In­tro­mis­sões e pri­va­ci­da­de

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Des­de os sé­cu­los XVII e XVI­II que a no­ção de pri­va­ci­da­de co­me­ça a me­re­cer uma aten­ção es­pe­cí­fi­ca no oci­den­te, os edi­fí­ci­os com quar­tos pri­va­dos (os avós dos mo­téis ac­tu­ais), os diá­ri­os pes­so­ais, etc. A pri­va­ci­da­de pas­sa por vá­ri­as pe­ri­pé­ci­as de ex­tre­mos, des­de a ine­xis­tên­cia “for­ça­da,”era o prin­cí­pio das so­fis­ti­ca­das es­cu­tas e ima­gens sem au­to­ri­za­ção do vi­sa­do, pas­san­do pe­lo sen­so co­lec­ti­vo da ne­ces­si­da­de e le­gi­ti­mi­da­de da pri­va­ci­da­de. Des­de já e nou­tro sen­ti­do, fa­ze­mos re­cur­so à con­cep­tu­a­li­za­ção da co­mu­ni­có­lo­ga ar­gen­ti­na Pau­la Si­bi­lia quan­do re­fe­re a “in­ti­mi­da­de co­mo es­pec­tá­cu­lo,” fe­nó­me­nos de mí­dia e com­por­ta­men­to – re­des so­ci­ais (Fa­ce­bo­ok, Or­kut), blogs na net, re­a­lity

shows (Big Brothers e si­mi­la­res), bi­o­gra­fi­as e re­vis­tas de fo­fo­cas que cer­tas se­nho­ras da­qui, re­ti­ram do avião no fim da vi­a­gem pa­ra ofe­re­ce­rem às ami­gas em ter­ra. Se­gun­do a au­to­ra que ci­tei as pes­so­as ab­di­cam da sua pri­va­ci­da­de pa­ra ob­te­rem be­ne­fí­ci­os. E cos­tu­ma até a ser ca­ri­ca­to ler-se nas ca­pas: VE­JA A AR­TIS­TA …na sua in­ti­mi­da­de. Aqui a pri­va­ci­da­de é um ne­gó­cio re­la­ci­o­na­do com o di­rei­to de ima­gem de gen­te fa­mo­sa que re­ce­be for­tu­nas pa­ra se ex­por ao pú­bli­co-al­vo que coin­ci­de com de­ter­mi­na­das for­ma­ções men­tais e ide­o­ló­gi­cas. Por is­so, nos con­tra­tos de gran­des cra­ques de fu­te­bol, os di­rei­tos de ima­gem são tra­ta­dos à par­te do con­tra­to de ser­vi­ço com a bo­la. É pa­ra­do­xal e per­ver­so re­ve­lar a pri­va­ci­da­de des­sas es­tre­las pois a par­tir de que é re­ve­la­do dei­xa de ser pri­va­ci­da­de mas é is­so que nu­ma vi­são freu­di­a­na dá go­zo aos con­su­mi­do­res de tais pro­du­tos… co­mo se es­ti­ves­sem so­zi­nhos a es­prei­tar, pe­lo bu­ra­co da fe­cha­du­ra, a vi­da dos seus ído­los…

Só com o art. 12 da DE­CLA­RA­ÇÃO UNI­VER­SAL DOS DI­REI­TOS HU­MA­NOS, das Na­ções Uni­das, se es­ta­be­le­ceu o di­rei­to à vi­da pri­va­da co­mo um dos di­rei­tos hu­ma­nos: 1.Nin­guém se­rá ob­jec­to de in­ge­rên­ci­as ar­bi­trá­ri­as ou ile­gais em sua vi­da pri­va­da, sua fa­mí­lia, seu do­mi­cí­lio ou 2.To­da a pes­soa tem di­rei­to à pro­tec­ção da lei con­tra es­sas in­ge­rên­ci­as ou es­ses ata­ques.”

O pro­fes­sor bra­si­lei­ro Tú­lio Vi­a­na da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais, dis­se­ca o di­rei­to à pri­va­ci­da­de num con­jun­to de três ou­tros di­rei­tos, a sa­ber: 1. Di­rei­to de não ser mo­ni­to­ra­do (não ser vis­to, ou­vi­do, etc.). 2. Di­rei­to de não ser re­gis­tra­do (ima­gens ou con­ver­sas gra­va­das) e 3. Di­rei­to de não ser re­co­nhe­ci­do (di­rei­to de não ter re­gis­tos pes­so­ais pu­bli­ca­dos) trans­cen­den­do as­sim, nas so­ci­e­da­des in­for­ma­ci­o­nais, os li­mi­tes de me­ro de in­te­res­se pri­va­do pa­ra se tor­nar um dos fun­da­men­tos do Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to.

Es­ta ma­té­ria tem li­ga­ções com os pi­ra­tas de ima­gem, os pa­pa­raz­zi, des­de os que con­se­gui­ram fo­to­gra­fi­as de uma gran­de se­nho­ra nua até aos que per­se­gui­am a prin­ce­sa Di­a­na… en­fim.

Ou­tro con­cei­to é o de Eric Hughes, “pri­va­ci­da­de é o po­der de re­ve­lar-se se­lec­ti­va­men­te ao mun­do.”

Mas o con­cei­to que pa­ra aqui me im­por­ta (mais ou me­nos coin­ci­den­te com o con­cei­to africano) é o de Rai­ner Kuh­ler. Pa­ra ele, pri­va­ci­da­de é o di­rei­to de ser dei­xa­do em paz.

Es­tou sen­ta­do a es­cre­ver no com­pu­ta­dor e com o te­le­fo­ne ao la­do. De vez em quan­do vem uma men­sa­gem a sa­ber se qu­e­ro mú­si­ca. Quem o faz não pre­ci­sa de des­co­brir o meu en­de­re­ço elec­tró­ni­co. Se uma pes­soa per­gun­ta a ou­tra, to­ne­la­das de ve­zes, se quer mú­si­ca e a ou­tra pes­soa nem tem opor­tu­ni­da­de de di­zer não qu­e­ro é ób­vio que é uma es­pé­cie de ir­re­me­diá­vel se­ques­tro. Ain­da se per­gun­tas­sem e pe­dis­sem res­pos­ta, tu­do fi­ca­ria re­sol­vi­do de uma vez. Cha­mei um afi­lha­do meu, en­ge­nhei­ro in­for­má­ti­co e ele dis­se-me que tu­do fun­ci­o­na au­to­ma­ti­ca­men­te e mes­mo que eu acei­te uma mú­si­ca no pres­su­pos­to de não me in­co­mo­da­rem mais, eles vão con­ti­nu­ar a não me dei­xar em paz.Co­lo­quei um jo­vem sur­do-mu­do, sa­ben­do ler e es­cre­ver bem, num su­per­mer­ca­do. Ou­tro dia eu es­ta­va com o te­le­fo­ne na mão e ele a ver uma men­sa­gem da im­po­si­ção da mú­si­ca, gar­ga­lhou, mos­trou-me o seu te­le­fo­ne e apon­tou o po­le­gar pa­ra a ca­be­ça. Na ver­da­de só chan­fús con­vi­dam um sur­do-mu­do pa­ra a mú­si­ca. Mas a par­te mais cha­ta é que eu nun­ca man­dei uma men­sa­gem, pa­ra mim é in­có­mo­do.

Abro o com­pu­ta­dor e a men­sa­gem re­pe­te-se. Ago­ra não é de mú­si­ca mas qua­tro pes­so­as que, mais seis pes­so­as que, re­pe­ti­da­men­te que­rem pa­leio co­mi­go no fa­ce­bo­ok que não uso. Nem res­pon­do. Até te­nho me­do pois ain­da tem aque­les que pe­dem di­nhei­ro em­pres­ta­do e os que que­rem em­pres­tar mi­lhões mas o pio é um tal de Clu­be (não di­go o no­me pa­ra o não pu­bli­ci­tar) que ob­te­ve o meu en­de­re­ço e por dia me man­da uma mé­dia en­tre se­te a dez men­sa­gens pa­ra me ven­der, cu­e­cas, per­fu­mes, sa­pa­tos e to­do o gé­ne­ro in­fi­ni­to de bu­gi­gan­gas. Es­cre­vi em re­tor­no por ci­ma de uma das men­sa­gens pe­din­do por fa­vor que não me en­vi­as­sem mais pro­pos­tas. Qual quê! Con­ti­nu­am. De­ve ser uma cai­xa de cor­reio in­ter­me­diá­ria de ven­das.

A paz é uma pa­la­vra tão boa e, por cau­sa de­la es­ta­mos nes­ta. En­tão, fi­quem com a mú­si­ca os sa­bo­ne­tes mas dei­xem-me em paz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.