ONU re­co­men­da ma­nu­ten­ção das san­ções

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Con­se­lho de Se­gu­ran­ça ana­li­sou on­tem à por­ta fe­cha­da a cri­se na Guiné-Bissau, após o en­vi­a­do es­pe­ci­al da ONU ao país, Mo­di­bo Tou­ré, apre­sen­tar o pri­mei­ro re­la­tó­rio pro­du­zi­do sob sua su­per­vi­são ao ór­gão, e pou­cos di­as de­pois de a Co­mis­são de Con­so­li­da­ção da Paz emi­tir um co­mu­ni­ca­do no qual ma­ni­fes­ta pre­o­cu­pa­ção com o im­pas­se po­lí­ti­co gui­ne­en­se.

O re­la­tó­rio apre­sen­ta­do on­tem ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça re­co­men­da a ma­nu­ten­ção das san­ções à Gui­néBis­sau por exis­tir “am­plo con­sen­so” de que es­tas “im­pe­dem o en­vol­vi­men­to di­rec­to das for­cas de se­gu­ran­ça e de­fe­sa na de­te­ri­o­ran­te si­tu­a­ção po­lí­ti­ca” que o país en­fren­ta des­de Agos­to de 2015.

Uma das san­ções, é re­fe­ri­do no do­cu­men­to, é a proi­bi­ção de sair do país de 11 mi­li­ta­res en­vol­vi­dos no gol­pe de Es­ta­do de 2012 que con­ti­nu­am nas For­ças Ar­ma­das e, à ex­cep­ção de três, nas mes­mas fun­ções.

Os mi­li­ta­res, tam­bém é ad­ver­ti­do no re­la­tó­rio, têm es­ta­do à mar­gem da cri­se po­lí­ti­ca “mas o ris­co de uma in­ter­ven­ção po­de au­men­tar se a cri­se po­lí­ti­ca per­sis­tir, se a re­for­ma de sec­to­res re­le­van­tes não avan­çar e se a pre­cá­ria si­tu­a­ção or­ça­men­tal im­pe­dir o pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os aos sol­da­dos”.

No do­cu­men­to, o Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das re­co­men­da o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça “a man­ter a si­tu­a­ção ac­tu­al e en­vi­ar uma men­sa­gem cla­ra a to­dos os ci­da­dãos da Guiné-Bissau: o re­gi­me de san­ções é apli­cá­vel a to­dos, in­de­pen­den­te­men­te da fi­li­a­ção po­lí­ti­ca e/ou ins­ti­tu­ci­o­nal”.

Ban Ki-mo­on, que tam­bém re­co­men­da a vi­si­ta do pre­si­den­te do Co­mi­té de San­ções da ONU à Gui­néBis­sau, su­bli­nha que “os pro­gres­sos na Guiné-Bissau após as elei­ções de 2014, atra­vés da for­ma­ção de um go­ver­no le­gí­ti­mo, in­clu­si­vo e de­mo­crá­ti­co, fo­ram am­pla­men­te re­ver­ti­dos nos úl­ti­mos 12 me­ses”.

“Três mu­dan­ças su­ces­si­vas de go­ver­no e um pro­lon­ga­do pe­río­do de pa­ra­li­sia po­lí­ti­ca en­fra­que­ce­ram ain­da mais as ins­ti­tui­ções do es­ta­do, a im­ple­men­ta­ção de re­for­mas cha­ve nos sec­to­res da de­fe­sa, se­gu­ran­ça e jus­ti­ça foi sus­pen­sa e a pres­ta­ção de ser­vi­ços bá­si­cos foi ne­ga­ti­va­men­te afec­ta­da”, é re­fe­ri­do no re­la­tó­rio.

Ins­ti­tui­ções co­mo o Ban­co Mun­di­al, o Ban­co Africano de De­sen­vol­vi­men­to e a União Eu­ro­peia sus­pen­de­ram o apoio or­ça­men­tal ao país, si­tu­a­ção que po­de ter um “im­pac­to de­vas­tan­te” por 80 por cen­to do apoio gui­ne­en­se vir da aju­da in­ter­na­ci­o­nal, con­clui o re­la­tó­rio.

O do­cu­men­to ac­tu­a­li­za os prin­ci­pais acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos, de se­gu­ran­ça, di­rei­tos hu­ma­nos, e de­sen­vol­vi­men­tos nas áre­as eco­nó­mi­ca e hu­ma­ni­tá­ria des­de o re­la­tó­rio an­te­ri­or, de 12 de Fe­ve­rei­ro de 2012.

Ame­a­ça da Al-Qa­e­da

O re­la­tó­rio on­tem di­vul­ga­do aler­ta ain­da que a Al-Qa­e­da no Ma­gre­be Is­lâ­mi­co po­de ex­pan­dir pa­ra a Guiné-Bissau “apro­vei­tan­do-se da ins­ta­bi­li­da­de pa­ra ga­nhar pre­sen­ça e avan­çar a sua agen­da de ex­tre­mis­mo vi­o­len­to”. Em Mar­ço des­te ano, é lem­bra­do no re­la­tó­rio, qua­tro in­di­ví­du­os sus­pei­tos de co­la­bo­rar com or­ga­ni­za­ções li­ga­das à AlQa­e­da fo­ram per­se­gui­dos e de­ti­dos ao cru­zar a fron­tei­ra.

É ain­da su­bli­nha­do que “exis­tem re­cei­os na re­gião de que o país se pos­sa tor­nar um al­vo pa­ra in­cur­sões ter­ro­ris­tas, por, no mo­men­to pre­sen­te, a ca­pa­ci­da­de do go­ver­no res­pon­der a es­ta ame­a­ça ou pos­sí­veis ame­a­ças de cri­me or­ga­ni­za­do trans­na­ci­o­nal, co­mo o trá­fi­co de dro­ga, con­ti­nu­ar li­mi­ta­da”.

Par­la­men­to gui­ne­en­se

Um dia an­tes da apre­sen­ta­ção des­te re­la­tó­rio, o Che­fe de Es­ta­do gui­ne­en­se, Jo­sé Má­rio Vaz, ga­ran­tiu que en­quan­to exer­cer a fun­ção “o Par­la­men­to nun­ca se­rá dis­sol­vi­do” e acon­se­lhou a clas­se po­lí­ti­ca a “al­can­çar en­ten­di­men­tos pa­ra o fim do im­pas­se po­lí­ti­co”.

Jo­sé Má­rio Vaz, que fez a de­cla­ra­ção à che­ga­da ao ae­ro­por­to de Bissau, de­pois de uma bre­ve vi­si­ta ao Su­dão, su­bli­nhou que a sua pre­o­cu­pa­ção é que ha­ja en­ten­di­men­to en­tre os gui­ne­en­ses pa­ra que ha­ja uma so­lu­ção pa­ra a saí­da da cri­se, ra­zão pe­la qual afas­tou es­sa hi­pó­te­se de for­ma ca­te­gó­ri­ca.

“Nun­ca. Nem ho­je, nem ama­nhã, nem nun­ca. O Par­la­men­to nun­ca se­rá dis­sol­vi­do en­quan­to eu for Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”, pro­me­teu.

Pa­ra Jo­sé Má­rio Vaz, a cri­se po­lí­ti­ca que o país vi­ve há mais de um ano “não tem na­da que ver com a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca”. E ques­ti­o­na­do por o Go­ver­no de Ba­ci­ro Djá es­tar há mais de 60 di­as sem ter o seu pro­gra­ma apro­va­do pe­lo Par­la­men­to, co­mo man­da a lei gui­ne­en­se, re­me­teu pa­ra o pri­mei­ro­mi­nis­tro a res­pos­ta so­bre o as­sun­to.

A lei gui­ne­en­se con­si­de­ra ile­gal o Go­ver­no que não te­nha o pro­gra­ma apro­va­do pe­lo Par­la­men­to após 60 di­as em fun­ções, de­ven­do, nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, o Che­fe de Es­ta­do de­mi­tir o exe­cu­ti­vo.

Jo­sé Má­rio Vaz dis­se que se vai li­mi­tar “a res­pei­tar a Cons­ti­tui­ção do país”, sem es­pe­ci­fi­car o que ten­ci­o­na fa­zer, e nu­ma al­tu­ra em que vá­ri­os sec­to­res po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses de­fen­dem a dis­so­lu­ção do Par­la­men­to co­mo úni­ca for­ma pa­ra ul­tra­pas­sar o im­pas­se.

Es­ta é a se­gun­da cri­se po­lí­ti­ca na Guiné-Bissau des­de Abril de 2012, quan­do hou­ve um gol­pe de es­ta­do que des­ti­tuiu o go­ver­no e ti­rou o pre­si­den­te in­te­ri­no do pos­to.

JAIMAGENS.COM

Guiné-Bissau po­de ser al­vo de gru­pos ter­ro­ris­tas de­vi­do à fra­gi­li­da­de das su­as ins­ti­tui­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.