A ne­go­ci­a­ção do acor­do co­mer­ci­al

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FRÉDÉRIC POUCHOT e ELI­SE D’EPENOUX | AFP

O go­ver­no fran­cês vai so­li­ci­tar em Se­tem­bro à Co­mis­são Eu­ro­peia o fim das ne­go­ci­a­ções en­tre a Eu­ro­pa e os Es­ta­dos Uni­dos pa­ra um gran­de acor­do co­mer­ci­al, o cha­ma­do TTIP, anun­ci­ou on­tem o se­cre­tá­rio de Es­ta­do fran­cês do Co­mér­cio Ex­ter­no. “Não exis­te mais apoio po­lí­ti­co da Fran­ça pa­ra as ne­go­ci­a­ções, as­sim o país pe­de o fim das ne­go­ci­a­ções”, afir­mou Matthi­as Fe­kl à rá­dio RMC.

Fe­kl jus­ti­fi­cou o pe­di­do por con­si­de­rar que as ne­go­ci­a­ções pa­ra cri­ar uma Par­ce­ria Tran­sa­tlân­ti­ca pa­ra o Co­mér­cio e o In­ves­ti­men­to (TTIP) es­tão de­se­qui­li­bra­das a fa­vor dos in­te­res­ses dos Es­ta­dos Uni­dos e não dos 27 Es­ta­dos mem­bros da União Eu­ro­peia.

“Os ame­ri­ca­nos não dão na­da ou ape­nas mi­ga­lhas, En­tre ali­a­dos não se ne­go­ceia as­sim”, la­men­tou o mi­nis­tro. Ele afir­mou que as ne­go­ci­a­ções te­rão que co­me­çar no­va­men­te mais tar­de. “Te­mos que pa­rar de ma­nei­ra cla­ra e de­fi­ni­ti­va es­tas ne­go­ci­a­ções pa­ra re­co­me­çar com no­vas ba­ses”, dis­se. Fe­kl tam­bém in­di­cou que a Fran­ça apre­sen­ta­rá o pe­di­do em Se­tem­bro, du­ran­te a reu­nião de mi­nis­tros do Co­mér­cio Ex­ter­no da Uniã Eu­ro­peia em Bra­tis­la­va (Es­lo­vá­quia).

O pre­si­den­te fran­cês, Fran­çois Hol­lan­de, afir­mou pou­co de­pois que não ha­ve­rá acor­do so­bre o TTIP até ao fim do man­da­to do pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Ba­rack Oba­ma. “As ne­go­ci­a­ções em cur­so so­bre o tra­ta­do en­tre a Eu­ro­pa e os Es­ta­dos Uni­dos não po­de­rão de­sem­bo­car num acor­do an­tes do fim do ano”, dis­se Hol­lan­de num dis­cur­so na con­fe­rên­cia dos em­bai­xa­do­res no pa­lá­cio do Eli­seu.

“A Fran­ça pre­fe­re en­ca­rar o pro­ble­ma de fren­te e não cri­ar a ilu­são de fe­char um acor­do an­tes do fim do man­da­to do Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos”, acres­cen­tou Hol­lan­de.

O se­cre­tá­rio do Co­mér­cio não dis­se quan­do nem em que con­di­ções po­de­ri­am co­me­çar as no­vas ne­go­ci­a­ções. Mas o ca­len­dá­rio apon­ta pa­ra de­pois da elei­ção de um no­vo Pre­si­den­te nos Es­ta­dos Uni­dos, que só vai to­mar pos­se em 2017.

Os dois prin­ci­pais can­di­da­tos à pre­si­dên­cia ame­ri­ca­na, a de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton e o re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump, já cri­ti­ca­ram du­ra­men­te o TTIP.

O acor­do, ne­go­ci­a­do em si­gi­lo en­tre Washing­ton e a Co­mis­são Eu­ro­peia des­de me­a­dos de 2013, tem o ob­jec­ti­vo de su­pri­mir as me­di­das re­gu­la­men­ta­res e co­mer­ci­ais pa­ra cri­ar uma gran­de zo­na de li­vre co­mér­cio e es­ti­mu­lar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co

Mas nos úl­ti­mos me­ses as ne­go­ci­a­ções fo­ram afec­ta­das pe­las crí­ti­cas de mui­tas ONG, que te­mem que o tra­ta­do afec­te a le­gis­la­ção eu­ro­peia na área do am­bi­en­te a fa­vor das gran­des em­pre­sas.

Tam­bém são ca­da vez mai­o­res as dú­vi­das dos pró­pri­os go­ver­nos eu­ro­peus. Na Ale­ma­nha, mui­tas vo­zes são con­trá­ri­as ao acor­do, in­clu­si­ve den­tro da co­a­li­ga­ção de go­ver­no. Mas a chan­ce­ler An­ge­la Mer­kel de­fen­de o pro­jec­to.

Ho­ras de­pois das de­cla­ra­ções dos re­pre­sen­tan­tes fran­ce­ses, a Ca­sa Bran­ca afir­mou que ain­da es­pe­ra con­cluir as ne­go­ci­a­ções até ao fim do ano. O por­ta-voz pre­si­den­ci­al Josh Ear­nest dis­se que Ba­rack Oba­ma vai en­vi­ar o seu re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al à Eu­ro­pa nos pró­xi­mos me­ses.

A co­mis­sá­ria eu­ro­peia do Co­mér­cio, Ce­ci­lia Malms­tröm, tam­bém res­pon­deu à ques­tão e afir­mou que as ne­go­ci­a­ções so­bre o TTIP “não fra­cas­sa­ram”. “As ne­go­ci­a­ções são di­fí­ceis, com cer­te­za, sa­bía­mos des­de o iní­cio, mas não fra­cas­sa­ram”, dis­se ela à im­pren­sa em Bru­xe­las. “Tí­nha­mos o ob­jec­ti­vo e con­ti­nu­a­mos a ter, de con­cluir (as ne­go­ci­a­ções) até ao fim do man­da­to de Oba­ma em Ja­nei­ro de 2017”. “E, se is­to não for pos­sí­vel, é ló­gi­co fa­zer o mai­or pro­gres­so pos­sí­vel”, acres­cen­tou. “Sei que o de­ba­te tem si­do mui­to du­ro nos dois paí­ses, tan­to em Fran­ça co­mo na Ale­ma­nha. Não sei por que ra­zão os co­men­tá­ri­os são fei­tos nes­te mo­men­to”, dis­se Malms­tröm. “Mas is­to não re­for­ça a mi­nha po­si­ção co­mo ne­go­ci­a­do­ra”, con­cluiu a co­mis­sá­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.