In­dús­tria fo­men­ta trans­for­ma­ção de ma­dei­ra

DE­CRE­TO REGULA EX­PLO­RA­ÇÃO Me­di­da vi­sa a cri­a­ção de mais pos­tos de tra­ba­lho com a ex­pan­são de in­ves­ti­men­tos

Jornal de Angola - - MUNDO -

A ma­dei­ra em ex­plo­ra­ção dei­xa de cir­cu­lar em to­ro, em 2017, fo­ra da pro­vín­cia do Moxico, na sequên­cia do de­cre­to 199 de 22 de Abril des­te ano, pa­ra per­mi­tir a sua trans­for­ma­ção em tá­bu­as, bar­ro­tes, ta­cos e con­tra­pla­ca­dos, anun­ci­ou on­tem Isa­ac Vic­tor, che­fe de de­par­ta­men­to do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF) na pro­vín­cia do Moxico.

O de­cre­to vi­sa a agre­ga­ção de va­lor e au­men­tar a cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho, pe­la ine­xis­tên­cia do seg­men­to da trans­for­ma­ção.

Com a me­di­da, os ex­plo­ra­do­res de ma­dei­ra são obri­ga­dos a re­a­li­zar in­ves­ti­men­tos no seg­men­to da trans­for­ma­ção do pro­du­to, com a im­plan­ta­ção de ser­ra­ção nas áre­as de ex­plo­ra­ção ou na ci­da­de do Lu­e­na.

Isa­ac Vic­tor, che­fe de de­par­ta­men­to do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF) na pro­vín­cia do Moxico, dis­se à An­gop que aca­bar com o trans­por­te de ma­dei­ra em to­ro cons­ti­tui uma ori­en­ta­ção ex­pres­sa no de­cre­to n.º 199 de 22 de Abril do ano em cur­so.

“Es­ta é uma ori­en­ta­ção ex­pres­sa e, à luz do de­cre­to n.º 199 de 22 de Abril de 2016, já es­tá re­gu­la­men­ta­do que a par­tir de 2017 a ma­dei­ra não po­de cir­cu­lar fo­ra da pro­vín­cia em to­ro, sem que es­te­ja trans­for­ma­da em bar­ro­tes e tá­bu­as. Es­ta­mos a pas­sar a men­sa­gem a to­dos quan­tos es­tão in­te­res­sa­dos na sua ex­plo­ra­ção”, es­cla­re­ce o res­pon­sá­vel pe­lo li­cen­ci­a­men­to dos ma­dei­rei­ros. Em 2016, dis­se Isa­ac Vic­tor, o Ins­tí­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal pro­cu­rou en­sai­ar es­te prin­cí­pio e, de al­gum mo­do, es­tá a dar os seus re­sul­ta­dos, mas não ta­xa­ti­va­men­te por ser ain­da um pe­río­do de gra­ça, pa­ra per­mi­tir que a men­sa­gem che­gue a to­dos de que, a par­tir de 2017, não ha­ja ma­dei­ra que pos­sa ser trans­por­ta­da em to­ro.

Isa­ac Vic­tor as­se­gu­ra que gran­des in­ves­ti­men­tos no sec­tor da trans­for­ma­ção pas­sam a ser re­a­li­za­dos nos pró­xi­mos tem­pos, por­que a im­plan­ta­ção de ser­ra­ções de gran­de e mé­dia di­men­são im­pli­ca a mo­bi­li­za­ção de mui­tos re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

“Trans­for­man­do a ma­dei­ra, ou na área de cor­te ou na se­de da pro­vín­cia te­re­mos mui­to a ga­nhar, por­que vai agre­gar va­lor e mui­tos dos jo­vens po­dem en­con­trar aí o seu em­pre­go. São ab­sor­vi­dos no mer­ca­do de em­pre­go, au­men­tan­do a sua ren­da e po­dem aju­dar no sus­ten­to das su­as fa­mí­li­as”, de­cla­rou Isa­ac Vic­tor.

De acor­do com o pro­ces­so de ca­da ma­dei­rei­ro en­tre­gue pa­ra es­te ano, num to­tal de 65 em­pre­sas en­vol­vi­das, se ca­da um em­pre­gar pe­lo me­nos dez tra­ba­lha­do­res, só na área de cor­te pas­sam a tra­ba­lhar 650 pes­so­as. Adi­ci­o­nan­do o trans­por­te, a trans­for­ma­ção, a co­zi­nha, os ser­vi­ços ad­mi­nis­tra­ti­vos, es­tes nú­me­ros po­dem cres­cer subs­tan­ci­al­men­te nos pró­xi­mos anos. “Quan­do re­me­te­ram os pro­ces­sos, con­ta­ram ape­nas com o cor­te e a trans­por­ta­ção. Ago­ra, com es­ta no­va ori­en­ta­ção, nal­guns ca­sos as em­pre­sas têm de ad­mi­tir mais pes­so­al, pa­ra que ha­ja na­tu­ral­men­te flui­dez no tra­ba­lho que vão re­a­li­zar”, afir­mou Isa­ac Vic­tor. Da­do o con­tex­to que o país vi­ve, ca­rac­te­ri­za­do pe­la cri­se cau­sa­da pe­la que­da do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, Isa­ac Vic­tor acre­di­ta que a ma­dei­ra é o pro­du­to que mais vai con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to do Moxico. No pas­sa­do, em­bo­ra o nú­me­ro da po­pu­la­ção fos­se mais re­du­zi­do do que ac­tu­al­men­te, a pro­vín­cia do Moxico era uma re­fe­rên­cia na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal na pro­du­ção de ma­dei­ra e do ar­roz.

São os dois pro­du­tos ba­si­la­res que fi­ze­ram que a ci­da­de pu­des­se cres­cer.

Nes­te mo­men­to, a re­gião con­ta com cin­co pro­jec­tos li­ga­dos à trans­for­ma­ção da ma­dei­ra, no âm­bi­to do pro­gra­ma do Exe­cu­ti­vo que vi­sa mai­or apoio ao em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal.

No âm­bi­to do pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, pa­ra a re­gião do Moxico, foi elei­ta a pro­du­ção de ma­dei­ra e de ar­roz.

“Já es­te­ve aqui o Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF), na pes­soa do seu di­rec­tor, e reu­niu-se com as em­pre­sas elei­tas. Es­tá-se a tra­ba­lhar pa­ra ver se es­tas ins­ti­tui­ções pos­sam ter fi­nan­ci­a­men­to no bié­nio 2016/2017”, in­for­mou o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Ma­dei­rei­ros da mes­ma pro­vín­cia, Fre­de­ri­co Pau­li­no.

“Ago­ra, to­das as em­pre­sas que­rem uti­li­zar a ma­dei­ra co­mo di­vi­sa, mas ca­be ao Go­ver­no se­lec­ci­o­nar ins­ti­tui­ções idó­ne­as que vão aju­dar, com a sua ac­ti­vi­da­de, na ar­re­ca­da­ção de mo­e­das es­tran­gei­ras pa­ra o país”, acres­cen­tou Fre­de­ri­co Pau­li­no.

As em­pre­sas de trans­for­ma­ção, dis­se o res­pon­sá­vel, vão ter li­nhas de pro­ces­sa­men­to de ma­dei­ra em blo­cos, tá­bu­as, pran­chas, vigas, bar­ro­tes, ta­cos, en­tre ou­tros de­ri­va­dos da ma­dei­ra.

Fre­de­ri­co Pau­li­no ga­ran­tiu que, à me­di­da que as em­pre­sas ga­nhem mai­or ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra, a pro­vín­cia vai agre­gar a pro­du­ção de con­tra­pla­ca­dos.

DOMBELE BER­NAR­DO

Ex­plo­ra­do­res de ma­dei­ra na pro­vín­cia do Moxico são obri­ga­dos a re­a­li­zar mais in­ves­ti­men­tos no seg­men­to da trans­for­ma­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.