi­lhões de cri­an­ças que as­sis­tem ao pro­gra­ma in­fan­til mais po­pu­lar da te­le­vi­são rus­sa.

De as­pec­to ame­a­ça­dor e ca­ra de pou­cos ami­gos, se fo­rem le­va­das em con­ta mui­tas das su­as fo­to­gra­fi­as que cir­cu­lam pe­la in­ter­net, Va­lu­ev, de per­to, mos­tra in­te­li­gên­cia, tac­to e sen­so de hu­mor.

“Quan­do as mães e os pais me pe­dem que ti­re uma fo­to com os seus fi­lhos, al­guns de­les be­bés, sem­pre lhes per­gun­to se não têm me­do”, dis­se ele ao anun­ci­ar a sua de­ci­são de se tor­nar o no­vo co­a­pre­sen­ta­dor de um pro­gra­ma in­fan­til.

A cob­fe­rên­cia de im­pren­sa em ques­tão acon­te­ceu um mês de­pois da no­tí­cia de sua con­tra­ta­ção pe­lo pro­gra­ma, por is­so to­das as crí­ti­cas à con­tro­ver­sa apos­ta dos pro­du­to­res já ha­vi­am re­per­cu­ti­do na im­pren­sa e na in­ter­net, on­de mui­tos brin­ca­ram di­zen­do que as cri­an­ças te­rão pe­sa­de­los se vi­rem Va­lu­ev no pe­que­no écran.

“Tam­bém pen­sei que meu o as­pec­to fí­si­co po­de­ria as­sus­tar as cri­an­ças, em vez de pre­pa­rá-las pa­ra ir pa­ra a ca­ma. Mas de­pois lem­brei que, quan­do pe­go es­sas cri­an­ças que as mães me en­tre­gam no co­lo, pou­cas ve­zes al­gu­ma co­me­ça a cho­rar”, afir­mou o ex-bo­xe­a­dor.

Mas as fei­ções de Va­lu­ev e a sua car­rei­ra num des­por­to co­mo o bo­xe não são os úni­cos fac­to­res que le­vam al­guns a ques­ti­o­nar a sua con­tra­ta­ção. A ca­dei­ra de Va­lu­ev no Par­la­men­to pe­lo par­ti­do do pre­si­den­te Vla­di­mir Pu­tin, o Rús­sia Uni­da, e a de­fe­sa que ele fez de leis po­lé­mi­cas man­têm os crí­ti­cos em aler­ta, que te­mem que o “Tio Ni­co”, co­mo as cri­an­ças rus­sas o re­co­nhe­ce­rão no seu no­vo pa­pel, ten­ta­rá in­cul­car ne­les os va­lo­res “tra­di­ci­o­nais” de­fen­di­dos pe­lo che­fe de Es­ta­do.

Os mais pes­si­mis­tas ad­ver­tem que a be­li­ge­ran­te pro­pa­gan­da da te­le­vi­são es­ta­tal, im­pul­si­o­na­da pe­lo Krem­lin, es­ten­de os seus lon­gos bra­ços pa­ra as ge­ra­ções do fu­tu­ro, com a pre­ten­são de per­pec­tu­ar os seus dis­tor­ci­dos e re­tró­gra­dos va­lo­res ma­chis­tas, chau­vi­nis­tas e ho­mo­fó­bi­cos. O di­rec­tor da pro­du­to­ra res­pon­sá­vel pe­lo pro­gra­ma, Alek­san­dr Mi­troshen­kov, des­pre­za to­das as crí­ti­cas e ga­ran­te que con­tra­tou Va­lu­ev “não por­que é um po­lí­ti­co, mas por­que as cri­an­ças o vêem co­mo o gran­de má­gi­co bom e gos­tam de­le”.

A es­treia de Va­lu­ev no pro­gra­ma in­fan­til ad­qui­re tons ma­chis­tas olhan­do da pers­pec­ti­va cul­tu­ral do Oci­den­te - tra­di­ci­o­na­lis­tas no jar­gão rus­so -, de acor­do com to­dos os pre­sen­tes na con­fe­rên­cia de im­pren­sa. “As cri­an­ças, fi­nal­men­te, irão pa­ra a ca­ma em paz e tran­qui­li­da­de, se­gu­ras de que es­tão pro­te­gi­das por um ho­mem de ver­da­de”, afir­mou Ta­ti­a­na Tsi­va­re­va, directora do ca­nal es­ta­tal no qual o pro­gra­ma é trans­mi­ti­do.

Mi­troshen­kov la­men­ta a “fal­ta de um ho­mem em mui­tos la­res rus­sos” e de­fen­de que “de­ve­ria ha­ver um pai for­te em to­das as ca­sas”, en­quan­to An­na Mikhal­ko­va, que há 14 anos é apre­sen­ta­do­ra do pro­gra­ma, acre­di­ta que faz tem­po que era pre­ci­so no pal­co “um ho­mem que sai­ba pre­gar um pre­go”.

“Vol­ta­rei pa­ra os san­duí­ches e a cos­tu­ra”, de­cla­rou, sor­ri­den­te, a fi­lha do fa­mo­so ci­ne­as­ta Ni­ki­ta Mikhal­kov, co­nhe­ci­do pe­la sua pro­xi­mi­da­de do Krem­lin e pe­lo seu ape­go ao tra­di­ci­o­na­lis­mo.

En­quan­to is­so, “tio Ni­co”, de 43 anos e pai de três fi­lhos de di­fe­ren­tes ida­des, não es­con­de que seu ob­jec­ti­vo se­rá in­fluir “po­si­ti­va­men­te” as cri­an­ças de ho­je pa­ra mol­dar os adul­tos do ama­nhã, em­bo­ra sem­pre com a ideia de que tu­do o que se diz e se faz no pro­gra­ma “de­ve ser bon­do­so”.

“Na te­le­vi­são de ho­je há mui­ta pro­gra­ma­ção que po­de ser in­te­res­san­te pa­ra as cri­an­ças, mas, ape­sar de ser atra­en­te e co­lo­ri­da, nem sem­pre con­tém aqui­lo que qu­e­re­mos en­si­nar aos nos­sos fi­lhos”, ex­pli­cou. Pre­gar um pre­go na pa­re­de, co­mo dis­se Mikhal­ko­va, ou la­var as mei­as, co­mo fa­zia ele mes­mo quan­do cri­an­ça to­das as noi­tes an­tes de dor­mir, são al­gu­mas das coi­sas que Va­lu­ev quer en­si­nar às cri­an­ças.

“Que não pen­sem que o lei­te sai da cai­xa ven­di­da na lo­ja. Que che­guem per­to do pai ou da mãe e se ofe­re­çam pa­ra pre­gar um pre­go na pa­re­de e que se sin­tam or­gu­lho­sos de que aque­le qua­dro na sa­la fi­ca­rá pen­du­ra­do du­ran­te anos lá”, afir­mou Va­lu­ev.

O ho­mem que se tor­nou o pri­mei­ro cam­peão rus­so dos pe­sos pe­sa­dos pe­la As­so­ci­a­ção Mun­di­al de Bo­xe (AMB) vai di­vi­dir o pal­co com as po­pu­la­res ma­ri­o­ne­tes que de­ram boa noi­te a mui­tas ge­ra­ções de cri­an­ças no seu mais de meio sé­cu­lo de his­tó­ria. Um por­co, um co­e­lhi­nho, um fi­lho­te de cor­vo e de ca­chor­ro, en­tre ou­tros, são al­guns dos per­so­na­gens que apa­re­cem no pro­gra­ma, sem­pre acom­pa­nha­dos por um apre­sen­ta­dor adul­to e que, de se­gun­da a sex­ta-fei­ra, ten­ta en­si­nar al­go bom e útil pa­ra as cri­an­ças.

REU­TERS

An­ti­go cam­peão mun­di­al de pe­sos pe­sa­dos vai aju­dar as cri­an­ças a dor­mir em se­gu­ran­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.